bookmark_borderO que é anosognosia

anosognosia | s. f.
a·no·so·gno·si·a
(a- + noso- + -gnosia )
nome feminino

[Patologia]   [Patologia]   Distúrbio neuropsicológico que impede o doente de admitir que tem uma doença, mesmo que ela seja notória. = ANOSOGNOSE


substantivo feminino Distúrbio neurológico que faz com que alguém não tenha consciência que possui um déficit aparente (sensorial, motor ou cognitivo), causado por uma lesão cerebral.
Etimologia (origem da palavra anosognosia). Do grego a, “privação” + nósos “patologia” + gnôsis “conhecimento”.


Anosognosia (grego a- ἁ- (partícula de negação), nosos νόσος ‚doença‘, gnōsis γνῶσις ‚reconhecimento‘) é um estado neurológico caracterizado pela incapacidade de uma pessoa ter consciência de sua própria doença. Ela aparece comumente em conjunção com um AVC. A anosognosia foi descrita pela primeira vez por Joseph Babinski, em 1914 (Síndrome de Anton-Babinski) ao referir-se à inconsciência de uma hemiplegia.


bookmark_borderO que é convulsão

convulsão | s. f.
con·vul·são
(latim convulsio, -onis, convulsão + -ar )
substantivo feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Movimento violento e involuntário de alguns músculos ou do tronco.

2. [Figurado]   [Figurado]   Agitação violenta e desordenada.

3. Cataclismo.

4. Revolução.

5. Grande perturbação político-social.


substantivo feminino Contração violenta e involuntária dos músculos ou dos membros.
[Figurado] Condição de desordem; excesso de agitação; revolta que causa revolução; cataclismo: convulsão política.
Contração violenta que causa uma dor intensa, provocada por uma alteração no sistema nervoso.
[Figurado] Emoção intensa que resulta de traumas ou outros episódios de natureza emocional.
Etimologia (origem da palavra convulsão). Do latim convulsio.onis.


Convulsão é uma manifestação de um fenômeno eletrofisiológico anormal temporário que ocorre no cérebro (descarga bioenergética) e que resulta numa sincronização anormal da atividade elétrica neuronal. Estas alterações podem reflectir-se a nível da tonicidade muscular (gerando contrações involuntárias da musculatura, como movimentos desordenados, ou outras reações anormais como desvio dos olhos e tremores), alterações do estado mental, ou outros sintomas psíquicos.Dá-se o nome de epilepsia à síndrome médica na qual existem convulsões recorrentes e involuntárias, embora possam ocorrer convulsões em pessoas que não sofrem desta condição médica.


bookmark_borderO que é tetraplegia

tetraplegia | s. f.
te·tra·ple·gi·a
(tetra- + -plegia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Paralisia dos quatro membros. = QUADRIPLEGIA


substantivo feminino Perda completa da movimentação que atinge simultaneamente os quatro membros, os braços e as pernas; quadriplegia ou quadroplegia.
Etimologia (origem da palavra tetraplegia). Tetra + plegia.


A tetraplegia ou quadriplegia é quando uma paralisia afeta todas as quatro extremidades, juntamente à musculatura do tronco. À impossibilidade de mover os membros, em grau variável causa distúrbios da mecânica respiratória, podendo causar demência leve.


bookmark_borderO que é meningite

meningite | s. f.
me·nin·gi·te
(meninge + -ite )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação das meninges (particularmente da aracnóide ).Confrontar: miringite.


substantivo feminino Inflamação aguda ou crônica das meninges, das membranas que envolvem a medula espinhal e o encéfalo, geralmente proveniente de uma infecção.
Etimologia (origem da palavra meningite). Meninge + ite; pelo francês méningite.


Meningite é uma inflamação aguda das membranas protetoras que revestem o cérebro e a medula espinal, denominadas coletivamente por meninges. Os sintomas mais comuns são febre súbita e elevada, dor de cabeça intensa e rigidez no pescoço. Entre outros possíveis sintomas estão confusão mental ou alteração do estado de consciência, vómitos e intolerância à luz ou a barulho. As crianças mais novas geralmente manifestam apenas sintomas inespecíficos, como irritabilidade, sonolência ou recusa em comer. A meningite causada por bactérias meningocócicas apresenta manchas características na pele.A inflamação das meninges é geralmente causada por uma infeção por vírus, bactérias ou outros microorganismos. Ainda que de forma pouco comum, pode também ser causada por alguns medicamentos. A meningite pode provocar a morte devido à proximidade da inflamação com o cérebro e medula espinal, o que faz com que a condição seja classificada como emergência médica. Um diagnóstico de meningite pode ser confirmado ou excluído com uma punção lombar. Este procedimento consiste na inserção de uma agulha no canal medular para recolher uma amostra do líquido cefalorraquidiano que envolve o cérebro e medula espinal, a qual é posteriormente analisada em laboratório.Algumas formas de meningite podem ser prevenidas mediante vacinação com a vacina meningocócica, vacina contra a papeira, vacina antipneumocócica e vacina Hib. Pode também ser útil administrar antibióticos em pessoas com exposição significativa a determinados tipos de meningite. O tratamento inicial da meningite aguda é a administração imediata de antibióticos e, em alguns casos, de antivirais. Podem também ser administrados corticosteroides para prevenir complicações resultantes de uma inflamação excessiva. A meningite pode causar complicações graves a longo prazo, incluindo perda auditiva, epilepsia, hidrocefalia ou défice cognitivo, sobretudo quando não é tratada rapidamente. Quando não é tratada, a meningite bacteriana é quase sempre fatal. Pelo contrário, a meningite viral tende a resolver-se espontaneamente e raramente é fatal.Em 2015 houve 8,7 milhões de casos de meningite em todo o mundo No mesmo ano, a doença foi responsável por 379 000 mortes, uma diminuição em relação às 464 000 em 1990. Com tratamento adequado e atempado, o risco de morte por meningite bacteriana é inferior a 15%. Entre dezembro e junho ocorrem frequentemente surtos da doença numa faixa da região da África subsariana entre a Gâmbia e a Eritreia. Podem também ocorrer pequenos surtos em outras regiões do mundo. O termo meningite tem origem no grego μῆνιγξ meninx, que significa “membrana”, e no sufixo médico -ite, ou “inflamação”.


bookmark_borderO que é sinestesia

sinestesia | s. f.
si·nes·te·si·a
(grego sunaísthesis, -eos, sensação simultânea, percepção simultânea )
nome feminino

1. Produção de duas ou mais sensações sob a influência de uma só impressão.

2. [Retórica]   [Retórica]   Figura de estilo que combina percepções de natureza sensorial distinta (ex.: sorriso amargo).Confrontar: cenestesia, cinestesia.


substantivo feminino Associação de palavras ou de expressões que combina várias e diferentes sensações humanas, numa só representação.
Mistura de sensações, de sentidos (visão, audição, tato, paladar, olfato): dia com gosto de chuva fria.
[Psicologia] Associação espontânea de essência psicológica que se define pela mistura de duas sensações ou de duas imagens distintas: cheiro de verde.
Etimologia (origem da palavra sinestesia). Do grego seunaísthesis.e.os.


Sinestesia (do grego συναισθησία, συν- (syn-) “união” ou “junção” e -αισθησία (-esthesia) “sensação”) é a relação de planos sensoriais diferentes: Por exemplo, o gosto com o cheiro, ou a visão com o tato. O termo é usado para descrever uma figura de linguagem e uma série de fenômenos provocados por uma condição neurológica.


bookmark_borderO que é acefalia

acefalia | s. f.
a·ce·fa·li·a
(acéfalo + -ia )
substantivo feminino

Qualidade de acéfalo. = ACEFALISMO


substantivo feminino Estado ou qualidade de acéfalo.
[Medicina] Monstruosidade orgânica que consiste na ausência congênita da cabeça.


Acefalia significa literalmente ausência da cabeça. É uma malformação muito menos comum que a anencefalia. O feto acéfalo (sem cabeça) é um gêmeo parasita unido a outro feto completamente intacto. O feto acéfalo tem corpo mas carece de cabeça e de coração; o pescoço do feto está unido ao do gêmeo normal. A circulação do sangue do feto acéfalo é proporcionada pelo coração do irmão.
feto acéfalo não pode existir independentemente do feto ao qual está unido.


bookmark_borderO que é hipertonia

hipertonia | s. f.
hi·per·to·ni·a
(hiper- + grego tónos, -ou, o que faz esticar ou pode ser esticado, corda + -ia )
nome feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Aumento do estado normal de firmeza ou elasticidade de um órgão ou de um tecido (ex.: hipertonia dos membros, hipertonia espástica; hipertonia muscular).

2. [Medicina]   [Medicina]   Aumento de tensão.


substantivo feminino Estado de uma solução hipertônica.
Aumento da tonicidade dos músculos.


A hipertonia consiste num aumento anormal do tónus muscular e da redução da sua capacidade de estiramento (aumento da rigidez). É geralmente acompanhada de espasticidade aumentada.
As intervenções terapêuticas são de bastante importância para que a pessoa afetada por este tipo de enfermidade consiga normalizar ou pelo menos minimizar as suas posturas em termos musculares e ao mesmo tempo facilitar a sua movimentação.
A hipertonia afeta pessoas que sofreram paralisia cerebral, danos à coluna vertebral ou que estejam em coma vigil.


bookmark_borderO que é apraxia

apraxia | s. f.
a·pra·xi·a |cs| a·pra·xi·a |cs|
(grego apraksía, -as, não acção , ócio )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Incapacidade para executar normalmente movimentos coordenados (ex.: apraxia ideomotora). ≠ PRAXIA


substantivo feminino Distúrbio do movimento; condição neurológica que impossibilita a realização de movimentos coordenados, sem perda da motricidade ou da sensibilidade, sem paralisia ou outros distúrbios.
Etimologia (origem da palavra apraxia). Do grego apraksía.


A apraxia é uma desordem neurológica que se caracteriza por provocar uma perda da capacidade em executar movimentos e gestos precisos que conduziriam a um dado objectivo, apesar do paciente ter a vontade e a habilidade física para os executar. Resulta de disfunções nos hemisférios cerebrais, no lobo frontal, mais especificamente no córtex motor e na sua área motora secundária. Caracteriza-se, mais especificamente, na diminuição da capacidade para executar atividades motoras, apesar destas, a função sensorial e a compreensão da tarefa requerida, estarem intactas. Leva à diminuição das capacidades de pantomima da utilização de objetos (por exemplo, escovar o cabelo) e da capacidade de execução de atos motores conhecidos (por exemplo, acenar em adeus). A apraxia é uma patologia provocada por lesões cerebrais tais como acidentes, tumores, etc.O termo “apraxia” foi usado pela primeira vez em 1871 por Steinthal. Não existe uma definição universal para o termo, mas Rothi e Heilman sugerem que seja definido como uma alteração neurológica da capacidade de movimento apreendido e proposicional que não possa ser explicado por defeitos elementares da motricidade nem dos sistemas sensoriais.
A apraxia ideativa corresponde à ideomotora, mas, o desempenho não melhora com a presença do objeto e nem com a imitação. É como se todos os esquemas de programação motora estivessem perdidos. Este tipo de apraxia é comum na demência.
A apraxia buco-facial corresponde à incapacidade de realizar movimentos com os músculos da face e da boca. Este tipo acompanha muitas vezes os quadros afásicos, sendo possível que os mecanismos que sustentam estes movimentos partilhem algumas funções com as da linguagem. O mesmo já não acontece nas apraxias, que se torna evidente nos membros em que a lateralidade se correlaciona mais com a sua presença.
A apraxia de marcha, como o nome indica, corresponde à impossibilidade de realizar os movimentos necessários para andar. Estes doentes, são capazes de cruzar as pernas quando estão sentados, de bater com os pés no chão alternadamente, de fazer movimentos de bicicleta quando estão deitados, mas não conseguem realizar os movimentos necessários para progredir na marcha.
A apraxia do vestir surge com muita frequência nos casos de demência. O doente deixa de saber a sequência correta com que se vestem as diferentes peças de roupa. Pode, por exemplo, vestir a camisa por cima do casaco. Muitas vezes, tenta vestir peças de roupa de forma errada, tenta enfiar a perna na manga do casaco e, noutras ocasiões, pode usar múltiplas peças de roupa repetidas, por exemplo, três pares de meias.


bookmark_borderO que é hemiparesia

hemiparesia | s. f.
he·mi·pa·re·si·a
(hemi- + paresia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Paralisia ligeira ou parcial que atinge um lado do corpo.


substantivo feminino Paralisia leve de um dos lados do corpo; interrupção parcial ou relaxamento do movimento de uma parte do corpo, geralmente causada por alguma lesão neurológica.
Etimologia (origem da palavra hemiparesia). Do grego páresis, “relaxamento ou enfraquecimento” + ia.


Hemiparesia é a paralisia parcial de um lado do corpo. Geralmente é causado por lesões da área corticospinal que corre abaixo dos neurônios corticais do lobo frontal para os neurônios motores da coluna vertebral, que é responsável pelos movimentos dos músculos do corpo e seus membros.
Também se pode ocorrer essa doença em caso de complicação no parto de uma criança na hora de seu nascimento.
Atualmente, não há cura, apenas tratamento para que essa paresia não venha atrapalhar a vivência diária da pessoa. mas cientistas pesquisam algumas formas através das células tronco.
Hemiplegia é semelhante a hemiparesia, mas hemiparesia é considerado menos severo.


bookmark_borderO que é mioclonia

mioclonia | s. f.
mi·o·clo·ni·a
(mio- + grego klónos, -ou, movimento confuso, agitação + -ia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Contracção muscular rápida e involuntária de um ou de vários músculos, geralmente repetida com intervalos variáveis. = MIOCLONISMO


substantivo feminino [Medicina] Contração muscular involuntária.
Etimologia (origem da palavra mioclonia). Mio + clono + ia.


O termo Mioclonia descreve um sintoma e geralmente não constitui um diagnóstico de uma doença, referindo-se a contrações repentinas, incontroláveis e involuntárias de um músculo ou grupo de músculos. Os puxões mioclônicos geralmente resultam de contrações musculares repentinas chamadas mioclonia positiva ou de um relaxamento muscular chamado mioclonia negativa.
As convulsões mioclônicas podem ocorrer sozinhas ou em seqüência, com ou sem padrão determinado. O soluço, por exemplo, é uma contração seguida de um relaxamento do músculo. Outro exemplo é a mioclonia noturna, que são sobressaltos que pessoas têm enquanto estão dormindo. Em casos mais extremos, a mioclonia pode distorcer o movimento e limitar a capacidade de comer, falar e caminhar. Este tipo de mioclonia indicaria um transtorno relacionado ao cérebro ou nervos.