bookmark_borderO que é indestrutibilidade

indestrutibilidade | s. f.
in·des·tru·ti·bi·li·da·de
nome feminino

Qualidade daquilo que é indestrutível.


substantivo feminino Característica, particularidade ou condição do que é indestrutível; solidez.
Etimologia (origem da palavra indestrutibilidade). Indestrutível – vel + bil(i) + dade.


A indestrutibilidade, é uma das propriedades gerais da matéria, que não é criada nem destruída, mas pode ser transformada em algo ou alguém de forma inimaginável.


bookmark_borderO que é vibração

substantivo feminino Ato ou efeito de vibrar, de estremecer, de alterar o equilíbrio de algo.
Movimento de vaivém, de oscilação de uma partícula, que se dividi em dois tipos o natural e o artificial: um terremoto causa uma vibração natural.
Movimento do que trepida, estremece, vibra; balanço, oscilação.
Agitação de algo que palpita, pulsa, rápida e vibrantemente; pulsação.
[Música] Ato de se manter em estado vibratório.
[Figurado] Excesso de empolgação ou emoção muito forte; entusiasmo.
Etimologia (origem da palavra vibração). Do latim vibratio.vibrationis.


Vibração ou oscilação é qualquer movimento que se repete, regular ou irregularmente dentro de um intervalo de tempo. Na engenharia estes movimentos se processam em elementos de máquinas e em estruturas quando submetidos a ações dinâmicas. Um exemplo universal de oscilações ocorre no movimento de um pêndulo simples, intercalando entre suas posições, suas diferentes formas de energia (cinética e potencial), alternando entre tais energias.
Para realizar uma análise de vibrações é importante verificar os graus de liberdade do sistema mecânico, que consiste em identificar o número mínimo de coordenadas independentes necessárias para descrever o movimento espacial de todas partículas de um sistema em qualquer instante de tempo.
Genericamente os sistemas de vibração são compostos por um meio para armazenar energia potencial (elementos de mola), energia cinética (elemento de massa) e de dissipação de energia (amortecedores).


bookmark_borderO que é matéria

matéria | s. f.
ma·té·ri·a
(latim materia, -ae )
substantivo feminino

1. Tudo o que é tangível.

2. Assunto, objecto (ex.: matéria em discussão).

3. Conjunto de assuntos que fazem parte do programa de um curso ou disciplina escolar.

4. Disciplina escolar.

5. Substância evacuada ou eliminada (ex.: matéria sebácea, matérias fecais).

6. Pus.

7. [Figurado]   [Figurado]   Parte bestial da humanidade.

8. O que se opõe ao espírito e está relacionado com a carne ou o corpo.

9. [Imprensa]   [Imprensa]   Texto jornalístico. = ARTIGO


substantivo feminino Substância extensível, divisível, que pode ser pesada e suscetível de tomar todas as formas: a matéria é a causa permanente de todas as nossas sensações.
Coisas físicas, corpóreas: ligar-se à matéria.
Dejeção do corpo: matéria fecal.
Substância da qual uma coisa é feita.
[Figurado] Tema de um escrito, de um discurso.
Causa, motivo: isto é matéria para processo.
Entrar na matéria, abordar o tema, o assunto importante.
[Direito] Matéria sumária, causa cível que deve ser julgada rapidamente e com pouca despesa.


Matéria é tudo que ocupa espaço e possui massa de repouso (ou massa invariante). É um termo geral para a substância na qual todos os objetos físicos consistem. Tipicamente, a matéria inclui átomos e outras partículas que possuem massa. A massa é dita por alguns como sendo a quantidade de matéria em um objeto e volume é a quantidade de espaço ocupado por um objeto, mas esta definição confunde massa com matéria, que não são a mesma coisa. Diferentes campos usam o termo de maneiras diferentes e algumas vezes incompatíveis; não há um único significado científico que seja consenso para a palavra “matéria”, apesar do termo “massa” ser bem definido.
Contrariamente à visão anterior que igualava massa e matéria, uma das principais dificuldades em definir matéria consiste em decidir quais formas de energia (todas as quais possuem massa) não são matéria. Em geral, partículas sem massa como fótons e glúons não são considerados formas de matéria, apesar de que quando estas partículas estão aprisionadas em sistemas em repouso, elas contribuem com energia e massa para eles. Por exemplo, quase 99% de toda a massa da matéria atômica comum consiste da massa associada com a energia contribuída pelos glúons e a energia cinética dos quarks que fazem os núcleons. Vendo desta forma, a maior parte da “matéria” ordinária consiste de massa que não é contribuída por partículas de matéria.
Em grande parte da história das ciências naturais as pessoas contemplaram a natureza exata da matéria. A ideia de que a matéria era feita de blocos de construção discretos, a assim chamada teoria particulada da matéria, foi proposta primeiro pelos filósofos gregos Leucipo (~490 AC) e Demócrito (~470-380 AC). Com o passar do tempo foi descoberta uma estrutura cada vez mais fina para a matéria: objetos são feitos de moléculas, moléculas consistem-se de átomos, que por sua vez consistem-se de partículas subatômicas como os prótons e elétrons. Normalmente a matéria existe em quatro estados (ou fases): sólido, líquido, gás e plasma. Entretanto, avanços nas técnicas experimentais descobriram outras fases, que antes eram apenas teóricas, como o Condensado Bose-Einstein e o Condensado fermiônico. Um foco na visão da matéria partícula-elementar também leva a novas fases da matéria, como o plasma de quarks-glúons.Na física e química, a matéria exibe propriedades tanto de onda quanto partícula, a assim chamada Dualidade onda-partícula. Na cosmologia, extensões da expressão matéria são usadas para incluir a matéria escura e a energia escura, conceitos introduzidos para explicar alguns fenômenos estranhos do Universo observável, como a curva de rotação galáctica. Estas formas exóticas de “matéria” não referem-se à matéria como “blocos de construção”, mas a formas atualmente mal compreendidas de massa e energia.


bookmark_borderO que é física

física | s. f. fem. sing. de físico
fí·si·ca
substantivo feminino

1. Ciência que estuda as propriedades dos corpos e as leis que tendem a modificar o estado e o movimento desses corpos, sem lhes modificar a natureza.

2. Livro que trata dessa ciência.

3. [Antigo]   [Antigo]   Medicina.

física experimental • [Física]   • [Física]   A que é baseada na experiência.

física matemática • [Física]   • [Física]   Aquela em que as leis físicas são demonstradas pela matemática.

física molecular • [Física]   • [Física]   A que se ocupa da constituição molecular dos corpos e das acções recíprocas das suas moléculas.

física quântica • [Física]   • [Física]   A que se dedica ao estudo dos fenómenos físicos à escala atómica e subatómica .

física recreativa • Conjunto de experiências de física ou de prestidigitação, para recreio.
fí·si·co fí·si·co
adjectivo adjetivo

1. Relativo às condições e leis da natureza; natural; corpóreo; material.substantivo masculino

2. Indivíduo especialista em física.

3. Conjunto dos traços morfológicos do corpo humano. = COMPLEIÇÃO, CONSTITUIÇÃO, FISIONOMIA, PORTE

4. Aspecto exterior de alguma coisa. = CONFIGURAÇÃO

5. Conjunto das funções fisiológicas.

6. [Antigo]   [Antigo]   Médico.


substantivo feminino Ciência que tem por objeto o estudo das propriedades gerais dos corpos e as leis que tendem a modificar seu estado ou seu movimento sem modificar-lhes a natureza.
Obra que trata dessa ciência.
Física experimental, física baseada na experiência.
Física matemática, física cujas leis são traduzidas por equações.


Física (do grego antigo: φύσις physis “natureza”) é a ciência que estuda a natureza e seus fenômenos em seus aspectos mais gerais. Analisa suas relações e propriedades, além de descrever e explicar a maior parte de suas consequências. Busca a compreensão científica dos comportamentos naturais e gerais do mundo em nosso torno, desde as partículas elementares até o universo como um todo. Com o amparo do método científico e da lógica, e tendo a matemática como linguagem natural, esta ciência descreve a natureza através de modelos científicos. É considerada a ciência fundamental, sinônimo de ciência natural: as ciências naturais, como a química e a biologia, têm raízes na física. Sua presença no cotidiano é muito ampla, sendo praticamente impossível uma completíssima descrição dos fenômenos físicos em nossa volta. A aplicação da física para o benefício humano contribuiu de uma forma inestimável para o desenvolvimento de toda a tecnologia moderna, desde o automóvel até os computadores quânticos.Historicamente, a afirmação da física como ciência moderna está intimamente ligada ao desenvolvimento da mecânica, que tem como pilares principais de estudo a energia mecânica e os momentos linear e angular, suas conservações e variações. Desde o fim da Idade Média havia a necessidade de se entender a mecânica, e os conhecimentos da época, sobretudo aristotélicos, já não eram mais suficientes. Galileu centrou seus estudos nos projéteis, pêndulos e movimentos dos planetas; Isaac Newton, mais tarde, elaborou os princípios fundamentais da dinâmica ao publicar suas leis e a gravitação universal em seu livro Principia, que se tornou a obra científica mais influente de todos os tempos. A termodinâmica, que estuda as causas e os efeitos de mudanças na temperatura, pressão e volume em escala macroscópica, teve sua origem na invenção das máquinas térmicas durante o século XVIII. Seus estudos levaram à generalização do conceito de energia. A ligação da eletricidade, que estuda cargas elétricas, com o magnetismo, que é o estudo das propriedades relacionadas aos ímãs, foi percebida apenas no início do século XIX por Hans Christian Ørsted. As descrições físicas e matemáticas da eletricidade e magnetismo foram unificadas por James Clerk Maxwell. A partir de então, estas duas áreas, juntamente com a óptica, passaram a ser tratadas como visões diferentes do mesmo fenômeno físico, o eletromagnetismo. No início do século XX, a incapacidade da descrição e explicação de certos fenômenos observados, como o efeito fotoelétrico, levantou a necessidade de abrir novos horizontes para a física. Albert Einstein publicou a teoria da relatividade geral em 1915, propondo a constância da velocidade da luz e suas consequências até então inimagináveis. A teoria da relatividade de Einstein leva a um dos princípios de conservação mais importantes da física, a relação entre massa e energia, geralmente expressa pela famosa equação E=mc². A relatividade geral também unifica os conceitos de espaço e tempo: a gravidade é apenas uma consequência da deformação do espaço-tempo causado pela presença de massa. Max Planck, ao estudar a radiação de corpo negro, foi forçado a concluir que a energia está dividida em “pacotes”, conhecidos como quanta. Einstein demonstrou fisicamente as ideias de Planck, fixando as primeiras raízes da mecânica quântica. O desenvolvimento da teoria quântica de campos trouxe uma nova visão da mecânica das forças fundamentais. O surgimento da eletro e cromodinâmica quânticas e a posterior unificação do eletromagnetismo com a força fraca a altas energias são a base do modelo padrão, a principal teoria de partículas subatômicas, capaz de descrever a maioria dos fenômenos da escala microscópica que afetam as principais áreas da física.
A física é uma ciência significativa e influente e suas evoluções são frequentemente traduzidas no desenvolvimento de novas tecnologias. O avanço nos conhecimentos em eletromagnetismo permitiu o desenvolvimento de tecnologias que certamente influenciam o cotidiano da sociedade moderna: o domínio da energia elétrica permitiu o desenvolvimento e construção dos aparelhos elétricos; o domínio sobre as radiações eletromagnéticas e o controle refinado das correntes elétricas permitiu o surgimento da eletrônica e o consequente desenvolvimento das telecomunicações globais e da informática. O desenvolvimento dos conhecimentos em termodinâmica permitiu que o transporte deixasse de ser dependente da força animal ou humana graças ao advento dos motores térmicos, que também impulsionou toda uma Revolução Industrial. Nada disso seria possível, entretanto, sem o desenvolvimento da mecânica, que tem suas raízes ligadas ao próprio desenvolvimento da física. Porém, como qualquer outra ciência, a física não é estática. Físicos ainda trabalham para conseguir resolver problemas de ordem teórica, como a “catástrofe do vácuo”, gravitação quântica, termodinâmica de buracos negros, dimensões suplementares, flecha do tempo, inflação cósmica e o mecanismo de Higgs. Ainda existem fenômenos observados empiricamente e experimentalmente que ainda carecem de explicações científicas, como a possível existência da matéria escura, raios cósmicos com energias teoricamente muito altas e até mesmo observações cotidianas como a turbulência. Para tal, equipamentos sofisticadíssimos foram construídos, como o Large Hadron Collider, o maior acelerador de partículas já construído do mundo, situado na Organização Europeia para a Investigação Nuclear (CERN).


bookmark_borderO que é eficiência

eficiência | s. f.
e·fi·ci·ên·ci·a
(latim efficientia, -ae )
nome feminino

1. Qualidade do que é eficiente.

2. Capacidade para produzir realmente um efeito.

3. Qualidade de algo ou alguém que produz com o mínimo de erros ou de meios. = COMPETÊNCIA ≠ INCOMPETÊNCIA

Antónimo Antônimo Geral: INEFICIÊNCIA


substantivo feminino Capacidade de realizar tarefas ou trabalhos de modo eficaz e com o mínimo de desperdício; produtividade.
Tendência ou aptidão para ser efetivo; capacidade de realizar ou desenvolver alguma coisa demonstrando eficácia; efetividade.
Particularidade demonstrada por pessoas que conseguem produzir um ótimo rendimento, quando realizam alguma coisa; característica do que é eficaz.
Etimologia (origem da palavra eficiência). Do latim efficientia.ae.


Eficiência ou rendimento refere-se à relação entre os resultados obtidos e os recursos empregados. Existem diversos tipos de eficiência, que se aplicam a áreas diferentes do conhecimento.
Eficiência é a capacidade de um administrador para conseguir produtos mais elevados em relação aos insumos necessários para obtê-los. A capacidade de “fazer as coisas direito”.


bookmark_borderO que é dimensão

dimensão | s. f. | s. f. pl.
di·men·são
(latim dimensio, -onis )
substantivo feminino

1. Medida (comprimento, largura ou altura).

2. [Álgebra]   [Álgebra]   Grau de uma potência ou de uma equação.
dimensõessubstantivo feminino plural

3. Tamanho, proporções, grandeza.


substantivo feminino Extensão medível que define a porção ocupada por um corpo; tamanho.
Sentidos que compõem essa extensão (altura, largura e profundidade ou espessura).
[Figurado] Capacidade de ser útil, de cumprir um propósito ou necessidade; importância: a dimensão de uma iniciativa.
[Figurado] Âmbito significativo de algo real ou abstrata: dimensão econômica.
[Matemática] Num espaço vetorial, os números de vetores que compõem a sua base.
[Geometria] Número mínimo necessário de coordenadas para que a determinação unívoca de ponto(s) num espaço seja realizada.
[Matemática] Numa representação matricial de um grupo, a sequência ordenada das matrizes; grau.
Etimologia (origem da palavra dimensão). Do latim dimensio.onis.


Na física e na matemática, a dimensão de um espaço matemático (ou objeto) é informalmente definida como o número mínimo de coordenadas necessárias para especificar qualquer ponto dentro dela.[nota 1] Assim, uma reta tem uma dimensão de um (1) porque apenas uma coordenada é necessária para especificar um ponto nela – por exemplo, o ponto no 5 em uma reta numérica. Uma superfície como um plano ou a superfície de um cilindro ou esfera tem uma dimensão de dois porque duas coordenadas são necessárias para especificar um ponto nela – por exemplo, uma latitude e uma longitude são necessárias para localizar um ponto na superfície de uma esfera. O interior de um cubo, um cilindro ou uma esfera é tridimensional porque são necessárias três coordenadas para localizar um ponto dentro desses espaços.
Na mecânica clássica, espaço e tempo são categorias diferentes e referem-se a espaço e tempo absolutos. Essa concepção do mundo é um espaço de quatro dimensões, mas não o que foi considerado necessário para descrever o eletromagnetismo. As quatro dimensões do espaço-tempo consistem em eventos que não são absolutamente definidos espacial e temporalmente, mas são conhecidos em relação ao movimento de um observador. O espaço de Minkowski primeiro se aproxima do universo sem gravidade; as variedades pseudo-riemannianas da relatividade geral descrevem o espaço-tempo com a matéria e a gravidade. Dez dimensões são usadas para descrever a teoria das cordas, onze dimensões podem descrever a supergravidade e a teoria-M, e o espaço de estados da mecânica quântica é um espaço de função de dimensão infinita.
O conceito de dimensão não se restringe a objetos físicos. Espaços de alta dimensão frequentemente ocorrem na matemática e nas ciências. Eles podem ser espaços de parâmetros ou espaços de configuração, como na mecânica lagrangiana ou hamiltoniana; estes são espaços abstratos, independentes do espaço físico em que vivemos.


bookmark_borderO que é vácuo

vácuo | adj. | s. m.
vá·cu·o
(latim vacuus, -a, -um )
adjectivo adjetivo

1. Que não contém nada; que não se acha ocupado por coisa alguma. = OCO, VAZIO

2. [Jurídico, Jurisprudência]   [Jurídico, Jurisprudência]   Que se possui mas que não se desfruta ou não se goza.substantivo masculino

3. Espaço circunscrito que não contém ar ou que se supõe vazio.

4. O espaço entre os corpos celestes que se supõe vazio.

5. [Por extensão]   [Por extensão]   Enfado que para o espírito resulta de uma fastidiosa ociosidade. = ABORRECIMENTO, TÉDIO

6. Privação, falta.

7. Sensação de vazio mental ou afectivo .


adjetivo Que é vazio; sem nada; desprovido de conteúdo; espaço sem matéria; oco.
substantivo masculino Região espacial desprovida de matéria; região cujo ar é extremamente rarefeito e de pressão quase inexistente.
[Figurado] Aquilo que se assemelha ao vazio: uma mente repleta de vácuo.
[Física] Teoria quântica dos campos cujo espaço possui um estado reduzido de energia.
expressão [Gíria] Ficar no Vácuo. Receber um fora ou deixar de ser ouvido.
[Gíria] Deixar no vácuo. Dar um fora em alguém ou deixar alguém falando sozinho.
A vácuo. Processo que retira completamente o ar de: embalagem a vácuo.
Etimologia (origem da palavra vácuo). Do latim vacuus.a.um.


Na química, na física e na linguagem cotidiana, o vácuo é um espaço onde não existe matéria. O vácuo perfeito, porém, não é possível na natureza, ainda que ocorram situações muito próximas dele (por exemplo, no espaço sideral) e também não pode ser criado por um ser humano, pois para criação do vácuo poderíamos pensar em retirar o ar de um recipiente o que seria executável, porém nunca será possível a retirada de 100% do mesmo, pois não temos um equipamento capaz de reduzir a matéria a zero, em um certo volume. Na física clássica, um vácuo parcial em uma certa região do espaço pode ser quantificado referindo-se à pressão naquela região (o vácuo perfeito teria pressão zero). No Sistema Internacional de Unidades (SI), a unidade para a pressão é o pascal (Pa). A pressão também pode ser expressa como uma porcentagem da pressão atmosférica usando o bar ou a escala barométrica.


bookmark_borderO que é abrasão

abrasão | s. f.
a·bra·são
(latim abrasio, -onis, acção de raspar )
nome feminino

1. Desgaste por atrito ou fricção.

2. [Medicina]   [Medicina]   Raspagem de ossos cariados, de dentes com tártaro, de pele, de mucosa, etc.


substantivo feminino Desgaste por atrito; efeito de um abrasivo.
[Medicina] Exulceração da pele ou das mucosas por meios mecânicos.
Cirurgia. Raspagem ou retirada de certas partes: abrasão dos ossos.
Odontologia. Desgaste dos dentes por meios mecânicos ou químicos.

bookmark_borderO que é medição

medição | s. f. derivação fem. sing. de medir
me·di·ção
nome feminino

Acto ou efeito de medir.
me·dir me·dir – Conjugar
(latim metior, metiri, medir, estimar, repartir, atravessar )
verbo transitivo

1. Determinar a extensão ou a quantidade. = CALCULAR

2. Ter determinada extensão ou medida. = MENSURAR

3. [Figurado]   [Figurado]   Determinar o valor, a importância de. = PONDERAR

4. [Figurado]   [Figurado]   Fazer avaliação. = ANALISAR, APRECIAR, AVALIAR

5. Estender a vista por.

6. Olhar provocativamente. = FITAR

7. Ter tento, moderação (ex.: medir as palavras). = COMEDIR, MODERAR, REFREAR

8. [Versificação]   [Versificação]   Contar as sílabas de um verso. = ESCANDIRverbo pronominal

9. Bater-se com outrem. = LUTAR ≠ ACOBARDAR

10. Competir, rivalizar.


substantivo feminino Ação ou efeito de medir, de determinar o valor com um instrumento de medida.
Reunião dos projetos, dos planos ou das ações realizadas numa construção; agrimensura ou levantamento topográfico.
Ato que consiste na contagem do número exato de sílabas nos versos.
[Física] Medida; avaliação, contagem ou estimativa de uma grandeza física.
Ação de mensurar os territórios devolutos que pertencem ao Estado; esses territórios delimitados.
Etimologia (origem da palavra medição). Medir + ção.


Medição é o processo de determinar experimentalmente um valor de magnitude numérica para uma característica que possa ser atribuída a um objeto ou evento, no contexto de um quadro ou referência que permita fazer comparações com outros objetos ou eventos. Não se incluem, nesta definição, as propriedades nominais, ou propriedades que não têm magnitude. A medição é um processo fundamental em ciências naturais, tecnologia, economia e investigação quantitativa em ciências sociais.
O ato de medir envolve essencialmente a existência de unidades de medida, que são os comparativos usados na medição. Envolve também a existência de instrumentos de medição, que graduados de acordo com a unidade de medida em questão, fornecem com variados graus de precisão a medida desejada. Qualquer medição de um objeto pode ser avaliada pelos seguintes meta-critérios: escala (incluindo magnitude), dimensões (unidades de medida) e incerteza.
Em física, uma medida é o resultado do ato de medir. É a atribuição de um valor numérico a certos objetos ou eventos. É a chave para muitas das ciências naturais, tecnologia, economia e também de pesquisas quantitativas em ciências sociais.
O objetivo de uma medida é atribuir um valor, de quantidade particular, ao objeto ou evento medido. Medir significa comparar uma quantidade de uma grandeza física com outra de mesma natureza, tomando uma delas como um padrão pré-definido. Por exemplo, dizer que uma pessoa mede 1,8 metros, significa dizer que esta pessoa é 1,8 vezes maior que um comprimento padrão adotado, neste caso o metro.
Qualquer medida pode ser definida pelos seguintes três critérios: tamanho (magnitude da medida), dimensão (unidade), e incerteza. Esses critérios permitem que uma comparação seja feita entre duas medidas reduzindo a incerteza. Mesmo em casos em que há uma clara similaridade (ou diferença) entre dois objetos, uma medida quantitativa precisa ajuda a tornar os dados mais fiáveis e replicáveis. Por exemplo, a diferença entre duas cores pode ser dada tanto em função dos seus comprimentos de onda (quantitativo) quanto em termos como “verde” e “azul” (qualitativo), que muitas vezes são interpretados de maneira diferente por pessoas diferentes.
É importante notar que as leis da física são independentes do nome e da unidade que damos a elas. Esse é apenas um artefato que usamos para comparar medidas. Um bom exemplo é de Newton, que em sua publicação Principia (de onde surgiram as três leis de Newton) descreve uma “força centrípeda” tal que ela é a responsável pelos planetas orbitarem ao redor do Sol assim como a Lua ao redor da Terra. Essa força ele chamou de força da gravidade, que é medida em unidades internacionais de massa vezes metro por segundo ao quadrado, isto é, newton. Newton foi apenas quem deu o nome a uma força da natureza, e mais tarde uma unidade foi atribuída a ela – e todos concordaram em usar.A ciência das medidas é chamada metrologia.


bookmark_borderO que é interação

interacção interação | s. f.
in·te·rac·ção |àç| in·te·ra·ção |àç| in·te·ra·ção |àç|
substantivo feminino

1. Influência recíproca de dois ou mais elementos.

2. [Psicologia]   [Psicologia]   Fenómeno que permite a certo número de indivíduos constituir-se em grupo, e que consiste no facto de que o comportamento de cada indivíduo se torna estímulo para outro.

3. [Física]   [Física]   Acção recíproca que ocorre entre duas partículas.

interacção forte • [Física]   • [Física]   A que tem um curto alcance e que é responsável pela estabilidade do núcleo atómico .

interacção fraca • [Física]   • [Física]   A que ocorre entre leptões .• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: interação. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:interacção.
• Grafia no Brasil: interação. • Grafia em Portugal:interacção.


substantivo feminino Influência recíproca entre uma coisa e outra, entre uma pessoa e outra: a interação da teoria e da prática.
Diálogo entre pessoas que se relacionam ou convivem.
[Física] Quaisquer processos em que o resultado do estado de suas partículas é influenciado pela ação de outra partícula.
[Física] Força mútua entre duas partículas que estão próximas.
[Sociologia] Agrupamento das relações e/ou das ações que se efetivam entre os indivíduos de um determinado grupo ou entre os grupos de uma mesma sociedade.
[Psicologia] Fenômeno que permite, a certo número de indivíduos, constituir um grupo e que consiste no fato de que o comportamento de cada indivíduo se torna estímulo para um outro.
Etimologia (origem da palavra interação). Inter + ação.


A Interação (AO 1945: Interacção) é um tipo de ação que ocorre entre duas ou mais entidades quando a ação de uma delas provoca uma reação da outra ou das restantes. Por oposição à unidirecionalidade do conceito de causalidade, a subjacente bidirecionalidade ou mesmo interatividade é essencial no conceito de Interação.
O conceito de Interação engloba diversos valores semânticos especificos para diferentes áreas do conhecimento: