bookmark_borderO que é feiura

feiura feiúra feiura | s. f.
fei·u·ra |ei-ú| fei·ú·ra |ei-ú| fei·u·ra |ei-ú|
(feio + -ura )
substantivo feminino

Qualidade do que é feio. = FEALDADE, FEIEZA ≠ BELEZA, FORMOSURA• Grafia no Brasil: feiúra. • Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990:feiura. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:feiúra
• Grafia em Portugal:feiura.


substantivo feminino [Brasil] Característica do que ou de quem é feio; fealdade.
P. metonímia. Expressão ou aspecto de feiura; o que ou quem é feio.
Etimologia (origem da palavra feiura). Feio + ura.


Feiura ou fealdade é uma característica de um ser vivo ou inanimado, cuja aparência é visualmente desagradável e resulta numa avaliação desfavorável. Um Ser feio é um Ser não atraente, mas sim repulsivo, ou até mesmo ofensivo, aos que partilham ou não dos mesmos valores culturais. Seu oposto é a beleza, e assim como esta, a feiura envolve um julgamento subjetivo através dos “olhos de quem vê”, podendo variar de padrões, visto que isso depende da cultura de cada um. Contudo, pode haver exceções pessoais quanto a que admiram-a, conforme o ditado: “quem ama o feio, bonito lhe parece”. Assim, a percepção de feiura pode adquirir caráter muito variável, como no conto de fadas O Patinho Feio de Hans Christian Andersen.


bookmark_borderO que é elegância

elegância | s. f.
e·le·gân·ci·a
(latim elegantia, -ae, gosto, delicadeza, distinção )
nome feminino

1. Gosto delicado no trajar, no falar, no adorno da casa, etc.

2. Graça, airosidade, delicadeza e distinção aliada à simplicidade e clareza.


substantivo feminino Graça, distinção nas formas, nas maneiras, nos trajes: elegância de porte, de vestes; apresentar-se com elegância.
Arte de escolher as palavras: falar, escrever com elegância.
Demonstração de requinte, de bom gosto.
Modo elegante de se portar, agir com elegância; garbo.
Em que há ou expressa fineza, gentileza; decoro.
Aspecto físico de quem é magro, esbelto; esbelteza.
Etimologia (origem da palavra elegância). Do latim elegantia, “gosto”.


Elegância é a qualidade do que é elegante e, portanto, possui uma certa harmonia caracterizada pela leveza e facilidade na forma e movimento. É o atributo de ser eficaz e simples. É a beleza que mostra tanto eficácia, como simplicidade incomuns..


bookmark_borderO que é pitoresco

pitoresco | adj. | s. m.
pi·to·res·co |ê| pi·to·res·co |ê|
(italiano pittoresco )
adjectivo adjetivo

1. Relativo à pintura. = PICTORIAL, PICTURAL, PINTURESCO

2. Digno de pintar-se.

3. [Figurado]   [Figurado]   Ameno, deleitoso.

4. Vivo, cintilante, ornado de imagens.substantivo masculino

5. Tudo o que contribui para fazer uma pintura bem caracterizada.


adjetivo Inusitado ou interessante; que se sobressai pela excentricidade.
Capaz de divertir; divertido ou recreativo.
De essência própria e diferente; característico.
Que é merecedor de uma pintura, representação ou quadro.
substantivo masculino Reunião daquilo que torna algo ou alguém pitoresco.
Etimologia (origem da palavra pitoresco). Do italiano pittoresco.


Pitoresco é um conceito da Estética que faz referência às impressões subjetivas desencadeadas pela contemplação de uma cena paisagística em relação à pintura. Surgiu como um intermediário entre as idéias do Sublime e do Belo, durante o desenvolvimento do Romantismo. A palavra deriva do italiano pittoresco, “semelhante ou feito como uma pintura”.
A expressão alla pittoresca no Maneirismo tinha uma acepção literal, e significava algo feito à maneira da pintura, como é usada por Vasari. No século seguinte Marco Boschini a usou para descrever o estilo de pincelada da escola veneziana de pintura. Pitoresco só começou a ser usado como uma descrição de uma qualidade estética específica na Inglaterra do início do século XVIII, quando Joseph Addison em Pleasures of the Imagination, 1712, distinguiu três qualidades estéticas principais: beleza, grandeza (sublimidade) e singularidade (pitoresco). Edmund Burke descreveu a pintura de Claude Lorrain e Nicolas Poussin como pitoresca. Pouco mais tarde William Gilpin propôs a observação da paisagem natural através das regras da composição pictórica, e se tornou uma moda grupos de turistas viajarem pelo interior munidos de um aparato visual que enquadrava a paisagem à guisa de uma pintura. Uvedale Price por fim definiu Pitoresco como uma qualidade intermediária entre o conceito de Sublime e o do Belo, e disse que essa qualidade era enfatizada quando na paisagem apareciam elementos como a rusticidade, a irregularidade e a variedade, com velhas casas, ruínas da antiguidade e árvores frondosas com aspecto secular.
Logo o conceito repercutiu de volta sobre a pintura romântica, que buscou retratar paisagens com essas características, e se tornou importante na evolução da arte do paisagismo inglês, dando origem à criação de jardins que combinavam aspectos formais e outros informais e exóticos, com bosques, prados, pagodes, riachos e grutas artificiais ou simulações de ruínas antigas. No século XIX Richard Payne Knight negou a existência do pitoresco, e disse que ele só existia na mente do observador, que via a paisagem através de sua educação cultural e transferia para ela conceitos artísticos.