bookmark_borderO que é taxonomia

taxonomia | s. f.
ta·xo·no·mi·a |cs| ta·xo·no·mi·a |cs|
(grego táksis, -eos, classificação + grego nómos, -ou, regra, lei, uso + -ia )
nome feminino

Teoria ou nomenclatura das descrições e classificações científicas. = TAXINOMIA


substantivo feminino Ciência que se dedica à classificação; técnica de classificação, ou de distribuição sistemática em categorias: taxonomia gramatical.
[Biologia] Parte da biologia que descreve, identifica e classifica os organismos em grupo ou individualmente.
Etimologia (origem da palavra taxonomia). Taxio + nomia.


Taxonomia (do grego antigo τάξις, táxis, “arranjo” e νομία, nomia, “método”) é a disciplina biológica que define os grupos de organismos biológicos com base em características comuns e dá nomes a esses grupos. Para cada grupo, é dada uma nota. Os grupos podem ser agregados para formar um supergrupo de maior pontuação, criando uma classificação hierárquica. Os grupos criados por este processo são referidos como taxa (no singular, táxon). Um exemplo da classificação moderna foi publicado em 2009 pelo Angiosperm Phylogeny Group para todas as famílias de plantas com flores vivas (Sistema APG III).


bookmark_borderO que é cronobiologia

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição. crono biologia criminologia cronobiografia cronogeológica (norma brasileira) cronogeológicas (norma brasileira) cronogeológico (norma brasileira) psicobiologia (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico)
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.


substantivo feminino Ciência surgida na década de 1960 que estuda a organização temporal dos seres vivos, ou seja, os ritmos da vida.
Etimologia (origem da palavra cronobiologia). Crono + biologia.


Cronobiologia é a ciência que estuda os fenômenos biológicos recorrentes que ocorrem uma periodicidade determinada, podendo ou não ter uma correspondência temporal com ciclos ambientais, como ciclo dia e noite, os ciclos de máres. Esses fenômenos são chamados de ritmos biológicos e podem ter diferentes frequências, os que ocorrem com uma periodicidade próxima a 24 horas são chamados de circadianos, os com período maior que 28 horas são chamados de infradianos e os menores que 20 horas de ultradianos.
As primeiras idéias da existência de relógios biológicos datam do século XVIII, mas somente no século XX a cronobiologia tornou-se aceita internacionalmente. No ano de 1960, no evento Cold Spring Harbor Symposium of Quantitative Biology – Biological Clocks, foram definidos as principais vertentes desta nova área científica.


bookmark_borderO que é biologia

biologia | s. f.
bi·o·lo·gi·a
(bio- + -logia )
substantivo feminino

Ciência que estuda os seres vivos e as suas leis orgânicas. = BIOCIÊNCIA


substantivo feminino Ciência da vida.
Ciência cujo objeto de estudo é a vida, especialmente dos animais e vegetais, tendo em conta sua evolução, origem, crescimento, funcionamento, modos reprodutivos, comportamento, organização, fisiologia etc.
expressão Biologia animal. Estudo dos organismos animais.
Biologia celular. Estudo do funcionamento da célula.
Biologia vegetal. Estudo dos organismos vegetais.
Etimologia (origem da palavra biologia). Bio + logia; do alemão Biologie.


Biologia é a ciência que estuda a vida e os organismos vivos. A biologia está dividida em vários campos especializados que abrangem a morfologia, fisiologia, anatomia, comportamento, origem, evolução e distribuição da matéria viva, além dos processos vitais e das relações entre os seres vivos. As subdisciplinas da biologia são definidas pela escala em que a vida é estudada, os tipos de organismos estudados e os métodos utilizados para estudá-los: a bioquímica examina a química rudimentar da vida; a biologia molecular estuda as interações complexas entre as moléculas biológicas; a biologia celular examina o bloco básico de construção de toda a vida, a célula; a fisiologia examina as funções físicas e químicas dos tecidos, órgãos e sistemas de órgãos; a ecologia examina como os organismos interagem em seu ambiente; e a biologia evolutiva examina os processos evolutivos que provavelmente produziram a diversidade da vida. Apesar do amplo escopo e da complexidade da ciência, existem certos conceitos unificadores que o consolidam em um único campo coerente. Geralmente, a biologia reconhece a célula como a unidade básica da vida, os genes como a unidade básica da hereditariedade, e a evolução como o motor que impulsiona a criação de novas espécies.
A vida, em relação às células, é estudada pela biologia celular, biologia molecular, bioquímica e genética molecular; enquanto, à escala multicelular, é estudada pela fisiologia, anatomia e histologia. A biologia do desenvolvimento estuda o processo pelo qual os organismos crescem e se desenvolvem, e a ontogenia (ou ontogênese), o desenvolvimento de um indivíduo desde a concepção até a maturidade.


bookmark_borderO que é radiobiologia

radiobiologia | s. f.
ra·di·o·bi·o·lo·gi·a
(radio- + biologia )
nome feminino

[Biologia]   [Biologia]   Estudo dos efeitos da radiação ionizante sobre os seres vivos.


substantivo feminino Estudo da ação biológica da ionização produzida por raios X, os corpos radiativos e os nêutrons.


A radiobiologia é um campo morderno da biologia que envolve o estudo da ação da radiação ionizante em seres vivos, especialmente os efeitos da radiação na saúde. A radiação ionizante é geralmente prejudicial e potencialmente letal para os seres vivos, mas pode ter benefícios para a saúde na radioterapia para o tratamento do câncer e da tireotoxicose. Seu impacto mais comum é a indução de câncer com um período latente de anos ou décadas após a exposição. Doses altas podem causar queimaduras de radiação visualmente dramáticas e/ou mortalidade rápida por síndrome da radiação aguda. Doses controladas são usadas para imagens médicas e radioterapia.


bookmark_borderO que é conspícuo

conspícuo | adj.
cons·pí·cu·o
(latim conspicuus, -a, -um, visível, notável, distinto )
adjectivo adjetivo

1. Que está à vista. = VISÍVEL

2. Que chama a atenção.

3. [Figurado]   [Figurado]   Que é notável, ilustre, distinto.

4. [Figurado]   [Figurado]   Que é respeitável, sério.

Antónimo Antônimo Geral: INCONSPÍCUO


adjetivo Visto com facilidade; facilmente percebido; visível.
[Por Extensão] Que chama atenção por não ser comum; notável, ilustre.
[Por Extensão] De aspecto sério, circunspecto; grave.
[Por Extensão] Usado para definir uma espécie, região, grupo; típico, próprio.
[Figurado] Que se destaca pelo excesso de conhecimento, de boas qualidades.
[Por Extensão] Que analisa cuidadosa e prudentemente tudo o que lhe é apresentado.
Etimologia (origem da palavra conspícuo). Do latim conspicuus.a.um, “visível”.


Conspícuo (do latim conspicuu), em biologia e em paleontologia significa o caráter que permite a identificação da espécie, do grupo, etc., ou, no segundo caso, de fósseis, sedimentos, e outros.Como exemplo tem-se o élitro (asas anteriores enrijecidas), conspícuo nos coleópteros.


bookmark_borderO que é biotecnologia

biotecnologia | s. f.
bi·o·tec·no·lo·gi·a
(bio- + tecnologia )
nome feminino

[Biologia]   [Biologia]   Conjunto de processos e técnicas que visam utilizar os conhecimentos da área da biologia em diversas áreas científicas e tecnológicas, nomeadamente para aumentar e melhorar a produção no desenvolvimento agrícola e na indústria da alimentação.


substantivo feminino [Biologia] Análise e desenvolvimento de alguns organismos geneticamente modificados com o intuito de aumentar a produção.
Tecnologia ou conhecimento tecnológico desenvolvido para ser empregado em várias áreas biológicas, usualmente utilizado para fins de produção.
Etimologia (origem da palavra biotecnologia). Bio + tecnologia.


Biotecnologia (ciências biológicas aplicadas) é a tecnologia baseada nas ciências biológicas, qualquer que seja, em qualquer nível: molecular, celular, morfofisiológico, ecológico, biodiversidade, reprodução e genética. Ou seja, trata-se de olhar as diferentes ciências biológicas não pelo angulo da preservação e descrição, mas pelo angulo de riqueza e produção econômica, tal qual definido em A Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU :
A biotecnologia clássica (fase 1) se baseia na utilização de organismos vivos da forma como são encontrados na natureza ou melhorados por genética estatística convencional. Nesse sentido, a biotecnologia clássica se baseia principalmente nos conceitos mais maduros da microbiologia e genética, envolvendo um conjunto de atividades como a produção de alimentos fermentados (pão, vinho, iogurte, cerveja).
Por outro lado a fase 2 da biotecnologia (biotecnologia moderna) faz uso intenso da genética molecular (DNA recombinante) e biologia molecular, a ponto de quase perder sua identidade ampla e se resumir a biologia molecular. Recentemente, temos a fase 3 da biotecnologia (biotecnologia moderna) no qual a multidisciplinaridade e a diversidade em tecnologias e ciências biológicas atinge o seu ápice, ou seja, ocorre a combinação dos conceitos biológicos da genética, biologia celular, zoologia, botânica, ecologia, evolução, fisiologia, imunologia, histologia, engenharia, tecnologia da informação, robótica, bioética e o biodireito, entre outras. Portanto, a fase 3 da biotecnologia busca também sair da dependência da tecnologia do DNA recombinante para poder gerar novas tecnologias baseadas em outros ramos da biologia, além de estabelecer uma identidade multidisciplinar e diversa, buscando não se deixar confundir e se reduzir a biologia molecular e bioquímica.
Os principais tópicos de importância da biotecnologia nesta fase 3 são melhoramento genético, transgenia e organismos geneticamente modificados, reprodução artificial, cultura de células, tecidos e órgãos de seres vivos, controle biológico, terapia gênica, terapia celular, novas terapias moleculares, ciências ômicas e biologia molecular, bioprocessos industriais, cuidados com a biodiversidade e meio ambiente, biomateriais e dispositivos tecnológicos (biorreatores, dispositivos médicos, órteses e próteses).A palavra Biotecnologia tem origem grega, onde Bio significa vida; técno, técnica; e logia, conhecimento ou estudo. Em função da amplitude da definição e por tentar ser um guarda chuva para inúmeras disciplinas já consolidadas, admite-se um carácter de marketing e de algo amorfo, sem identidade, á biotecnologia, o que vem dificultando o seu pleno entendimento pela sociedade.


bookmark_borderO que é ecologia

ecologia | s. f.
e·co·lo·gi·a
(francês écologie )
nome feminino

[Biologia]   [Biologia]   Parte da Biologia que tem como objectivo o estudo das relações dos seres vivos com o seu meio natural. = MESOLOGIA


substantivo feminino [Biologia] Ciência que se caracteriza pelo estudo das relações entre os seres vivos; estudo das relações dos seres vivos com o meio orgânico ou inorgânico (em que vivem).
[Por analogia] Análise das relações de correspondência mútua entre os seres vivos e seu meio social, econômico ou moral.
[Informal] Cujo propósito está centrado no equilíbrio entre o homem e seu meio de convívio normal; ecologismo.
[Informal] Reunião de ideias que defendem a preservação do meio ambiente de uma maneira geral; ambientalismo.
Etimologia (origem da palavra ecologia). Do francês écologie.


A Ecologia é a especialidade da biologia que estuda o meio ambiente e os seres vivos que vivem nele, ou seja, é o estudo científico da distribuição e abundância dos seres vivos e das interações que determinam a sua distribuição. As interações podem ser entre seres vivos e/ou com o meio ambiente. A palavra “Ökologie” deriva da junção dos termos gregos “oikos”, que significa casa, e “logos”, que quer dizer “estudo”. Foi criada pelo cientista alemão Ernest Haeckel, em 1866, para designar a ciência que estuda as relações entre seres vivos e meio ambiente. No percurso de pouco mais de um século a ecologia transformou-se de modesta disciplina ligada ao campo da biologia para uma variedade de subdisciplinas, que se articularam constantemente, até chegar à base da mais volumosa obra de epistemologia da complexidade, iniciada por Edgar Morin com “Le paradigme perdu: la nature humaine” (O paradigma perdido: a natureza humana), de 1973. Em 1977 este mesmo autor iniciou uma série de 6 volumes sobre epistemologia (La Méthode), concluindo o sexto volume em 2005. Trata-se de uma obra que articula ciências da natureza e ciências sociais humanas com a filosofia.
Ciência ampla e complexa, a Ecologia preocupa-se com o entendimento do funcionamento de toda a natureza. Assim como vários outros campos de estudo da Biologia, ela não é uma ciência isolada. Para entendê-la, é necessário, por exemplo, conhecer um pouco de Evolução, Genética, Biologia Molecular, Fisiologia e Anatomia.Como matéria pode ser dividida em Autoecologia (é um dos dois grandes ramos em que Schot dividiu a ecologia), Demoecologia e Sinecologia. Entretanto, diversos ramos têm surgido utilizando diversas áreas do conhecimento: Biologia da Conservação, Ecologia da Restauração, Ecologia Numérica, Ecologia Quantitativa, Ecologia Teórica, Macroecologia, Ecofisiologia, Agroecologia, Ecologia da Paisagem. Ainda pode-se dividir a Ecologia em Ecologia Vegetal e Animal e ainda em Ecologia Terrestre e Aquática.
O meio ambiente afeta os seres vivos não só pelo espaço necessário à sua sobrevivência e reprodução, mas também às suas funções vitais, incluindo o seu comportamento, através do metabolismo. Por essa razão, o meio ambiente e a sua qualidade determinam o número de indivíduos e de espécies que podem viver no mesmo habitat. Por outro lado, os seres vivos também alteram permanentemente o meio ambiente em que vivem. O exemplo mais dramático de alteração do meio ambiente por organismos é a construção dos recifes de coral por minúsculos invertebrados, os pólipos coralinos. As relações entre os seres vivos do ecossistema também influencia na distribuição e abundância deles próprios. Como exemplo, incluem-se a competição pelo espaço, pelo alimento ou por parceiros para a reprodução, a predação de organismos por outros, a simbiose entre diferentes espécies que cooperam para a sua mútua sobrevivência, o comensalismo, o parasitismo e outros.
A maior compreensão dos conceitos ecológicos e da verificação das alterações de vários ecossistemas pelo homem levou ao conceito da Ecologia Humana que estuda as relações entre o homem e a biosfera, principalmente do ponto de vista da manutenção da sua saúde, não só física, mas também social. Com o passar do tempo surgiram também os conceitos de conservação que se impuseram na atuação dos governos, quer através das ações de regulamentação do uso do ambiente natural e das suas espécies, quer através de várias organizações ambientalistas que promovem a disseminação do conhecimento sobre estas interações entre o homem e a biosfera. Há muitas aplicações práticas da ecologia, como a biologia da conservação, gestão de zonas úmidas, gestão de recursos naturais (agricultura, silvicultura e pesca), planejamento da cidade e aplicações na economia.
Maurício Andrés Ribeiro, em sua trilogia intitulada Ecologizar, vol. 1, trata de ecologias e evolução: ele define e apresenta 15 formas de ecologia: ecologia ambiental, ecologia cósmica, ecologia energética, ecologia humana, ecologia mental e da consciência, ecologia cultural e informacional, ecologia do ser, ecologia profunda e ecologia transpessoal, ecologia política, ecologia social, ecologia econômica (também existe a economia ecológica), ecologia urbana, ecologia industrial, ecologia agrária e da paisagem, além da ecologia do cotidiano.


bookmark_borderO que é biólogo

biólogo | s. m.
bi·ó·lo·go
nome masculino

Indivíduo especializado em biologia. = BIOLOGISTA


substantivo masculino Aquele que se especializou em biologia, ciência cujo objeto de estudo é a vida, especialmente animal e vegetal; biologista.
Etimologia (origem da palavra biólogo). Bio + logo.


Biólogo é um profissional que tem conhecimento especializado na área da Biologia, entendendo os mecanismos subjacentes que regem o funcionamento de sistemas biológicos dentro de campos como a saúde, tecnologia e meio ambiente. Esse profissional trabalha em hospitais, universidades, clínicas, laboratórios de análises clínicas, laboratórios de pesquisa, indústrias de medicamentos, agropecuária, zoológicos, ou seja, todo lugar onde há vida, prezando pelo bem-estar, saúde e integridade de indivíduos e meio ambiente.


bookmark_borderO que é heterotrofismo

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição. electrotropismo heterótropos eletrotropismo (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico) heliotropismo (norma brasileira) heterográfico (norma brasileira) heteromorfismo (norma brasileira) heteromorfismos (norma brasileira) heterotrófica (norma brasileira) heterotróficas (norma brasileira) heterotrófico (norma brasileira) heterotróficos (norma brasileira)
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.


substantivo masculino Variação de heterotrofia.
Etimologia (origem da palavra heterotrofismo). Hétero + trofo + ismo.


Heterotrofismo ou seres heterotróficos (do grego: hetero, diferente + trophikos, alimentar), refere-se àqueles seres vivos (heterotróficos) que não possuem a capacidade de produzir seu próprio alimento.Sua alimentação é através da ingestão de compostos orgânicos, sendo então, dependente de seres vivos autotróficos ou de outros heterotróficos para obtenção destes compostos. Como por exemplo: ser humano, animais, vírus, protozoários, algumas plantas, fungos e algumas bactérias; sendo estas últimas importantes, inclusive, na medição da qualidade da água potável.Algumas plantas além de serem autotróficas, podem apresentar heterotrofismo, como as plantas insetívoras. Entretanto, algumas plantas são completamente heterotróficas, como as plantas parasitas.


bookmark_borderO que é esporogonia

Palavra não encontrada. Sugerir a inclusão no dicionário da palavra pesquisada.


substantivo feminino [Zoologia] 1 Reprodução por espórios.
Formação sexuada de espórios em um esporozoário, por enquistamento e divisão subsequente de um zigoto.
Etimologia (origem da palavra esporogonia). Esporo + gono + ia.


O zigoto sofre repetitivas divisões nucleares, e logo após a sua formação, sofre um encistamento e uma divisão meiótica, originando no interior do cisto quatro esporozoítos haploides.Essas células multiplicam-se por mitoses sucessivas, dando origem a muitos outros esporozoítos, que, finalmente, são eliminados do cisto.
Decorrente a finalização deste processo, acontece a segunda fase (a qual se assemelha à esquizogonia, que é uma forma de reprodução assexuada) e originam as células-filhas.
Exemplo: No ciclo da malária, o plasmódio realiza esporogonia ao passar pelo tudo digestivo do mosquito originando várias células haploides denominadas esporozoítos, que penetram no corpo do hospedeiro.