bookmark_borderO que é verossimilhança

verosimilhança verossimilhança | s. f.
ve·ro·si·mi·lhan·ça ve·ros·si·mi·lhan·ça
(verosímil + h + -ança, por analogia com semelhança )
substantivo feminino

Qualidade de verosimilhante .• Grafia no Brasil: verossimilhança. • Grafia no Brasil: verossimilhança. • Grafia em Portugal:verosimilhança. • Grafia em Portugal:verosimilhança.


substantivo feminino Característica do que é verossímil, que que aparenta ser ou é tido como verdadeiro; verossimilhante.
Qualidade do que parece verdadeiro, do que não contraria a verdade: havia verossimilhança na alegação do réu.
[Literatura] Numa obra literária, a coerência, a ligação harmônica entre os elementos fantasiosos ou imaginários que são essenciais para o entendimento do texto.
Etimologia (origem da palavra verossimilhança). Verossímil/h/ + ança.


Chama-se verossimilhança (português brasileiro) ou verosimilhança (português europeu), em linguagem coerente ao atributo daquilo que parece intuitivamente verdadeiro, isto é, o que é atribuído a uma realidade portadora de uma aparência ou de uma probabilidade de verdade, na relação ambígua que se estabelece entre imagem e ideia.


bookmark_borderO que é tabela

tabela | s. f. 3ª pess. sing. pres. ind. de tabelar 2ª pess. sing. imp. de tabelar
ta·be·la |é| ta·be·la |é|
(latim tabella, -ae, tabuinha, tabuleiro de jogo, tábua votiva, tábua para escrever )
nome feminino

1. Suporte onde se faz um registo de informações, organizado em linhas e colunas (ex.: tabela de preços). = LISTA, MAPA, RELAÇÃO, ROL, PAUTA

2. Registo de cálculos e resultados (ex.: tabela de conversão).

3. Horário ou escala.

4. Quadro em que se afixam anúncios, avisos, editais, etc.

5. [Desporto]   [Esporte]   Suporte vertical rectangular do cesto de basquetebol.

6. [Futebol]   [Futebol]   Jogada em que há uma troca rápida e curta de bola entre jogadores.

7. [Jogos]   [Jogos]   Cada uma das quatro peças que formam o caixilho do bilhar.

8. [Jogos]   [Jogos]   Quadro em que se marcam as carambolas feitas no jogo do bilhar.

9. [Teatro]   [Teatro]   Quadro para determinar diariamente o serviço dos actores e pessoal.

10. [Antigo]   [Antigo]   [Farmácia]   [Farmácia]   Electuário feito em pastilhas.

fazer tabela • Bater numa superfície e mudar de direcção .

ir para a tabela • [Teatro]   • [Teatro]   Ser multado.

jogar por tabela • Tratar de obter algo indirectamente .

• Dirigir piadinhas indirectas .

por tabela • Por meios indirectos . = INDIRECTAMENTE

• Por terceira pessoa.
ta·be·lar ta·be·lar
(tabela + -ar )
adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

1. Relativo a tabela.verbo transitivo

2. Organizar em tabela. = TABELIZAR

3. Fazer a tabela dos preços de. = TABELIZARverbo transitivo e intransitivo

4. [Futebol]   [Futebol]   Tocar ou passar a bola rapidamente.


substantivo feminino Pequena tábua, quadro ou folha de papel, em que são registrados nomes de coisas ou de pessoas.
Lista, índice, rol, catálogo: tabela de preços.
Escala de serviço.
O quadrado de madeira, acrílico etc., onde fica presa a cesta de basquetebol.
Quadro que serve para marcar os pontos do jogo de bilhar.
A face interna da borda da mesa de bilhar.
Relação oficial de preços de mercadorias.
Agrupamento coerente de cálculos previamente elaborados.
locução adverbial Por tabela, indiretamente, por pessoa interposta.


Uma tabela é uma representação matricial, isto é, em linhas e colunas, tantas quantas a aplicação que se queira dar.
Existem tabelas unidimensionais que têm apenas colunas ou apenas linhas. Mas o mais comum é encontrar-se tabelas bidimensionais.
As tabelas são realmente a conjugação entre o pensamento abstracto e a nossa necessidade de visualização. Mas elas têm um ponto muito forte que é a capacidade de nos dar muita informação em pouco espaço.
Uma das tabelas mais conhecidas é a Tabela periódica que apresenta os elementos químicos.


bookmark_borderO que é indivíduo

indivíduo | s. m. | adj.
in·di·ví·du·o
(latim individuus, -a, -um, indivisível )
substantivo masculino

1. Qualquer ser.

2. Sujeito, pessoa (ex.: ele é um indivíduo pouco falador).

3. Ser humano.

4. Homem indeterminado (ex.: o crime foi cometido por um indivíduo com cerca de 30 anos).

5. Organismo único pertencente a um grupo.

6. Exemplar.adjectivo adjetivo

7. Que não se divide ou não se pode dividir (ex.: natureza indivídua, propriedade indivídua, património indivíduo). = INDIVISÍVEL, INDIVISO


substantivo masculino Ser humano; pessoa considerada de modo isolado em sua comunidade, numa sociedade ou coletividade; o ser que faz parte da espécie humana; o homem: os direitos dos indivíduos.
[Biologia] Ser único de uma espécie; ser que se distingue dos demais.
[Por Extensão] Pej. Quem não se quer nomear: o indivíduo chegou tarde?
adjetivo Que não é possível dividir, separar: culturas indivíduas.
Etimologia (origem da palavra indivíduo). Do latim individuus.a.um.


Em metafísica e estatística, a palavra indivíduo habitualmente descreve qualquer coisa numericamente singular, embora por vezes se refira especificamente a “uma pessoa”. Usada em muitos contextos, tanto “Aristoteles” como “a Lua” são indivíduos. Em geral, “uva” e “vermelhidão” não são.
Em biologia, indivíduo é sinônimo de organismo.
Indivíduo, como peça da gíria filosófica, é muito comum e surge frequentemente como sinônimo de particular, em contraste com “universal”.
A famosa obra sobre os indivíduos e a sua individuação é de P. F. Strawson em Pessoas: Um Ensaio em metafísica descritiva (Londres:
Methuen & Co. Ltd., 1959, Nova Iorque: Anchor, 1963).
No cotidiano, um indivíduo é uma coleção de pensamentos e feitos que é considerada uma entidade.
Como um conjunto de pensamentos e feitos é considerado um indivíduo depende da perspectiva. Por exemplo: os pensamentos e feitos de um corpo podem ser considerados um indivíduo.
Contudo, acontece que após acidentes e doenças que causaram dano cerebral, os pensamentos e feitos de um corpo tornam-se tão drasticamente diferentes que algumas pessoas não consideram que aquele corpo contenha o mesmo indivíduo.
Algumas pessoas falam sobre pessoas idosas, deficientes, doentes ou pobres sem a menor consideração pelo fato de que elas podem encontrar o mesmo destino. Estão corretas a respeito disso se tiverem uma perspectiva da individualidade limitada pelo tempo. Consideram os indivíduos idosos, deficientes, doentes ou pobres que podem mais tarde ocupar seus corpos para que sejam outra pessoa.
No passado, pessoas não eram responsáveis pelos danos que causavam enquanto bêbedas. Aparentemente, enquanto neste estado, não era considerado que seu corpo continha o mesmo indivíduo que enquanto sóbrio.
É considerável que a loucura temporária pode acontecer para qualquer um (algo como uma quebra no computador). O indivíduo normal é considerado ausente do corpo durante o estado de loucura e portanto não é responsável. (Compare com insanidade temporária e automatismo).
Por exemplo, em 1795 na Inglaterra, uma mulher jovem que cuidou de sua mãe doente por vários anos, repentinamente a matou. Foi considerado que uma loucura temporária foi causada por intenso cansaço de seu trabalho duro. Especialmente pelos dias que precederam o evento terem sido muito difíceis, devido à condição de sua mãe. A mulher não foi acusada. Depois, ela se casou, teve filhos e nunca cometeu nenhum crime.
Em 1999, nos Países Baixos, uma mãe jovem colocou seu bebê em um forno de micro-ondas ao invés do leite da criança. A causa da morte dela foi dada como um infeliz blecaute e a mãe julgada ausente do corpo quando ocorreu a morte. Ela não foi acusada, mas confortada por sua perda.


bookmark_borderO que é endemia

endemia | s. f.
en·de·mi·a
(grego éndemos, -os, -on, que vive num local, nativo + -ia )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Doença frequente nos habitantes de uma região ou localidade.


substantivo feminino Doença característica de uma determinada região; doença infecciosa que.
Afeta significativamente uma certa região e/ou população: malária é uma das endemias rurais no Brasil.
Não confundir com: epidemia.
Etimologia (origem da palavra endemia). Do grego éndemos.os.on; indígena + ia.


Em epidemiologia, uma infeção (ou infecção) diz-se endêmica (português brasileiro) ou endémica (português europeu) (do Grego en-, “em” + δῆμος, demos, “pessoas”) que quando atinge uma população de uma região geográfica específica, sendo, então, considerada uma endemia.
Por exemplo: a varicela (catapora) é endémica no Reino Unido, mas a malária não. Todos os anos, há alguns casos de malária descritos no Reino Unido, mas estes casos não conseguem manter a transmissão na população devido à falta do vetor necessário (mosquito do género Anopheles).


bookmark_borderO que é estimação

estimação | s. f. derivação fem. sing. de estimar
es·ti·ma·ção
(estimar + -ção )
nome feminino

1. Estima; apreço.

2. Cálculo; avaliação.
es·ti·mar es·ti·mar – Conjugar
(latim aestimo, -are, fixar o preço ou o valor de, avaliar, apreciar, considerar )
verbo transitivo

1. Fazer a estimativa, o cálculo. = AVALIAR, CALCULAR

2. Folgar com, sentir prazer por. = GOSTAR

3. Expressar votos de algo. = AUGURAR, DESEJAR

4. [Marinha]   [Marinha]   Fazer a estima. = CALCULAR, DETERMINARverbo transitivo e pronominal

5. Ter(-se) em estima ou em estimação; sentir afeição, apreço por. = APRECIAR, PREZAR, VALORIZAR ≠ DESPREZAR

6. Tratar(-se) com cuidado ou estima; conservar ou permanecer em bom estado. = CUIDAR ≠ ESTRAGAR, MALTRATAR

7. Ter(-se) na conta de. = ACHAR, CONSIDERAR, JULGAR


substantivo feminino Ação de estimar, de mensurar hipoteticamente o valor de; avaliação, estimativa: estimação de preços.
Sentimento de apreço que se tem em relação a; estima: animal de estimação.
Processo que, partindo de um parâmetro, analisa uma parte de algo para determinar o valor mais provável do seu total.
Etimologia (origem da palavra estimação). Estimar + ção.


Em estatística, chama-se estimação ao processo de atribuição de um valor a um parâmetro, para o qual não se conhece o valor absoluto.
Por exemplo, para encontrar um valor médio de uma população a partir da observação de uma amostra, tem que proceder-se à sua estimação.


bookmark_borderO que é perplexidade

perplexidade | s. f.
per·ple·xi·da·de |cs| per·ple·xi·da·de |cs|
nome feminino

1. Irresolução, hesitação, dúvida.

2. Ambiguidade .

3. [Retórica]   [Retórica]   O mesmo que dúvida.


substantivo feminino Circunstância ou estado de perplexo.
Estado de quem demonstra hesitação, diante de uma situação complexa, em que não se sabe qual decisão tomar: ficou chocado diante da perplexidade dos fatos; ficou em estado de perplexidade ao presenciar aquela cena horrível.
Etimologia (origem da palavra perplexidade). Do latim perplexitas.atis.


Em teoria da informação, a perplexidade é uma medida de quão bem uma distribuição de probabilidade ou modelo de probabilidade prevê uma amostra. Pode ser usada para comparar modelos de probabilidade. Uma baixa perplexidade indicada que a distribuição de probabilidade é boa em prever a amostra.


bookmark_borderO que é pré-teste

Palavra não encontrada (na norma europeia, na grafia pré-Acordo Ortográfico).

Será que queria dizer pré-teste?

Outras sugestões: pretexte proteste pré-trate premeste previste prendeste prestaste premiste
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.



No campo da estatística, um pré-teste é a aplicação de um questionário, na sua versão preliminar, a uma amostra de indivíduos, com o objectivo de identificar perguntas-problema que justifiquem uma modificação da redacção, alteração do formato ou mesmo serem eliminadas da versão final.


bookmark_borderO que é incerteza

incerteza | s. f.
in·cer·te·za |ê| in·cer·te·za |ê|
nome feminino

1. Falta de certeza; dúvida.

2. Estado da pessoa que duvida.

3. Estado de coisa incerta.


substantivo feminino Condição ou natureza do que é incerto; qualidade daquilo que incita dúvida(s); indecisão.
Que não possui certeza; em que há indecisão ou hesitação; imprecisão.
Etimologia (origem da palavra incerteza). In + certeza.


Incerteza é um termo usado, com diversos significados, em muitos campos, incluindo filosofia, física, estatística, economia e finanças, psicologia. Pode referir-se a uma situação em que não se pode prever exatamente o resultado de uma ação ou o efeito de uma condição. Pode também referir-se ao grau de imprecisão de medidas físicas ou, simplesmente, ao desconhecido.


bookmark_borderO que é prevalência

prevalência | s. f.
pre·va·lên·ci·a
(latim praevalentia, -ae )
nome feminino

Qualidade daquele ou daquilo que prevalece. = SUPERIORIDADE


substantivo feminino Superioridade; condição ou estado do que é superior em relação aos demais.
Supremacia; qualidade do que prevalece, do que excede em importância.
Etimologia (origem da palavra prevalência). Do latim praevalentia.ae.


Usada em estatística e em epidemiologia, a prevalência pode referir-se a:

número total de casos existentes numa determinada população e num determinado momento temporal;
proporção de casos existentes numa determinada população e num determinado momento temporal.A prevalência permite compreender o quanto é comum, ou rara, uma determinada doença ou situação numa população. Com este objectivo é preferível o uso dos valores em proporção, mas caso se opte pelo uso do número total de casos convém referir a dimensão da população a que se refere.
É habitualmente usada em epidemiologia em doenças crónica ou situações de duração prolongada, como a obesidade, a hipertensão arterial ou o cancro. Na área da saúde a prevalência ajuda o profissional a conhecer a probabilidade – ou risco – de um indivíduo sofrer de determinada doença. O conceito é também muito útil na elaboração e planificação de políticas e programas de saúde, uma vez que permite organizar os recursos existentes para os problemas de saúde mais importantes.
Em decisão clínica a prevalência representa o conceito de probabilidade pré-teste uma vez que representa a probabilidade que cada indivíduo tem à partida, e antes de se aplicar um teste diagnóstico, de sofrer determinada doença.
Existem dois tipos de prevalência:

A prevalência de período, que define o número de pessoas de uma determinada população que tem uma doença ou condição durante um determinado período; diz-nos como era a doença no Inverno de 1989, por exemplo: prevalência de período= N.º de casos existentes no intervalo de datas x / população existente nesse período;
A prevalência pontual, que define o número de pessoas de uma determinada população que tem uma doença ou condição num momento particular (data exacta). Dá-nos uma visão instantânea da doença no tempo, como ela era quando iniciamos o estudo Y, por exemplo.Prevalência pontual = N.º de casos existentes na data x / população existente nessa data.


bookmark_borderO que é interpolação

interpolação | s. f. derivação fem. sing. de interpolar
in·ter·po·la·ção
substantivo feminino

1. Acto ou efeito de interpolar.

2. Intercalação.

3. Interrupção.

4. [Gramática]   [Gramática]   O mesmo que apossínclise.
in·ter·po·lar in·ter·po·lar – Conjugar
verbo transitivo

1. Interromper (a sucessão ou série de coisas com outra ou outras).

2. Meter (uma coisa) no meio de outra.

3. Intercalar num texto (o que o pode explicar ou adulterar).

4. Alternar.adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

5. [Física]   [Física]   Situado entre os pólos de uma pilha.


substantivo feminino Interrupção; falta de continuação; cujo desenvolvimento foi interrompido.
Intercalação; introdução intercalada, num textos, de palavras ou frases.
[Matemática] Processo através do qual é possível determinar o valor de uma função, dentro de um intervalo, a partir do conhecimento dos valores extremos desse intervalo.
[Matemática] Ajustamento; ação de ajustar, de tornar justo, certo ou exato.
Interpolação Linear. Diz-se daquela feita suponto que a variação da função é linear.
Ação ou efeito de interpolar.
Etimologia (origem da palavra interpolação). Do latim interpolatio.onis.


Interpolação é o método de aproximar os valores dos conjuntos discretos.

Em matemática, denomina-se interpolação o método que permite construir um novo conjunto de dados a partir de um conjunto discreto de dados pontuais previamente conhecidos.Em engenharia e ciência, dispõe-se habitualmente de dados pontuais obtidos a partir de uma amostragem ou de um experimento. Tal conjunto de dados pontuais (também denominado conjunto degenerado) não possui continuidade, e isto muitas vezes torna demasiado irreal a representação teórica de um fenômeno real empiricamente observado.
Através da interpolação, pode-se construir uma função que aproximadamente se “encaixe” nestes dados pontuais, conferindo-lhes, então, a continuidade desejada.
Outra aplicação da interpolação é a aproximação de funções complicadas por funções mais simples. Suponha que tenhamos uma função, mas que seja complicada demais para que seja possível avaliá-la de forma eficiente. Podemos, então, escolher alguns dados pontuais da função complicada e tentar interpolá-los com uma função mais simples. Obviamente, quando utilizamos a função mais simples para calcular novos dados, normalmente não se obtém o mesmo resultado da função original, mas dependendo do domínio do problema e do método de interpolação utilizado, o ganho de simplicidade pode compensar o erro.
A interpolação permite fazer a reconstituição (aproximada) de uma função, bastando para tanto conhecer apenas algumas das suas abscissas e respectivas ordenadas (imagens no contra-domínio da função). A função resultante garantidamente passa pelos pontos fornecidos, e, em relação aos outros pontos, pode ser considerada um mero ajuste.