bookmark_borderO que é cognição

cognição | s. f.
cog·ni·ção
(latim cognitio, -onis, acção de conhecer )
substantivo feminino

Função da inteligência ao adquirir um conhecimento.


substantivo feminino Aquisição de conhecimento; capacidade de discernir, de assimilar esse conhecimento; percepção.
Ação de conhecer, de perceber, de ter ou de passar a ter conhecimento sobre algo.
[Jurídico] Período que, num processo judicial, consiste no momento em que o juiz passa a conhecer o pedido, a defesa, as provas e testemunhas, partindo para sua decisão.
[Psicologia] Agrupamento de processos mentais a partir dos quais é possível perceber, pauta-se nos sentidos, pensamentos, memórias etc.
[Psicologia] Função que, juntamente com o afeto e a volição, compõe as três funções mentais básicas.
Etimologia (origem da palavra cognição). Do latim cognitio.onis.


Cognição é uma função psicológica actuante na aquisição do conhecimento e se dá através de alguns processos, como a percepção, a atenção, associação, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem. A palavra Cognitione tem origem nos escritos de Platão e Aristóteles.É o conjunto de processos psicológicos usados no pensamento que realizam o reconhecimento, a organização e a compreensão das informações provenientes dos sentidos, para que posteriormente o julgamento através do raciocínio os disponibilize ao aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
De uma maneira mais simples, podemos dizer que cognição é a forma como o cérebro percebe, aprende, recorda e pensa sobre toda informação captada através dos cinco sentidos, bem como as informações que são disponibilizadas pelo armazenamento da memória, isto é, a cognição processa as informações sensoriais que vem dos estímulos do ambiente que estamos e também processa o conteúdo que retemos em relação às nossas experiências vividas.
Mas a cognição é mais do que simplesmente a aquisição de conhecimento e consequentemente, a nossa melhor adaptação ao meio – é também um mecanismo de conversão do que é captado para o nosso modo de ser interno. Ela é um processo pelo qual o ser humano interage com os seus semelhantes e com o meio em que vive, sem perder a sua identidade existencial. Ela começa com a captação dos sentidos e logo em seguida ocorre a percepção. É, portanto, um processo de conhecimento, que tem como material a informação do meio em que vivemos e o que já está registrado na nossa memória.


bookmark_borderO que é inconsciente

inconsciente | adj. 2 g. | adj. 2 g. s. 2 g. | s. m.
in·cons·ci·en·te
(in- + consciente )
adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

1. Que não tem consciência. = INCÔNSCIO ≠ CONSCIENTE, CÔNSCIO

2. Que não é feito com intervenção da vontade. ≠ CONSCIENTE

3. Que é feito sem pensar, sem reflexão. = ESPONTÂNEO, INSTINTIVO, INVOLUNTÁRIO,IRREFLECTIDO ≠ REFLECTIDO

4. Que mostra falta de responsabilidade ou de bom senso. = IRRESPONSÁVELadjectivo de dois géneros e nome de dois géneros adjetivo de dois géneros e nome de dois géneros

6. Que ou quem procede sem consciência do que faz ou das consequências dos seus actos . = IRRESPONSÁVEL, LEVIANOnome masculino

7. [Psicologia]   [Psicologia]   Conjunto formado pelos factos psíquicos e pela actividade mental que escapam à consciência, por oposição ao consciente.


adjetivo Que não é consciente; que não tem nem usa a consciência em seus atos; incônscio.
Realizado inconsequente e irresponsavelmente; inconsequente: palavras inconscientes.
De que não se tem consciência: muitos fenômenos fisiológicos importantes são inconscientes.
[Medicina] Que perdeu a razão: paciente inconsciente.
Cuja ocorrência se realiza sem intenção, de maneira automática; maquinal.
Que não se dá conta da realidade que o circunda; irresponsável.
Que não é perceptível ao indivíduo, falando especialmente de um processo.
[Psicologia] Que, sem influência da consciência, pode influenciar o modo como alguém se porta.
substantivo masculino e feminino Aquele que procede sem consciência do que faz.
O que ocorre de maneira inconsequente e irresponsável.
O que não resulta do uso da consciência, é feito de modo irrefletido.
substantivo masculino [Psicologia] Segundo preceitos da psicanálise estabelecidos por Sigmund Freud (1856-1939), sistema psíquico em que estão os processos psíquicos, impulsos e desejos, que escapam à consciência (censurados ou reprimidos), sendo estes capazes de, em algum momento, influenciar a vida de alguém.
Etimologia (origem da palavra inconsciente). In + consciente.


Inconsciente, do latim inconscius (às vezes chamado também subconsciente), é um termo psicológico com dois significados distintos. Em um sentido amplo, mais genérico, é o conjunto dos processos mentais que se desenvolvem sem intervenção da consciência. O segundo significado, mais específico, provém da teoria psicanalítica e designa uma forma específica de como o inconsciente (em sentido amplo) funciona. Enquanto a maior parte dos pesquisadores empíricos está de acordo em admitir a existência de processos mentais inconscientes (ou seja, do inconsciente em sentido amplo), o modelo psicanalítico tem sido alvo de muitas críticas, sobretudo de pesquisadores da psicologia cognitiva. Para evitar a confusão entre os significados, alguns autores preferem utilizar o adjetivo “não consciente” no primeiro significado, reservando o adjetivo “inconsciente” para o significado psicanalítico. Segundo Carl Gustav Jung (1875-1961), psiquiatra suíço, há uma distinção crucial entre características conscientes e inconscientes da psique: consciência é o que conhecemos e inconsciência é tudo aquilo que ignoramos. “O inconsciente não se identifica simplesmente com o desconhecido; é antes o psíquico desconhecido, ou seja, tudo aquilo que presumivelmente não se distinguiria dos conteúdos psíquicos conhecidos, quando chegasse à consciência.” Para Jung ainda, o ego forma o centro crítico da consciência e, de fato, determina em grande medida que conteúdos permanecem no domínio da consciência e quais se retiram, pouco a pouco, para o inconsciente. O inconsciente inclui todos os conteúdos psíquicos que se encontram fora da consciência, por qualquer razão ou qualquer duração.
Carl Jung atribuiu, a Carus, médico e pintor do século XIX, a indicação do inconsciente como a base essencial da psiqueː


bookmark_borderO que é reencarnação

reencarnação | s. f. derivação fem. sing. de reencarnar
re·en·car·na·ção
(re- + encarnação )
nome feminino

Acto ou efeito de reencarnar ou de entrar num corpo que não era o que ocupava numa existência anterior. (Forma considerada preferível a reincarnação.)
Ver também dúvida linguística: reedição ou re-edição, com o novo Acordo?.

re·en·car·nar re·en·car·nar – Conjugar
(re- + encarnar )
verbo transitivo, intransitivo e pronominal

Entrar uma alma num corpo que não era o que ocupava numa existência anterior. (Forma considerada preferível a reincarnar.)
Ver também dúvida linguística: reedição ou re-edição, com o novo Acordo?.


substantivo feminino Ato de reencarnar; nova encarnação.
[Espiritismo] Crença de que, após a morte, a alma da pessoa morta volta à vida pelo corpo de outra pessoa: acreditam que ele é a reencarnação de Mozart.
[Religião] Pelo Cristianismo, ressurreição dos corpos no dia Juízo Final ou no dia do julgamento final.
[Figurado] Retorno de algo com uma nova forma, aspecto.
Etimologia (origem da palavra reencarnação). Reencarnar + ção.


Reencarnação é uma ideia central de diversos sistemas filosóficos e religiosos, segundo a qual uma porção do Ser é capaz de subsistir à morte do corpo. Chamada consciência, espírito ou alma, essa porção seria capaz de ligar-se sucessivamente a diversos corpos para a consecução de um fim específico, como o auto-aperfeiçoamento ou a anulação do carma. A reencarnação pode ser definida como a ação de encarnar-se sucessivas vezes, ou seja, derivada do conceito aceito por doutrinas religiosas e filosóficas de que, na morte física, a alma não entra num estágio final, mas volta ao ciclo de renascimentos. No Ocidente, Heródoto menciona esta doutrina como sendo de origem egípcia, sendo que nessa concepção a reencarnação se dava instantaneamente após a morte, passando a alma para uma criatura que estava nascendo (que poderia ser da terra, da água ou do ar), percorrendo todas as criaturas em um ciclo de três mil anos.A reencarnação encontra defesa na filosofia desde as tradições indianas, no Oriente, e em Pitágoras no Ocidente. Atualmente, este conceito é aceito por filosofias e religiões do mundo todo, em especial na Ásia. É chamada também de transmigração da alma e metempsicose (esta última denominação é mais encontrada em filosofias orientais em que admite-se que alma pode regressar em corpos de animais).
Objeto de estudo da parapsicologia (considerada por alguns como pseudociência, enquanto por outros como um campo de pesquisa psicológica cientificamente válido), o consenso científico atual não suporta as alegações deste e de outros supostos fenômenos paranormais.


bookmark_borderO que é pensamento

pensamento | s. m. | s. m. pl. derivação masc. sing. de pensar
pen·sa·men·to
(pensar + -mento )
substantivo masculino

1. Acto , faculdade de pensar.

2. Ideia, reflexão, consideração.

3. Intenção.

4. Conceito, opinião.

5. Esboço da primeira ideia ou invenção de um artista.

6. A ideia capital de um escrito e cada uma das mais notáveis nele contidas.
pensamentossubstantivo masculino plural

7. [Antigo]   [Antigo]   Arrecadas, com filigrana de ouro.
pen·sar pen·sar – Conjugar
verbo intransitivo

1. Formar ideias .

2. Reflectir .

3. Raciocinar.

4. Ser de parecer.

5. Tencionar.

6. Ter no pensamento.verbo transitivo

7. Imaginar, julgar.

8. Planear.

9. Dar penso, alimento a (ex.: foi à corte pensar a toura).

10. Tratar convenientemente.

11. Fazer curativo.substantivo masculino

12. Pensamento; opinião; juízo.


substantivo masculino Ato de pensar, de tomar consciência, de refletir ou meditar.
Faculdade de conceber, de combinar e comparar ideias; inteligência.
Ato particular da mente; o resultado deste ato; reflexão.
Modo de pensar; opinião, ponto de vista.
Ato de meditar, de fantasiar; meditação, fantasia.
Faculdade mental, do intelecto; ideia, mente, espírito.
Ponto de vista que resulta da observação.
Frase que traz consigo um ensinamento moral; máxima, sentença.
Ação de representar mentalmente alguma coisa; ideia.
Sentimento de cuidado, zelo, preocupação.
Reunião das ideias ou dos conceitos que vigoraram ou fazem parte de uma determinada época, povo ou etnia: pensamento medieval.
Etimologia (origem da palavra pensamento). Pensar + mento.


Pensamento e pensar são, respectivamente, uma forma de processo mental ou faculdade do sistema mental. Pensar permite aos seres modelarem sua percepção do mundo ao redor de si, e com isso lidar com ele de uma forma efetiva e de acordo com suas metas, planos e desejos. Palavras que se referem a conceitos e processos similares incluem cognição, senciência, consciência, ideia, e imaginação. O pensamento é considerado a expressão mais “palpável” do espírito humano, pois através de imagens e ideias revela justamente a vontade deste.
O pensamento é fundamental no processo de aprendizagem (vide Piaget). O pensamento é construtor e construtivo do conhecimento.
O principal veículo do processo de conscientização é o pensamento. A atividade de pensar confere ao homem “asas” para mover-se no mundo e “raízes” para aprofundar-se na realidade.
Etimologicamente, pensar significa avaliar o peso de alguma coisa. Em sentido amplo, podemos dizer que o pensamento tem como missão tornar-se avaliador da realidade.
Segundo Descartes (1596-1650), filósofo de grande importância na história do pensamento:


bookmark_borderO que é consciência

consciência | s. f.
cons·ci·ên·ci·a
(latim conscientia, -ae )
substantivo feminino

1. Faculdade da razão julgar os próprios actos ou o que é certo ou errado do ponto de vista moral.

2. [Figurado]   [Figurado]   Sinceridade.

3. Acção que causa remorso.

4. Probidade, honradez.

5. Opinião.

6. Cuidado, atenção, esmero.

7. [Medicina]   [Medicina]   Estado do sistema nervoso central que permite pensar, observar e interagir com o mundo exterior.

consciência colectiva • Conjunto dos modos de pensar ou agir de um grupo alargado.

em consciência • Com sinceridade ou honestidade; na verdade.

má consciência • Estado de quem sente remorsos ou mal-estar em relação a um estado ou a uma acção .


substantivo feminino Percepção dos fenômenos próprios da existência; opõe-se à inconsciência: perder a consciência.
Capacidade para discernir; discernimento, bom senso: o juiz deve julgar com consciência.
Noção do que se passa em nós; conhecimento: atriz teve consciência de que seu sucesso era passageiro.
Sentimento do dever; moralidade: um homem sem consciência.
Conjunto de valores morais que definem certos julgamentos, ações ou intenções relacionadas com alguém ou com si próprio: a corrupção machuca sua consciência.
[Medicina] Condição do sistema nervoso central que ocasiona a caracterização precisa, o pensamento lógico e o comportamento coerente: ele perdeu a consciência e enlouqueceu.
Compreensão ou interesse sobre certo ponto de vista, geralmente, refere-se ao contexto social e político.
Etimologia (origem da palavra consciência). Do latim conscientia.ae.


A consciência ou consciez é uma qualidade da mente, considerando abranger qualificações tais como subjetividade, autoconsciência, senciência, sapiência, e a capacidade de perceber a relação entre si e um ambiente. É um assunto muito pesquisado na filosofia da mente, na psicologia, neurologia e ciência cognitiva.
Alguns filósofos dividem consciência em consciência fenomenal, que é a experiência propriamente dita, e consciência de acesso, que é o processamento das coisas que vivenciamos durante a experiência (Block, 2004). Consciência fenomenal é o estado de estar ciente, tal como quando dizemos “estou ciente” e consciência de acesso se refere a estar ciente de algo ou alguma coisa, tal como quando dizemos “estou ciente destas palavras”.
Consciência é uma qualidade psíquica, isto é, que pertence à esfera da psique humana, por isso diz-se também que ela é um atributo do espírito, da mente, ou do pensamento humano. Ser consciente não é exatamente a mesma coisa que perceber-se no mundo, mas ser no mundo e do mundo, para isso, a intuição, a dedução e a indução tomam parte.


bookmark_borderO que é homúnculo

homúnculo | s. m.
ho·mún·cu·lo
(latim homunculus, -i )
nome masculino

1. Homem pequeno.

2. Anão.

3. [Figurado]   [Figurado]   Homem desprezível.

4. Homem insignificante.


substantivo masculino Homem de muito pequena estatura.
[Figurado] Homem sem importância, abjeto, vil, ridículo.
Pequeno ser sem corpo, sem peso, sem sexo, dotado de poder sobrenatural, que os feiticeiros pretenderam fabricar.


O conceito de homúnculo (do latim homunculus, “homenzinho”, plural homunculi) tem sido aplicado em várias áreas do conhecimento humano.


bookmark_borderO que é senciência

senciência | s. f.
sen·ci·ên·ci·a
(senci[ente] + -ência )
nome feminino

1. Qualidade do que é senciente.

2. Capacidade para ter sensações ou impressões.


substantivo feminino Capacidade de sentir, de entender ou de perceber algo por meio dos sentidos: alguns biólogos acreditam na senciência dos golfinhos.
Característica de senciente, de quem consegue receber ou possuir impressões ou sensações.
Etimologia (origem da palavra senciência). Senciente + ência.


Senciência é a capacidade dos seres de sentir sensações e sentimentos de forma consciente. Em outras palavras: é a capacidade de ter percepções conscientes do que lhe acontece e do que o rodeia.
A palavra senciência é muitas vezes confundida com sapiência, que pode significar conhecimento, consciência ou percepção. Essas palavras podem ser diferenciadas analisando-se suas raízes latinas: sentire é “sentir” e sapere é “saber”. Senciência, portanto, é a capacidade de sentir.

Os filósofos chamados “novos misterianistas”, acreditam que a senciência não poderá jamais ser entendida, não importa quanto progresso seja feito pela neurociência na compreensão do funcionamento do cérebro. O mais famoso misterianista é Colin McGinn. Eles não negam que a maioria dos outros aspectos da consciência esteja sujeita à investigação científica, da criatividade à sapiência ou autoconsciência, mas acreditam que ela não pode ser amplamente compreendida cientificamente.