bookmark_borderO que é miocardite

miocardite | s. f.
mi·o·car·di·te
(miocárdio + -ite )
nome feminino

Inflamação do miocárdio.


substantivo feminino [Medicina] Inflamação do miocárdio.
Etimologia (origem da palavra miocardite). Miocárdio + ite.


Miocardite ou cardiopatia inflamatória é a inflamação do músculo cardíaco. Os sintomas mais comuns são falta de ar, dor torácica, diminuição da capacidade física e arritmias cardíacas. A duração da doença pode variar de horas a meses. Entre as possíveis complicações estão insuficiência cardíaca devido a cardiomiopatia dilatada ou parada cardíaca.A maior parte dos casos de miocardite tem origem em infeções virais. Entre outras possíveis causas estão infeções bacterianas, alguns medicamentos, toxinas e doenças autoimunes. Os meios de diagnóstico incluem electrocardiograma, aumento dos valores de troponina, ressonância magnética cardíaca e, em alguns casos, biópsia ao coração. Um ecocardiograma do coração permite descartar outras potenciais causas, como valvulopatias.O tratamento depende da gravidade e da causa subjacente. Em grande parte dos casos são administrados medicamentos como inibidores da enzima de conversão da angiotensina, betabloqueadores ou diuréticos. Geralmente recomenda-se que não seja feito esforço físico durante o recobro. Em alguns casos pode se útil a administração de corticosteroides ou terapia de imunoglobulina. Nos casos mais graves podem ser recomendados um cardioversor desfibrilhador implantável ou um transplante de coração.Em 2013 ocorreram em todo o mundo cerca de 1,5 milhões de casos de miocardite aguda. Embora a doença possa afetar pessoas de todas as idades, é mais comum entre os jovens. É ligeiramente mais comum entre homens do que entre mulheres. A maior parte dos casos são ligeiros. Em 2015, as cardiomiopatias, nas quais se inclui a miocardite, foram a causa de 354 000 mortes, um aumento em relação às 294 000 em 1990. As primeiras descrições da doença datam de meados do século XIX.


bookmark_borderO que é rinite

rinite | s. f.
ri·ni·te
substantivo feminino

1. Coriza.

2. Inflamação da mucosa do nariz.


substantivo feminino [Medicina] Inflamação aguda ou crônica da mucosa que reveste as partes internas do nariz.
Distinguem-se os seguintes tipos: alérgica, atrófica, catarral aguda ou coriza, crupal, hipertrófica e purulenta.


Rinite é a irritação e inflamação da membrana mucosa no interior da cavidade nasal. Entre os sintomas mais comuns estão a congestão nasal, fluxo nasal abundante, espirros e acumulação de muco na garganta ou parte posterior do nariz. O tipo de rinite mais comum é a rinite alérgica, que é geralmente desencadeada por alergénios presentes no ar, como o pólen ou o pêlo de animais. A rinite alérgica pode causar sintomas adicionais, como coceira no nariz, tosse, dores de cabeça, fadiga, sensação de mal-estar e diminuição das capacidades cognitivas. Os alergénios podem também afetar os olhos, causando coceira, vermelhidão e lacrimejar.A inflamação da membrana mucosa na rinite pode ser causada por vírus, bactérias, irritantes ou alergénios.
A inflamação faz com que o corpo produza grande quantidade de muco, que se acumula e congestiona o nariz e a garganta. No caso da rinite alérgica, a inflamação é causada pela degranulação dos mastócitos no nariz. Ao degranularem-se, estas células libertam histamina e outras substâncias químicas, o que dá origem a um processo inflamatório que pode causar sintomas fora do nariz, como a fadiga e mal estar. A rinite infecciosa pode por vezes levar a complicações como pneumonia, quer viral quer bacteriana.
A rinite é uma doença muito comum, embora a sua prevalência varie significativamente entre países. A prevalência entre crianças entre os 6 e 7 anos varia entre 0,8% e 14,9%. Entre os 13 e 14 anos varia entre 1,4 e 39,7%. Entre os adultos varia entre 5,9% em França e 29% no Reino Unido.


bookmark_borderO que é meningite

meningite | s. f.
me·nin·gi·te
(meninge + -ite )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação das meninges (particularmente da aracnóide ).Confrontar: miringite.


substantivo feminino Inflamação aguda ou crônica das meninges, das membranas que envolvem a medula espinhal e o encéfalo, geralmente proveniente de uma infecção.
Etimologia (origem da palavra meningite). Meninge + ite; pelo francês méningite.


Meningite é uma inflamação aguda das membranas protetoras que revestem o cérebro e a medula espinal, denominadas coletivamente por meninges. Os sintomas mais comuns são febre súbita e elevada, dor de cabeça intensa e rigidez no pescoço. Entre outros possíveis sintomas estão confusão mental ou alteração do estado de consciência, vómitos e intolerância à luz ou a barulho. As crianças mais novas geralmente manifestam apenas sintomas inespecíficos, como irritabilidade, sonolência ou recusa em comer. A meningite causada por bactérias meningocócicas apresenta manchas características na pele.A inflamação das meninges é geralmente causada por uma infeção por vírus, bactérias ou outros microorganismos. Ainda que de forma pouco comum, pode também ser causada por alguns medicamentos. A meningite pode provocar a morte devido à proximidade da inflamação com o cérebro e medula espinal, o que faz com que a condição seja classificada como emergência médica. Um diagnóstico de meningite pode ser confirmado ou excluído com uma punção lombar. Este procedimento consiste na inserção de uma agulha no canal medular para recolher uma amostra do líquido cefalorraquidiano que envolve o cérebro e medula espinal, a qual é posteriormente analisada em laboratório.Algumas formas de meningite podem ser prevenidas mediante vacinação com a vacina meningocócica, vacina contra a papeira, vacina antipneumocócica e vacina Hib. Pode também ser útil administrar antibióticos em pessoas com exposição significativa a determinados tipos de meningite. O tratamento inicial da meningite aguda é a administração imediata de antibióticos e, em alguns casos, de antivirais. Podem também ser administrados corticosteroides para prevenir complicações resultantes de uma inflamação excessiva. A meningite pode causar complicações graves a longo prazo, incluindo perda auditiva, epilepsia, hidrocefalia ou défice cognitivo, sobretudo quando não é tratada rapidamente. Quando não é tratada, a meningite bacteriana é quase sempre fatal. Pelo contrário, a meningite viral tende a resolver-se espontaneamente e raramente é fatal.Em 2015 houve 8,7 milhões de casos de meningite em todo o mundo No mesmo ano, a doença foi responsável por 379 000 mortes, uma diminuição em relação às 464 000 em 1990. Com tratamento adequado e atempado, o risco de morte por meningite bacteriana é inferior a 15%. Entre dezembro e junho ocorrem frequentemente surtos da doença numa faixa da região da África subsariana entre a Gâmbia e a Eritreia. Podem também ocorrer pequenos surtos em outras regiões do mundo. O termo meningite tem origem no grego μῆνιγξ meninx, que significa “membrana”, e no sufixo médico -ite, ou “inflamação”.


bookmark_borderO que é apendicite

apendicite | s. f.
a·pen·di·ci·te
(apêndice + -ite )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação do apêndice ileocecal (ex.: apendicite aguda).


substantivo feminino Inflamação do apêndice cecal, pequena bolsa presa na parte inicial do intestino grosso, caracterizada pelo aparecimento de uma forte dor abdominal.
Etimologia (origem da palavra apendicite). Apêndice + ite.


Apendicite é a inflamação do apêndice. Os sintomas geralmente incluem dor na parte inferior direita do abdómen, náuseas, vómitos e falta de apetite. No entanto, cerca de 40% das pessoas não apresentam estes sinais e sintomas típicos. Entre as possíveis complicações graves de uma rutura do apêndice estão a inflamação grave e dolorosa do revestimento interior do abdómen e sepse.A apendicite é causada pelo bloqueio da cavidade do apêndice, geralmente por um aglomerado de fezes calcificadas. Este bloqueio pode também ser causado por uma inflamação do tecido linfoide por uma infeção viral, parasitas, cálculo biliar ou tumores. O bloqueio provoca o aumento da pressão no apêndice, diminui o fornecimento de sangue aos tecidos do órgão e potencia o crescimento de bactérias que causam a inflamação. A combinação da inflamação, da diminuição do fornecimento de sangue e da distensão causam lesões e morte dos tecidos. Se este processo não for tratado, o apêndice pode romper, libertando as bactérias na cavidade abdominal, o que provoca dores abdominais intensas e eventuais complicações graves.O diagnóstico de apendicite tem por base os sinais e sintomas da pessoa. Nos casos em que não é possível realizar o diagnóstico com base no historial clínico e no exame físico, podem ser pedidas e exames de laboratório. Os dois exames imagiológicos mais comuns são a ecografia e a tomografia computorizada (TAC). A TAC tem demonstrado maior precisão na deteção de apendicite aguda. No entanto, a ecografia é o método de primeira escolha em crianças e grávidas devido aos riscos associados à exposição a radiação.O tratamento convencional para a apendicite aguda é a remoção cirúrgica do apêndice. Este procedimento pode ser feito através de uma incisão no abdómen (laparotomia) ou de várias pequenas incisões com a ajuda de câmaras (laparoscopia). A cirurgia diminui o risco de complicações ou morte associados à rutura do apêndice. Em determinados casos de apendicite sem rutura, os antibióticos podem ser igualmente eficazes. A apendicite é uma das causas mais comuns e significativas de dores abdominais fortes e agudas em todo o mundo. Em 2015 ocorreram em todo o mundo cerca de 11,6 milhões de casos, dos quais 50 100 resultaram em morte. Nos Estados Unidos, a apendicite é a causa mais comum de dor abdominal aguda a necessitar de intervenção cirúrgica. A primeira descrição da doença é atribuída a Reginald Heber Fitz num artigo publicado em 1886.


bookmark_borderO que é adenite

adenite | s. f.
a·de·ni·te
(grego adén, -énos, glândula + -ite )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação glandular.


substantivo feminino Caroço inflamado, inflamação das glândulas.


Adenite é um termo geral usado para a inflamação de uma glândula ou um linfonodo.
Adenite cervical é uma inflamação de um linfonodo do pescoço.
Linfadenite é causada por uma infecção bacteriana nos linfonodos. Os linfonodos tendem a se tornar maiores, quentes e suaves. Uma dilatação dos linfonodos devido ao crescimento das células linfáticas é chamada de linfadenopatia.
Adenite mesentérica é uma inflamação dos linfonodos mesentéricos no abdômen. Se ela ocorre no quadrante inferior direito, ela pode ser confundida com apendicite aguda.
Adenite sebácea é uma inflamação das glândulas sebáceas da pele. Estas glândulas geralmente produzem sebo (óleo da pele, uma secreção rica em lipídios) que previne a pele de secar.
Adenite tuberculosa (escrófula) é uma infecção tuberculosa da pele do pescoço, geralmente causada por uma micobactéria (incluindo a M. tuberculosis) em adultos. Em crianças é geralmente causada pela M. scrofulaceum ou M. avium.


bookmark_borderO que é gastroduodenite

gastroduodenite | s. f.
gas·tro·du·o·de·ni·te
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação simultânea do estômago e do duodeno.


substantivo feminino [Medicina] Inflamação do estômago e do duodeno.
Etimologia (origem da palavra gastroduodenite). Gastro + duodenite.


Gastroduodenite é o termo utilizado para designar a inflamação do estômago (gastrite) em associação com a inflamação do duodeno (duodenite).


bookmark_borderO que é gastroenterite

gastroenterite | s. f.
gas·tro·en·te·ri·te
(gastro- + enterite )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação simultânea da mucosa do estômago e da dos intestinos. = GASTRENTERITE


substantivo feminino Gastrenterite.
Etimologia (origem da palavra gastroenterite). Gastro + entero + ite.


Gastroenterite é uma inflamação do trato gastrointestinal que afeta o estômago e o intestino delgado. Os sintomas mais comuns são diarreia, vómitos e dor abdominal. Outros possíveis sintomas incluem febre, falta de energia e desidratação. Geralmente os sintomas manifestam-se durante menos de duas semanas. Embora por vezes seja denominada “gripe intestinal”, a doença não tem relação com a gripe.A gastroenterite pode ser causada por infeções por vírus, bactérias, parasitas ou fungos. A causa mais comuns são vírus. Em crianças, o rotavírus é a causa mais comum dos casos graves da doença. Em adultos, os mais comuns são os norovírus e Campylobacter. A transmissão pode ter origem na ingestão de alimentos que não foram devidamente preparados, em beber água não potável ou pelo contacto direto com uma pessoa infetada. Geralmente não são necessários exames para confirmar o diagnóstico.As medidas de prevenção incluem lavar as mãos com sabonete, beber apenas água potável, saneamento e amamentar os bebés em vez de usar fórmula infantil. Em crianças está recomendada a vacina contra rotavírus. O tratamento consiste na ingestão de líquidos em quantidade suficiente. Em casos ligeiros ou moderados, isto é feito com solução de reidratação oral, que consiste numa combinação de água, sais e açúcar. Em bebés a ser amamentados, está recomendado continuar a amamentação. Em casos mais graves pode ser necessária a administração de líquidos por via intravenosa. Os líquidos podem ainda ser administrados por uma sonda nasogástrica. Em crianças, está recomendada a suplementção de zinco. Geralmente não são necessários antibióticos.Em 2015 ocorreram dois mil milhões de casos de gastroenterite que causaram 1,3 milhões de mortes em todo o mundo. A doença afeta sobretudo crianças nos países em vias de desenvolvimento. Em 2011, ocorreram cerca de 1,7 mil milhões de casos em crianças com menos de cinco anos de idade que causaram cerca de 700 000 mortes. Nos países em vias de desenvolvimento, é frequente que as crianças com menos de dois anos contraiam seis ou mais infeções por ano. A doença é menos comum em adultos, devido em parte ao desenvolvimento de imunidade adquirida.


bookmark_borderO que é coriza

coriza | s. f.
co·ri·za
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Corrimento que resulta de inflamação das fossas nasais. = DEFLUXÃO, DEFLUXO


substantivo feminino [Medicina] Rinite aguda caracterizada pelo teor infeccioso ou alérgico.
A secreção que resulta dessa rinite infecciosa; defluxo.
Etimologia (origem da palavra coriza). Do latim coryza.


Coriza é a inflamação da mucosa nasal, acompanhada eventualmente de espirros, secreção e obstrução nasal. No popular ou coloquial pode-se usar “nariz escorrendo”, “nariz entupido” ou até mesmo catarro escorrendo.
A coriza é causada por excesso de muco, e pode obstruir os canais dos seios nasais e das tubas de Eustáquio, causando dor e infecção.


bookmark_borderO que é laringite

laringite | s. f.
la·rin·gi·te
substantivo feminino

Inflamação na laringe.


substantivo feminino Inflamação que acomete a mucosa da laringe, da parte superior da traqueia, apresenta rouquidão como um dos principais sintomas e pode ser causada por vírus, bactérias, pelo uso excessivo ou por algum tipo de irritação: a laringite que pode durar mais de duas semanas é chamada de laringite crônica.
Etimologia (origem da palavra laringite). Laringe + ite.


Laringite é a inflamação da laringe. O sintoma mais comum é a rouquidão, podendo também ocorrer febre, tosse, dor na parte da frente do pescoço e dificuldade em engolir. Na maioria dos casos a duração dos sintomas é inferior a duas semanas.A laringite é classificada como aguda quando a duração dos sintomas é inferior a três semanas e como crónica quando é superior a três semanas. Os casos agudos são geralmente causados por uma infeção viral do trato respiratório superior. Entre outras possíveis causas estão outro tipo de infeções e trauma físico causado por tosse. Os casos crónicos podem ter como causa o tabagismo, tuberculose, alergias, refluxo gástrico, artrite reumatoide ou sarcoidose. O mecanismo subjacente envolve a irritação das cordas vocais.Entre os sinais de alerta que podem indicar a necessidade de outros exames estão a presença de estridor, um historial de radioterapia ao pescoço, dificuldade em engolir, uma duração superior a três semanas e historial de tabagismo. Quando estes sinais estão presentes, as cordas vocais são geralmente examinadas através de laringoscopia. Entre as condições que podem produzir sintomas semelhantes estão a epiglotite, crupe, inspiração de um corpo estranho ou cancro da laringe.A forma aguda geralmente cura-se por si própria, sendo apenas aconselhados o descanso da voz e a ingestão de líquidos. Os antibióticos não aparentam ter qualquer benefício na maioria dos casos de forma aguda. Embora a forma aguda seja comum, a forma crónica não é. A forma crónica ocorre com maior frequência na meia idade e é mais comum entre homens do que entre mulheres.


bookmark_borderO que é tendinite

tendinite | s. f.
ten·di·ni·te
(latim científico tendo, -inis, tendão + -ite )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Inflamação de um tendão.


substantivo feminino Inflamação no tendão, no tecido que une o músculo ao osso, geralmente causada pelo excesso de movimentos repetidos.
Etimologia (origem da palavra tendinite). De tendão tendin + ite.


Tendinite é a inflamação de um tendão que surge usualmente através do excesso de repetições de um mesmo movimento (LER – Lesão por Esforço Repetitivo). Não é adquirida necessariamente no trabalho, mas com a difusão da inflamação, tornou-se uma importante doença ocupacional. Esta condição afecta pessoas que despendem muito tempo realizando uma mesma tarefa, quer em trabalho quer em lazer. Os grupos mais afectados são operários de linhas de montagem, que têm uma única tarefa ao longo de uma carreira de trabalho e pessoas que utilizam demais o mouse de um computador, entre outros.
Tendões são tecidos fibrosos, densos e resistentes que permitem o movimento articular e pelos quais os músculos se prendem aos ossos. O sufixo ite-, em medicina, geralmente está associado a uma inflamação. Tendinite significa, portanto, inflamação do tendão. Como se trata de um termo extremamente popularizado, foi consagrado pelo uso para se referir a qualquer processo doloroso sem alterações ósseas ao exame de raios X.
As causas das tendinites propriamente ditas são variadas, e podem estar associadas a muitas condições ou doenças, incluindo:

Esforço físico intenso ou repetido;
Traumas mecânicos
Infecções
Doenças reumatológicas
Doenças do sistema imunológico
Distúrbios metabólicos
Iatrogenia
Processos degenerativos das articulações
Neuropatias que induzam alterações muscularesOs sintomas também variam muito e incluem dor e inchaço (edema) de intensidade variável, bem como graus variados de dificuldade de movimento e diminuição de força muscular.
Outras possibilidades para casos de longa duração de uma doença diagnosticada como tendinite é que as causas da doença permaneçam, como esforços continuados ou alguma doença sistêmica cujo estímulo não seja removido apenas com repouso. Outras possibilidades seriam: erro diagnóstico (por exemplo, uma tendinose, que é a doença degenerativa do tendão); simulação (fingir ter a doença); e a metassimulação (exagero quanto aos sintomas).
A tendinite pode ter causas ocupacionais e ainda não ocupacionais, ou mesmo ser fruto da interação desses fatores. A determinação da causa precisa da doença pode demandar vários anos de pesquisa diagnóstica.
O interesse pericial dessas doenças tem aumentado muito no Brasil, pois há um grande número de ações na Justiça pedindo concessão de benefícios previdenciários ou indenizações por danos morais e materiais. Por isso a avaliação do nexo causal da tendinite com o trabalho deve ser meticulosa, a fim de evitar conclusões equivocadas.
O diagnóstico é clínico (pelo exame médico-semiológico), corroborado por exames subsidiários como raios X, ultrassonografias, ressonâncias magnéticas e provas laboratoriais. O diagnóstico de certeza somente será obtido com o exame anatomopatológico do tendão. Nenhum dos exames subsidiários existentes é perfeito para a caracterização de uma tendinite. Os exames de raios X somente permitem o diagnóstico de tendinopatias calcificadas, enquanto os exames de ultrassonografia dependem não apenas da experiência e boa técnica do médico avaliador, quanto — e principalmente — da colaboração do paciente, pois, se este não mantiver as posições necessárias para perfeita visualização do tendão analisado, pode provocar efeitos que simulam lesões. Quanto às ressonâncias, também são suscetíveis a erro, pois se o paciente não colaborar ficando imóvel durante os exames, poderá causar imagens “tremidas”, cuja interpretação seria comprometida.