O que é malandragem

substantivo feminino Comportamento próprio de malandro, de quem gosta de viver de modo boêmio, sem trabalhar; malandrice.
Ausência de atividade; falta de trabalho; vadiagem, ociosidade.
Modo de vida de quem prefere agir irresponsavelmente, sem preocupações, buscando diversão.
Qualidade de esperto, de quem é hábil, malicioso, ardil; malícia.
Perspicácia e talento ao confrontar um inimigo ou adversário.
Etimologia (origem da palavra malandragem). Malandro + agem.


Malandragem define-se como um conjunto de artimanhas utilizadas para se obter vantagem em determinada situação (vantagens estas, muitas vezes, ilícitas). Por exemplo, utilizar-se de esperteza para não trabalhar. Caracteriza-se pela engenhosidade e sutileza. Sua execução exige destreza, carisma, lábia e quaisquer características que permitam a manipulação de pessoas ou resultados, de forma a obter o melhor destes, e da maneira mais fácil possível. Contradiz a argumentação lógica, o labor e a honestidade, pois a malandragem pressupõe que tais métodos são incapazes de gerar bons resultados. Aquele que pratica a malandragem (o “malandro”) age como no popular adágio brasileiro, imortalizado sob o nome de Lei do Gerson: “gosto de levar vantagem em tudo”.
Junto ao jeitinho, a malandragem pode ser considerada um comportamento tipicamente (mas não unicamente) brasileiro; porém, diferentemente do jeitinho, na malandragem a integridade de instituições e de indivíduos pode ser efetivamente lesada, e de forma juridicamente definível como dolosa. No entanto, a malandragem bem-sucedida pressupõe que se obtenham vantagens sem que sua ação se faça perceber. Em termos mais populares, o “malandro” “engana” o “otário” (vítima) sem que este perceba ter sido enganado.
Tal como o jeitinho, a malandragem é um recurso de esperteza, utilizado por indivíduos de pouca influência social, ou socialmente desfavorecidos. Isso não impede a malandragem de ser igualmente utilizada por indivíduos mais bem posicionados socialmente. Através da malandragem, obtêm-se vantagens ilícitas em jogos de azar, nos negócios e na vida social em sua totalidade. Pode-se considerar “malandro” o patrão que “dá um jeito” de não pagar os funcionários tal como deveria; ou o “jogador” que manipula as cartas e leva, para si, toda uma rodada de apostas.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *