bookmark_borderO que é girafa

girafa | s. f.
gi·ra·fa
(italiano giraffa, do árabe zarafa )
nome feminino

1. [Zoologia]   [Zoologia]   Mamífero ruminante da família dos girafídeos, notável pelo comprimento do pescoço, de corpo amarelado com manchas acastanhadas.

2. [Figurado]   [Figurado]   Pessoa alta e de pescoço comprido.

3. [Cinema, Televisão]   [Cinema, Televisão]   Percha fixa a um pé articulado e suportando um microfone. = PERCHA, PERCHE


substantivo feminino Gênero de mamíferos ruminantes, originário da África, de grande altura.
É o mamífero mais alto de todos os animais. Os machos adultos podem alcançar aproximadamente 5m de altura, 1,5m mais do que o elefante-africano, o segundo animal em altura. A girafa alcança essa grande altura em razão das pernas, que têm cerca de 1,8 m de comprimento, e do pescoço, que pode ser até mais comprido. Entretanto, embora a girafa supere os outros animais em altura, um macho grande pesa somente cerca de 900kg. Um elefante-africano macho pode pesar seis vezes mais.


O termo girafa (do árabe zarAfa(t), pelo italiano giraffa) é a designação dada a mamíferos artiodátilos, ruminantes, do gênero Giraffa, da família dos girafídeos, no qual constam quatro espécies (até 2016 considerava-se uma única espécie, a Giraffa camelopardalis, ou camelo-leopardo, como eram chamadas pelos romanos quando elas existiam no norte da África, pois acreditava-se que vinham de uma mistura de uma fêmea camelo, com um macho leopardo)[carece de fontes?]. São ungulados com número par de dedos.
As girafas são os únicos membros de seu gênero e, juntas com os ocapis, formam a família Giraffidae. Atualmente estão listadas quatro espécies de girafa existentes e nove já extintas (ver abaixo), diferenciadas também pela distribuição geográfica e pelo padrão das manchas. Essas várias subespécies de girafas agora habitam as terras secas ao sul do Saara. As girafas se distribuem em dois grupos: girafa-do-norte que são tricornes, isto é, com um corno nasal interocular e dois frontoparietais, apresentando pelagem predominantemente reticulada; e girafa-do-sul, sem corno nasal e a pelagem tem predominantemente malhas irregulares.
Os machos chegam a 5 metros de altura e com suas línguas preênseis que alcançam até 50 centímetros são capazes de pegar as folhas de acácias, por entre pontiagudos espinhos nos altos dos galhos, que são sua principal fonte de alimentação. Elas são capazes de comer as folhas das árvores até 6 metros de altura. Para poderem pastar, têm de afastar uma da outra as pernas dianteiras. Devido ao baixo teor nutritivo das folhas, as girafas precisam comer grandes quantidades e passam quase 20 horas por dia comendo. O comprimento do corpo pode ultrapassar os 2,25 metros e ainda possui uma cauda com oitenta centímetros de comprimento, não contando com o pincel final. O seu peso pode ultrapassar os 500 quilogramas. Apesar do seu tamanho, a girafa pode atingir a velocidade de 56 km/h, suficiente para fugir de seus predadores.
As girafas, como todos os mamíferos, possuem sete vértebras cervicais. Os seus pescoços, entretanto, são os maiores dos animais atuais, pelo que é pouco flexível. Por causa de seu pescoço comprido e rígido, seu sistema vascular possui a fama de ser o responsável pela maior pressão sanguínea do reino animal. O coração tem dois orifícios: um que bombeia sangue para o pulmão e membros e outro que alimenta o cérebro com o líquido vermelho. Este último é fino, visto que os músculos são maiores, assim a força necessária para o bombeamento não é tão grande como se imagina. No entanto, quando a girafa tem de beber água, a pressão sanguínea da cabeça aumenta muito e só não a mata devido a duas particularidades excepcionais. Próximo ao cérebro, existe uma rede de vasos capilares que se ramificam em inúmeras veias menores dentro do crânio do animal. Eles servem para amortecer e distribuir essa sobrecarga de sangue jorrada pelo coração quando a girafa está com o pescoço abaixado. Além disso, uma veia grossa repleta de válvulas que retorna ao coração recebe parte do sangue bombeado. Quando o sangue pressiona demasiadamente os vasos da cabeça da girafa, ele é desviado para essa veia. Repleta de válvulas que se fecham com a passada do sangue, a veia alivia a pressão da cabeça e não deixa que o animal morra cada vez que deseja matar a sede.
Ambos os sexos possuem dois a quatro cornos curtos e recobertos por pele. O pelo da girafa é fulvo (amarelo-tostado, alourado) ou rosado, com grandes manchas de cor amarronzada (exceto no ventre, onde o pelo é branco). As manchas pardas possuem um padrão único para cada indivíduo e o auxilia a se mimetizar por entre as sombras das árvores onde habita. Essas manchas também concentram, debaixo da pele, vasos sanguíneos e são responsáveis pela manutenção da temperatura corporal adequada das girafas. Elas possuem pernas longas, sendo as dianteiras mais altas que as traseiras, e número reduzido de costelas. O tempo de vida de uma girafa é de aproximadamente 15 a 20 anos. O couro das pernas é mais rijo e comprime mais os membros da girafa do que no restante do corpo. Isso permite que o sangue não se espalhe pelo tecido e músculos das patas, fazendo-o retornar ao coração. Caso isso não acontecesse, as pernas da girafa acumulariam muito sangue por serem longas demais e acabariam matando o animal.
Leões, hienas e leopardos são predadores dos filhotes de girafas, mas os adultos possuem porte e velocidade suficientes para limitar o número de predadores. As girafas quase não emitem sons. A gestação dura 420 a 450 dias, nascendo só uma cria de cada vez com uma altura que oscila entre 1,5 e 1,7 metros. Seus chifres nascem soltos no crânio para que não machuquem a mãe durante sua saída do útero. Os chifres se fundem com o osso durante a infância e adolescência. Os filhotes de girafas caem de uma altura de quase 2 metros quando a mãe está de pé durante o nascimento, o que é frequente. A vegetação da savana africana, entretanto, amortece a queda.
É um animal gregário constituindo rebanhos ou bandos pouco numerosos, andando rapidamente, a passo travado e associando-se aos antílopes e avestruzes nas savanas africanas ao sul do Saara.
As girafas dormem aproximadamente duas horas por dia e um pouco de cada vez. Elas dormem em pé e, apenas em ocasiões muito especiais, quando se sente completamente segura, se deita no chão para descansar.
A girafa só se deita se estiver segura pois, caso um predador se aproxime, ela demora muito tempo para se levantar devido a seu tamanho. A girafa é bem grande, devido a um osso de seu pescoço e de suas pernas, que são bem alongadas.


bookmark_borderO que é dragão

dragão | s. m. | s. m. pl.
dra·gão
nome masculino

1. Animal fabuloso que se representa com cauda de serpente, garras e asas.

2. Pequeno réptil sáurio inofensivo.

3. Antiga peça de artilharia.

4. Soldado de cavalaria que também combate a pé.

5. [Figurado]   [Figurado]   Pessoa de mau génio .

6. [Depreciativo]   [Depreciativo]   Pessoa muito feia.

7. [Astronomia]   [Astronomia]   Constelação boreal. (Geralmente com inicial maiúscula.)

8. [Veterinária]   [Veterinária]   Catarata.

9. [Heráldica]   [Heráldica]   Emblema ou insígnia em forma de dragão.
dragõesnome masculino plural

10. [Desporto]   [Esporte]   Equipa do Futebol Clube do Porto.

dragão infernal • Satanás.

dragão volante • Espécie de meteoro.


substantivo masculino Monstro fictício que figura fábulas, normalmente representado por uma serpente recoberta por escamas, cuja boca expele fogo.
[Por Extensão] Qualquer representação deste monstro: desenho de dragão.
[Pejorativo] Pessoa muito feia: festa composta basicamente por dragões!
[Militar] Soldado de cavalaria.
[Religião] Para algumas religiões, em linguagem mística, ser que representa o mau; diabo, demônio.
[Zoologia] Nome comum aos lagartos de pequeno porte, que vivem em árvores, de cor intensa e brilhante, de origem indiana ou asiática, com o corpo revestido por membrana, com apêndices como asas que os auxiliam em seus saltos dando a impressão de que voam; dragão-voador.
[Zoologia] Nome comum de uma ave da família dos emberizídeos, Pseudoleistes virescens, nativa do Sul do Brasil; dragão-do-banhado, melro-do-brejo.
Etimologia (origem da palavra dragão). Do grego drákon; pelo latim draco, onis.


Dragões ou drago (do grego δράκων, drákōn) são criaturas presentes na mitologia dos mais diversos povos e civilizações. São representados como animais de grandes dimensões, normalmente de aspecto reptiliano (semelhantes a imensos lagartos ou serpente), muitas vezes com asas, plumas, poderes mágicos ou hálito de fogo. A palavra dragão é originária do termo grego drákōn e é usada para definir grandes serpentes.
Em vários mitos são apresentados literalmente como grandes serpentes, como eram inclusive a maioria dos primeiros dragões mitológicos, e em suas formações quiméricas mais comuns. A variedade de dragões existentes em histórias e mitos é enorme, abrangendo criaturas bem mais diversificadas. Apesar de serem presença comum no folclore de povos tão distantes como chineses ou europeus, os dragões assumem, em cada cultura, uma função e uma simbologia diferentes, podendo ser fontes sobrenaturais de sabedoria e força, ou simplesmente feras destruidoras.


bookmark_borderO que é abelha

abelha | s. f.
a·be·lha |â| ou |ê| a·be·lha |ê|
(latim apicula, -ae, diminutivo de apis, -is, abelha )
substantivo feminino

1. [Entomologia]   [Entomologia]   Insecto himenóptero, que produz o mel e a cera.

2. [Botânica]   [Botânica]   Designação comum a algumas plantas orquidáceas do género Ophrys, como a Ophrys apifera e a Ophrys speculum, cujas flores se assemelham ao corpo peludo desse insecto . = ABELHEIRA, ERVA-ABELHA, NIGELA


substantivo feminino Inseto de vida social que vive numa colmeia e produz o mel e a cera. (Ordem dos himenópteros, família dos apídeos.).
Casinha de abelha, que tem a forma dos alvéolos: ponto (de tricô) casinha de abelha.
Numa colmeia, encontram-se três espécies de indivíduos: a rainha, fêmea fecunda, que põe 2.500 ovos por dia, durante muitos anos; algumas centenas de machos ou zangões; muitas dezenas de milhares de operárias, fêmeas estéreis, cuja vida no verão não vai além de algumas semanas. Estas constroem os alvéolos de cera, alimentam a colônia com pólen e néctar, recolhidos nas flores, e defendem a colmeia com o ferrão venenoso que têm na extremidade do abdome.


Abelhas são insetos voadores, conhecidos pelo seu importante papel na polinização. Pertencem à ordem Hymenoptera, da superfamília Apoidea, subgrupo Anthophila, e são aparentados das vespas e formigas.
O representante mais conhecido é a Apis mellifera, oriunda do Velho Mundo, criada em larga escala para a produção de mel, própolis, geleia real e veneno. As espécies de abelhas nativas das Américas e Oceania não possuem ferrão e são menos agressivas do que as espécies africanas, a maioria destas pertence à tribo Meliponini. As abelhas com ferrão encontradas comumente no Brasil são espécies híbridas de abelhas europeias e africanas, criadas para maior produtividade e resistência. As abelhas sem ferrão encontradas comumente no Brasil são espécies do gênero Meliponini e a mais conhecida é a jataí Tetragonisca angustula.
Há mais de 25.000 espécies de abelhas conhecidas em sete famílias biológicas reconhecidas. Elas são encontrados em todos os continentes, exceto a Antártida, em todos os habitats do planeta onde existam plantas de flores polinizadas por insetos.
As abelhas, abelhões, e abelhas sem ferrão vivem socialmente em colônias.
Elas estão adaptadas a uma alimentação de néctar e pólen, o primeiro principalmente como uma fonte de energia e os último principalmente pelas proteínas e outros nutrientes. A maioria do pólen é usado como o alimento para as larvas que as tem definido como um insecto herbívoro mas que estudos recentes podem obrigar a reconsiderar essa posição científica, catalogado-as antes como omnívoras, pois foi percebida a importância alimentar das proteínas microbianas existentes no interior do mesmo pólen.
A polinização que as abelhas fazem é importantíssimo, tanto ecologicamente como comercialmente; o declínio em abelhas selvagens aumentou o valor da polinização por colmeias, geridas comercialmente, de abelhas melíferas.
As abelhas variam em tamanho desde minúsculas espécies de abelhas sem ferrão cujas obreiras são inferiores a 2 milímetros de comprimento,como a Perdita Minima, até à Chalicodoma Plutão, a maior espécie de abelha cortadeira, cujas fêmeas podem atingir um comprimento de 39 milímetros . As abelhas mais comuns no hemisfério norte são as Halictidae; são pequenas e muitas vezes confundidas com vespas ou moscas. Vertebrados predadores de abelhas incluem aves como os abelharucos; insetos incluem vespas e libélulas.
A apicultura tem sido praticada há milênios, desde pelo menos os tempos do Antigo Egito e da Grécia Antiga. Além do mel e da polinização, as abelhas produzem cera de abelha, geléia real e própolis. As abelhas têm aparecido na mitologia e folclore, através de todas as fases da arte e da literatura, desde os tempos antigos até os dias atuais.


bookmark_borderO que é cetro

ceptro cetro | s. m.
cep·tro |ét| ce·tro |ét| ce·tro |ét|
nome masculino

1. Bastão curto que é uma das insígnias do poder soberano.

2. [Figurado]   [Figurado]   O monarca, a autoridade soberana.

3. Superioridade, proeminência.

empunhar o ceptro • Principiar a reinar.• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: cetro. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:ceptro.
• Grafia no Brasil: cetro. • Grafia em Portugal:ceptro.


substantivo masculino Bastão curto encimado por um ornato que os soberanos trazem na mão direita em certas cerimônias: coroa, cetro e globo são as insígnias da realeza.
[Figurado] O poder ou a dignidade real; seu exercício, o próprio soberano.
Etimologia (origem da palavra cetro). Do latim sceptrum.


Cetro ou ceptro (esta última forma usada apenas em português europeu) é um bastão usado por autoridades reais, geralmente empunhado pelo monarca na mão direita e uma das insígnias do poder soberano. Simbolicamente, é considerado o portador das forças divinas além de um atributo dos deuses.


bookmark_borderO que é unicórnio

unicórnio | s. m.
u·ni·cór·ni·o
nome masculino

1. [Mitologia]   [Mitologia]   Animal fantástico semelhante ao cavalo, com um chifre comprido e geralmente espiralado na testa. = LICORNE

2. [Zoologia]   [Zoologia]   Espécie de rinoceronte dotado de apenas um chifre. = MONOCERONTE

3. Substância extraída do chifre desse rinoceronte.

4. [Astronomia]   [Astronomia]   Constelação equatorial. (Geralmente com inicial maiúscula.) = LICORNE

5. [Economia]   [Economia]   Empresa recente ou em fase de desenvolvimento, ligada à indústria de software e às novas tecnologias, cuja avaliação é superior a mil milhões de dólares de investimento (ex.: surgiram alguns unicórnios na última década).


substantivo masculino [Mitologia] Animal descrito na mitologia grega e romana, representado por uma forma semelhante a de um cavalo com corpo de veado, possuindo um chifre único, espiralado e torcido na ponta da testa, simboliza pureza e força.
[Zoologia] Tipo de rinoceronte indiano, do gênero Rhinocecros unicornis; substância extraída de seus chifres e usada na fabricação de enfeites e fantasias.
Etimologia (origem da palavra unicórnio). Do latim unicornis, “um chifre” + io.


Unicórnio, também conhecido como licórnio ou licorne, é um animal mitológico que tem a forma de um cavalo, geralmente branco, com um único chifre em espiral. O nome “unicórnio” deriva do latino unicornis: do prefixo uni- e do substantivo cornu, “um só chifre”. Sua imagem está associada à pureza e à força. Segundo as narrativas são seres dóceis; porém são as mulheres virgens que têm mais facilidade para tocá-los.
Tema de notável recorrência nas artes medievais e renascentistas, o unicórnio, assim como todos os outros animais fantásticos, não possui um significado único.
Considerado um equino fabuloso benéfico, com um grande corno na cabeça, o unicórnio entra nos bestiários em associação à virgindade, já que o mito compreende que o único ser capaz de domar um unicórnio é uma donzela pura.
Leonardo da Vinci escreveu o seguinte sobre o unicórnio:
“O unicórnio, através da sua intemperança e incapacidade de se dominar, e devido ao deleite que as donzelas lhe proporcionam, esquece a sua ferocidade e selvajaria. Ele põe de parte a desconfiança, aproxima-se da donzela sentada e adormece no seu regaço. Assim os caçadores conseguem caçá-lo.”
A origem do tema do unicórnio é incerta e se perde nos tempos. Presente nos pavilhões de imperadores chineses e na narrativa da vida de Confúcio, no Ocidente faz parte do grande número de monstros e animais fantásticos conhecidos e compilados na era de Alexandre e nas bibliotecas e obras helenísticas.

É citado no livro grego Physiologus, do século V d.C., como uma correspondência do milagre da Encarnação. Centro de calorosos debates, ao longo do tempo, o milagre da Encarnação de Deus em Maria passou a ser entendido como o dogma da virgindade da mãe de Cristo: nessa operação teológica, o unicórnio tornou-se um dos atributos recorrentes da Virgem.
Representações profanas do unicórnio encontram-se em tapeçarias do Norte da Europa e nos cassoni (grandes caixas de madeira decoradas, parte do enxoval das noivas) italianos dos séculos XV e XVI. O unicórnio também aparece em emblemas e em cenas alegóricas, como o Triunfo da Castidade ou da Virgindade.
A figura do unicórnio está presente também na heráldica, como no brasão de armas do Canadá, da Escócia e do Reino Unido.
Na astronomia, o unicórnio é o nome de uma constelação chamada Monoceros.
O unicórnio tem sido uma presença frequente na literatura fantástica, surgindo em obras de Lewis Carroll, C.S. Lewis e Peter S. Beagle. Anteriormente, na sua novela A Princesa de Babilônia, Voltaire inclui um unicórnio como montada do herói Amazan.
Modernamente, na obra de J. K. Rowling, a série Harry Potter, o sangue do unicórnio era necessário para Voldemort manter-se vivo, porém o ato de matar uma criatura tão pura para beber-lhe o sangue dava ao praticante de tal ação apenas uma semivida — uma vida amaldiçoada. No livro diz-se que o unicórnio bebê é dourado, adolescente prateado e adulto branco-puro. Também é interessante observar, ainda na obra de Rowling, que a varinha do personagem Ronald Weasley possui o núcleo de pelo de unicórnio.
Em outro livro, “Memórias de Idhún”, de Laura Gallego García, o unicórnio é um dos personagens principais da história, sendo parte de uma profecia que salva Idhún dos sheks. Em Memórias de Idhún, o unicórnio está no corpo de Victoria.
Em 2008, um “unicórnio” nasceu na Itália. O animal, obviamente não é parte de uma nova espécie. Mas sim uma corça (pequena espécie de cervídeo europeu), que nasceu com somente um chifre. Pesquisadores atribuem o ocorrido a um “defeito genético”.Alguns relatos dizem também, que esses seres mágicos são capazes alimentar-se de nuvens do entardecer e raios de sol. Isso só ocorre pelo fato de essas serem as únicas substâncias puras o suficiente para esse animal fantástico ingerir. Além disso, os unicórnios, devido a sua origem mágica, conseguem transformar quaisquer tipos de substâncias impuras e putrefatas em substâncias brilhantes, cheias de luz e vida.


bookmark_borderO que é pavão

pavão | s. m.
pa·vão
(latim pavo, -onis )
nome masculino

1. [Ornitologia]   [Ornitologia]   Género de galináceas da família dos fasianídeos.

2. [Ornitologia]   [Ornitologia]   Ave insectívora do Pará.

3. [Figurado]   [Figurado]   Paparrotão, impostor.

ter pé de pavão • Ter defeito.


substantivo masculino Ave galiforme da família dos fusianídeos, Pavo cristatus, originária da Ásia meridional, de plumagem magnífica nos machos, cujas penas da cauda podem ser abertas em leque.
[Zoologia] Nome comum às aves da família dos fasianídeos, de origem africana e asiática, pertencentes aos gêneros Pavo e Afropavo.
[Figurado] Homem vaidoso, orgulhoso; presunçoso: casou-se com um pavão!
No jogo do bicho, grupo 19 do qual faz parte o pavão, sendo representado pelas dezenas 73, 74, 75 e 76.
[Astronomia] Designação de uma constelação austral.
expressão Enfeitar-se com penas de pavão. Fazer parecer como seus méritos alheios; pavonear-se.
Etimologia (origem da palavra pavão). Do latim pavo.onis.


Chama-se pavão a aves dos géneros Pavo e Afropavo da família dos faisões (Phasianidae). Os pavões preferem alimentar-se de insetos e outros pequenos invertebrados, mas também comem sementes, frutas e outros itens nutritivos que estão disponíveis rapidamente. Os pavões exibem um complicado ritual de acasalamento, do qual a cauda extravagante do macho teria um papel principal. As características da cauda colorida, que chega a ter dois metros de comprimento e pode ser aberta como um leque, não têm qualquer utilidade cotidiana para o animal e seriam um exemplo de seleção sexual. Quando o processo é bem sucedido, a pavoa põe entre 4 a 8 ovos, que chocam ao fim de 28 dias.
A cauda dos pavões gerou o interesse de várias culturas, pela sua exuberância de cores e beleza das penas, e justificou a sua criação em cativeiro. Já foram criadas diversas variedades por seleção artificial que apresentam plumagem branca, negra, púrpura, entre outras cores.
No topo de cada fileira de penas do pavão você verá uma forma semelhante a ocelo redondo e brilhante, ou um pequeno olho. Ocelo deriva do latim “oculus”, que significa “olho”, essas plumas, como da maioria das aves, são iridescente, ou seja, multicolorida o que as confere da uma beleza impar.

Num estudo realizado no Japão, foi contestada a crença por trás da ornamentação das plumas do pavão, concluindo-se que quanto mais o macho se agitar diante de uma fêmea, mais hipótese ele teria de a conquistar. Por conta dessa interação, os pesquisadores dizem que talvez sejam seus movimentos e gritos de acasalamento – e não os famosos ocelos – que mais atraíam as fêmeas. Durante um estudo de sete anos dos rituais de acasalamento dos pavões, os pesquisadores descobriram que mesmo os machos com um leque pouco atraente e com menos ocelos chamaram a mesma atenção que os outros.


bookmark_borderO que é tigre

tigre | s. m. tigré | s. m. | s. 2 g. | adj. 2 g.
ti·gre
(latim tigris, -is )
nome masculino

1. [Zoologia]   [Zoologia]   Mamífero (Panthera tigris) carnívoro do Sudeste da Ásia, da família dos felídeos, de costumes nocturnos , com pelame amarelo alaranjado, esbranquiçado no ventre e listrado de preto.

2. [Figurado]   [Figurado]   Indivíduo cruel, sanguinário .

3. [Entomologia]   [Entomologia]   Insecto que ataca as árvores de fruto.Feminino: tigresa. Feminino: tigresa.
ti·gré ti·gré
(Tigré, topónimo [região da Etiópia] )
nome masculino

1. [Linguística]   [Lingüística]   [Linguística]   Língua camito-semítica falada na Eritreia e na Etiópia.nome de dois géneros

2. Indivíduo pertencente aos tigrés, grupo étnico da Eritreia e da Etiópia.adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

3. Relativo aos tigrés.

4. [Linguística]   [Lingüística]   [Linguística]   Relativo ao tigré enquanto sistema linguístico .


substantivo masculino Mamífero carnívoro feroz, de pelagem raiada. (Compr.: 2 m; peso: 200 kg; longevidade: 25 anos.).
[Figurado] Pessoa muito cruel.
O tigre habita o Sudeste asiático. Sua pelagem, de belo amarelo-alaranjado, esbranquiçada no ventre, é zebrada de negro. Com o leão, o tigre é o mais poderoso dos animais ferozes; de hábitos noturnos, vive nas florestas próximas dos cursos de água.


O tigre [feminino: tigresa] (nome científico: Panthera tigris) é um mamífero carnívoro da família dos felídeos, que habita o continente asiático. Dentre suas subespécies é o maior entre todos os felinos selvagens do mundo. São animais extremamente territoriais e solitários.
Classificado como um Superpredador, o tigre é o terceiro maior carnívoro terrestre, atrás apenas do Urso-polar e do Urso-de-Kodiak.É o felino com maior variação de tamanho do mundo entre subespécies, com o tigre-siberiano alcançando até 310 kg enquanto o tigre-de-bali alcançava no máximo 100 kg; tamanho comparável a suçuaranas e leopardos. Algumas estimativas sugerem que existem menos de 2500 indivíduos reprodutores maduros, com nenhuma subpopulação com mais de 250 indivíduos reprodutores maduros. A população era estimada em 100.000 indivíduos no início do século XX. Em tempos atuais, entretanto, apenas cerca de 4.000 indivíduos sobrevivem, uma queda de 97%.
Tigres já foram encontrados da Turquia a Sibéria e da ilha de Java a Índia. Hoje em dia estão restritos principalmente a algumas regiões do Sudeste Asiático, Sibéria e Índia. Três das subespécies estão extintas: o tigre-do-cáspio (encontrado em certas regiões da antiga União Soviética, Turquia, Oriente Médio, Afeganistão e Mongólia), tigre-de-java (encontrado em Java) e tigre-de-bali (que era encontrado apenas em Bali).

É um dos animais mais carismáticos do mundo, sendo símbolo da conservação da natureza e um dos animais mais populares. É o animal símbolo de diversos países da Ásia e mascote de diversas empresas em todo o mundo.


bookmark_borderO que é javali

javali | s. m.
ja·va·li
(árabe jabalii, montês )
nome masculino

1. [Zoologia]   [Zoologia]   Mamífero selvagem, da família dos suídeos, com pelagem cerdosa, geralmente cinzenta, e presas grandes. = JAVARDO, PORCO-BRAVO, PORCO-MONTÊS

2. [Culinária]   [Culinária]   Prato preparado com a carne desse animal.


substantivo masculino Gênero de mamíferos paquidermes do sudoeste da Ásia central e do norte da África.
Os javalis vagueavam outrora nas florestas da Europa, mas atualmente é raro encontrá-los em liberdade. Também é conhecido pelos nomes de porco-montês ou porco selvagem. O javali geralmente não cresce nem engorda tanto quanto o porco doméstico. Alcança 90cm ou mais de altura nas espáduas e, em estado selvagem, pode pesar até 180kg. Os javalis selvagens são fortes e ferozes.


O javali (nome científico: Sus scrofa) ou javali-euroasiático, também conhecido como javardo, porco-bravo, porco-monteiro (no Pantanal), porco-selvagem-euroasiático e porco-montês (as fêmeas são conhecidas como javalina e gironda), é um animal artiodáctilo da família Suidae, do género Sus. Tem ampla distribuição geográfica, sendo nativo da Europa, Ásia, Ilhas Sonda e Norte da África. Em tempos recentes, a subespécie javali-europeu foi introduzida nas Américas e na Oceania.Dentre suas subespécies, as mais populares são o Javali-europeu (Sus scrofa scrofa) e o porco-doméstico (Sus scrofa domesticus).