sistemática

sistemática | s. f. fem. sing. de sistemático
sis·te·má·ti·ca
(feminino de sistemático )
nome feminino

1. Ciência que descreve e classifica os seres vivos.

2. Conjunto de critérios organizados.

3. Acto ou efeito de sistematizar. = SISTEMATIZAÇÃO
sis·te·má·ti·co sis·te·má·ti·co
(grego sustematikós, -ê, -ón )
adjectivo adjetivo

1. Pertencente ou relativo a um sistema. = SISTÉMICO

2. Que segue um sistema (ex.: método sistemático).

3. Que é metódico ou ordenado. = METICULOSO, ORGANIZADO

4. Que é constante, contínuo ou persistente.

5. Relativo à sistemática.


substantivo feminino Ação ou efeito de sistematizar, de pôr em sistema; sistematização.
[Popular] Pessoa excessivamente metódica, muito organizada; metódico.
[Popular] Pessoa apegada a crenças, métodos, sistemas, dogmas.
[Figurado] Reunião dos mecanismos criteriosos ou procedimentos utilizados por um indivíduo, grupo de pessoas etc: ela sempre contrariava a sistemática da empresa.
[Biologia] Ciência que caracteriza, sistematiza ou classifica os seres vivos.
Etimologia (origem da palavra sistemática). Feminino de sistemático.


A sistemática é a área da biologia dedicada a inventariar e descrever a biodiversidade e compreender as relações filogenéticas entre os organismos. Inclui a taxonomia (ciência da descoberta, descrição e classificação das [espécies] e grupo de espécies, com suas normas e princípios) e também a filogenia (relações evolutivas entre os organismos). Em geral, diz-se que compreende a classificação dos diversos organismos vivos. Em biologia, os sistematas são os cientistas que classificam as espécies em outros taxa a fim de definir o modo como eles se relacionam evolutivamente.
O objetivo da classificação dos seres vivos, chamada taxonomia, foi inicialmente o de organizar as plantas e animais conhecidos em categorias que pudessem ser referidas. Posteriormente a classificação passou a respeitar as relações evolutivas entre organismos, organização mais natural do que a baseada apenas em características externas. Para isso se utilizam também características ecológicas, fisiológicas, e todas as outras que estiverem disponíveis para os táxons em questão. É a esse conjunto de investigações a respeito dos táxons que se dá o nome de Sistemática. Nos últimos anos têm sido tentadas classificações baseadas na semelhança entre genomas, com grandes avanços em algumas áreas, especialmente quando se juntam a essas informações aquelas oriundas dos outros campos da Biologia.
A classificação dos seres vivos é parte da sistemática, ciência que estuda as relações entre organismos, e que inclui a coleta, preservação e estudo de espécimes, e a análise dos dados vindos de várias áreas de pesquisa biológica. Nomenclatura é a atribuição de nomes (nome científico) a organismos e às categorias nas quais são classificados.
O nome científico é aceito em todas as línguas, e cada nome aplica-se apenas a uma espécie.
Há duas organizações internacionais que determinam as regras de nomenclatura, uma para zoologia e outra para botânica. Segundo as regras, o primeiro nome publicado (a partir do trabalho de Lineu) é o correcto, a menos que a espécie seja reclassificada, por exemplo em outro género. A reclassificação tem ocorrido com certa freqüência desde o século XX. O Código Internacional de Nomenclatura Zoológica preconiza que neste caso mantém-se a referência a quem primeiro descreveu a espécie, com o ano da descrição, entre parênteses, e não inclui o nome de quem reclassificou. Esta norma internacional decorre, entre outras coisas, do fato de ser ainda nova a abordagem genética da taxonomia, sujeita a revisão devido a novas pesquisas científicas, ou simplesmente a definição de novos parâmetros para a delimitação de um táxon, que podem ser morfológicos, ecológicos, comportamentais etc.




Deixe um comentário