bookmark_borderO que é argali

argali | s. m.
ar·ga·li
nome masculino

Carneiro bravo da Sibéria.


substantivo masculino Ruminante selvagem, semelhante ao carneiro, encontrado na Sibéria meridional, Índia e Mongólia.


O argali ou carneiro-da-montanha (Ovis ammon) é uma das ovelhas selvagens mais ameaçadas de extinção, e vagueiam pelas terras altas da Ásia Central (Himalaia, Tibete, Altai). É a maior ovelha selvagem, possui altura de 120 cm e pesa 140 kg. O argali de Pamir (de vez em quando chamado de ovelha de Marco Polo, porque foi primeiramente descrito pelo comerciante) pode alcançar mais de 183 centímetros no comprimento.
A coloração varia para cada animal, de um amarelo claro para um cinza marrom-escuro. A face é mais clara. Os machos possuem um pescoço esbranquiçado, uma crina dorsal, dois grandes chifres em forma espiral, alguns medindo 190 centímetros em comprimento. Machos usam os chifres para competir um com o outro. As fêmeas também possuem chifres, mas muito menores.
Os argalis vivem em rebanhos entre dois e cem animais, segregados por sexo, a não ser durante a estação do acasalamento. Já foram relatados rebanhos migratórios, especialmente de machos. Com pernas longas, os rebanhos podem viajar rapidamente de lugar a lugar. Os argalis também tendem a viver à grandes altitudes no verão.
Os argalis são considerados em perigo ou ameaçados de extinção em sua totalidade, devido à perda do habitat para o pastoreio de ovelhas domésticas e pela caça. São caçados pela sua carne e pelos seus chifres, usados na medicina chinesa tradicional. A caça legal por trófeus adicionou-se também às causas da mortalidade.
Subespécies tradicionais:

Ovis ammon ammon
Ovis ammon collium
Ovis ammon hodgsonii
Ovis ammon karelini
Ovis ammon polii, Carneiro de Marco Polo
Ovis ammon darwini
Ovis ammon severtzovi
Ovis ammon jubata
Ovis ammon nigrimontana


bookmark_borderO que é marota

fem. sing. de maroto
ma·ro·to |ô| ma·ro·to |ô|
(origem obscura )
adjectivo e nome masculino adjetivo e nome masculino

1. Que ou o que tem manha, esperteza. = ESPERTO, FINÓRIO, LADINO, MALANDRO, MANHOSO, MARAU

2. Que ou o que faz travessuras. = BRINCALHÃO, MALANDRO, TRAQUINAS

3. Que ou o que revela mau carácter ou atitudes condenáveis. = CANALHA, MARAU,MAU-CARÁCTER , PATIFE, TRATANTE, VELHACOadjectivo adjetivo

4. Que tem malícia. = BREJEIRO, INDECENTE, LASCIVO, MALICIOSOPlural: marotos |ô|. Plural: marotos |ô|.


Marota é o feminino de maroto. O mesmo que: malandra, travessa, galega, patifa, brejeira, maliciosa.


Marota é uma raça de cabra desenvolvida na região nordeste do Brasil. Recebeu este nome por serem consideradas brincalhonas, tranquilas ou marotas.


bookmark_borderO que é merino

merinó | s. m. merino | s. m. | adj.
me·ri·nó
(francês mérino, do espanhol merino )
nome masculino

[Brasil]   [Brasil]   O mesmo que merino.
me·ri·no me·ri·no
(espanhol merino, do latim majorinus, -a, -um, da mais larga espécie )
nome masculino

1. Carneiro de raça de origem espanhola, cuja lã é muito apreciada.

2. Lã dessa raça de carneiro.

3. Tecido dessa lã (ex.: vestido de merino).adjectivo adjetivo

4. Relativo a ou proveniente da raça dos carneiros merinos.


adjetivo Diz-se de uma raça espanhola de carneiros, cuja lã, muito fina, é bastante apreciada.
substantivo masculino Tecido feito com essa lã.


Merino é uma raça de ovinos originária do Sul de Portugal. Sua lã é tida como a mais nobre para uso em vestimentas e artigos de decoração.
A raça Merino resultou da evolução da população merina que no inicio do século XX existia no sul de Portugal. Tratava-se de um grupo étnico bastante heterogéneo, onde predominavam os animais de cor preta. Nessa altura a principal fonte de rendimento da exploração ovina era a lã que apresentava uma excelente qualidade nos animais desta raça. A produção de lã motivou cruzamentos com raças melhoradas como com o merino precoce, uma raça francesa sintetizada a partir do Merino de Rambouillet (Alves Bento et al. 1986).
As raças autóctones, nomeadamente a raça Merino Branco, caracterizam-se pela sua extraordinária rusticidade, traduzida numa perfeita adaptação às condições edafoclimáticas e num bom aproveitamento dos recursos naturais da região . Esta Raça tem origem na região do Alentejo e possuía no ano de 1999 cerca de 22000 animais inscritos no Livro Genealógico , e em 2007 contava com 17000 animais inscritos, num total de 40 criadores . Em 2009, segundo a Sociedade Portuguesa de Ovinotecnia e Caprinotecnia existem apenas 9000 animais inscritos no Livro Genealógico num total de 22 criadores .
Padrao da Raça (SPOC)
Aspecto Geral Tamanho médio, eumétrico e mediolíneo, de cor branca.
Pele, Velo e Lã Pele fina, untuosa e sem pigmentação. Velo muito extenso e tochado, com madeixas cilíndricas ou quadradas, regularmente homogéneo; cobre a cabeça, todo o pescoço, o ventre, os membros quase até às unhas e os testículos.
Cabeça tamanho médio, larga e curta; perfil craniano subconvexo; chanfro recto nas fêmeas e convexo nos machos; boca grande, com lábios grossos; olhos grandes e expressivos, com arcadas orbitarias não muito salientes; orelhas pequenas e horizontais; cornos ausentes nas fêmeas mas frequentes nos machos, enrolados em espiral fechada, rugosos e de secção triangular; bem revestida de lã, a qual cobre por vezes parte das faces e do frontal.
Tronco volume mediano; garrote pouco destacado, seguido de uma linha dorso-lombar horizontal; espádua regularmente relacionada e desenvolvida; costado mediamente arqueado; ventre desenvolvido; dorso e rins de comprimento e largura médios; garupa curta e ligeiramente descaída; no seu conjunto o tronco apresenta um todo harmonioso.
Úbere largo e bem inserido, com tetos curtos, mas bem implantados.
Membros fortes e regularmente aprumados; curvilhões grossos tal como as restantes articulações; revestimento lanar em geral até abaixo dos joelhos e dos curvilhões.
Peso vivo adulto Fêmeas: 45- 60 kg; Machos: 75 – 90 kg.
parametros reprodutivos e produtivos
Parâmetros Reprodutivos
Taxa de Fertilidade: 80 – 90 %
Taxa de Prolificidade: 110 – 140 %
Taxa de Fecundidade: 90 – 130 %
Produção de Carne
Peso ao Nascimento: 3.0 – 4.0 kg
Peso aos 30 dias: 8.5 – 10.3 kg
Peso aos 60 dias: 13.0 – 18.0 kg
Peso aos 90 dias: 18.0 – 26.0 kg
GMD intensivo: 300 – 350 gr
Peso de abate tradicional: 22 – 30 kg
Idade de abate tradicional: 90 – 120 dias
Época principal de abate: Natal e Páscoa
Produção de Lã
Classificação da lã: Merino Extra a Merino Forte
Peso do velo: Fêmeas 2.5 – 3.0 kg; Machos 4.5 – 5.0 kg
Diâmetro das fibras: 8 – 25 micra
Comprimento das fibras: 6 – 8 cm
Observações: Rendimento LAF: 50 – 52 %