bookmark_borderO que é dispepsia

dispepsia | s. f.
dis·pep·si·a |è| dis·pep·si·a |è|
(grego duspepsía, -as, indigestão )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Digestão penosa ou com perturbações.


substantivo feminino [Medicina] Dificuldade ou embaraço na digestão.


Dispepsia (do grego “δυς-” [dys-], dificuldade e “πέψη” [pepse], digestão) é um termo médico que designa “dificuldade de digestão”, popularmente conhecida como “indigestão”. Essa condição caracteriza-se por dor ou mal estar recorrente no abdome superior, sensação rápida de saciedade e plenitude com a alimentação, eructação (arroto) e menor apetite. Pode ser acompanhada de distensão abdominal, eructação (arrotos), náuseas ou azia. A dispepsia afeta cerca de 30% da população adulta em algum momento . Freqüentemente é causada pela doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) ou gastrite, mas em uma minoria pode ser o primeiro sintoma da doença da úlcera péptica (uma úlcera do estômago ou duodeno) e, ocasionalmente, do câncer. Por isso, uma inexplicável dispepsia de início recente em pessoas acima de 55 ou a presença de outros sintomas de alarme pode requerer novas investigações.


bookmark_borderO que é pirose

pirose | s. f.
pi·ro·se |ó| pi·ro·se |ó|
(grego púrosis, -eos )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Sensação de dor ou ardor no estômago. = AZIA


substantivo feminino [Medicina] Sensação de azia (queimação) no estômago, associada ao refluxo de suco gástrico para o interior do esôfago, causando dor; azia.
Etimologia (origem da palavra pirose). Do grego púrosis.eos, “ato de queimar, inflamação, ardência”.


Pirose (do grego “pýrosis”, ação de queimar) ou azia, é a sensação de ardor (queimação), que tem início na parte posterior do esterno e que se propaga através de ondas ou golfadas, até a faringe, fazendo-se acompanhar de eructação com acidez e aumento da salivação. A pirose pode ser sintoma de algumas doenças como refluxo gastroesofágico, ou indicativo de processos irritativos ou inflamação ocorrente no esôfago. O ardor é provocado pela ação do ácido gástrico (e por vezes também de bílis), fora do ambiente estomacal.


bookmark_borderO que é apendicite

apendicite | s. f.
a·pen·di·ci·te
(apêndice + -ite )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação do apêndice ileocecal (ex.: apendicite aguda).


substantivo feminino Inflamação do apêndice cecal, pequena bolsa presa na parte inicial do intestino grosso, caracterizada pelo aparecimento de uma forte dor abdominal.
Etimologia (origem da palavra apendicite). Apêndice + ite.


Apendicite é a inflamação do apêndice. Os sintomas geralmente incluem dor na parte inferior direita do abdómen, náuseas, vómitos e falta de apetite. No entanto, cerca de 40% das pessoas não apresentam estes sinais e sintomas típicos. Entre as possíveis complicações graves de uma rutura do apêndice estão a inflamação grave e dolorosa do revestimento interior do abdómen e sepse.A apendicite é causada pelo bloqueio da cavidade do apêndice, geralmente por um aglomerado de fezes calcificadas. Este bloqueio pode também ser causado por uma inflamação do tecido linfoide por uma infeção viral, parasitas, cálculo biliar ou tumores. O bloqueio provoca o aumento da pressão no apêndice, diminui o fornecimento de sangue aos tecidos do órgão e potencia o crescimento de bactérias que causam a inflamação. A combinação da inflamação, da diminuição do fornecimento de sangue e da distensão causam lesões e morte dos tecidos. Se este processo não for tratado, o apêndice pode romper, libertando as bactérias na cavidade abdominal, o que provoca dores abdominais intensas e eventuais complicações graves.O diagnóstico de apendicite tem por base os sinais e sintomas da pessoa. Nos casos em que não é possível realizar o diagnóstico com base no historial clínico e no exame físico, podem ser pedidas e exames de laboratório. Os dois exames imagiológicos mais comuns são a ecografia e a tomografia computorizada (TAC). A TAC tem demonstrado maior precisão na deteção de apendicite aguda. No entanto, a ecografia é o método de primeira escolha em crianças e grávidas devido aos riscos associados à exposição a radiação.O tratamento convencional para a apendicite aguda é a remoção cirúrgica do apêndice. Este procedimento pode ser feito através de uma incisão no abdómen (laparotomia) ou de várias pequenas incisões com a ajuda de câmaras (laparoscopia). A cirurgia diminui o risco de complicações ou morte associados à rutura do apêndice. Em determinados casos de apendicite sem rutura, os antibióticos podem ser igualmente eficazes. A apendicite é uma das causas mais comuns e significativas de dores abdominais fortes e agudas em todo o mundo. Em 2015 ocorreram em todo o mundo cerca de 11,6 milhões de casos, dos quais 50 100 resultaram em morte. Nos Estados Unidos, a apendicite é a causa mais comum de dor abdominal aguda a necessitar de intervenção cirúrgica. A primeira descrição da doença é atribuída a Reginald Heber Fitz num artigo publicado em 1886.


bookmark_borderO que é náusea

náusea | s. f.
náu·se·a
(latim nausea, -ae, do grego nautía, -as )
substantivo feminino

1. Vontade de vomitar.

2. Esforço que se faz para vomitar.

3. [Figurado]   [Figurado]   Nojo, asco; repugnância. (Mais usado no plural)


substantivo feminino Sensação desconfortável de aperto na região peitoral ou abdominal que, geralmente, antecede o vômito.
Tontura sentida pela pessoa que está numa viagem de navio, de carro, de avião etc.
[Por Extensão] Nojo; sensação de repulsa: o bandido lhe causava náusea.
Etimologia (origem da palavra náusea). Do latim nausea.ae.


Náusea ou enjoo é uma sensação desagradável e difusa de desconforto e mal-estar, que em muitos casos se manifesta por vontade em vomitar. Embora não seja dolorosa, quando a sua duração é prolongada pode ser um sintoma debilitante ao provocar desconforto no peito, parte superior do abdómen ou na parte de trás da garganta.As náuseas são um sintoma inespecífico, o que significa que podem ter muitas causas possíveis. Algumas das causas mais comuns de náuseas são o enjoo do movimento, tonturas, dores de cabeça, desmaios, pouca glicose no sangue, gastroenterite ou intoxicação alimentar. As náuseas podem também ser um efeito secundário de muitos medicamentos, incluindo quimioterapia, ou dos enjoos matinais no início da gravidez. As náuseas podem ainda ser causadas por condições psicológicas como ansiedade, nojo ou depressão.Os medicamentos usados para prevenir e tratar as náuseas são denominados antieméticos. Entre os mais prescritos estão a prometazina, metoclopramida e ondansetrona. O termo náusea tem origem no latim nausea, a partir do grego “ναυσία” – nausia, ou “ναυτία” – nautia, que significa doença do movimento.


bookmark_borderO que é obstipação

obstipação | s. f. derivação fem. sing. de obstipar
obs·ti·pa·ção
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Dificuldade em defecar. = CONSTIPAÇÃO, PRISÃO DE VENTRE
obs·ti·par obs·ti·par – Conjugar
verbo transitivo

Produzir obstipação em.


substantivo feminino [Medicina] Dificuldade para expelir os excrementos – prisão de ventre.
Constipação forte e persistente.
plural Obstipações.
Etimologia (origem da palavra obstipação). Do latim obstipatìo.onis.


Obstipação ou constipação intestinal, popularmente denominada prisão de ventre, é uma condição caracterizada por defecações pouco frequentes ou de difícil passagem. As fezes apresentam-se geralmente duras e secas. Entre outros sintomas estão dores abdominais, sensação de ventre inchado e uma sensação semelhante a não ter defecado por completo. As complicações mais comuns das obstipações são hemorroidas, fissura anal ou acumulação de fezes no intestino grosso. A frequência normal de defecações em adultos é entre três por dia e três por semana. Os bebés geralmente realizam três a quatro defecações por dia e as crianças duas a três.A obstipação tem várias causas. Entre as causas mais comuns estão a lentidão do movimento das fezes no cólon, síndrome do intestino irritável e distúrbios do soalho pélvico. Entre as possíveis doenças subjacentes estão o hipotiroidismo, diabetes, doença de Parkinson, doença celíaca, sensibilidade ao glúten não celíaca, cancro do cólon, diverticulite e doença inflamatória intestinal. Entre os medicamentos associados a obstipação estão os opioides, determinados antiácidos, bloqueadores dos canais de cálcio e anticolinérgicos. Cerca de 99% das pessoas que se encontram a tomar opioides desenvolvem obstipação. O organismo responde a estes fatores retendo as fezes por um período maior do que o normal. Em crianças a obstipação pode vir acompanhada de outros sintomas, como o escape fecal e encoprese, ou seja, o ato de sujar as roupas íntimas involuntariamente.O tratamento da obstipação depende da causa subjacente e de há quanto tempo está presente. Entre as medidas que podem ajudar estão beber bastantes líquidos, ingerir fibras dietéticas (a Organização Mundial de Saúde recomenda a ingestão diária de 25 a 30g de fibra, quantidade facilmente alcançável com o consumo regular de frutas, vegetais, cereais integrais, grãos e sementes) e praticar exercício físico. Quando estas medidas não são eficazes, podem ser prescritos laxantes formadores de volume, laxantes osmóticos, lexantes emolientes ou laxantes lubrificantes. Os laxantes estimulantes são geralmente reservados para situações em que os outros tipos não são eficazes. Entre outros possíveis tratamentos estão o biofeedback ou, em casos raros, cirurgia. A obstipação é motivo de preocupação quando está associada a perda de peso ou anemia, quando existe sangue nas fezes, quando existem na família casos de cancro do cólon ou doença inflamatória ou quando aparece em idade avançada.Na população em geral, a incidência de obstipação é de 2 a 30%. Entre idosos que vivem em lares, a incidência é de 50 a 75%. Estatisticamente, a prisão de ventre afeta mais as mulheres do que os homens devido a fatores hormonais e, no caso da gestação, pela compressão do útero sobre o intestino.


bookmark_borderO que é soluço

soluço | s. m. 1ª pess. sing. pres. ind. de soluçar
so·lu·ço
nome masculino

1. Contracção espasmódica do diafragma acompanhada de um ruído particular, produzido pela passagem do ar na glote.

2. Suspiro.

3. [Náutica]   [Náutica]   O arfar do navio.

4. O arfar do mar.
so·lu·çar so·lu·çar – Conjugar
verbo intransitivo

1. Soltar soluços; chorar, acompanhando o choro com soluços.

2. [Figurado]   [Figurado]   Sussurrar, bramir (falando-se do mar), arfar.verbo transitivo

3. Exprimir entre soluços.nome masculino

4. Acto de soluçar.

5. Soluço.


substantivo masculino Súbita e involuntária tomada de ar, causada por uma contração espasmódica do diafragma, acompanhada de um ruído característico provocado pela passagem do ar na glote.
O diafragma é um músculo grande e forte, em forma de cúpula, que fica na base da cavidade torácica. Para ajudar a respiração, contrai-se e relaxa-se como um fole. Normalmente, essas contrações são ritmadas e calmas. Mas a irritação de certos órgãos próximos do diafragma ou às vezes uma doença podem causar a contração brusca do diafragma. Esse espasmo aspira o ar para os pulmões através da laringe. Esta tem lateralmente as cordas vocais, e na parte de cima a epiglote, cobertura móvel que impede a entrada de alimentos nas vias aéreas. Quando o diafragma se contrai abruptamente, a epiglote fecha a laringe. Quando o espasmo do diafragma impele o ar para a laringe, o ar choca-se fortemente com a epiglote fechada e põe em movimento as cordas vocais. Disso resulta o som do soluço que ouvimos.


O soluço, salouco ou singulto (em latim: Singultus) é um fenômeno reflexo que se manifesta por contração espasmódica e involuntária do diafragma, prosseguida de movimento de distensão e de relaxamento, através do qual o pouco ar que a contração forçara a entrar no estômago é expulso com um ruído característico. Costuma ocorrer geralmente após a ingestão de líquido ou sólido. Geralmente é benigno e auto-limitado, mas pode ser sintoma de uma doença crônica e necessitar de tratamento. Apesar de relatos anedóticos, o soluço em si não é fatal.
O soluço benigno do qual que geralmente sofremos pode ser resolvido com uma curta interrupção do ciclo respiratório, ou seja, pelo ato de prender por alguns segundos a respiração. Fazendo isto, o diafragma será forçado a voltar a funcionar juntamente com a respiração e o soluço tende a passar, mas pode continuar a ocorrer em alguns casos.
Uma das causas mais frequentes para a ocorrência de soluços prende-se com sintomas hipotérmicos por parte do paciente.


bookmark_borderO que é sialorreia

sialorreia sialorréia sialorreia | s. f.
si·a·lor·rei·a si·a·lor·réi·a si·a·lor·rei·a
(grego síalon, ou, saliva + -reia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Secreção excessiva ou muito abundante de saliva. = HIPERSIALOSE, POLISSIALIA, PTIALISMO• Grafia no Brasil: sialorréia. • Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990:sialorreia. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:sialorréia
• Grafia em Portugal:sialorreia.


substantivo feminino [Medicina] Secreção abundante, excessiva de saliva.


Hipersalivação ou Sialorreia, também conhecida como ptialismo ou polissialia é a secreção abundante de saliva.Caracteriza-se por uma produção de saliva em excesso à quantidade normal diária de 1,5 a 2 litros e é normalmente associada a pessoas com distúrbios neurológicos ou doenças raras e também em bébés.


bookmark_borderO que é coledocolitíase

coledocolitíase | s. f.
co·le·do·co·li·tí·a·se
(colédoco + litíase )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Formação de cálculos no colédoco.


substantivo feminino [Medicina] Presença de cálculos nos condutos biliares.
Etimologia (origem da palavra coledocolitíase). Colédoco + lito + íase.


Coledocolitíase é a presença de cálculos no ducto colédoco. Esta condição causa icterícia e lesão às células do fígado, sendo uma emergência médica, necessitando de CPRE ou tratamento cirúrgico.