bookmark_borderO que é ágar-ágar

ágar-ágar | s. m.
á·gar·-á·gar
substantivo masculino

1. [Química]   [Química]   Geleia extraída de uma alga, e que se utiliza em bacteriologia, farmácia e na indústria. = GELOSE

2. A própria alga.Plural: ágar-ágares. Plural: ágar-ágares.



O ágar-ágar, também conhecido simplesmente como ágar ou agarose, é um hidrocolóide fortemente gelatinoso extraído de diversos gêneros e espécies de algas marinhas vermelhas que consiste em uma mistura heterogênea de dois polissacarídeos, agarose e agaropectina. Essas substâncias ocorrem como carboidrato estrutural na parede das células. Tais algas que contém o ágar-ágar são denominadas agarófitas e pertencem à classe Rhodophyta . O nome deste polímero provém da palavra malaia agar-agar. Os principais gêneros de algas agarófitas são a Gelidium, Gracilaria, Gelidiela e Pterocladia. Os primeiros registos conhecidos da extração da agarose datam de finais da década de 1650 ou princípios da década de 1660 sendo atribuída a descoberta do método de extracção a Mino Tarōzaemon (美濃 太郎左衛門), no Japão, onde o produto foi designado por kanten, nome que mantém em diversas dietas e preparados.


bookmark_borderO que é aldose

aldose | s. f.
al·do·se |ó| al·do·se |ó|
nome feminino

Nome genérico dos glícidos que apresentam funções de aldeído.


substantivo feminino Composto hidrocarbonado que tem função de aldeído.


Carboidrato composto de uma única unidade sacarídica que se caracteriza pela presença de um conjunto de carbonilo terminal.
Uma aldose é um monossacarídeo (um açúcar simples), que contém apenas um aldeído por molécula. A forma mais simples possível da aldose é a que contém apenas dois átomos de carbono. Elas têm pelo menos um centro de carbono assimétrico. Isto significa uma aldose podem existir quer numa forma D ou L na forma de uma projeção de Fischer. Os sistemas biológicos tendem a reconhecer D-aldoses mais do que L-aldoses.

São monossacarídeos que têm como base um grupo aldeído ( H-C=O) e álcoo(COH). Ex: glicose.
Projeção de Fischer das D-Aldoses. (1) D-(+)-Gliceraldeído; (2a) D-(−)-Eritrose; (2b) D-(−)-Treose; (3a) D-(−)-Ribose; (3b) D-(−)-Arabinose; (3c) D-(+)-Xilose; (3d) D-(−)-Lixose; (4a) D-(+)-Allose; (4b) D-(+)-Altrose; (4c) D-(+)-Glucose; (4d) D-(+)-Manose; (4e) D-(−)-Gulose; (4f) D-(−)-Idose; (4g) D-(+)-Galactose; (4h) D-(+)-Talose


bookmark_borderO que é galactose

galactose | s. f.
ga·lac·to·se |lâctó| ga·lac·to·se |lâctó|
(galacto- + -ose )
nome feminino

[Fisiologia]   [Fisiologia]   Conversão do sangue, quilo ou linfa em leite.


substantivo feminino Química Açúcar (hexose) obtido por hidrólise da lactose.


Galactose é um açúcar monossacarídeo. Seu papel biológico é transformado directamente em glicose por um processo relativamente simples. Primeiro, é fosforilada a galactose-1-fosfato por acção da quinase da galactose (com gasto de ATP), composto que, posteriormente, reage com a UDP-Glicose, originando UDP-galactose e glicose-1-fosfato. Esta reacção é catalisada pela transférase da glicose-1-fosfato uridil. Posteriormente, a UDP-Galactose é isomerizada a UDP-Glicose pela 4-epimérase da UDP-Galactose. A UDP Glicose é transformada depois em glicose-1-fosfato.
A galactose é importante na síntese de lactose na glândula mamária em lactação, pois nesta ocorre uma condensação entre a glicose e a UDP-Galactose, originando lactose, numa reacção catalisada pela síntase da lactose. A galactose é, também, um constituinte importante dos glicolípidos, dos proteoglicanos e das glicoproteínas.
A galactose não é tão doce como a glicose.
Segundo Bobbio & Bobbio (1992), a solubilidade média da galactose a 20 ºC é 50g/100g de água.
Função
Em humanos, é o carboidrato terminal que forma o antígeno do grupo sanguíneo B


bookmark_borderO que é maltose

maltose | s. f.
mal·to·se |ó| mal·to·se |ó|
nome feminino

Açúcar que se obtém pela sacarificação incompleta do amido por meio de malte.


substantivo feminino Açúcar que se forma pela hidrólise do amilo e que dá duas moléculas de glicose.


Maltose é um dissacarídeo redutor composto da junção de uma molécula de α-D- glicose e outra de β-D-glicose, através de uma ligação O-glicosídica. Ela é o primeiro produto obtido durante a digestão do amido pela beta-amilase, sendo depois quebrada e transformada em glicose. Maltose é encontrada em vegetais, e tem função energética. É também chamada de açúcar de malte de cereais. A maltose é o principal componente do malte, usado na fabricação de cerveja e pães doces e salgados e outros alimentos.


bookmark_borderO que é monossacarídeo

monossacarídeo | s. m.
mo·nos·sa·ca·rí·de·o
(mono- + sacarídeo )
nome masculino

[Bioquímica]   [Bioquímica]   O mesmo que monossacárido.


adjetivo Variação de monossacáride.
Etimologia (origem da palavra monossacarídeo). Mono + sacarídeo.


Monossacarídeos são carboidratos não polimerizados, por isso, não sofrem hidrólise. Possuem em geral entre três e sete átomos de carbono. O termo inclui aldoses, cetoses, e vários derivados, por oxidação, desoxigenação, introdução de outros grupos substituintes, alquilação ou acilação das hidroxilas e ramificações.


bookmark_borderO que é dissacarídeo

dissacarídeo | s. m.
dis·sa·ca·rí·de·o
(di- + sacarídeo )
nome masculino

[Bioquímica]   [Bioquímica]   O mesmo que dissacárido.


substantivo masculino [Química] Cada um de uma classe de açúcares, como a sacarose, lactose ou maltose, dos quais, por hidrólise, se obtêm dois monossacarídeos.
Etimologia (origem da palavra dissacarídeo). Dis + sacarídeo.


Dissacarídeos, dissacáridos ou dissacarídios são cadeias orgânicas constituídas por duas unidades de monossacarídeos unidos por uma ligação glicosídica. A variação entre as unidades de monossacarídeos garante a existência de um grande sortimento de dissacarídeos sintetizados pelos seres vivos.

Quando dois monossacarídeos se unem para formar um dissacarídeo, uma molécula de água é perdida (conhecida comoSíntese por Desidratação), mas, quando duas moléculas menores combinam-se para formar uma molécula maior em uma reação de síntese por condensação,uma molécula de água é formada e removida.
Os dissacarídeos mais conhecidos são: a sacarose (na figura), dímero de glucopiranose e frutofuranose, comum em plantas, sendo explorado de forma comercial principalmente a partir da cana-da-índa (Saccharum officinarum); a maltose, dímero de glucopiranoses, encontrada de forma notável em todo o reino vegetal; a lactose, dímero de glucopiranose e galactopiranose, abundante no leite; e a trealose, dímero de glucopiranoses ligadas de forma não redutora, principal forma de transporte de energia dos insetos.
Durante o processo digestivo, os dissacarídeos, assim como os polissacarídeos, têm suas ligações glicosídicas quebradas (através da hidrólise) a fim de se obter monossacarídeos passivos de absorção pelo indivíduo. A hidrólise pode ser caracterizada como química (através da ação de ácidos ou bases) ou enzimática, sendo neste caso as enzimas responsáveis pela quebra da ligação.
Como exemplo de hidrólise, a molécula de sacarose é hidrolisada a glicose e frutose:

Sacarose + H2O → glicose + frutose