bookmark_borderO que é senescência

senescência | s. f.
se·nes·cên·ci·a
(senesc[ente] + -ência )
nome feminino

Envelhecimento dos tecidos do organismo.


substantivo feminino Caráter do que é senescente, do que está envelhecendo; velhice.
[Medicina] Processo natural que torna alguém mais velho ou passado por quem está se tornando mais velho; envelhecimento.
Etimologia (origem da palavra senescência). Do latim senescentia.ae.


Senescência é o processo natural de envelhecimento ao nível celular ou o conjunto de fenômenos associados a este processo.
A senescência é um processo metabólico ativo associado ao processo de envelhecimento. Ocorre por meio de uma programação genética que envolve redução do tamanho dos telômeros e ativação de genes de supressão tumoral. As células que entram em senescência perdem a capacidade proliferativa após um determinado número de divisões celulares.
O envelhecimento do organismo como um todo está relacionado com o facto das células somáticas do corpo irem morrendo e não serem substituídas por novas como acontece na juventude.
Em virtude das múltiplas divisões celulares que a célula individual regista ao longo do tempo, para esse efeito, o telómero (extensão de ADN que serve para a sua proteção) vai diminuindo até que chega a um limite crítico de comprimento, ponto em que a célula perde a capacidade proliferativa, com a consequente diminuição do número de células do organismo, das funções dos tecidos, das funções dos órgãos e das funções do próprio organismo.
Como consequência, há o surgimento das chamadas doenças da velhice. Uma enzima endógena (telomerase) encarrega-se de manter o tamanho dos telómeros. A cada divisão celular, acrescenta a parte do telómero que se perde em virtude da mesma, de modo que o telómero não diminui e a célula pode-se dividir sempre que precisa. O que acontece é que ela faz essa função unicamente nas células germinativas (ou em células cancerosas) fazendo com que estas sejam permanentemente jovens independentemente do organismo ser já velho.
As células somáticas têm o gene da telomerase, mas não a produzem pois, este não está ativado. Atualmente a ciência já consegue ativar a telomerase e criar células saudáveis imortais. Revistas cientificas como a Science (1998) já trouxeram artigos sobre este assunto. Apesar disso, ainda não se sabe se a ativação da telomerase seria uma terapia plausível para o envelhecimento humano, já que a hiperativação da telomerase está associada com o surgimento de tumores.Este conceito se opõe à senilidade, também denominado envelhecimento patológico, e que é entendido como os danos à saúde associados com o tempo, porém causados por doenças ou maus hábitos de saúde.


bookmark_borderO que é mitocôndria

mitocôndria | s. f.
mi·to·côn·dri·a
(grego mítos, -ou, fio + grego khóndros, -ou, cartilagem + -ia )
nome feminino

[Biologia]   [Biologia]   Organela do citoplasma celular, com funções importantes na respiração e nas trocas de energia das células.


substantivo feminino Mitocôndrio.


A mitocôndria (do Grego μίτος ou mitos (fio/linha) + χονδρίοv ou “chondrion” (grânulo).) é uma das organelas celulares mais importantes, também sendo extremamente relevante para a respiração celular. É abastecida pela célula que a hospeda por substâncias orgânicas como a glicose, as quais processa e converte em energia sob a forma de ATP, que devolve para a célula hospedeira, sendo energia química que pode ser usada em reações bioquímicas que necessitem de dispêndio de energia. A mitocôndria está presente em grande quantidade nas células: do sistema nervoso (na extremidade dos axônios), do coração e do sistema muscular, uma vez que estas apresentam uma necessidade maior de energia.

A mitocôndria está presente na maioria dos eucariontes, exceto num grupo de protistas chamado Archezoa, apesar da análise genômica destes organismos indicar que podem ter perdido as mitocôndrias ao longo da evolução. A principal evidência disto é o fato de alguns genes codificadores de proteínas mitocondriais terem sido encontrados no genoma nuclear destes protistas (Bui & Bradley, 1996). Foi descrita por Altmann, em 1894 (que as denominou “bioblastos”), sugerindo a sua relação com a oxidação celular. O seu número varia entre as células, sendo proporcional à atividade metabólica de cada uma, indo de quinhentas a mil ou até dez mil dessas estruturas por célula.
Esta apresenta duas membranas lipoprotéicas, uma externa lisa e outra interna que se dobra formando vilosidades, chamadas cristas. A região limitada pela membrana interna é conhecida como matriz mitocondrial, onde existem proteínas, ribossomos e DNA mitocondrial, de forma circular, que contém 37 genes codificadores de 13 proteínas, de 2 rRNAs e 22 tRNAs. Estes são necessários no processo de produção de ATP, ou seja, necessários para que a respiração celular ocorra.

A mitocôndria forma uma extensa rede, denominada rede mitocondrial. Essa rede é constituída por subunidades mitocondriais que podem se fundir ou se dividir de acordo com as necessidades fisiológicas. A organela tem sido associada, nos últimos anos, ao processo de morte celular denominado apoptose. Diversas proteínas mitocondriais encontram-se diretamente ligadas à apoptose, como as proteínas BCL-2, AIF e o Citocromo C, por exemplo.


bookmark_borderO que é endocitose

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição. indómitos indocilize (norma brasileira) indômitos (norma brasileira)
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.


substantivo feminino [Biologia] Processo por meio do qual o material que está no exterior da célula é levado para o seu interior.
Etimologia (origem da palavra endocitose). Endo + citose.


Endocitose é o processo pelo qual as células vivas ativamente absorvem material (moléculas, pedaços de detritos ou outras células) através da membrana celular. Em outras palavras, é a entrada de substâncias em uma célula por englobamento das particulas pela membrana celular. Existem três formas principais de endocitose:

Fagocitose, Processo pelo qual certas células englobam partículas relativamente grandes, com o auxílio de pseudópodes.
Pinocitose, Processo pelo qual a célula engloba gotículas líquidas ou pequenas partículas, através dos canalículos que se aprofundam na célula.
Endocitose-mediada-por-um-receptor, que consiste na ligação de uma molécula extracelular a um receptor na membrana celular. Estes receptores, igualmente constituintes da membrana, estão muitas vezes associados à proteína do citoplasma denominada clatrina que forma uma depressão na membrana; quando um receptor se liga a uma molécula, a depressão aumenta até se transformar num vacúolo rodeado de clatrina, que entra na célula.
Esquema da fagocitose por pseudópodes. A fagocitose é o englobamento e digestão de partículas sólidas e microorganismos por fagócitos ou células amebóides.
Na corrente sanguínea ocorre quando o sistema imunológico identifica um corpo estranho que será englobado e digerido pelos leucócitos.
Um grande aumento de leucócitos no sangue indica processo infeccioso.
Consiste também em processo de alimentação de muitos protozoários unicelulares – onde a partícula englobada pela célula, através da membrana celular, é envolvida num vacúolo digestivo, a partir do qual a matéria digerida passa depois para o citoplasma.
A ingestão das partículas de alimento pode ser realizada por pseudópodes, como nos organismos amebóides, ou a própria célula pode ter um citostoma (o mesmo que “boca celular”), como os ciliados, por onde entram as partículas de alimento.
A pinocitose é um processo de endocitose em que a célula engloba uma substância em estado líquido, sem ser por difusão, mas por transporte ativo através da membrana celular. É um sistema de alimentação celular complementar à fagocitose. É uma das formas como as células recebem grandes proteínas, inclusive hormônios, e como os pequenos vasos sanguíneos obtêm sua nutrição.
Neste processo a membrana celular invagina, desenvolvendo um pequeno saco para englobar as substâncias que deseja absorver. O “saco” então fecha e separa-se da membrana celular, transformando-se numa vacúolo que, dentro do citoplasma se junta a um lisossoma, que hidroliza as proteínas e fosfolípidos da membrana para libertar as substâncias que tem no interior. É um processo que requer energia, na forma de ATP.


bookmark_borderO que é quimiotaxia

quimiotaxia | s. f.
qui·mi·o·ta·xi·a
(quimio- + -taxia )
nome feminino

O mesmo que quimiotactismo.


substantivo feminino [Biologia] Reação das células ou dos organismos a estímulos químicos.
Etimologia (origem da palavra quimiotaxia). Quimio + taxo + ia.


Quimiotaxia, quimiotactismo, é a locomoção orientada e unidirecional ao longo de um gradiente químico, causado pela diferença de concentração de determinadas substâncias denominadas quimiotratores ou agentes quimiotáticos, que podem ser liberadas por tecidos lesados, geradas por sistemas enzimáticos presentes no plasma, formadas durante reações imunes ou liberadas por microrganismos.Para a sua locomoção, é preciso que a célula reconheça e interaja com as substâncias, de forma com que diversos estudos indicam a presença de especificidade dos receptores para os quimiotratores. A reação dos elementos quimiotáticos aos receptores ocorre quando cerca de 20% destes está ocupada, sendo então caracterizada como rápida.
Para determinar qual quimiotático que será liberado depende do dano tecidual e da invasão microbiana. O peptídeo chamado C5a, do é um quimiotático gerado pela ativação do sistema complemento e um peptídeo denominado fibrinopeptídeo B, derivado do peróxido de hidrogênio e fibrinogênio. Após 5 minutos do dano o de gradiente H2O2 é desencadeado pela lesão, imediatamente antes da movimentação dos primeiros neutrófilos para a ferida. Dentre os outros quimiotáticos, encontram-se as quimiocinas e os lipídios, como o leucotrieno B4. As bactérias invasoras liberam peptídeos com grupos metionina formilados, que são muito atrativos para os neutrófilos de alguns mamíferos. Assim, os neutrófilos migrantes recebem diversos sinais que os atraem aos sítios de invasão e dano tecidual.
Nem todos os animais apresentam neutrófilos igualmente responsivos. Em bovinos que apresentam um genótipo específico do receptor de quimiocina CXCR2, por exemplo, a migração dos neutrófilos é menor do que nos animais normais. Nos bovinos que apresentam esse genótipo, a expressão das cadeias de integrina CD18 e CD11b e, assim, a resistência à mastite, é menor.


bookmark_borderO que é organoide

organóide organoide organóide organoide | adj. 2 g. Será que queria dizer organóide?
or·ga·nói·de |ói| or·ga·noi·de |ói| or·ga·nói·de |ói| or·ga·noi·de |ói|
adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

Que tem forma de órgão ou de corpo organizado.• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: organoide. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:organóide. • Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990:organoide. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:organóide


substantivo masculino [Biologia] Organela.


Um organoide é um órgão-seminal tridimensional cultivado em laboratórios especializados em medicina regenerativa. A técnica para crescimento de organóides melhorou rapidamente desde o início dos ano 10, e foi eleita pela revista The Scientist como um dos maiores avanços científicos de 2013.


bookmark_borderO que é actina

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição. atina acima acena atinha ach ina acetina activ a afina átona (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico e norma brasileira)
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.


substantivo feminino [Biologia] Proteína de músculos, separável da estrutura muscular junto com miosina, mediante soluções salinas fortes e na presença de trifosfato de adenosina. Conhecida em forma globular e fibrosa.


A actina é uma proteína, faz parte da família das proteínas globulares que formam microfilamentos. É um dos três elementos fundamentais do esqueleto celular (citoesqueleto) dos organismos eucariontes. Em conjunto com a miosina e moléculas de ATP gera movimentos celulares e musculares. Pode ser encontrada como monômero livre, chamado actina G, ou como parte de polímeros denominados miofilamentos ou Actina F que são associados à funções celulares tão importantes como mobilidade e contração da célula durante o processo de divisão celular.Já foram identificadas seis diferentes isoformas de actina, entre elas a Actina alfa 1, músculo esquelético, também conhecida como ACTA1.


bookmark_borderO que é flagelo

flagelo | s. m. 1ª pess. sing. pres. ind. de flagelar
fla·ge·lo |ê| fla·ge·lo |ê|
substantivo masculino

1. Tiras ou correia para açoitar. = DISCIPLINAS, SUPLÍCIOS

2. [Figurado]   [Figurado]   Castigo.

3. Tormento.

4. Calamidade pública.

5. Peste.

6. Tortura.

7. Pessoa ou coisa que incomoda.

8. [História natural]   [História natural]   Filamento móvel (ou cílio vibrátil) que serve de órgão locomotor a certos protozoários flagelados.
fla·ge·lar fla·ge·lar – Conjugar
(latim flagello, -are )
verbo transitivo

1. Açoitar com flagelo. = CASTIGAR

2. [Figurado]   [Figurado]   Atormentar; martirizar.

3. Incomodar.


substantivo masculino Tipo de chicote, instrumento de tortura composto por uma ou várias tiras de couro que, unidas por um cabo de madeira, é usado para espancar.
[Por Extensão] Punição feita por castigo físico; tortura.
[Figurado] Tortura moral; em que há aflição; angústia.
[Figurado] O que causa aborrecimento: o seu flagelo são as queixas dos vizinhos.
[Por Extensão] Infortúnio pessoal ou coletivo; calamidade.
O que provoca uma grande tragédia: o holocausto foi um grande flagelo.
[Medicina] Disseminação de uma doença contagiosa; epidemia.
[Zoologia] Parte mais afastada do centro das antenas dos insetos.
[Citologia] Filamento de função importante para a movimentação de várias células.
Etimologia (origem da palavra flagelo). Do latim flagellum.i.


Flagelo (do latim: flagellum; “chicote”) é a designação dada em diversos campos da Biologia aos apêndices móveis com forma de chicote presentes em muitos organismos unicelulares e em algumas células de organismos pluricelulares. A função primária dos flagelos é a motilidade dos organismos, possibilitando o movimento em meio líquido, mas é frequente assumirem outras funções, entre as quais assegurar a circulação de fluidos, encaminhar alimento, ou funcionar como organelos sensoriais que reagem à presença de determinados compostos químicos ou à temperatura no exterior da célula. Dada a heterogeneidade estrutural e as diferentes origens evolutivas, os flagelos são considerados como organelos definidos pela função e não pela estrutura.
Um exemplo de flagelo com funções de mobilidade ocorre nos espermatozoides humanos, enquanto os flagelos dos coanócitos das esponjas se destinam a produzir micro-correntes de água que o organismo filtra para obter alimento. Outro exemplo de motilidade é a bactéria carcinogénica Helicobacter pylori, que usa múltiplos flagelos para se mover através do muco gástrico e atingir o epitélio do estômago humano.Os flagelos dos organismos eucarióticos são estruturalmente idênticos aos cílios, sendo por isso a distinção geralmente baseada na função ou no comprimento. Fímbrias e pili são também finos apêndices celulares, mas têm funções bem diversas e são geralmente mais pequenos.


bookmark_borderO que é sincício

sincício | s. m.
sin·cí·ci·o
(latim científico syncytium, do grego sún, em companhia de, juntamente com + grego kútos, buraco, cavidade )
nome masculino

[Biologia]   [Biologia]   Massa de citoplasma, com vários núcleos, que resulta da fusão de diversas células.


substantivo masculino [Biologia] Massa protoplasmática caracterizada pela formação de vários núcleos de citoplasma e originada pela junção de células anteriormente separadas.
Camada localizada no exterior do trofoblasto do ovo de animais mamíferos.
Etimologia (origem da palavra sincício). Do latim syncytium.


Em biologia, um sincício ou sincítio (ambos do grego σύν (syn) = «junto» + κύτος (kytos) = «caixa», referido aqui para «célula»), também chamado cenócito (do grego κοινός koinós ‘comum’ + κύτος kytos ‘caixa’), é uma célula multinucleada, ou seja, uma célula que contém muitos núcleos originada por fusão de células uninucleadas ou por muitas divisões celulares incompletas de células. A maioria das células nos organismos eucariotas de plantas e animais têm um único núcleo, pelo que os sincícios são formas especiais. Porém, alguns organismos não só são estruturas comuns mas constituem também o estado mais predominante do seu ciclo de vida (em determinados nematódeos ou em mixomicetos, entre outros).


bookmark_borderO que é turgescência

turgescência | s. f.
tur·ges·cên·ci·a
substantivo feminino

Qualidade de turgescente.


substantivo feminino Condição de turgescente ou intumescente, do que se dilata, aumenta de volume, cresce; dilatação, intumescência, inchação.
[Biologia] Processo de absorção de água pelo qual passa uma célula (tecido ou órgão) que a torna intumescida, com o aumento da pressão interna.
[Figurado] Demonstração de exagero; ênfase: turgescência do estilo.
Etimologia (origem da palavra turgescência). Do latim turgescentia.


Turgescência de volume, por osmose, de uma célula resultado de sua inserção em meio hipotônico. Isso acontece devido à tendência de igualar a concentração de sais entre o citoplasma e o meio externo. Neste caso, entra água (por impossibilidade de sair soluto). A célula formada chama-se célula túrgida.
A pressão de turgescência é a pressão exercida nas membranas celulares no decorrer da osmose. Esta pressão é contrabalançada pela parede celular. Caso seja uma celula animal e não tenha parede celular pode ocorrer a lise celular.
Numas células túrgidas, o conteúdo celular exerce uma grande pressão contra a parede celular que é equilibrada pela resistência da parede, não havendo assim alterações no volume dessas células. Essa pressão denomina-se pressão de turgência.


bookmark_borderO que é célula

célula | s. f.
cé·lu·la
(latim cellula, -ae, pequena cela )
substantivo feminino

1. Pequena cela.

2. Pequena cavidade.

3. [Apicultura]   [Apicultura]   Cavidade hexagonal em que as abelhas depositam o mel. = ALVÉOLO

4. [Biologia]   [Biologia]   Cada um dos elementos plásticos dos tecidos orgânicos ou elemento fundamental da matéria viva.

célula basal • [Biologia]   • [Biologia]   Célula da camada mais profunda do epitélio.

célula de Schwann • [Biologia]   • [Biologia]   Célula glial presente no sistema nervoso periférico.

célula estaminal • [Biologia]   • [Biologia]   Célula indiferenciada que se pode dividir e originar células semelhantes indiferenciadas ou células diferenciadas. = CÉLULA-MÃE, CÉLULA-TRONCO

célula fotoeléctrica • [Electrónica]   [Eletrónica]   • [Eletrônica]   Dispositivo simples que permite obter correntes eléctricas pela acção de um fluxo luminoso. = FOTOCÉLULA


substantivo feminino [Biologia] Elemento constitutivo de todo ser vivo.
[Figurado] Elemento constitutivo organizado: a comuna é a célula fundamental de uma organização administrativa.
[Figurado] Agrupamento de militantes, particularmente do partido comunista.
[Biologia] Toda célula é formada por massa viscosa, o protoplasma, que contém um núcleo, mitocôndrias e vacúolos, e é rodeada por uma membrana. As dimensões das células variam de alguns milésimos de milímetros a muitos milímetros ou mesmo centímetros (ovo, neurônios). Os micróbios e protozoários são formados por uma única célula. Os vegetais e os animais, formados por milhares de células (metazoários), derivam de uma única célula, o ovo, graças a divisões sucessivas.


As células são as unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos. Elas são conectadas como “chips” de computador no corpo para direcionar sinais que instruem como funcionam. Além disso, elas podem reconectar suas redes de sinalização para mudar seu comportamento. Alguns organismos, tais como as bactérias, são unicelulares (consistem em uma única célula). Outros, tais como os seres humanos, são pluricelulares (várias células).O corpo humano é constituído por aproximadamente 10 trilhões (mais de 1013) de células; a maioria das células vegetais e animais têm entre 1 e 100 µm e, portanto, são visíveis apenas sob o microscópio; a massa típica da célula é um nanograma.A célula foi descoberta por Robert Hooke em 1663 ou 1665. Em 1837, antes de a teoria final da célula estar desenvolvida, Jan Evangelista Purkyně observou “pequenos grãos” ao olhar um tecido vegetal através de um microscópio. A teoria da célula, desenvolvida primeiramente em 1838 por Matthias Jakob Schleiden e por Theodor Schwann, indica que todos os organismos são compostos de uma ou mais células. Todas as células vêm de células preexistentes. As funções vitais de um organismo ocorrem dentro das células, e todas elas contêm informação genética necessária para funções de regulamento da célula, e para transmitir a informação para a geração seguinte de células.A palavra “célula” vem do latim: cellula (quarto pequeno). O nome descrito para a menor estrutura viva foi escolhido por Robert Hooke. Em um livro que publicou em 1665, ele comparou as células da cortiça com os pequenos quartos onde os monges viviam.