bookmark_borderO que é dissecação

dissecação | s. f. derivação fem. sing. de dissecar
dis·se·ca·ção
(dissecar + -ção )
nome feminino

1. Acto ou efeito de dissecar.

2. Separação metódica dos órgãos ou dos tecidos de um cadáver, animal morto ou vegetal; autópsia.

3. [Figurado]   [Figurado]   Exame minucioso. = ANÁLISEConfrontar: dessecação.

dis·se·car dis·se·car – Conjugar
(latim disseco, -are, dividir ao meio, cortar em pedaços )
verbo transitivo

1. Proceder à dissecação de.

2. Cortar, dividir em partes (um corpo morto), para estudo.

3. [Figurado]   [Figurado]   Examinar minuciosamente. = ANALISARConfrontar: dessecar.


substantivo feminino Ação de dissecar, de cortar separando metódica e organizadamente.
[Medicina] Separação em partes menores de uma estrutura corporal, para análise patológica.
[Figurado] Exame analítico e minucioso de alguma coisa: dissecação de um assunto.
Etimologia (origem da palavra dissecação). Dissecar, do latim dissecare “cortar em pedaços” + ção.


A dissecação consiste, no estudo da anatomia, na abertura e/ou separação de organismos mortos, com o objetivo de estudar diferentes órgãos ou outras peças anatómicas. Em cirurgia, o termo também pode ser usado para o ato de dissecar uma artéria, uma veia ou um tumor, por exemplo.


bookmark_borderO que é traqueostomia

traqueostomia | s. f.
tra·que·os·to·mi·a
(traqueo- + -stomia )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Operação cirúrgica que consiste em abrir a traqueia por meio de um corte vertical. = TRAQUEOTOMIA


substantivo feminino Cirurgia. Traqueotomia feita para pôr a traquéia em contato com o exterior do corpo por meio de uma cânula, quando há risco de asfixia.


Traqueostomia é um orifício artificial criado cirurgicamente através de costa ou de frente de seu pescoço e em sua traquéia. O termo para o procedimento cirúrgico para criar este orifício é traqueotomia, indicado em emergências (como dificuldade na respiração por vias aéreas) e nas incubações prolongadas.
A traqueostomia é frequentemente realizada em pacientes necessitando de ventilação mecânica prolongada. A incisão é feita entre o 2º e 3º anel traqueal. O objetivo é não prejudicar as cordas vocais do paciente ao passar o tubo de ar. Traqueostomia é o conceito que se refere ao procedimento cirúrgico através do qual se exterioriza a traqueia cervical, fixando o traqueostoma à abertura da pele.A técnica, nestes pacientes, apresenta diversas vantagens quando comparada com o tubo orotraqueal, incluindo maior conforto do paciente, mais facilidade de remoção de secreções da árvore traqueobrônquica e manutenção segura da via aérea.
O tubo orotraqueal é mais utilizado quando o paciente vai ficar pouco tempo respirando com ventilação mecânica, como em cirurgias que requerem anestesia geral.
O procedimento para criar a traqueostomia é simples: o pescoço do paciente é limpo e coberto e logo são feitas incisões para expor os anéis cartilaginosos que formam a parede externa da traqueia. O nome para esta cirurgia é traqueostomia
Posteriormente, o cirurgião corta dois desses anéis e insere nesse orifício uma cânula (metálica ou plástica), que permite uma comunicação entre a traqueia e a região do pescoço.


bookmark_borderO que é hérnia

hérnia | s. f.
hér·ni·a
(latim hernia, -ae )
nome feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Saída de uma víscera ou de parte dela para fora da cavidade que a contém, geralmente formando uma saliência (ex.: hérnia escrotal; hérnia inguinal).

2. Parte mais saliente de uma superfície. = EXCRESCÊNCIA, SALIÊNCIA

hérnia de disco • [Medicina]   • [Medicina]   O mesmo que hérnia discal .

hérnia discal • [Medicina]   • [Medicina]   Deslizamento ou projecção do núcleo de um disco intervertebral para o canal vertebral, geralmente com compressão das raízes nervosas (ex.: hérnia discal intermitente, hérnia discal permanente) .


substantivo feminino Saída de um órgão, total ou parcialmente, da cavidade onde normalmente se encontra, através de um orifício natural ou acidental: hérnias umbilicais, crurais, lombares, diafragmáticas.
Tumefação sob a pele formada por esse órgão.
[Botânica] Doença da raiz da couve.
Hérnia estrangulada, hérnia em que há constrição ou aperto à entrada do saco herniário, o qual tende a esfacelar-se.


Hérnia é um tumor mole formado pela saída anormal de parte do tecido de um órgão através de uma rotura da membrana da cavidade que o envolve. Existem diferentes tipos de hérnias. A maior parte situa-se no abdómen, particularmente na virilha. As hérnias da virilha mais comuns são inguinais, embora também possam ser femorais. Entre outros tipos de hérnias estão hérnias umbilicais, do hiato esofágico e incisionais. Cerca de 66% das pessoas com hérnias da virilha manifestam sintomas. Os sintomas incluem dor ou desconforto que se agravam ao tossir, ao praticar exercício físico ou durante uma ida à casa de banho. Em muitos casos a dor vai-se agravando ao longo do dia e melhora ao deitar. Em alguns casos forma-se uma área saliente que vai aumentando de tamanho. As hérnias da virilha ocorrem com maior frequência do lado direito. O principal risco de complicações de uma hérnia é a estrangulação do intestino, em que a corrente sanguínea para parte do intestino é bloqueada. Esta situação geralmente causa dor intensa e sensibilidade na região. As hérnias do hiato causam em muitos casos azia, embora possam também causar dor no peito ou dor durante as refeições.Entre os fatores de risco de desenvolvimento de uma hérnia estão: fumar, doença pulmonar obstrutiva crónica, obesidade, gravidez, diálise peritoneal, conectivopatia e ter realizado uma apendicectomia, entre outros. As hérnias são de origem parcialmente genética e ocorrem com maior frequência entre determinadas famílias. Não é claro se as hérnias da virilha estão associadas com o levantamento de pesos. Em muitos casos, as hérnias podem ser diagnosticadas com base nos sinais e sintomas. Por vezes, pode ser necessária imagiologia médica para confirmar o diagnóstico e excluir outras possíveis causas. O diagnóstico de hérnias do hiato é muitas vezes feito com endoscopia.Em homens, geralmente não é necessário tratar hérnias da virilha que não causem sintomas. No entanto, em mulheres o tratamento é geralmente recomendado devido à maior incidência de hérnias femorais, as quais causam maior número de complicações. Quando ocorre estrangulamento, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica de emergência. A intervenção pode ser realizada com cirurgia aberta ou laparoscopia. A cirurgia aberta tem a vantagem de poder ser realizada apenas com anestesia local. No entanto, a laparoscopia geralmente causa menos dores após a cirurgia. Uma hérnia do hiato pode ser tratada com alterações no estilo de vida, como subir a cabeceira da cama, perder peso ou ajustar os hábitos alimentares. Em alguns casos pode ser necessários medicamentos como bloqueadores H2 ou inibidores da bomba de protões. Quando os sintomas das hérnias do hiato não aliviam com medicamentos, existe a possibilidade de realizar uma intervenção cirúrgica denominada fundoplicação de Nissen.Em 2015, cerca de 18,5 milhões de pessoas em todo o mundo apresentavam uma hérnia inguinal, femoral ou abdominal, as quais resultaram em 59 800 mortes. Cerca de 27% dos homens e 3% das mulheres desenvolvem uma hérnia da virilha em algum momento da vida. As hérnias da virilha ocorrem com maior frequência antes do primeiro ano de idade e após os 50 anos de idade. Desconhece-se a incidência exata das hérnias do hiato, havendo estimativas que variam entre 10 e 80%. A primeira descrição conhecida de uma hérnia encontra-se no Papiro Ebers, datado de 1550 a.C..


bookmark_borderO que é hematoma

hematoma | s. m.
he·ma·to·ma |ô| he·ma·to·ma |ô|
nome masculino

Derrame de sangue numa cavidade natural ou sob a pele, em consequência de uma ruptura dos vasos.


substantivo masculino Derrame de sangue no interior de uma cavidade natural ou sob a pele, em consequência de uma ruptura de vasos.


Hematoma define-se como uma coleção (ou seja acúmulo) de sangue num órgão ou tecido, geralmente bem localizado e que pode dever-se a traumatismo, alterações hematológicas ou outras causas. Também conhecido como nódoa negra, pisadura ou lívido quando se acumula debaixo da pele. As variações de cor que apresenta quando extravasado a nível subcutâneo devem-se à metabolização da hemoglobina em biliverdina. Aquando da formação do hematoma este aparece avermelhado ou azulado devido à extravasão de sangue dos capilares para tecidos circundantes. Conforme o tempo passa os constituintes sanguíneos vão sendo absorvidos e transformados em outros compostos (biliverdina, e posteriormente bilirrubina) passando da cor vermelha a roxo, a amarelado.Os hematomas são parecidos com os “Galos” Que com o impacto do objeto com sua cabeça (ou outra parte do corpo) Os vasos sanguíneos estouram devido ao impacto. E pra onde vai esse sangue? Pra o osso duro embaixo ou a pele mole em cima? É lógico que vai para a pele. E assim criando o “galo” podendo ficar de várias cores.


bookmark_borderO que é flebotomia

flebotomia | s. f.
fle·bo·to·mi·a
(latim phlebotomia, -ae, do grego flebotomia, -as, de fleps, flebós, vaso sanguíneo, veia, artéria )
nome feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Arte de sangrar. = SANGRIA

2. [Medicina]   [Medicina]   Dissecação das veias.

3. [Medicina]   [Medicina]   Acto ou efeito de fazer uma incisão num vaso sanguíneo para extrair sangue.


substantivo feminino Sangria terapêutica; ação de retirar artificialmente uma grande quantidade de sangue, geralmente para fins terapêuticos ou médicos.
Incisão feita na veia para uma sangria.
Etimologia (origem da palavra flebotomia). Do latim phlebotomia.ae.


A flebotomia é uma incisão praticada na veia, com objetivos diversos.
A mais frequente utilização da flebotomia é destinada à inserção de um cateter em uma veia periférica, seja para a administração de fármacos em um paciente de difícil acesso venoso (dificuldade em puncionar veias), seja para a inserção de cateter até o coração, para monitorização da pressão venosa central em pacientes graves.
Os indígenas brasileiros praticavam a flebotomia furando a veia escolhida com pequena flecha afiada e impulsionada por diminuto arco. O sangue era sugado por chifre colocado sobre a veia aberta.


bookmark_borderO que é peritonite

peritonite | s. f.
pe·ri·to·ni·te
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação do peritoneu .


substantivo feminino Inflamação da envoltura do abdominal.
Etimologia (origem da palavra peritonite). Peritônio + ite.


Peritonite é a inflamação do peritónio, o revestimento da perede interior do abdómen e dos órgãos abdominais. Os sintomas mais comuns são dor intensa, inchaço do abdómen, febre e perda de peso. Parte ou a totalidade do abdómen pode estar sensível ao toque. Entre as possíveis complicações estão choque circulatório e síndrome do desconforto respiratório do adulto.Entre as possíveis causas de peritonite estão uma perfuração gastrointestinal, pancreatite, doença inflamatória pélvica, cirrose, úlceras no estômago ou apendicite. Entre os fatores de risco estão a ascite e diálise peritoneal. O diagnóstico geralmente baseia-se num exame físico, análises ao sangue e exames imagiológicos.O tratamento geralmente consiste na administração de antibióticos, terapia intravenosa, analgésicos ou cirurgia. Entre outras possíveis medidas estão a aplicação de uma sonda nasogástrica ou transfusões de sangue. Se não for tratada, a peritonite pode causar a morte no prazo de poucos dias. Cerca de 20% das pessoas hospitalizadas com cirrose têm peritonite.


bookmark_borderO que é ileostomia

ileostomia | s. f.
i·le·os·to·mi·a
(íleo + -stomia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Abertura criada cirurgicamente no íleo com o objectivo de criar um ânus artificial para a expulsão das fezes.


substantivo feminino [Medicina] Formação de fístula artificial do íleo.
Etimologia (origem da palavra ileostomia). Ileóstomo + ia.


Ileostomia é uma derivação intestinal, efectuada ao nível do intestino delgado (ileon), onde se exterioriza o ileo pela parede abdominal, formando um novo trajecto e uma abertura para a saída das fezes (estoma).
Após a ileostomia, o paciente utiliza uma bolsa especial (saco-prótese) apensa ao abdómen para que suas fezes sejam colectadas. As bolsas são finas e ajustáveis ao corpo, não sendo notado o seu uso.
A ileostomia é frequentemente efectuada nos casos intratáveis de colite ulcerosa, na doença de Crohn (enterite regional), no carcinoma do cólon e recto, na retocolite ulcerativa, doença de Chagas e perfurações causadas por armas de fogo ou objetos perfuro-cortantes, entre outros. Esse procedimento pode ser realizado de forma definitiva, ou de forma provisória, dependendo do tipo de tratamento e da gravidade da afectação.
Na ileostomia as fezes são mais líquidas e agressivas para a pele. Estas passariam ao intestino grosso, onde seria absorvida a água, tornando as fezes mais solidas. Como o cólon não está funcionante, o intestino delgado vai, com o passar do tempo, assumir em parte essa função. Os gases e os cheiros resultado do processo digestivo são reduzidos. Pelo facto da ileostomia drenar constantemente conteúdo liquido intestinal, a absorção de gordura e de vitamina B pode apresentar-se reduzida. As perdas de sódio e potássio são aumentadas. A ingestão de líquidos é por isso uma prioridade e deve ser sempre de, no mínimo, dois litros por dia.


bookmark_borderO que é toracotomia

toracotomia | s. f.
to·ra·co·to·mi·a
(toraco- + -tomia )
nome feminino

[Cirurgia]   [Cirurgia]   Incisão feita no tórax.Confrontar: toracostomia.


substantivo feminino [Medicina] Abertura da parede torácica para chegar aos órgãos subjacentes.
Etimologia (origem da palavra toracotomia). Tóraco + tomo + ia.


Por toracotomia compreende-se qualquer abertura da cavidade torácica visando examinar as estruturas expostas cirurgicamente, seja para a coleta de material para diagnóstico laboratorial ou remoção/correção de partes lesadas.
Trata-se de um procedimento muito utilizado na prática cirúrgica, tanto para diagnóstico quanto para resolução de problemas que acometem o tórax. Semanticamente, a palavra toracotomia, significa qualquer abertura do tórax. Cirurgicamente, entretanto, deve-se distinguir as simples cirurgias na cavidade torácica (como por exemplo, os acessos de drenagem) de uma larga incisão para intervenção em órgãos endotorácicos.
Através de uma toracotomia pode-se tratar e investigar lesões encontradas na parede torácica, pleura, pulmões, traquéia, brônquios, pericárdio, grandes vasos, esôfago, mediastino, diafragma e abdômen superior. Por envolver órgãos endotorácicos tal procedimento produz um nível significativo de estresse ao sistema cardiorrespiratório.