dinheiro

dinheiro | s. m.
di·nhei·ro
(latim denarius, -ii, denário, moeda de prata que valia dez asses )
nome masculino

1. Meio de troca, sob a forma de moedas ou notas, usado na aquisição de bens, na compra de serviços, de mão-de-obra, ou noutras transacções financeiras, emitido pelo governo de cada país.

2. Nota ou moeda usada como meio de troca (ex.: não tinha dinheiro na carteira).

3. Tudo o que pode ter um valor pecuniário (ex.: tem em casa muito dinheiro em obras de arte).

4. Qualquer montante pecuniário.

5. [Por extensão]   [Por extensão]   Riqueza, fortuna (ex.: teve de trabalhar muito para ter o dinheiro que tem hoje).

6. [Economia]   [Economia]   Moeda divisionária que corresponde à centésima parte da libra esterlina. = PÉNI

7. [Numismática]   [Numismática]   Antiga moeda romana.

8. [Numismática]   [Numismática]   Antiga moeda portuguesa de cobre.

dinheiro papel • Notas do banco.

dinheiro trocado • Número de moedas de pouco valor que em conjunto constitui valor igual ao de uma só moeda ou nota. = TROCO

dinheiro vivo • Dinheiro em notas ou em moedas (ex.: não aceitam cheques nem cartões, só dinheiro vivo).

reduzir a dinheiro • Vender.


substantivo masculino Cédula ou moeda usada como forma de pagamento.
Bens materiais; riqueza, fortuna.
Modo de pagamento que, tanto no formato de cédulas como no de moedas, é emitido e regido pelo governo de cada nação.
[Economia] O que se consegue converter para dinheiro; diz-se das ações, títulos etc., que podem ser convertidos em dinheiro.
[Economia] Qualquer quantia designada em dinheiro.
expressão Dinheiro quente. Capitais que se movem rápido de um lugar para outro, para aproveitar as variações das taxas de juros; reservas monetárias ou capitais de investimento empregados a curto prazo na compra de moeda estrangeira, visando ao lucro com as diferenças no câmbio (hot money).
Etimologia (origem da palavra dinheiro). Do latim denarius.ii.


O dinheiro é o meio usado na troca de bens, na forma de moedas ou notas (cédulas), usado na compra de bens, serviços, força de trabalho, divisas estrangeiras ou nas demais transações financeiras, emitido e controlado pelo governo de cada país, que é o único que tem essa atribuição. É também a unidade contábil. Seu uso pode ser implícito ou explícito, livre ou por coerção. Acredita-se que a origem da palavra remete à moeda portuguesa de mesmo nome (o dinheiro).
A emergência do dinheiro não depende de uma autoridade central ou governo. É um fenômeno do mercado; na prática, entretanto, os tipos de moeda mais aceitas atualmente são aquelas produzidas e sancionadas pelos governos. A maior parte dos países possuem um padrão monetário específico — um dinheiro reconhecido oficialmente, possuindo monopólio sobre sua emissão. Algumas exceções são o euro (usado por diversos países europeus) e o dólar (utilizado em todo mundo).
O dinheiro em si é um bem escasso. Muitos itens podem ser usados como dinheiro, desde metais e conchas raras até cigarros ou coisas totalmente artificiais como notas bancárias. Em épocas de escassez de meio circulante, a sociedade procura formas de contornar o problema (dinheiro de emergência), o importante é não perder o poder de troca e compra. Podem substituir o dinheiro governamental: cupons, passes, recibos, cheques, vales, notas comerciais entre outros.
Na sociedade ocidental moderna o dinheiro é essencialmente um símbolo – uma abstração. Atualmente as notas são o tipo mais comum de dinheiro utilizado. No entanto bens como ouro e prata mantêm muitas das características essenciais do dinheiro.




Deixe um comentário