bookmark_borderO que é pódio

pódio | s. m.
pó·di·o
(latim podium, -ii )
nome masculino

1. Muro baixo que circundava a arena dos anfiteatros.

2. Sítio do circo onde se colocavam os senadores e os principais magistrados romanos.

3. Pequena elevação que serve de plataforma.

4. [Desporto]   [Esporte]   Estrado a que sobem os vencedores de uma prova desportiva , geralmente com 3 alturas diferentes para as 3 primeiras classificações.

5. [Música]   [Música]   Estrado onde se coloca o maestro.


substantivo masculino Muro que circundava a arena dos anfiteatros formando um estrado no qual se encontravam os lugares de honra.
Espécie de pedestal ou plataforma onde se colocam os vencedores das competições esportivas.


Na arquitectura, podium ou pódio é a base alta onde se elevam os templos romanos e os seus antecessores etruscos.
Pode ser considerado o correspondente romano do estereóbata grego. No entanto, ao contrário da estrutura grega, o podium romano possui altura e número de degraus variável.
Também pode ser referido como podium o piso térreo de um edifício cuja forma procure dar o mesmo efeito. (exemplo: fachada oriental do Louvre, de Claude Perrault)


bookmark_borderO que é acrotério

acrotério | s. m.
a·cro·té·ri·o
nome masculino

1. Vértice, cume, extremidade de qualquer objecto .

2. Pedestal das figuras que encimavam um frontão.


substantivo masculino [Arquitetura] Pedestal colocado em cada uma das extremidades bem como no cume do frontispício e destinado a receber um ornamento.
Este ornamento.
Espécie de pedestal colocado, a intervalos regulares, nas balaustradas.


O acrotério, do grego elemento mais elevado, é um elemento ornamental utilizado na arquitectura, inicialmente na arquitectura da Antiguidade Clássica (grega e posteriormente romana), que também se pode encontrar em edifícios de estilo classicista em geral.
Este elemento é utilizado como coroamento decorativo do frontão do templo, tanto no seu vértice central como nos laterais (acrotérios angulares), podendo ser encontrado também em urnas funerárias e sarcófagos como resultado da tentativa de transposição da forma do templo para estas construções.
O acrotério é composto por um pedestal, originalmente uma placa circular e em terracota pintada, onde assenta o elemento decorativo, e foi assumindo com o tempo um enriquecimento na decoração escultórica. O mais comum é a decoração com elementos vegetais, nomeadamente palma ou folhas de acanto. No entanto também é possível encontrar escultura de vulto redondo (tridimensional, em oposição ao relevo) como vasos, animais fantásticos (grifos, esfinges) e até estatuetas de figura humana.

Dependendo do material utilizado para a cobertura do templo, telhas ou lages de mármore, o acrotério é criado em terracota ou mármore respectivamente.
Sendo que toda a parte superior da fachada do templo grego é colorida (embora a pintura tenha desaparecido com o tempo), o acrotério não é excepção, mesmo no caso de figuras escultóricas de maior porte. Em edifícios neo-clássicos, pelo contrário, estas decorações escultóricas mantêm a cor natural do material, consequência da imitação do estado actual dos edifícios da Antiguidade Clássica.
Ao ser transposto para edifícios revivalistas e classicistas, o acrotério passou a ser utilizado também na arquitectura profana (não religiosa), deixando de surgir somente em edifícios públicos, para ser utilizado um pouco por todas as tipologias arquitectónicas. Na variedade de elementos decorativos possíveis aparecem também a cruz, o obelisco e a voluta.