monarquianismo

monarquizaríamos monarquizariam monarquizeis monarquizando monarquizais monarquiação (norma brasileira) monarquiamos (norma brasileira) monarquiando (norma brasileira) monarquiares (norma brasileira) monarquiariam (norma brasileira) monarquiaríamos (norma brasileira) monarquiassem (norma brasileira) monarquiássemos (norma brasileira)


substantivo masculino [Religião] Heresia cristã do século III que negava a trindade das pessoas, para afirmar que a única verdade era a unidade divina, na pessoa do Pai; patripassianismo.
Etimologia (origem da palavra monarquianismo). Mono + arqui + ano + ismo.


O monarquianismo, ou monarquismo como é algumas vezes chamado, é uma série de crenças que enfatizam a unidade absoluta de Deus. A crença conflita com a doutrina da Trindade, que vê em Deus uma unidade composta pelo Pai, Filho e Espírito Santo. Os modelos propostos pelo monarquianismo foram rejeitados como heréticos pela Igreja Católica.
O monarquianismo por si mesmo não é uma doutrina completa, mas um gênero do qual decorrem algumas espécies doutrinárias teológicas. Há basicamente dois modelos, contraditórios:
O modalismo ou sabelianismo considera que Deus seja uma pessoa, manifestando-se e operando em diferentes “modos”, como Pai, Filho e Espírito Santo. O proponente desta visão foi Sabélio. A crença foi rotulada “patripassianismo” por seus oponentes, por subentender que Deus, o Pai, teria sofrido na cruz.
O adocionismo entende que Deus é um ser, superior a tudo e completamente indivisível, defendendo a ideia de que o Filho não foi co-eterno com o Pai, mas que foi revestido de Deus (adotado) para os seus planos. Diferente versões do adocionismo divergem quanto à hora da adoção por Deus, como a hora do seu batismo, ou de sua ascensão. Um antigo expoente desta crença foi Teódoto de Bizâncio.De acordo com a Enciclopédia Católica, Natálio foi um patripassionista primitivo. Ele foi um antipapa (bispo rival de Roma), logo antes do antipapa Hipólito de Roma. De acordo com Eusébio de Cesareia, citando o Pequeno Labirinto de Hipólito, depois daquele ser “flagelado toda a noite pelos anjos santos”, vestiu-se de sacos, e “após alguma dificuldade”, ele submeteu-se à autoridade do papa Zeferino.
Outro defensor do monarquianismo foi Paulo de Samósata, que todavia não se fixou entre nenhum dos dois modelos.


Deixe um comentário