bookmark_borderO que é comunismo

comunismo | s. m.
co·mu·nis·mo
(francês communisme )
nome masculino

Sistema político, económico e social que tende para a supressão da luta de classes pela colectivização dos meios de produção.


substantivo masculino Sistema político que se baseia na propriedade coletiva (sem propriedade privada), sendo que os meios de produção ou serviços pertencem a essa coletividade; qualquer tipo de governo, sistema social ou organização socioeconômica que utiliza esse sistema.
[Política] A reunião dos políticos que fazem parte do partido comunista.
[Política] A doutrina ou política exercida pelos partidos comunistas.
[Economia] Política. Ideologia ou doutrina que, fundada por Karl Marx, utiliza o sistema de propriedade coletiva (comunismo) em conjunto com o socialismo, sendo a propriedade coletiva instituída pelo Estado que distribui os bens de acordo com as prioridades individuais, extinguindo o sistema das classes sociais.
[Economia] Política. Sistema de governo (político, econômico e social) que, instaurado na antiga União Soviética (Revolução de 1917), tinha o comunismo como princípio mais importante.
Etimologia (origem da palavra comunismo). Do francês communisme.


Comunismo (do latim communis – comum, universal) é uma ideologia política e socioeconômica, que pretende promover o estabelecimento de uma sociedade igualitária, sem classes sociais e apátrida, baseada na propriedade comum dos meios de produção.Um dos seus principais mentores filosóficos, Karl Marx, postulou que o comunismo seria a fase final do desenvolvimento da sociedade humana e que isso seria alcançado através de uma revolução proletária, isto é, uma revolução encabeçada pelos trabalhadores das cidades e do campo. O “comunismo puro”, no sentido marxista, refere-se a uma sociedade sem classes (sociedade regulada), sem Estado (ácrata ou apátrida) e livre de quaisquer tipos de opressão, onde as decisões sobre o que produzir e quais as políticas devem prosseguir são tomadas democraticamente e permitindo dessa maneira que cada membro da sociedade organizada possa participar do processo, tanto na esfera política e econômica da vida pública e/ou privada. Marx nunca forneceu uma descrição detalhada de como o comunismo poderia funcionar como um sistema econômico (tal foi feito, por Lenin), mas subentende-se que uma economia comunista consistiria de propriedade comum dos meios de produção, culminando com a negação do conceito de propriedade privada do capital, que se refere aos meios de produção na terminologia marxista. No uso moderno, o comunismo é, muitas vezes, usado para se referir ao bolchevismo, na Rússia. Como um movimento político, o sistema comunista teve governos, em regra, com uma preocupação de fundo para com o bem-estar do proletariado, segundo o princípio “de cada um segundo as suas capacidades, a cada um segundo as suas necessidades”.Como uma ideologia política, o comunismo é geralmente considerado como a etapa final do socialismo. Este consiste num grupo amplo de filosofias econômicas e políticas ligadas a vários movimentos políticos e intelectuais e a trabalhos de teóricos da Revolução Industrial e da Revolução Francesa. O socialismo seria uma fase prévia necessária de acumulação de capital, antes do advento do comunismo. O comunismo pode-se dizer que é o contrário do capitalismo, oferecendo uma alternativa para os problemas da economia de mercado capitalista e do legado do imperialismo e do nacionalismo. Marx afirma que a única maneira de resolver esses problemas seria pela classe trabalhadora (proletariado), que, segundo Marx, são os principais produtores de riqueza na sociedade e são explorados pelos capitalistas de classe (burguesia). A classe trabalhadora substituiria a burguesia, a fim de estabelecer uma sociedade livre, sem classes ou divisões raciais. As formas dominantes de comunismo, como o leninismo e o maoismo, são baseadas no marxismo, embora cada uma dessas formas tenha modificado as ideias originais. Também existem versões não marxistas do comunismo, como o comunismo cristão e o anarcocomunismo.
As doutrinas comunistas mais antigas, anteriores à Revolução Industrial, punham toda ênfase nos aspectos distributivistas, colocando a igualdade social, isto é, a abolição das classes e estamentos, como o objetivo supremo. Com Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895), fundadores do chamado “socialismo científico”, a ênfase deslocou-se para a plena satisfação das necessidades humanas, possibilitada pelo desenvolvimento tecnológico: mediante a elevação da produtividade do trabalho humano, a tecnologia proporcionaria ampla abundância de bens, cuja distribuição poderia deixar de ser antagônica, realizando-se a igualdade numa situação de bem-estar geral. A partir dessa formulação, que teve uma profunda influência sobre o comunismo contemporâneo, a sociedade comunista seria o coroamento de uma longa evolução histórica. Os regimes “anteriores”, principalmente o capitalismo e o socialismo, cumpririam o seu papel histórico ao promover o aumento da produtividade e, portanto, as pré-condições da abundância, que caberia ao comunismo transformar em plena realidade. Enquanto o capitalismo desempenha esse papel mediante a emulação da concorrência, o socialismo deveria manter, em certa medida, essa emulação ao repartir os bens ainda escassos “a cada um segundo o seu trabalho”. Só o comunismo, que corresponderia ao pleno “reino da liberdade e da abundância”, poderia instaurar a repartição segundo o princípio de “a cada um segundo sua necessidade”.


bookmark_borderO que é revolução

revolução | s. f.
re·vo·lu·ção
(latim revolutio, -onis )
substantivo feminino

1. [Astronomia]   [Astronomia]   Marcha circular dos corpos celestes no espaço.

2. Período de tempo que eles empregam em percorrer a sua órbita.

3. [Física]   [Física]   Movimento de um móbil que percorre uma curva fechada.

4. [Geometria]   [Geometria]   Movimento suposto de um plano em volta de um dos seus lados, para gerar um sólido.

5. [Mecânica]   [Mecânica]   Giro completo do eixo de um motor ou de qualquer peça em movimento giratório.

6. [Figurado]   [Figurado]   Revolta, sublevação.

7. Mudança brusca e violenta na estrutura económica , social ou política de um Estado (ex.: a Revolução Francesa).

8. Reforma, transformação, mudança completa.

9. Perturbação moral, indignação, agitação.

10. Náusea, repulsa, nojo.

11. Modificação em qualquer ramo do conhecimento ou pensamento (ex.: revolução literária).

revolução cultural • [História]   • [História]   Processo revolucionário chinês desenvolvido por Mao Tsé-Tung entre 1966 e 1976. (Geralmente com inicial maiúscula.)

revolução de Abril • [História]   • [História]   O mesmo que revolução do 25 de Abril. (Geralmente com inicial maiúscula.)

revolução de Outubro • [História]   • [História]   O mesmo que revolução russa. (Geralmente com inicial maiúscula.)

revolução do 25 de Abril • [História]   • [História]   Revolta militar protagonizada pelo Movimento das Forças Armadas em 1974, que conduziu ao derrube do governo de Marcelo Caetano e criou condições para a implantação de um regime democrático em Portugal. (Geralmente com inicial maiúscula.)

revolução dos cravos • [História]   • [História]   O mesmo que revolução do 25 de Abril. (Geralmente com inicial maiúscula.)

revolução francesa • [História]   • [História]   Processo revolucionário iniciado em 1789, que pôs fim ao Antigo Regime em França, com o lema “liberdade, igualdade e fraternidade”.

revolução industrial • [História]   • [História]   Conjunto de transformações ocorridas em Inglaterra na segunda metade do século XVIII, com diversas inovações tecnológicas que originaram uma industrialização progressiva, o aparecimento de grandes unidades industriais e as consequentes alterações económicas , sociais, culturais e ambientais.

revolução russa • [História]   • [História]   Período de conflitos desencadeados em 1917 pelo Partido Bolchevique liderado por Lenine, que levou à queda do regime dos czares e à fundação da União Soviética. (Geralmente com inicial maiúscula.)

revolução sideral • [Astronomia]   • [Astronomia]   Retorno de um astro ao mesmo ponto do céu.


substantivo feminino Ação de revolucionar, de incitar uma revolta; rebelião, insurreição: muitas foram as revoluções liberais do século XIX.
Mudança profunda ou completa; subversão: revolução de costumes.
Movimento que busca mudanças sociais por meio de rebeliões: revolução de Canudos.
[Física] Movimento completo de uma figura de forma invariável em torno de um eixo ou um centro: a revolução de uma roda.
[Física] Movimento circular ou elíptico no qual um móvel volta à sua posição inicial.
[Astronomia] Tempo gasto por um corpo celeste para descrever sua órbita; esse próprio movimento: a revolução de um planeta.
expressão [Geometria] Superfície de revolução. Aquela é gerada pela rotação de uma curva qualquer, que gira em volta de uma reta fixa, de modo que cada um de seus pontos descreva um círculo num plano perpendicular ao eixo.
Etimologia (origem da palavra revolução). Do latim revolutio.onis.


Revolução (do latim revolutìo,ónis, “ato de revolver”) é uma mudança abrupta no poder político ou na organização estrutural de uma sociedade que ocorre em um período relativamente curto de tempo. O termo é igualmente apropriado para descrever mudanças rápidas e profundas nos campos científico-tecnológico, econômico e comportamental humano.


bookmark_borderO que é moderno

moderno | adj. | s. m. | s. m. pl.
mo·der·no |é| mo·der·no |é|
(latim tardio modernus, -a, -um )
adjectivo adjetivo

1. Dos nossos dias; do tempo presente. = CONTEMPORÂNEO, HODIERNO, RECENTE ≠ ANTIGO

2. Que tem ou contém progressos recentes da ciência e da tecnologia (ex.: equipamento moderno; máquinas modernas). ≠ OBSOLETO, ULTRAPASSADO

3. Que representa ou acompanha gostos, ideias ou hábitos do tempo actual . ≠ ANTIGO, ANTIQUADO, ULTRAPASSADO

4. [História]   [História]   Que é de uma época posterior à Antiguidade , por oposição a clássico ou antigo (ex.: cultura moderna, língua moderna).

5. [História]   [História]   Que é relativo ou pertencente ao período compreendido entre 1453 (ano da queda de Constantinopla e do Império Romano do Oriente, que marca o fim da Idade Média) e 1789 (ano da Revolução Francesa) [ex.: época moderna, história moderna].

6. Que pertence ou é relativo a um dos movimentos artísticos e literários heterogéneos surgidos no final do século XIX e início do século XX, que defendiam modelos baseados na reacção contra as correntes tradicionais. = MODERNISTA

7. Que pertence ou é relativo à língua portuguesa a partir do final do século XVIII, por oposição a arcaico e clássico (ex.: português moderno).

8. [Portugal: Açores]   [Portugal: Açores]   Moderado ou suave.

9. [Portugal: Beira]   [Portugal: Beira]   Sossegado ou calado.

10. [Brasil: Nordeste, Popular]   [Brasil: Nordeste, Popular]   De cor clara ou pouco intensa.nome masculino

11. O que pertence ao tempo presente ou recente, por oposição ao antigo.
modernosnome masculino plural

12. Conjunto de pessoas do tempo presente.


adjetivo Que pertence ao tempo presente ou a uma época relativamente recente; hodierno, atual.
Que tem pouco tempo, por oposição ao que é velho novo, recente: comprei um carro moderno.
Que está à frente de seu tempo: minha avó é super moderna.
[História] Posterior ao fim da Idade Média até à Revolução Francesa (1789).
[História] Que apareceu depois da antiguidade greco-romana.
substantivo masculino Aquilo que é moderno ou de acordo com o gosto moderno.
Que marca tendências novas, contemporâneas: estilo arquitetônico moderno.
Conjunto de pessoas que vivem na era atual, contemporânea.
Etimologia (origem da palavra moderno). Do latim modernus.a.um.


Moderno (do latim modernus) significa algo que é recente, novo ou do tempo presente. O conceito de moderno aparece no meio do século XIX e constitui-se em uma reação ambígua da cultura à agressão do mundo industrial. Esta ideia de modernização é introduzida em outros lugares, principalmente no terceiro mundo onde modernização torna-se algo nascido do contato com o ocidente. Os conceitos antigo/moderno nem sempre foram opostos: no século XVI a historiografia ocidental divide a historia em três idades: antiga, medieval e moderna. Onde moderna se opõe a medieval e não a antiga. A renascença no século XVI traz exatamente o resgate do passado, da antiguidade. O moderno torna-se a retomada do antigo, a antiguidade clássica. Nas sociedades mais tradicionais a antiguidade tem valor de seguro. Os mais antigos tem mais conhecimentos e são o depositários da memória coletiva, há um grande valor no conselho dos antigos. Apesar de também, como nas sociedades modernas, haver um desprezo pela decrepitude. O antigo assim participa da ambiguidade de conceitos oscilando entre a sabedoria e a senilidade. O jogo dialético gerado por moderno e a consciência de modernidade nasce da ruptura com o passado. O estudo do par antigo/moderno passa pela analise do momento histórico que segrega a ideia de modernidade, que cria a antiguidade (para denegrir ou exaltar; ou mesmo para distinguir ou afastar), pois ela destaca a modernidade promovendo-a ou vilipendiando-a.
Além de uma família tipográfica surgida em fins do século XVII (“moderno” ou “Modern Face”), o termo pode referir-se a:

Arquitetura moderna
Arte Moderna
Física moderna
Idade Moderna
Modernidade
Modernismo
Modernização
Tempos Modernos (filme de 1936)
Pós-modernismo