homo

homo | s. m. homo- | elem. de comp.
homo |ómò|
(palavra latina que significa “homem, ser humano” )
nome masculino

1. [Antropologia]   [Antropologia]   Género de primatas antropóides ao qual pertence a espécie humana. (Com inicial maiúscula.)

2. Ser humano.

Homo erectus • [Antropologia]   • [Antropologia]   Primata antropóide do paleolítico inferior, que tinha uma postura erecta e se deslocava sobre os dois pés.

Homo faber • Conceito do ser humano como ser capaz de fabricar ou criar com ferramentas e inteligência.

Homo habilis • [Antropologia]   • [Antropologia]   Primata antropóide do paleolítico inferior.

Homo sapiens • [Antropologia]   • [Antropologia]   Primata antropóide do paleolítico inferior, que deu origem ao homem moderno.

Homo sapiens • [Antropologia]   • [Antropologia]   Subdivisão Homo sapiens a que pertence o homem moderno.Plural: homines. Plural: homines.
homo- homo-
(grego homós, -ê, -ón, o mesmo, igual, comum )
elemento de composição

1. Exprime a noção de igual, semelhante (ex.: homofonia).

2. Exprime a noção de homossexual (ex.: homoerotismo).


substantivo masculino Gênero (Homo) de mamíferos bípedes, tipo e único representante sobrevivente da família dos Hominídeos, cuja única espécie recente (Homo sapiens) abrange toda a humanidade atual e vários homens extintos; gênero do homem.
Etimologia (origem da palavra homo). Do latim homo.


Homo é o gênero que inclui automaticamente os humanos modernos (Homo sapiens sapiens) e espécies estreitamente relacionadas com eles. Estima-se que o gênero tenha se iniciado há cerca de 2,5-3,2 milhões de anos, evoluindo de ancestrais australopitecíneos com o surgimento do Homo habilis. O H. habilis, especificamente, é considerado descendente direto do Australopithecus garhi, que viveu há cerca de 2,5 milhões de anos. Ainda, em maio de 2010, o Homo gautengensis foi descoberto, uma espécie que acredita-se ser ainda mais antiga que o H. habilis. Mais recentes descobertas fósseis na mesma região, incluindo as icónicas pegadas Laetoli da Tanzânia, de 3,7 milhões de anos, que mostram pés semelhantes a humanos e locomoção vertical, cimentaram a ideia de que os homininis (primeiros membros da linhagem humana) não só se originaram na África, mas permaneceram isolados por vários milhões de anos antes de se dispersarem para a Europa e Ásia. A descoberta de pegadas humanas em Creta de aproximadamente 5,7 milhões de anos, publicada em 2017, derruba essa imagem simples e sugere uma realidade mais complexa.O mais saliente desenvolvimento fisiológico entre as duas espécies é o aumento da capacidade encefálica (ou craniana), de cerca de 450 cm³ no A. garhi para 600 cm³ no H. habilis. Dentro do gênero Homo, a capacidade craniana novamente foi duplicada entre o H. habilis e o Homo ergaster, ou através do H. erectus ao Homo heidelbergensis, de há 600 milhares de anos. A capacidade craniana do H. heidelbergensis sobrepôs-se com a variação encontrada nos humanos modernos. Acreditava-se que o advento do gênero Homo tinha coincidido com a primeira evidência do uso ferramentas de pedra (a indústria Olduvaiense) e assim, por definição, com o início do período Paleolítico Inferior. No entanto, uma recente evidência encontrada na Etiópia indicou que a primeira vez que houve a utilização de ferramentas de pedra ocorreu há 3,39 milhões de anos. O surgimento do gênero Homo coincide aproximadamente com o início da glaciação do Quaternário, o início da era do gelo atual.
Todas as espécies desse gênero, exceto o Homo sapiens (os humanos modernos) estão extintas. O Homo neanderthalensis, tradicionalmente considerado o último parente humano vivo, extinguiu-se há cerca de 24 mil anos. No entanto, uma recente descoberta sugere que uma outra espécie, o Homo floresiensis, descoberto em 2003, pode ter vivido tão recentemente como há 12 mil anos. Os outros Homininae sobreviventes — os chimpanzés e gorilas — têm um alcance geográfico limitado. Em contraste, a evolução dos seres humanos é uma história de migrações e miscigenações. De acordo com estudos genéticos, os humanos modernos foram criados a partir de “pelo menos dois grupos” de seres humanos antigos: os Neandertais e os Denisovanos. Os seres humanos deixaram a África várias vezes para ocupar a Eurásia e, finalmente, Américas, Oceania e o resto do mundo.




Deixe um comentário