O que é interesse

interesse | s. m. 1ª pess. sing. pres. conj. de interessar 3ª pess. sing. imp. de interessar 3ª pess. sing. pres. conj. de interessar
in·te·res·se |ê| in·te·res·se |ê|
substantivo masculino

1. Proveito, utilidade, conveniência, vantagem.

2. Lucro.

3. Juros.

4. Parte dos lucros que toca a cada sócio.

5. Atenção.

6. Importância, valor.

7. Desejo de ganhos.

8. Cobiça.

9. Empenho.

10. Desejo veemente.
in·te·res·sar in·te·res·sar – Conjugar
(interesse + -ar )
verbo transitivo

1. Dar interesse.

2. Associar.

3. Fazer despertar o interesse ou a curiosidade.

4. Despertar a simpatia de; não ser indiferente a.

5. Lucrar.verbo intransitivo

6. Auferir interesses, lucros ou proveito.

7. Ser interessante. = IMPORTARverbo pronominal

8. Ver interesse em (ex.: interessou-se pelo assunto).

9. Tomar interesse; empenhar-se.

10. Associar-se.


substantivo masculino O que se considera relevante, vantajoso, útil: projeto de interesse nacional.
Tendência para o que traz benefícios: só vai à sua casa por interesse.
Qualidade do que se destaca, chama atenção: espetáculo de grande interesse.
Relevância atribuída a algo; importância: uma opinião de interesse geral.
Modo de agir que expressa benevolência: tinha interesse pelos pacientes.
Num estabelecimento, a parte dos lucros atribuída ao empregado.
Lucros provenientes de juros sobre um determinado valor ou capital.
Etimologia (origem da palavra interesse). Do latim interesse.


Interesse designa em psicologia uma disposição de juízo dirigida a uma ação ou atividade: assim as pessoas se diferenciam com relação a quais atividades são consideradas atrativas e quais não o são. Interesse se diferencia de motivo, uma vez que este se refere ao juízo das consequências da ação: as pessoas se diferenciam, por exemplo, com relação a quanto o sucesso ou o reconhecimento é importante para elas.
Quando várias pessoas cooperaram pelo mesmo objetivo, há uma harmonia de interesses.
Apesar da relevância do conceito de interesse tanto para a psicologia do trabalho (escolha de pessoal), para psicologia pedagógica (aconselhamento vocacional) e para a psicologia do lazer (interesse por determinados Hobbys, esportes, lugares de férias), a pesquisa científica nessa área se encontra muito pouco desenvolvida.
Será Ovide Decroly que no início do século XX que pela primeira vez postulou o interesse como pressuposto básico para a aprendizagem na Educação. Para ele, esse estado desperto da criança estaria na base de toda actividade, incitando-a a observar, associar, expressar. Acreditava que aprendizagens ocorreriam de maneira espontânea pelo contacto com o meio, de onde proviriam estímulos que para onde as crianças direccionariam suas questões.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *