bookmark_borderO que é triterpeno

Palavra não encontrada. Sugerir a inclusão no dicionário da palavra pesquisada.


substantivo masculino [Química] Cada um de uma classe de terpenos que contêm três vezes mais átomos na molécula que os monoterpenos.
Etimologia (origem da palavra triterpeno). Tri + terpeno.


Os triterpenos são uma classe de compostos químicos compostos de três unidades terpeno com a fórmula molecular C 30 H 48>; eles também podem ser considerados como consistindo de seis unidades de isopreno. Animais, plantas e fungos produzem triterpenos, incluindo esqualeno, o precursor de todos os esteróidess.


bookmark_borderO que é bioquímica

bioquímica | s. f. fem. sing. de bioquímico
bi·o·quí·mi·ca
(bio- + química )
nome feminino

Parte da Biologia que estuda a constituição química das substâncias produzidas pela acção da vida.
bi·o·quí·mi·co bi·o·quí·mi·co
(bio- + químico )
adjectivo adjetivo

1. Relativo a bioquímica.

2. Relativo à biologia e à química.adjectivo e nome masculino adjetivo e nome masculino

3. Que ou quem é especialista em bioquímica.


substantivo feminino Parte da química que compreende o estudo dos constituintes da matéria viva e de suas reações. O mesmo que química biológica.


Bioquímica (química aplicada á biologia) é a ciência e tecnologia que estuda e aplica as ciências químicas ao contexto da biologia. De maneira geral, ela consiste no estudo e modificação da estrutura molecular e das reações químicas do metabolismo de biomoléculas, biopolímeros e componentes celulares e virais, como proteínas (proteômica), enzimas (enzimologia), carboidratos, lipídios, ácidos nucléicos (biologia molecular) entre outros. Também engloba o estudo do efeito de compostos químicos nos organismos vivos (química biológica). Suas aplicações englobam setores como alimentos, fármacos e biofármacos, análises clínicas, biocombustíveis, pesquisa básica dentre outros. É uma ciência e tecnologia essencial para todas as profissões relacionadas a ciências da vida e uma das fronteiras de desenvolvimento das ciências químicas.
Bioquímico é o profissional que estuda e aplica as leis da bioquímica para o entendimento e aplicação tecnológica de biomoléculas e dos organismos vivos (bioquímica industrial, biotecnologia e bioprocessos, bioquímica médica e clínica, bioquímica de alimentos, bioquímica agrícola e ambiental) para benefícios comerciais e industriais, e/ou benefícios a saúde humana e animal, a agropecuária e ao meio ambiente.Os bioquímicos utilizam ferramentas e conceitos da química e da biologia, particularmente da química orgânica, físico-química, fermentações e metabolismo, biologia celular, biologia molecular e genética, para a elucidação dos sistemas vivos e para sua aplicação tecnológica e industrial.A Bioquímica não deve ser confundida, no Brasil, com as análises clínicas, apenas uma de suas inúmeras aplicações e nem tampouco as análises clínicas devem ser reduzidas a apenas a bioquímica clínica. Em função disso, a graduação (licenciatura em Portugal) em Bioquímica é uma das mais tradicionais na Europa e EUA, e no Brasil, existe nas Universidades Federais de Viçosa e de São João del Rey (UFV e UFSJ) e nas Universidades Estaduais de Maringá e de São Paulo (UEM e USP, nesta última, como química ênfase bioquímica). No Brasil, não se deve confundir farmacêutico com o bioquímico, visto que um é profissional de saúde e outro é profissional da química da vida e da biotecnologia. Por bastante tempo, os cursos de graduação em farmácia no Brasil denominaram-se Farmácia-Bioquímica, em errônea alusão à habilitação em análises clínicas. Isto gerou na sociedade, e mesmo nos meios acadêmicos, a falsa noção de que bioquímica seria sinônimo de análises clínicas e farmácia, algo totalmente errado.


bookmark_borderO que é imunoquímica

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição. imunológica monoquínis imunogênica (norma brasileira)
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.


substantivo feminino [Química] Ramo da Química que trata dos aspectos químicos da imunologia.
Etimologia (origem da palavra imunoquímica). Imuno + química.


A Imunoquímica é o estudo da química e bioquímica relacionados ao sistema imunológico, interligando as ciências químicas e bioquímicas como a Imunologia. Envolve o estudo das propriedades químicas, físico-químicas e bioquímicas de biomoléculas envolvidas na resposta imune assim como o estudo de suas funções biológicas, produção e interação umas com as outras ou com células, tecidos e outros sistemas fisiológicos. De uma forma geral são objetos de estudos:- Anticorpos, Antígenos, Epítopos e Imunoglobulinas
– Toxinas e Anti-toxinas
– Citoquinas e quimoquinas
– Interação Antígeno/Anticorpo, como caso especifico de interação entre biomoléculas.

Existem diversas técnicas associadas especificamente a esta área científica, explorando a específica reacção existente entre antigénio e anticorpo. Tais técnicas têm aplicação tanto no âmbito da investigação laboratorial como no desenvolvimento e aplicação de ferramentas de diagnóstico médico.
As principais aplicações a nível médico incluem a determinação de níveis hormonais, identificação de agentes bacterianos ou virais em infecções, determinação de níveis de determinadas proteínas plasmáticas e ainda testes toxicológicos.
Alguns dos métodos mais usados em Imunoquímica são o ELISA, o RIA, o Western blot, a imunoprecipitação, a seroaglutinação, a imunoelectroforese e a imunofluorescência.
De uma forma geral, estas técnicas são categorizadas conforme o alvo biológico a ser testado e identificado:
– Bioquímica Imunológica: Quando o alvo a ser testado e identificado é outra substância química
-Imunocitoquímica: Quando o alvo a ser testado e identificado é uma célula específica
-Imunohistoquímica: Quando o alvo a ser testado e identificado é um tecido ou corte histológico.


bookmark_borderO que é fermentação

fermentação | s. f. derivação fem. sing. de fermentar
fer·men·ta·ção
(fermentar + -ção )
substantivo feminino

1. [Bioquímica]   [Bioquímica]   Processo bioquímico de transformação de uma substância devido à acção de um fermento (ex.: fermentação da cerveja, fermentação do pão, fermentação do vinho).

2. [Figurado]   [Figurado]   Agitação, efervescência.

3. Operação oculta de que há-de resultar uma novidade.Confrontar: frumentação.

fer·men·tar fer·men·tar – Conjugar
(latim fermento, -are )
verbo transitivo

1. Causar fermentação em.

2. [Figurado]   [Figurado]   Agitar.

3. Fomentar, excitar.verbo intransitivo

4. Estar em fermentação.

5. Levedar.


substantivo feminino Ação de fermentar.
Transformação química devida à presença de um fermento.
Efervescência gasosa derivada dessa transformação.
[Figurado] Agitação, movimento, efervescência de ânimos.
Agitação de coisas que se baralham; combinação, mistura.


A fermentação é um processo bioquímico, com a ausência de gás oxigênio, que consiste na síntese de ATP sem o envolvimento da cadeia respiratória, etapa característica do processo de respiração celular. Na fermentação, o aceitador final de hidrogênios é um composto orgânico e por este motivo constitui um metabolismo contrastante com a respiração celular, em que os elétrons são doados a aceitadores de elétrons exógenos, como o oxigênio, em uma cadeia transportadora de elétrons. Dessa forma, trata-se de um mecanismo muito importante na obtenção de energia em condições anaeróbicas, uma vez que nestes casos não há o processo de fosforilação oxidativa para manter a produção de ATP .
As bactérias podem realizar tanto fermentação como respiração aeróbica. Para algumas bactérias anaeróbias o gás oxigênio pode ser letal, restringindo a ocorrência desses organismos a solos profundos e regiões em que o teor de oxigênio é praticamente zero. A esses organismos damos o nome de anaeróbios estritos. Há, no entanto, outros organismos que são considerados anaeróbios facultativos, uma vez que realizam a fermentação na ausência de oxigênio e a respiração aeróbia na presença desse gás, como é o caso de certos fungos (Saccharomyces cerevisiae – levedura) e de muitas bactérias.Durante o processo da glicólise, a glicose é inicialmente degradada em piruvato,e este por sua vez é metabolizado em diferentes compostos de acordo com o tipo de fermentação. Na fermentação láctica o piruvato é convertido a ácido láctico, enquanto na fermentação alcoólica o mesmo é convertido a etanol com a liberação de CO2; já no caso da fermentação heterocíclica, o piruvato é convertido a ácido láctico e outros ácidos e alcoóis. Apesar de ser um processo que ocorre na ausência de oxigênio, alguns organismos realizam esse metabolismo mesmo na presença de grandes concentrações de oxigênio, como é o caso da levedura. O açúcar é o substrato mais comumente utilizado no metabolismo fermentativo. Essa molécula sofre uma degradação parcial a moléculas orgânicas menores fornecendo energia na forma de ATP para a célula. O saldo energético desse processo é de apenas 2 moléculas de ATP por molécula de glicose degradada, um ganho energético inferior ao processo de Respiração Celular. Vale ressaltar que esse ganho energético é totalmente proveniente da glicólise, uma etapa comum a ambos processos do metabolismo energético. Trata-se de um processo utilizado por diversos micro-organismos e algumas células de mamíferos – como as hemácias, as fibras musculares brancas e as fibras musculares vermelhas sob contração vigorosa. No último caso, quando fibras vermelhas são submetidas a esforço intenso, o oxigênio transportado pelo sangue torna-se insuficiente para promover a oxidação da grande quantidade de NADH resultante do trabalho muscular, expondo a célula a uma situação de anaerobiose relativa.


bookmark_borderO que é lipólise

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição. lipóide pirólise hipófise repolisse hipótese repoliste repolis lipóides diploide (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico e norma brasileira, na grafia pós-Acordo Ortográfico) glicólise (norma brasileira) li pólice (norma brasileira) lipoide (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico e norma brasileira, na grafia pós-Acordo Ortográfico) lipoides (norma europeia, na grafia pós-Acordo Ortográfico)
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.


substantivo feminino Processo através do qual os lipídios são desdobrados, por meio da hidrólise, em ácidos graxos e sais.
Etimologia (origem da palavra lipólise). Lip(o) + lise.


Lipólise é um processo pelo qual há a degradação de lipídios em ácidos graxos e glicerol. Ocorre no tecido adiposo. Alguns desportistas, fazem uso de substâncias legais (l-carnitina, sulfato de salbutamol) para aumentá-la, estas substâncias ajudam os ácidos graxos a atravessar a matriz mitocondrial. Na matriz mitocondrial ocorre a sua oxidação (combustão). Ela é um processo oposto ao da lipogênese, e é promovida sobretudo pela secreção de glucagon, o hormônio contrarregulatório da insulina.
Quando o sangue está com a concentração de glicose abaixo do normal (hipoglicemia), o pâncreas tende a secretar o hormônio glucagon, esse hormônio faz com que o fígado tenda a liberar glicose no sangue, a qual advém da quebra do glicogênio hepático e da gliconeogênese.
A secreção de glucagon também atua no tecido adiposo, causando a metabolização de seus triglicerídeos armazenados, que vão para a corrente sanguínea e se aglomeram nas lipoproteínas de baixa densidade (VLDL e LDL), de modo que podem ser transportadas até o fígado. Quando as VLDL e LDL chegam até o fígado, os triglicerídeos que estavam sendo transportados são captados e metabolizados, de modo que a quebra deles produz ácidos graxos e glicerol, o glicerol é transformado então em glicose, a qual parte é liberada para a corrente sanguínea e parte serve para repor o glicogênio hepático.
É muito importante não confundir triglicerídeos com ácidos graxos, pois o organismo humano não é capaz de produzir glicose a partir de ácidos graxos em nenhuma hipótese. Entretanto, o triglicerídeo, sinônimo de triacilglicerol, é uma molécula formada por uma parte ou “cabeça” de glicerol unida a três ácidos graxos. A quebra do triglicerídeo em 3 moléculas de ácidos graxos e 1 de glicerol pode fornecer o substrato para a gliconeogênese, o glicerol. A gliconeogênese é o processo de “construção” de uma molécula de glicose a partir de outras moléculas como aminoácidos ou glicerol.Outros promotores da lipólise são a adrenalina e a epinefrina.


bookmark_borderO que é fibra

fibra | s. f.
fi·bra
(latim fibra, -ae )
substantivo feminino

1. Nome de filamentos delgados que, dispostos em feixes, constituem certas substâncias animais, vegetais ou minerais.

2. [Figurado]   [Figurado]   Energia ou capacidade para tomar decisões difíceis ou assumir posições firmes. = FEBRA, RIJEZA

fibra de vidro • Filamento contínuo ou descontínuo obtido por estiragem do vidro fundido, utilizado para o fabrico dos fios de vidro, da lã e dos tecidos de vidro e dos plásticos reforçados.

fibra óptica • Filamento ou fibra em matéria dieléctrica , que se destina a conduzir ondas electromagnéticas nos domínios do visível ou do infravermelho (transmissão de dados, videoconferência, televisão por cabo).


substantivo feminino Filamento ou célula alongada que constitui certos tecidos animais e vegetais ou certas substâncias minerais: fibra muscular.
[Figurado] Energia, pulso, firmeza: homem de fibra.
Fibra por fibra, minuciosamente, cuidadosamente.
Fibra de vidro, filamento, contínuo ou descontínuo, obtido a partir do vidro fundido e utilizado na fabricação de fios de vidro, da lã de vidro, de tecidos de vidro e de plásticos reforçados.
Fibra óptica, fibra ou filamento de material dielétrico que se usa para guiar ondas eletromagnéticas nos domínios do visível e do infravermelho.


As fibras são materiais muito finos e alongados, como filamentos, que podem ser contínuos ou cortados.
As fibras servem de matéria-prima para manufatura, podendo ser fiadas, para a formação de fios, linhas ou cordas ou dispostas em mantas, para a produção papel, feltro ou outros produtos.
Toda fibra é um polímero e a classificação é dada por conta de como é esta polimerização.
As fibras usadas na manufatura são classificadas conforme a sua origem, que pode ser natural, artificial ou sintética.
Fibras naturais são as fibras retiradas prontas da natureza. que podem ser de origem vegetal ou animal:
Nas fibras de origem vegetal temos as chamadas fibras semente , sendo as mais comuns o algodão CO, o linho CL , rami CR. ou a Juta CJ,
Nas fibras de origem animal . temos fibras como a Seda SK ou S, Mohair WM, Caxemira WK,, Angorá WA
As fibras artificiais são produzidas pelo homem, porém utilizando como matéria-prima produtos da natureza, como a celulose. As mais comumente usada são a viscose CV, o acetato CA, o Lyocel e o Modal.
Fibras sintéticas são fibras produzidas pelo homem usando como matéria-prima produtos químicos, da indústria petroquímica. As mais conhecidas são o poliéster PES, a poliamida PA, o acrílico PAC, o polipropileno PP e o poliuretano PUR (Elastano), além das aramidas (Kevlar e Nomex).
Tem como simbologia letras apenas em maiusculo derivando de palavras inglesas (no caso da sintéticas do latim que influenciou a primeira): CO – Algodão, ou PP – polipropileno.
É comum, porém incorreto, chamar pelos nomes de marca comercial:
Lycra – marca registrada da DuPont polimero poliureteno elastomerico PUR
Nylon – (Dupont) Poliamida PA
Kevlar – (DuPont) Poliaramida de carbono ou Policarbamida
Nomex – (DuPont)