sensacionalismo

sensacionalismo | s. m.
sen·sa·ci·o·na·lis·mo
nome masculino

1. Carácter ou qualidade de sensacional.

2. Divulgação de notícias exageradas ou que causem sensação.

3. [Filosofia]   [Filosofia]   Doutrina ou teoria em que todas as ideias são derivadas unicamente da sensação ou das percepções dos sentidos.


substantivo masculino Interesse da imprensa em buscar assuntos que provocam escândalos ou chocam a sociedade, geralmente de teor falso.
Publicação desses assuntos: houve sensacionalismo da mídia na apuração das eleições.
Característica de sensacional, extraordinário, espetacular.
[Filosofia] Fundamento ou teoria cujas ideias são provenientes, exclusivamente, das sensações ou das percepções sensoriais.
Etimologia (origem da palavra sensacionalismo). Sensacional + ismo.


Sensacionalismo é um tipo de viés editorial na mídia em massa em que os eventos e temas em notícias e partes são mais exageradas para aumentar os números de audiência ou de leitores. O sensacionalismo pode incluir relatórios sobre assuntos geralmente insignificantes e eventos que não influenciam a sociedade em geral e apresentações tendenciosas de temas de interesse jornalístico de uma forma trivial ou tabloide.Algumas táticas incluem ser deliberadamente obtusas, apeladas às emoções, sendo controversas, intencionalmente omitidas de fatos e informações, sendo barulhentas e auto-centradas, agindo para obter atenção. Informações triviais dos eventos às vezes são deturpadas e exageradas como importantes ou significativas, e muitas vezes incluem histórias sobre as ações de indivíduos (em geral subcelebridades) e pequenos grupos de pessoas, o conteúdo do que é muitas vezes insignificante e irrelevante em relação aos eventos de macro-nível do dia-a-dia que ocorrem no mundo. Além disso, o conteúdo e o assunto normalmente não afetam a vida das massas e não afeta a sociedade, e em vez disso é transmitida e impressa para atrair telespectadores e leitores. Exemplos disso incluem a cobertura da imprensa sobre o escândalo de Bill Clinton e Monica Lewinsky, o julgamento de Casey Anthony, o papel de Tonya Harding no ataque de Nancy Kerrigan, o caso Elián González e o caso de assassinato de O. J. Simpson.