fobia

fobia | s. f. -fobia | elem. de comp.
fo·bi·a
(grego fóbos, -ou, medo + -ia )
substantivo feminino

1. [Psicopatologia]   [Psicopatologia]   Receio patológico persistente.

2. Medo exagerado ou grande aversão.
-fobia -fobia
(grego fóbos, -ou, medo + -ia )
elemento de composição

Exprime a noção de medo patológico ou aversão a (ex.: gimnofobia).


substantivo feminino Sentimento exagerado de medo ou aversão a: fobia de água, de escuro, de aranhas, de insetos etc.
[Patologia] Sensação patológica de angústia intensa e persistente, caracterizada pela aversão a certos objetos, circunstâncias, sentimentos etc.; horror, pavor: fobia de baratas; fobia do mar; fobia de avião.
Etimologia (origem da palavra fobia). Do grego phóbos, pelo francês phobie.


Fobia é um tipo de perturbação da ansiedade caracterizado por medo ou aversão persistente a um objeto ou uma situação. As fobias geralmente causam o aparecimento súbito de medo e estão presentes por mais de seis meses. A pessoa afetada exerce grandes esforços para evitar a situação ou o objeto, geralmente a um grau superior em relação ao perigo real do próprio objeto ou situação. Quando não é possível o objeto ou a situação serem evitados, a pessoa afetada apresenta sinais acentuados de aflição. No caso de fobia ao sangue ou a ferimentos pode ocorrer desmaio, e no caso de agorafobia são comuns ataques de pânico. Geralmente, um indivíduo apresenta fobias a diversos objetos ou situações.As fobias podem ser divididas em fobias específicas, fobias sociais e agorafobia. Entre os tipos de fobias específicas estão fobias a determinados animais, situações no ambiente natural, sangue, ferimentos ou outro tipo de situações específicas. As mais comuns são o medo de aranhas, medo de cobras e medo das alturas. Em alguns casos, as fobias são desencadeadas por uma experiência negativa com o objeto ou a situação. As fobias sociais são as fobias em que a pessoa afetada tem receio do julgamento de outras pessoas. A agorafobia é o medo de uma situação de que a pessoa sente que não é possível fugir.As fobias específicas podem ser tratadas com terapia de exposição, na qual a pessoa é introduzida à situação ou objeto em questão até o medo ser vencido. Neste tipo de fobias a medicação não tem utilidade. As fobias sociais e a agorafobia são muitas vezes tratadas com uma combinação de psicoterapia e medicação. Entre os medicamentos usados estão os antidepressivos, benzodiazepinas ou betabloqueadores.As fobias específicas afetam entre 6 e 8% das pessoas no mundo ocidental e entre 2 e 4% das pessoas na Ásia, África Subsaariana e Leste Europeu. As fobias sociais afetam 7% das pessoas nos Estados Unidos e 0,5–2,5% das pessoas no resto do mundo. A agorafobia afeta 1,7% das pessoas. As mulheres são afetadas o dobro dos homens. A idade média em que a condição se manifesta pela primeira vez é entre os 10 e os 17 anos. A prevalência é menor à medida que a idade avança. As pessoas com fobias apresentam um risco acrescido de suicídio.