bookmark_borderO que é semita

sémita sêmita | s. f. semita | adj. 2 g. s. 2 g.
sé·mi·ta sê·mi·ta
substantivo feminino

Atalho; senda.• Grafia no Brasil: sêmita. • Grafia no Brasil: sêmita. • Grafia em Portugal:sémita. • Grafia em Portugal:sémita.
se·mi·ta se·mi·ta
(Sem, antropónimo + -ita )
adjectivo de dois géneros e substantivo de dois géneros adjetivo de dois géneros e substantivo de dois géneros

1. Indivíduo pertencente a um grupo étnico que se diz descendente de Sem, personagem bíblica e um dos filhos de Noé.

2. Judeu.


adjetivo Que se refere aos semitas ou pertencente ao grupo étnico e linguístico do qual faziam parte os hebreus.
Que está relacionado aos judeus.
substantivo masculino e feminino Pessoa que pertence a esse grupo linguístico e étnico.
Etimologia (origem da palavra semita). Antropônimo bíblico sem + ita.


O termo semita tem como principal conjunto linguístico composto por uma família de vários povos, entre os quais se destacam os árabes e hebreus, que compartilham as mesmas origens culturais.
A origem da palavra semita vem de uma expressão no Gênesis e referia-se a linhagem de descendentes de Sem, filho de Noé. Modernamente, as línguas semíticas estão incluídas na família camito-semítica.Historicamente, esses povos tiveram grande influência cultural, pois as três grandes religiões monoteístas do mundo -judaísmo, cristianismo e islamismo- possuem raízes semitas.
Devido a diversas migrações, não podemos falar de um grupo étnico homogêneo. Portanto, muitas línguas compõem a família semítica, incluindo as seguintes: acadiano, ugarítico, fenício, hebraico, aramaico, árabe, etíope, gala, afar-saho, amorita, aramaico e caldeu.


bookmark_borderO que é desejo

desejo | s. m. 1ª pess. sing. pres. ind. de desejar
de·se·jo |â| ou |ê| ou |âi| de·se·jo |ê|
(latim vulgar *desedium, do latim desidia, -ae, preguiça, indolência, inércia )
substantivo masculino

1. Acto de desejar ou de se desejar.

2. Coisa que se deseja; coisa que se quer ter, conseguir, alcançar, etc.

3. Vontade; aspiração.

4. Grande apetite ou vontade em relação a algo que se pode comer ou beber.

5. Atracção sexual.
de·se·jar de·se·jar – Conjugar
(desejo + -ar )
verbo transitivo

1. Ter vontade de. = QUERER

2. Sentir desejo por. = APETECER, COBIÇAR, PRETENDER

3. Aspirar a.

4. Expressar a alguém votos de que algo aconteça (ex.: desejar felicidades).verbo intransitivo

5. Sentir desejos; ter ambições.verbo transitivo e pronominal

6. Sentir atracção sexual por.


substantivo masculino Aspiração; vontade de ter ou obter algo: desejo de perdão.
Objetivo ou propósito: um trabalho decente é o seu desejo.
Cobiça; excesso de vontade por bens, posses: o desejo de poder.
Impulso pelo prazer através de relações sexuais: desejo sexual.
[Informal] Ansiedade provocada durante a gravidez; vontade de comer certos alimentos durante a gravidez: desejo de comer manga.
Ação ou efeito de desejar; de querer; possuir vontade.
Etimologia (origem da palavra desejo). Do latim desedium.


Em filosofia, o desejo é uma tensão em direção a um fim que é considerado, pela pessoa que deseja, uma fonte de satisfação. É uma tendência algumas vezes consciente, outras vezes inconsciente ou reprimida. Quando consciente, o desejo é uma atitude mental que acompanha a representação do fim esperado. Enquanto elemento apetitivo, o desejo se distingue da necessidade fisiológica ou psicológica que o acompanha por ser o elemento afetivo do respectivo estado fisiológico ou psicológico.
Tradicionalmente, o desejo pressupõe carência, indigência. Um ser que não carecesse de nada não desejaria nada, seria um ser perfeito, um deus. Por isso, Platão e os filósofos cristãos tomam o desejo como uma característica de seres finitos e imperfeitos.
Tradicionalmente, os filósofos viram o Bem como o objeto do desejo. Atualmente, isso é questionado.


bookmark_borderO que é alma

alma | s. f. | s. f. pl.
al·ma
(latim anima, -ae, sopro, ar, respiração, princípio vital )
substantivo feminino

1. [Religião]   [Religião]   Parte imortal do ser humano.

2. Pessoa, indivíduo.

3. Habitante.

4. Índole.

5. Vida.

6. Consciência.

7. Espírito.

8. [Figurado]   [Figurado]   Agente, motor principal; o que dá força e vivacidade.

9. Essência, fundamento.

10. Entusiasmo, calor.

11. Ânimo, coragem, valor.

12. Ente querido.

13. [Técnica]   [Técnica]   Interior da arma de fogo.

14. [Música]   [Música]   Peça de madeira no interior do violino, entre o tampo superior e o inferior, por baixo do cavalete.

15. Parte bicôncava do carril entre a cabeça e a patilha.

16. Pedaço de cabedal entre a sola e a palmilha de um sapato.

17. Pedaço de sola que fortalece o enfranque do calçado.

18. Válvula do fole.

19. Curva da sola do pé, entre o calcanhar e a base lateral do dedo grande do pé.

20. Vão que o fuso deixa na maçaroca ou do novelo, etc.

21. Chancela ou sinete de carta.

22. Mote de divisa.

23. Peça interior do botão coberto.
almassubstantivo feminino plural

24. Pequeno monumento na berma de um caminho que representa em geral almas do Purgatório, frequentemente construído em homenagem a ou em memória de entes queridos ou como cumprimento de promessa. = ALMINHAS

alma de cântaro • [Informal, Depreciativo]   • [Informal, Depreciativo]   Paspalhão, estúpido, simplório.

alma de chicharro • [Informal, Depreciativo]   • [Informal, Depreciativo]   Pessoa de carácter frouxo e brando.

alma penada • A que vagueia penando pelo mundo.


substantivo feminino Princípio espiritual do homem que se opõe ao corpo.
[Religião] Composição imaterial de uma pessoa que perdura após sua morte; espírito.
Qualidades morais, boas ou más: alma nobre.
Consciência, caráter, sentimento: grandeza de alma.
[Figurado] Quem habita algum lugar; habitante: cidade de 20.000 almas.
[Figurado] Origem principal: esse homem era a alma do movimento.
Expressão de animação; vida: cantar com alma.
Condição essencial de: o segredo é a alma do negócio.
[Artilharia] O vazio interior de uma boca de fogo: a alma do canhão.
[Música] Pequeno pedaço de madeira que, colocado no interior de um instrumento de cordas, comunica as vibrações a todas as partes do instrumento: a alma de um violino.
Armação de ferro, de uma escultura modelada.
Etimologia (origem da palavra alma). Do latim anima.ae, sopro, ar, origem da vida.


Alma é um termo equivalente ao hebraico néfesh, ao Sanscrito Ātman e ao grego psykhé e significa “ser”, “vida” ou “criatura”. Etimologicamente, deriva do termo em Latim animu (ou anima), que significa “o que anima”. Sendo a vida de cada organismo, não sendo eterna, e nem separada do corpo, exatamente pelo contrário. Alma não é o mesmo que espírito. Na religião, possui grande importância, conferindo, ao indivíduo, a capacidade de fazer e viver coisas e momentos complexos lógicamente, sendo a vida do ser humano, e não parte dela. Foi discutida e citada na filosofia.


bookmark_borderO que é sabedoria

sabedoria | s. f.
sa·be·do·ri·a
substantivo feminino

1. Grande fundo de conhecimentos.

2. Saber.

3. Qualidade de sabedor.

4. Prudência.

5. Ciência.

6. Razão.


substantivo feminino Qualidade da pessoa sábia, com muitos conhecimentos: a sabedoria das suas ações aos demais comovia.
Excesso de conhecimento; erudição: o físico foi premiado por sua sabedoria.
Conhecimento adquirido pela experiência: não frequentou a escola, mas tinha a sabedoria do trabalho.
Em que há ou demonstra sensatez, reflexão: o líder era a expressão da sabedoria.
Excesso de conhecimento que se acumula; ciência.
[Popular] Habilidade excessiva; artimanha ou esperteza.
[Religião] Capacidade de compreender as revelações divinas: a sabedoria do bispo.
Etimologia (origem da palavra sabedoria). Sabedor + ia.


Sabedoria, sapiência ou sagacidade (do latim sapere — que tem sabor.) é a condição de quem tem conhecimento, erudição O equivalente em grego “sofia” (Σοφία) é o termo que equivale ao saber (presente na formação de palavras como teosofia, significando ainda habilidade manual, ciência e sabedoria);O termo encontra definições distintas conforme a ótica filosófica, teológica ou psicológica. No sentido comum, a sabedoria é a qualidade que dá sensatez, prudência, moderação à pessoa, ao passo em que para a religião é o “conhecimento inspirado nas coisas divinas e humanas”.A sabedoria está associada a atributos como juízo sem viés, compaixão, autoconhecimento experiencial, autotranscendência e não apego, e a virtudes como ética e benevolência.


bookmark_borderO que é misticismo

misticismo | s. m.
mis·ti·cis·mo
nome masculino

1. Crença na possível comunicação entre o homem e a divindade.

2. Vida contemplativa.

3. Devoção exagerada.

4. Tendência para acreditar no sobrenatural.


substantivo masculino Tendência para crer em entidades ou forças sobrenaturais.
Crença de que uma pessoa se consegue comunicar com uma entidade espiritual e/ou receber mensagens desta.
Inclinação para viver de modo contemplativo (absorvido em pensamentos); ascetismo.
Etimologia (origem da palavra misticismo). Místico + ismo/ pelo francês mysticisme.


Misticismo (do grego μυστικός, transliterado mystikos, “um iniciado em uma religião de mistérios”) é o contato com uma divindade, verdade espiritual ou Deus através da experiência direta ou intuitiva.No livro de Jakob Böhme “O Príncipe dos Filósofos Divinos”, o misticismo se define como um tipo de religião que enfatiza a atenção imediata da relação direta e íntima com Deus, ou com a espiritualidade, com a consciência da Divina Presença. É a religião em seu mais apurado e intenso estágio de vida. O iniciado que alcançou o “segredo” é chamado um “místico”. Os antigos cristãos empregavam a palavra “contemplação” para designar a experiência mística.

“O místico é aquele que aspira a uma união pessoal ou a unidade com o Absoluto, que ele pode chamar de Deus, Cósmico, Mente Universal, Ser Supremo etc. (Lewis, Ralph M)”


bookmark_borderO que é seita

seitã | s. m. seita | s. f.
sei·tã
(inglês seitan, formado a partir do japonês )
nome masculino

[Culinária]   [Culinária]   Alimento produzido a partir de glúten de trigo, de elevado teor proteico .
sei·ta sei·ta
(latim secta, -ae, caminho, linha de conduta, princípios, escola filosófica )
nome feminino

1. Opinião, seguida por um grupo numeroso, que se destaca de um corpo de doutrina principal.

2. [Religião]   [Religião]   Grupo que segue uma doutrina que deriva ou diverge de uma religião.

3. [Informal]   [Informal]   Grupo organizado que tem ideias ou causas em comum. = BANDO, PARTIDO

4. Grupo organizado de carácter fechado.

5. Ferro que se adapta ao timão do arado, adiante da relha, para facilitar a lavra e cortar as raízes. = SEGA

6. [Portugal: Minho]   [Portugal: Minho]   Céspede ou leiva que o ferro do arado levanta e deita aos lados.Confrontar: ceita.


substantivo feminino Doutrina que, propagada por um grande número de pessoas, se afasta ou diverge de certa forma de outra doutrina principal.
Grupo de pessoas que adota uma doutrina diferente das demais.
[Religião] Grupo religioso dissidente que deixa de participar de uma religião por não concordar com suas normas e objetivos.
[Popular] Grupo com uma organização própria, geralmente restrito e fechado, que se une por ideias, ideologias, opiniões e comportamentos semelhantes; facção, bando.
Etimologia (origem da palavra seita). A palavra seita tem sua origem no latim, “secta, ae”, e significa “partido, causa”.


Seita (latim secta = “secionar”, “dividir”, “sectar”) de forma geral é um conceito complexo utilizado para grupos que professem doutrina, ideologia, sistema filosófico, religioso ou político divergentes da correspondente doutrina ou sistema dominantes.
O termo “seita” é usado amplamente e é aplicado a grupos que seguem um líder vivo que promove doutrinas e práticas novas e não-ortodoxas.
Segundo Peter L. Berger, seita seria a organização de um grupo contra um meio que consideram hostil ou descrente. O grupo então se fecha em um corpo de doutrinas e vê o restante da sociedade como inerentemente má ou pecadora, passível da ira divina, que inevitavelmente sobrevirá sobre eles. As seitas de orientação cristã usam as noções de pecado e santificação como forma de dar legitimidade discursiva aos neófitos e manter os que já são seguidores. A saída do grupo pode acarretar diversos efeitos psicossociais em decorrência do sentimento de solidão, de autoculpabilização e da hostilidade advinda do grupo que se está deixando. Sair de uma seita nunca é fácil porque ela exerce controle sobre toda a vida individual e coletiva dos indivíduos. As seitas, assim como as religiões instituídas, são agências reguladoras do pensamento e da ação, mas com a diferença de que na seita a regulação tende a ser mais totalizante, devido ao rígido controle que exercem sobre os sujeitos.
Embora o termo seja frequentemente usado apenas às organizações religiosas ou políticas, estende-se também à adesão a grupos militantes minoritários em tensão com a sociedade ampla.


bookmark_borderO que é monergismo

monergismo | s. m.
mo·ner·gis·mo
(mono-+ grego érgon, -ou, trabalho + -ismo )
nome masculino

[Teologia]   [Teologia]   Doutrina segundo a qual a regeneração espiritual dos homens depende apenas do Espírito Santo, independentemente da vontade humana.


substantivo masculino Doutrina ou ideologia religiosa que atribuí somente ao Espírito Santo a capacidade de regeneração e de conversão humana, sendo Ele o único responsável pela salvação e união com Deus, excluindo a responsabilidade do indivíduo na sua própria salvação.
Etimologia (origem da palavra monergismo). Mono “único” + do grego érgon.ou “trabalho” + ismo.


Monergismo significa na teologia cristã a doutrina de que o Espírito Santo sozinho pode atuar num ser humano e propiciar a conversão.Em uma manifestação simplificada o monergismo comumemente afirma que a salvação emana toda ela de Deus mas Deus não usa nenhuma condição libertária para aplicá-la, opondo-se ao sinergismo, o qual afirma que a totalidade da salvação em si vem somente de Deus mas no processo de recepção da salvação o meio pelo qual Deus aplica-a é a fé voluntária do homem que recebeu a graça capacitadora . Segundo o monergismo a um pecador é concedido o perdão quando da morte de Jesus e por isso estaria implícita a comunhão com o Cristo, e a fé em Jesus pelo Espírito Santo. Assim, para uns a santificação viria instantaneamente, ou para outros como algo progressivo. Mas segundo o monergismo a santificação advém inteiramente de Deus, dentro do conceito de graça irresistível apesar disto também ser crido por muitos sinergistas mas divergindo quanto a irresistibilidade.
Monergismo (regeneração monergística) é uma benção redentora adquirida por Cristo para aqueles que o Pai lhe deu (1Pe 1.3; Jo 6.37-39). Ela comunica aquele poder na alma caída pela qual a pessoa que deve ser salva é eficazmente capacitada a responder ao chamado do evangelho (Jo 1.13). Ela é aquele poder sobrenatural de Deus somente pelo qual nos é concedida a capacidade espiritual para cumprir as condições do pacto da graça; isto é, para apreender o Redentor por uma fé viva, para se achegar aos termos da salvação, se arrepender dos ídolos e amar a Deus e o Mediador supremamente. O Espírito Santo, ao vivificar a alma, misericordiosamente capacita e inclina o eleito de Deus ao exercício espiritual da fé em Jesus Cristo. Este processo é o meio pelo qual o Espírito nos traz à viva união com Ele.


bookmark_borderO que é ressurreição

ressurreição | s. f.
res·sur·rei·ção
(latim resurrectio, -onis )
substantivo feminino

1. Acto de ressurgir.

2. Vida nova; renovação.

3. Reaparição.

4. Cura extraordinária, inesperada.

5. Festa em que a Igreja católica festeja a ressurreição de Jesus Cristo.


substantivo feminino Volta à vida; ação de retornar da morte.
[Religião] Páscoa; festa anual cristão que celebra o retorno à vida de Jesus Cristo.
[Figurado] Reaparecimento do que ou de quem, supostamente, estava esquecido: ressurreição do escritor, de uma obra.
[Popular] Cura repentina e não esperada.
[Figurado] Energia, vigor, disposição ou vida nova.
Pintura. O que representa a ressurreição de Jesus Cristo.
Ação ou efeito de ressuscitar.
Etimologia (origem da palavra ressurreição). Do latim resurrectio.onis.


Ressurreição ou anastase (em latim: resurrectio, em grego: anastasis) é o conceito de voltar à vida após a morte. Em várias religiões um deus de vida, morte e ressurreição é uma divindade que morre e ressuscita.
A ressurreição dos mortos é uma crença escatológica padrão nas religiões abraâmicas. Como conceito religioso, é usado em dois aspectos distintos: uma crença na ressurreição de almas individuais que é atual e contínua (idealismo cristão, escatologia realizada (en)) ou então uma crença em uma ressurreição singular dos mortos no fim dos tempos. Alguns acreditam que a alma é o veículo real pelo qual as pessoas são ressuscitadas.A morte e ressurreição de Jesus é um aspecto central do Cristianismo. O debate teológico cristão ocorre em relação ao tipo de ressurreição factual – uma ressurreição espiritual com um corpo espiritual no céu, ou uma ressurreição material com um corpo humano restaurado. Enquanto a maioria dos cristãos acredita que a ressurreição de Jesus e a ascensão ao céu aconteceram em um corpo material, uma minoria acredita que foi espiritual.


bookmark_borderO que é ídolo

ídolo | s. m.
í·do·lo
(latim idolum, -i, do grego eídolon, -ou, fantasma, imagem )
nome masculino

1. Imagem que é objecto de culto e representa uma divindade.

2. [Figurado]   [Figurado]   Pessoa que é objecto de grande paixão ou admiração.Feminino: ídola. Feminino: ídola.


substantivo masculino Celebridade por quem se tem grande admiração ou a quem se ama apaixonadamente: ele é o ídolo da juventude.
Figura, estátua que representa uma divindade que se adora.
[Religião] Pessoa a quem se atribui qualidades divinas ou representação de um ser fantástico, com atributos divinos.
Pessoa à qual se prodigam louvores excessivos.
Etimologia (origem da palavra ídolo). Do latim idolum.i; do grego eídolon.ou.


Um ídolo (do grego antigo εἴδωλον, “simulacro”, derivado de εἶδος, “aspecto”, “figura”) é, originalmente, um objeto de adoração que representa materialmente uma entidade espiritual ou divina, e frequentemente é associado a ele poderes sobrenaturais, ou a propriedade de permitir uma comunicação entre os mortais e o outro mundo. A idolatria é, portanto, a prática de adoração de ídolos.
Na atualidade, especialmente após os avanços tecnológicos do século XX que permitiram maior acesso da pessoa comum a trabalhos de artistas, políticos, e personalidades importantes, o termo “ídolo” expandiu-se da esfera divina para a esfera humana. É lugar comum a menção de pessoas famosas ou de destaque em sua área de atuação profissional como “ídolos”, personalidades que se tornam, ou através da aclamação popular espontânea, ou através da atuação direta da própria mídia, objeto de adoração e devoção não religiosa.


bookmark_borderO que é criacionismo

criacionismo | s. m.
cri·a·ci·o·nis·mo
nome masculino

1. Teoria ou sistema que sustenta terem sido as espécies animais e vegetais criadas de forma distinta, permanecendo invariáveis.

2. Sistema oposto ao transformismo.

3. Fixismo.

4. No sentido metafísico e cosmológico, a palavra criacionismo designa a concepção segundo a qual Deus produziu o Mundo do nada.

5. No sentido psicológico, aplica-se à doutrina, adoptada pela Igreja católica, que afirma ser a alma de cada pessoa criada por Deus e infundida no corpo, seja no momento da concepção , seja no estado embrionário do corpo.


substantivo masculino Doutrina que acredita ser Deus o criador do mundo.
[Teologia] Doutrina de acordo com a qual a alma de uma pessoa nasce com ela no momento da sua concepção.
Opinião, oposta ao transformismo, dos que acreditam que os seres ficam invariavelmente como foram criados.
[Literatura] Expressionismo hispano-americano, especialmente o chileno, que se originou no século XX.
Etimologia (origem da palavra criacionismo). De criação criancion + ismo; pelo francês créationnisme.


O criacionismo é a crença religiosa de que a humanidade, a vida, a Terra e o universo são a criação de um agente sobrenatural. No entanto, o termo é mais comumente usado para se referir à rejeição, por motivação religiosa, de certos processos biológicos, particularmente a evolução. Desde o desenvolvimento da ciência evolutiva a partir do século XVIII, vários pontos de vista criados tiveram como objetivo conciliar a ciência com a narrativa de criação do Gênesis. Nessa época, aqueles que mantinham a opinião de que as espécies tinham sido criadas separadamente eram geralmente chamados de “defensores da criação”, mas eram ocasionalmente chamados “criacionistas” em correspondências privadas entre Charles Darwin e seus amigos.
À medida que a controvérsia da criação versus evolução se desenvolveu, o termo “antievolucionistas” tornou-se mais comum. Em 1929, nos Estados Unidos, o “criacionismo” tornou-se o primeiro termo especificamente associado com a oposição de cristãos fundamentalistas para a evolução humana e a crença em uma Terra Jovem, embora seu uso tenha sido contestado por outros grupos que acreditam em vários outros conceitos de criação.Desde os anos 1920, o criacionismo, nos Estados Unidos, foi estabelecido em nítido contraste com as teorias científicas, como a da evolução, que decorrem a partir de observações naturalistas do Universo e da vida. Criacionistas acreditam que a evolução não pode explicar adequadamente a história, a diversidade e a complexidade da vida na Terra. Criacionistas conservadores das religiões judaica e cristã geralmente baseiam as suas crenças em uma leitura literal do mito da criação do Gênesis. No entanto, outras grandes religiões têm mitos criacionistas diferentes, enquanto que os vários indivíduos religiosos variam em sua aceitação das descobertas científicas. Por exemplo, Papa Francisco, o líder mundial dos católicos romanos, afirmou que o evolucionismo e a teoria do Big Bang são linhas de pensamento corretas e que não entram em conflito com o catolicismo. Além disso, os chamados criacionistas evolucionários possuem diferentes conceitos de criação e aceitam a idade da Terra e a evolução biológica conforme descrito pela comunidade científica.Quando a corrente principal da pesquisa científica produz conclusões teóricas que contradizem a interpretação criacionista literal de escrituras consideradas sagradas por religiosos, os que defendem o criacionismo, muitas vezes, acabam por rejeitar conclusões obtidas através do método científico, teorias científicas ou a metodologia usada nos estudos. A rejeição do conhecimento científico tem suscitado controvérsias políticas e teológicas. Dois ramos derivados do criacionismo—”ciência da criação” e “design inteligente”—têm sido caracterizados como pseudociências pela grande maioria da comunidade científica. A mais notável preocupação de criacionistas é contestar o processo de evolução dos organismos vivos, a ideia da origem comum, a história geológica da Terra, a formação do sistema solar e a origem do universo.