bookmark_borderO que é serendipidade

serendipidade | s. f.
se·ren·di·pi·da·de
(inglês serendipity )
nome feminino

1. A faculdade ou o acto de descobrir coisas agradáveis por acaso.

2. Coisa descoberta por acaso.

Sinónimo Sinônimo Geral: SERENDIPISMO


substantivo feminino Ato ou capacidade de descobrir coisas boas por mero acaso, sem previsão.
Circunstância interessante ou agradável que ocorre sem aviso, inesperadamente; casualidade feliz; eventualidade: encontrar meu irmão depois de 30 anos foi pura serendipidade.
Aquilo que acontece ou é descoberto por acaso, de modo imprevisto, inesperado.
Etimologia (origem da palavra serendipidade). Do inglês serendipity ‘ato de descobrir coisas boas por acaso’.


Serendiptismo ou ainda Serendipitia, é um anglicismo que se refere às descobertas afortunadas feitas, aparentemente, por acaso.
A história da ciência está repleta de casos que podem ser classificados como serendipismo. O conceito original de serendipismo foi muito usado em sua origem. Nos dias de hoje, é considerado como uma forma especial de criatividade, ou uma das muitas técnicas de desenvolvimento do potencial criativo de uma pessoa adulta, que alia perseverança, inteligência e senso de observação.

A palavra Serendipismo se origina da palavra inglesa Serendipity, criada pelo escritor britânico Horace Walpole em 1754, a partir do conto persa infantil Os três príncipes de Serendip. Esta história de Walpole conta as aventuras de três príncipes do Ceilão, actual Sri Lanka, que viviam fazendo descobertas inesperadas, cujos resultados eles não estavam procurando realmente. Graças à capacidade deles de observação e sagacidade, descobriam “acidentalmente” a solução para dilemas impensados. Esta característica tornava-os especiais e importantes, não apenas por terem um dom especial, mas por terem a mente aberta para as múltiplas possibilidades.
Serendib é o nome que os comerciantes árabes da antiguidade deram ao actual Sri Lanka (um entre vários nomes dados a esta ilha através de sua história, sendo que os cartógrafos gregos antigos a chamavam de Taprobana; já o atual nome do país significa Terra Resplandecente no idioma sânscrito, conforme registrado nos antigos épicos indianos Mahabharata e Ramayana; finalmente, com a chegada dos portugueses, a ilha recebeu o nome luso de Ceilão, do qual deriva a versão inglesa Ceylon).


bookmark_borderO que é hipótese

hipótese | s. f.
hi·pó·te·se
substantivo feminino

1. Suposição do que é possível (para do facto se tirar uma conclusão).

2. Teoria não demonstrada mas provável; suposição.


substantivo feminino Possibilidade considerada válida antes de sua confirmação; suposição.
Proposição admitida como um início e através da qual algo pode ser comprovado ou demonstrado; conjectura: hipótese científica.
Situação ou ação que pode se realizar ou não; eventualidade: tenho a hipótese de mudar de emprego.
[Por Extensão] Proposição provisória e antecipada usada como demonstração de ações ou fenômenos da natureza, podendo ser comprovada pela suposição ou pela experiência.
[Matemática] O que se toma como dados para explicar ou demonstrar um teorema.
Etimologia (origem da palavra hipótese). Do grego hypóthesis.eos.


Uma hipótese (do grego antigo ὑπόθεσις, transl. hypóthesis, composto de hypo, ‘sob’, ‘abaixo de’, e thésis, ‘posição’) suposição ou especulação é uma formulação provisória, com intenções de ser posteriormente demonstrada ou verificada, constituindo uma suposição admissível.
É a evolução da conjunção ou à teorização e da extravagância absoluta

que levará à prática, a testar as hipóteses firmadas pelo lógico raciocínio dedutivo implícito à teorização explícita ou provisória, com freqüência, e por motivos vários, que segue por vias aparentemente obscuras.

As hipóteses primeiras nem sempre são definitivas e estas, quando firmadas, nem sempre são as ideais, ainda que satisfaçam condições momentâneas.
Na matemática, é o conjunto de condições para poder iniciar uma demonstração. Surge no pensamento científico após a recolha de dados observados (fatos) e da conseguinte necessidade de explicação da inter-relação destes e dos fenómenos a estes associados. É normalmente seguida de experimentação, que pode levar à verificação ou refutação da hipótese. Assim que verificada, a hipótese passa a se chamar postulado, podendo alcançar o status de lei. O uso de “hipótese” (ou “lei”) e “teoria” como sinônimos mostra-se entretanto incorreto, sendo a última definida por conceito bem mais abrangente, no qual incluem-se as hipóteses e/ou as leis como partes integrantes mas estas não o fazem de forma a definir a mesma em sua íntegra.
Em outro sentido mais específico, a hipótese pode ser considerada como um instrumento de pesquisa que medeia a teoria e a metodologia. Formulada a partir de uma determinada ambiência teórica e diante de um problema científico a ser resolvido, a hipótese implica a necessidade de demonstração a partir da metodologia e da pesquisa. Deve-se ter em vista, contudo, que, neste sentido metodológico mais restrito, a hipótese é apenas uma formulação provisória, destinada a colocar a pesquisa em andamento. No decorrer do processo de pesquisa ela pode ser confirmada ou não, o que não desqualifica o papel que terá exercido para impulsionar a pesquisa para a frente. Em verdade, frente à definição moderna de ciência, todas as ideias científicas encontram-se em perpétuo teste. Neste contexto, é certo dizer que as ideias científicas, independente do título honorífico que recebam em virtude da generalidade ou grau de corroboração – conjectura, postulado (axioma) ou lei – são e serão sempre hipóteses. As hipóteses e os fatos são parcelas inerentes e indispensáveis à teoria.
Ou seja, Hipótese é uma determinada forma de resolver um problema.


bookmark_borderO que é método científico

substantivo masculino [Filosofia] Conjunto estruturado de procedimentos que devem ser seguidos para a produção do conhecimento; consiste na observação sistemática e controlada dos fenômenos da natureza, por meio de pesquisas de campo e experimentos que, posteriormente analisados pela lógica, devem corroborar ou falsear o conjunto de hipóteses que sustentam determinada teoria científica.


O método científico refere-se a um aglomerado de regras básicas dos procedimentos que produzem o conhecimento científico, quer um novo conhecimento, quer uma correção (evolução) ou um aumento na área de incidência de conhecimentos anteriormente existentes. Na maioria das disciplinas científicas consiste em juntar evidências empíricas verificáveis — baseadas na observação sistemática e controlada, geralmente resultantes de experiências ou pesquisa de campo — e analisá-las com o uso da lógica. Para muitos autores, o método científico nada mais é do que a lógica aplicada à ciência. Os métodos que fornecem as bases lógicas ao conhecimento científico são: método indutivo, método dedutivo, método hipotético-dedutivo, método dialético, método fenomenológico, etc.
Descrições de métodos são encontradas desde as civilizações antigas, como no Antigo Egito e na Grécia Antiga, mas só foi na sociedade árabe, há cerca de mil anos que as bases do que seria o método científico atual foram sendo construídas, com o trabalho do cientista Ibn Al- Haytham nos seus estudos sobre ótica, fazendo ele ser considerado por muitos “o primeiro cientista”. O método utilizado por ele já contava com similaridades com o método de Descartes e o atual como: a observação e a pesquisa teórica anterior ao fazer do experimento, a separação em categorias e comparar a hipótese de acordo com os resultados.A metodologia científica se reforça no pensamento de René Descartes, que foi posteriormente desenvolvido empiricamente pelo físico inglês Isaac Newton. Descartes propôs chegar à verdade através da dúvida sistemática e da decomposição do problema em pequenas partes, características que definiram a base da pesquisa científica. Compreendendo-se os sistemas mais simples, gradualmente se incorporam mais e mais variáveis, em busca da descrição do todo.
O Círculo de Viena acrescentou a esses princípios a necessidade de verificação e o método indutivo. Karl Popper demonstrou que nem a verificação nem a indução sozinhas serviam ao propósito em questão – o de compreender a realidade conforme esta é e não conforme gostar-se-ia que fosse – pois o cientista deve trabalhar com o falseamento, ou seja, deve fazer uma hipótese e testar suas hipóteses procurando não apenas evidências de que ela está certa, mas sobretudo evidências de que ela está errada. Se a hipótese não resistir ao teste, diz-se que ela foi falseada. Caso não, diz-se que foi corroborada. Popper afirmou também que a ciência é um conhecimento provisório, que funciona através de sucessivos falseamentos. Nunca se prova uma teoria científica. Thomas Kuhn percebeu que os paradigmas são elementos essenciais do método científico, sendo os momentos de mudança de paradigmas chamados de revoluções científicas. O método científico é construído de forma que a ciência e suas teorias evoluam com o tempo.
Não apenas recentemente mas desde os primórdios a metodologia científica tem sido alvo de inúmeros debates de ordem filosófica, sendo críticada por vários pensadores aversos ao pensamento cartesiano, a citarem-se as críticas elaboradas pelo filósofo francês Edgar Morin. Morin propõe, no lugar da divisão do objeto de pesquisa em partes, uma visão sistêmica, do todo. Esse novo paradigma é chamado de Teoria da complexidade (complexidade entendida como abraçar o todo). Embora tal paradigma não implique a rigor na invalidade do método científico em sua forma geral, este certamente propõe uma nova forma de se aplicá-lo no que se refere às particularidades de cada área quanto ao objetivo é compreender a realidade na melhor forma possível.


bookmark_borderO que é teoria

teoria | s. f.
te·o·ri·a
nome feminino

1. Parte especulativa de uma ciência (em oposição à prática).

2. Conjunto de conhecimentos que explicam certa ordem de factos .

3. Conjunto de princípios fundamentais de uma arte ou ciência.

4. Noções gerais, generalidades.

5. [Informal, Figurado]   [Informal, Figurado]   Cálculo; conjectura ; coisa que é fácil de dizer e difícil de realizar; utopia.

6. Embaixada sagrada que uma cidade grega enviava para a representar em jogos, consultar o oráculo, levar oferendas, etc.

teoria do conhecimento • [Filosofia]   • [Filosofia]   O mesmo que epistemologia.

teoria dos conjuntos • [Matemática]   • [Matemática]   Parte das matemáticas que estuda as propriedades dos conjuntos e as operações a que podem ser submetidas.


substantivo feminino Conhecimento não prático, ideal, independente das aplicações.
O que se desenvolve por suposição; de teor hipotético; conjuntura: tenho uma teoria, mas ainda não consegui comprová-la.
Conjunto de regras, de leis sistematicamente organizadas, que servem de base a uma ciência; essas regras.
Conjunto sistematizado de opiniões, de ideias sobre um assunto.
Julgamento ou opinião que se pauta nessas opiniões.
Conhecimento geral, não específico; generalidade.
[Popular] Coisa irrealizável; utopia ou ilusão.
[Astronomia] Agrupamento dos elementos utilizados para medir ou calcular os movimentos de um astro, ou planeta.
Etimologia (origem da palavra teoria). Do latim teoria.ae; pelo grego theoría.as.


Teoria (do grego θεωρία, transl. theoria: ‘contemplação’, ‘reflexão’, ‘introspecção’, de θεωρέω, tranl. theoréo, ‘olho’, ‘observo’, composto por θέα, thea, ‘espetáculo’, por sua vez derivado de θαῦμα, thâuma, ‘visão’, e ὁράω, horao, ‘vejo’) indica, na linguagem comum, uma ideia nascida com base em alguma hipótese, conjectura, especulação ou suposição, mesmo abstrata, sobre a realidade. Também designa o conhecimento descritivo puramente racional ou a forma de pensar e entender algum fenômeno a partir da observação. Na Grécia antiga, teoria significava “festa solene, procissão ou embaixada que as cidades helênicas enviavam para representá-las nos jogos olímpicos ou para consultar os oráculos”.


bookmark_borderO que é construto

Palavra não encontrada (na norma europeia, na grafia pré-Acordo Ortográfico).

Será que queria dizer construto?

Outras sugestões: construtor constri to constructo construo construiu constituo construi contrito construtos (norma brasileira)
Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.


substantivo masculino Modelo criado mentalmente que estabelece um paralelo entre uma observação idealizada e uma teoria.
Ideia ou teoria construída a partir de elementos conceituais ou subjetivos, não baseados em evidencias empíricas.
[Psicologia] Ideia ou conceito que é resultado da sintetização de ideias mais simples.
Etimologia (origem da palavra construto). Do latim constructus; pelo inglês construct, “construído”.


Construto designa em ciência um conceito teórico não observável diretamente. Exemplos de construtos são personalidade, amor, medo. Tais conceitos são usados na liguagem comum, mas para se tornarem um construto científico necessitam de uma definição clara e de um embasamento empírico.