bookmark_borderO que é imunologia

imunologia | s. f.
i·mu·no·lo·gi·a
(imuno- + logia )
substantivo feminino

[Biologia, Medicina]   [Biologia, Medicina]   Especialidade que estuda os fenómenos de imunidade e as reacções entre antigénios e anticorpos.


substantivo feminino Parte da biologia e da medicina que estuda os fenômenos da imunidade; estudo de como o corpo resiste às doenças.


Imunologia é o ramo da biologia que estuda o sistema imunitário (ou imunológico) de todos os organismos. Ele lida, entre outras coisas, com o funcionamento fisiológico do sistema imune de um indivíduo no estado sadio ou não, mal funcionamento do sistema imune em casos de doenças imunológicas (doenças autoimunes, hipersensitividade, deficiência imune rejeição pós enxerto); características físicas, químicas e fisiológicas dos componentes do sistema imune in vitro, in situ e in vivo. O ramo da imunologia que estuda a sua interação com o comportamento e o sistema neuroendócrino chama-se psiconeuroimunologia.


bookmark_borderO que é biomédico

biomédico | adj.
bi·o·mé·di·co
(bio- + médico )
adjectivo adjetivo

1. Que participa ao mesmo tempo da biologia e da medicina.

2. Relativo a biomedicina.


adjetivo Relativo ou pertencente à biomedicina, à parte da medicina que se pauta nas ciências naturais (biologia, biofísica etc.) e tenta colocá-las em prática.
Relativo ao campo da biologia especializado na análise da morfologia e fisiologia da espécie humana.
Relativo à subárea da medicina que se dedica à pesquisa de remédios destinados à manutenção da vida.
Relacionado com a parte da medicina que estuda o ambiente dos astronautas no interior das naves.
substantivo masculino Indivíduo que se especializou em biomedicina.
Etimologia (origem da palavra biomédico). Bio + médico.


O biomédico é o profissional da área de saúde com formação superior em Biomedicina; tendo formação técnico-científica, com conhecimento do organismo humano tanto nos seus aspectos estruturais (células, tecidos e órgãos), quanto funcionais, investigando as interações tóxico-ambientais bem como os vetores e agentes causais das diversas doenças humanas. O campo de atuação do biomédico engloba toda a interface entre a biologia e a medicina clínica propriamente dita. Está apto a auxiliar no diagnóstico e avaliar clínico-laboratorialmente as doenças, os agentes etiológicos e os vetores, seja na atuação hospitalar ou na pesquisa, emitindo laudos e pareceres concernentes aos diversos aspectos fisiopatológicos dos pacientes, alem de realizar pesquisas para descoberta de novas doenças e novas curas
É consolidado como profissional de nível superior em estudos e avaliações clínico-microscópicas, atuando em diversas especialidades; como aquelas envolvidas na avaliação das estruturas e funções das células (Microbiologia, Micologia, Citologia, Embriologia, Histologia, Parasitologia etc.), análises moleculares (Bioquímica, Genética, Biofísica, Radiobiologia, Imunologia etc.), avaliações anatomofisiológicas (Fisiologia, Imagenologia, Perfusão Extracorpórea etc.), estudos socioantropológicos (Saúde Pública, Epidemiologia) e forenses (Química, Toxicologia etc.).
Os biomédicos podem ser generalistas (habilitados em análises clínicas) ou especialistas.
Para exercício de suas atividades o biomédico é registrado no respectivo Conselho Regional de Biomedicina (CRBM), atuando em uma das especialidades reconhecida pelo Conselho Federal de Biomedicina (CFBM). A habilitação e/ou especialidade geralmente é obtido por:

estágio durante a graduação;
pós – graduação (Lato ou Stricto Sensu) ou;
Título de Especialista ou;
Residência em área profissional da Saúde.


bookmark_borderO que é organoide

organóide organoide organóide organoide | adj. 2 g. Será que queria dizer organóide?
or·ga·nói·de |ói| or·ga·noi·de |ói| or·ga·nói·de |ói| or·ga·noi·de |ói|
adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

Que tem forma de órgão ou de corpo organizado.• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: organoide. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:organóide. • Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990:organoide. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:organóide


substantivo masculino [Biologia] Organela.


Um organoide é um órgão-seminal tridimensional cultivado em laboratórios especializados em medicina regenerativa. A técnica para crescimento de organóides melhorou rapidamente desde o início dos ano 10, e foi eleita pela revista The Scientist como um dos maiores avanços científicos de 2013.


bookmark_borderO que é neurociência

neurociência | s. f.
neu·ro·ci·ên·ci·a
(neuro- + ciência )
nome feminino

Ciência que estuda o sistema nervoso.


substantivo feminino Ciência que estuda o sistema nervoso, a organização cerebral, a anatomia e a fisiologia do cérebro, além de sua relação com as áreas do conhecimento (aprendizagem, cognição ou comportamento).
Reunião dos saberes e conhecimentos que se relacionam com o sistema nervoso.
Etimologia (origem da palavra neurociência). Neuro ‘nervo’ + ciência.


Neurociência é o estudo científico do sistema nervoso. Tradicionalmente, a neurociência tem sido vista como um ramo da biologia. Entretanto, atualmente ela é uma ciência interdisciplinar que colabora com outros campos como a educação, química, ciência da computação, engenharia, antropologia, linguística, matemática, medicina e disciplinas afins, filosofia, física, comunicação e psicologia. O termo neurobiologia é usado alternadamente com o termo neurociência, embora o primeiro se refira especificamente à biologia do sistema nervoso, enquanto o último se refere à inteira ciência do sistema nervoso.
O escopo da neurociência tem sido ampliado para incluir diferentes abordagens usadas para estudar os aspectos moleculares, celulares, de desenvolvimento, estruturais, funcionais, evolutivos e médicos do sistema nervoso, ainda sendo ampliado para incluir a cibernética como estudo da comunicação e controle no animal e na máquina com resultados fecundos para ambas áreas do conhecimento. As técnicas usadas pelos neurocientistas têm sido expandidas enormemente, com contribuições desde estudos moleculares e celulares de neurônios individuais até do “imageamento” de tarefas sensoriais e motoras no cérebro. Avanços teóricos recentes na neurociência têm sido auxiliados pelo estudo das redes neurais ou com apenas a concepção de circuitos (sistemas) e processamento de informações que tornam-se modelos de investigação com tecnologia biomédica e/ou clínica.
Dado o número crescente de cientistas que estudam o sistema nervoso, várias proeminentes organizações de neurociência têm sido formadas para prover um fórum para todos os neurocientistas e educadores. Por exemplo, a International Brain Research Organization foi fundada em 1960, a Society for Neuroscience em 1969, a Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento em 1976 e a Sociedade Portuguesa de Neurociências em 1992.


bookmark_borderO que é hematologia

hematologia | s. f.
he·ma·to·lo·gi·a
(hemato- + -logia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Parte da Medicina que estuda o sangue.


substantivo feminino Ciência que estuda a estrutura histológica, a composição química e as propriedades físicas do sangue.
Parte da medicina que se ocupa das doenças do sangue e dos órgãos hematopoéticos.
Os médicos que se especializam nessa ciência e realizam exames de sangue são chamados hematalogistas. Os hematologistas tratam pacientes que têm doenças do sangue e distúrbios dos tecidos e órgãos que produzem o sangue.


Hematologia é o ramo da biologia e especialidade clínica que estuda o sangue dos demais animais com sistema circulatório fechado. A palavra é composta pelos radicais gregos: Haima (de haimatos), “sangue” e lógos, “estudo, tratado, discurso”.A hematologia estuda, principalmente, os elementos figurados do sangue: hemácias (glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e plaquetas.
Estuda, também, a produção desses elementos e os órgãos onde eles são produzidos (órgãos hematopoiéticos): medula óssea, baço e linfonodos.
Além de estudar o estado de normalidade dos elementos sanguíneos e dos órgãos hematopoiéticos, estuda as doenças a eles relacionadas.


bookmark_borderO que é histologia

histologia | s. f.
his·to·lo·gi·a
(histo- + -logia )
nome feminino

Parte da Fisiologia que trata dos tecidos orgânicos.


substantivo feminino [Biologia] Medicina. Área especializada da biologia/medicina que se dedica ao estudo da estrutura microscópica, composição e da função dos tecidos orgânicos, também conhecidos por tecidos vivos.
Etimologia (origem da palavra histologia). Hist(o) + logia.


Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo, conhecimento) é também denominada Anatomia Microscópica ou Biologia Tecidual. Estas denominações se referem ao ramo da biologia que estuda a estrutura microscópica e as funções das células, tecidos e órgãos que compõem os organismos animais e vegetais. É uma importante disciplina de Graduação e Pós-graduação das áreas de ciências biológicas e da saúde. Além disso é uma importante área de pesquisa científica na área de Biologia e de Saúde. A Histologia pode ser conceitualmente classificada em Histologia Animal, com enfoque em animais, Histologia Humana, com enfoque em seres humanos, Histologia Vegetal, com enfoque em vegetais, dentre outras.
A Histologia se desenvolveu após a invenção do microscópio de luz, também denominado microscópio óptico ou microscópio fotônico. Caracteriza-se por utilizar iluminação por luz visível e um sistema de lentes que produzem uma imagem aumentada de um objeto. O microscópio como conhecemos hoje começou a ser utilizado na Europa por volta de 1620. Sua invenção é atribuída a várias pessoas, entre as quais Zacharias Janssen e Hans Lippershey.
O microscópio óptico, inicialmente muito simples, foi sendo progressivamente aperfeiçoado e muitos tipos de microscópios foram desenvolvidos, por exemplo microscópio de polarização, microscópio de contraste de fase, microscópio invertido, microscópio confocal de varredura a laser e vários outros instrumentos. Os microscópios eletrônicos pertencem a uma outra família de microscópios caracterizados por utilizarem feixes de elétrons para obtenção de imagens ou para conhecer composição química de espécimes.


bookmark_borderO que é marcador

marcador | adj. s. m. | s. m.
mar·ca·dor |ô| mar·ca·dor |ô|
(marcar + -dor )
adjectivo e nome masculino adjetivo e nome masculino

1. Que ou aquele que marca ou serve para marcar.nome masculino

2. [Desporto]   [Esporte]   Pessoa que regista ou controla a pontuação, em certas competições desportivas .

3. [Desporto]   [Esporte]   Jogador que, numa equipa , marca golos ou pontos.

4. [Desporto]   [Esporte]   Tabela ou aparelho destinado à contagem da pontuação, em certos jogos ou desportos . = PLACAR

5. Fita de tecido ou pedaço de material fino para marcar determinada página de um livro ou de outra publicação. = MARCA-LIVRO,REGISTO

6. Prato grande e raso, ou objecto semelhante, usado para assinalar o lugar de cada pessoa durante toda a refeição, geralmente numa mesa de cerimónia .

7. Caneta com ponta grossa de feltro ou material semelhante, usada para assinalar palavras ou partes de texto.

8. Pedaço de talagarça usado para aprender a bordar ou a marcar.

9. [Brasil]   [Brasil]   Pessoa que aquece os ferros e os leva para marcar o gado.

marcador de texto • [Brasil]   • [Brasil]   Caneta com ponta grossa de feltro ou material semelhante, usada para assinalar palavras ou partes de texto. = MARCA-TEXTO


adjetivo, substantivo masculino Que, ou o que marca.
Etimologia (origem da palavra marcador). Marcar + dor.
substantivo masculino Indivíduo que aquece os ferros e os leva para marcar o gado; marqueiro.
Pedaço de talagarça, em que as crianças aprendem a marcar ou bordar.
[Esporte] Tabuleta onde se marcam os gols que vão sendo conquistados; placar.
Jogador que marca o adversário.
[Tipografia] Fita ou linha, presa entre o miolo e a lombada.
Marcador de grupo, Inform: código que identifica o início e o fim de um grupo de registros ou itens de dados relacionados.
Marcador de parágrafo, Inform: num documento, caráter não imprimível que mostra onde está o retorno de carro dentro de um documento.


Em genética e epigenética, o marcador (ou bookmarking) é um fenômeno biológico que funciona como um mecanismo epigenético para a transmissão de memória celular do padrão de expressão de genes em uma célula, ao longo da mitose, às suas células-filhas. Isto é essencial para a manutenção do fenótipo de uma linhagem de células, de modo que, por exemplo, células hepáticas dividam em células hepáticas e não qualquer outro tipo de célula.


bookmark_borderO que é hemoterapia

hemoterapia | s. f.
he·mo·te·ra·pi·a
(hemo- + terapia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Tratamento por meio do sangue ou de um dos seus componentes.


substantivo feminino [Medicina] Emprego de sangue ou de produtos do sangue como o plasma sanguíneo, no tratamento de certas enfermidades.
Etimologia (origem da palavra hemoterapia). Hemo + terapia.


Hemoterapia é o emprego terapêutico do sangue, que pode ser transfundido com seus componentes (hemocomponentes) e derivados (hemoderivados).Os componentes sanguíneos (hemocomponentes) são obtidos através de processos físicos e são eles: concentrado de hemácias, plasma fresco congelado, concentrado de plaquetas e crioprecipitado. Já os derivados sanguíneos (hemoderivados) são fabricados através da industrialização do plasma e são eles: albumina, imunoglobulinas e fatores da coagulação (Fator VII, Fator VIII, Fator IX, além dos complexos protombínicos).
Os principais hemocomponentes utilizados na terapia transfusional são: concentrado de hemácias, concentrado de plaquetas, plasma fresco congelado e crioprecipitado. Não se deve usar plasma normal (sem os fatores de coagulação) para a transfusão, ficando seu uso restrito à indústria. Os hemoderivados mais usados são:albumina, imunoglobina, preparados hemofílicos (fator VIII e fator IX).