bookmark_borderO que é apoteose

apoteose | s. f.
a·po·te·o·se |ó| a·po·te·o·se |ó|
(latim apotheosis, -is, do grego apothéosis, deificação )
nome feminino

1. Glorificação.

2. Homenagem grandiosa.

3. Cena final das mágicas espectaculares .


substantivo feminino Ação de incluir entre os deuses; deificação.
[História] Cerimônia de deificação dos imperadores e heróis, depois de sua morte.
[Por Extensão] Honras extraordinárias concedidas a alguém.
Elevação à glória eterna; glorificação, exaltação.
[Teatro] Cena final nas peças alegóricas ou fantásticas, em que as personagens estão representadas numa espécie de glória celeste.
[Por Extensão] O ponto mais importante de uma situação, acontecimento, ação; ápice.
[Figurado] Luzes excessivas; resplendor, brilho.
Etimologia (origem da palavra apoteose). Do grego apothéosis; pelo francês apothéose, deidificação.


A apoteose consiste em elevar alguém ao estatuto de divindade, ou seja, endeusar ou deificar uma pessoa devido a alguma circunstância excepcional. No mundo antigo esta circunstância era geralmente considerada para os heróis.
Por extensão, utiliza-se o termo apoteose quando se atribui exageradamente a alguém honrarias ou qualidades. No teatro, a apoteose corresponde ao ponto final de uma cena que decorre de maneira espectacular.
O termo apoteose remete para o tema da divindade e tem duas acepções principais: uma ligada à civilização romana ou civilizações anteriores, e outra que constituiu o seu prolongamento para o domínio da história da arte.
Para as religiões de mistérios da antiguidade, apoteose constituía o momento ritualístico da união com divino (Uno), ou mesmo, “tornar-se deus”.


bookmark_borderO que é sarcasmo

sarcasmo | s. m.
sar·cas·mo
(grego sarkasmós, -ou )
nome masculino

1. Ironia que deixa entender uma crítica dura e mordaz, por vezes considerada insultuosa.

2. Atitude ou dito em relação a algo ou alguém que serve para fazer rir ou é assim entendido. = ESCÁRNIO, MOFA, TROÇA, ZOMBARIA


substantivo masculino Zombaria que busca ofender; ironia insultuosa.
Ação de dizer o oposto do que se quer de maneira mordaz e amarga.
Ironia insultuosa, penosa, mordaz ou cáustica: o sarcasmo estava presente em toda a sua obra literária.
Etimologia (origem da palavra sarcasmo). Do grego sarkasmós.ou.


Sarcasmo (do grego antigo σαρκασμός, “sarkasmos” ou “Sarkázein”; Sarx=”carne”, Asmo= queimarː “queimar a carne”) designa um escárnio ou uma zombaria, intimamente ligado à ironia (muitas vezes essa ligação é feita graças a tragédia vivida da pessoa sarcástica em si em comparação a vida de outras pessoas de melhor sorte), com um intuito mordaz quase cruel, muitas vezes ferindo a sensibilidade da pessoa que o recebe. A origem da palavra está ligada ao fato de muitas vezes mordermos os lábios quando alguém se dirige a nós com um sarcasmo mordaz.
O sarcasmo é uma figura de estilo muito utilizada nas artes orais e escritas, designadamente na literatura e na oratória.


bookmark_borderO que é sem

sem | prep. sem- | elem. de comp.
sem
(latim sine )
preposição

1. Indicativo de falta, carência.

2. Condição.

3. Excepção .Confrontar: cem.

sem- sem-
(latim sine, sem )
elemento de composição

Indica privação ou negação e é sempre seguido de hífen (ex.: sem-cerimónia).


preposição Falta; denota ausência de algo ou de alguém: não vivo sem você; vivia sem esperança; famílias sem casas.
Falta do que é necessário para: trabalhava sem receber; falava sem razão.
Exceção; afastamento de uma regra ou padrão previamente determinado: toda família viajou, sem o pai.
[Gramática] Estabelece uma relação de subordinação entre orações.
Etimologia (origem da palavra sem). Do latim sine.


Sem é um personagem bíblico, do Antigo Testamento, do livro do Gênesis. Segundo a história bíblica, Sem foi um dos filhos de Noé, irmão de Cam e de Jafé. O texto bíblico informa que Noé, com a idade de quinhentos anos, gerou a Sem, Cam e Jafé.


bookmark_borderO que é ressurreição

ressurreição | s. f.
res·sur·rei·ção
(latim resurrectio, -onis )
substantivo feminino

1. Acto de ressurgir.

2. Vida nova; renovação.

3. Reaparição.

4. Cura extraordinária, inesperada.

5. Festa em que a Igreja católica festeja a ressurreição de Jesus Cristo.


substantivo feminino Volta à vida; ação de retornar da morte.
[Religião] Páscoa; festa anual cristão que celebra o retorno à vida de Jesus Cristo.
[Figurado] Reaparecimento do que ou de quem, supostamente, estava esquecido: ressurreição do escritor, de uma obra.
[Popular] Cura repentina e não esperada.
[Figurado] Energia, vigor, disposição ou vida nova.
Pintura. O que representa a ressurreição de Jesus Cristo.
Ação ou efeito de ressuscitar.
Etimologia (origem da palavra ressurreição). Do latim resurrectio.onis.


Ressurreição ou anastase (em latim: resurrectio, em grego: anastasis) é o conceito de voltar à vida após a morte. Em várias religiões um deus de vida, morte e ressurreição é uma divindade que morre e ressuscita.
A ressurreição dos mortos é uma crença escatológica padrão nas religiões abraâmicas. Como conceito religioso, é usado em dois aspectos distintos: uma crença na ressurreição de almas individuais que é atual e contínua (idealismo cristão, escatologia realizada (en)) ou então uma crença em uma ressurreição singular dos mortos no fim dos tempos. Alguns acreditam que a alma é o veículo real pelo qual as pessoas são ressuscitadas.A morte e ressurreição de Jesus é um aspecto central do Cristianismo. O debate teológico cristão ocorre em relação ao tipo de ressurreição factual – uma ressurreição espiritual com um corpo espiritual no céu, ou uma ressurreição material com um corpo humano restaurado. Enquanto a maioria dos cristãos acredita que a ressurreição de Jesus e a ascensão ao céu aconteceram em um corpo material, uma minoria acredita que foi espiritual.


bookmark_borderO que é criacionismo

criacionismo | s. m.
cri·a·ci·o·nis·mo
nome masculino

1. Teoria ou sistema que sustenta terem sido as espécies animais e vegetais criadas de forma distinta, permanecendo invariáveis.

2. Sistema oposto ao transformismo.

3. Fixismo.

4. No sentido metafísico e cosmológico, a palavra criacionismo designa a concepção segundo a qual Deus produziu o Mundo do nada.

5. No sentido psicológico, aplica-se à doutrina, adoptada pela Igreja católica, que afirma ser a alma de cada pessoa criada por Deus e infundida no corpo, seja no momento da concepção , seja no estado embrionário do corpo.


substantivo masculino Doutrina que acredita ser Deus o criador do mundo.
[Teologia] Doutrina de acordo com a qual a alma de uma pessoa nasce com ela no momento da sua concepção.
Opinião, oposta ao transformismo, dos que acreditam que os seres ficam invariavelmente como foram criados.
[Literatura] Expressionismo hispano-americano, especialmente o chileno, que se originou no século XX.
Etimologia (origem da palavra criacionismo). De criação criancion + ismo; pelo francês créationnisme.


O criacionismo é a crença religiosa de que a humanidade, a vida, a Terra e o universo são a criação de um agente sobrenatural. No entanto, o termo é mais comumente usado para se referir à rejeição, por motivação religiosa, de certos processos biológicos, particularmente a evolução. Desde o desenvolvimento da ciência evolutiva a partir do século XVIII, vários pontos de vista criados tiveram como objetivo conciliar a ciência com a narrativa de criação do Gênesis. Nessa época, aqueles que mantinham a opinião de que as espécies tinham sido criadas separadamente eram geralmente chamados de “defensores da criação”, mas eram ocasionalmente chamados “criacionistas” em correspondências privadas entre Charles Darwin e seus amigos.
À medida que a controvérsia da criação versus evolução se desenvolveu, o termo “antievolucionistas” tornou-se mais comum. Em 1929, nos Estados Unidos, o “criacionismo” tornou-se o primeiro termo especificamente associado com a oposição de cristãos fundamentalistas para a evolução humana e a crença em uma Terra Jovem, embora seu uso tenha sido contestado por outros grupos que acreditam em vários outros conceitos de criação.Desde os anos 1920, o criacionismo, nos Estados Unidos, foi estabelecido em nítido contraste com as teorias científicas, como a da evolução, que decorrem a partir de observações naturalistas do Universo e da vida. Criacionistas acreditam que a evolução não pode explicar adequadamente a história, a diversidade e a complexidade da vida na Terra. Criacionistas conservadores das religiões judaica e cristã geralmente baseiam as suas crenças em uma leitura literal do mito da criação do Gênesis. No entanto, outras grandes religiões têm mitos criacionistas diferentes, enquanto que os vários indivíduos religiosos variam em sua aceitação das descobertas científicas. Por exemplo, Papa Francisco, o líder mundial dos católicos romanos, afirmou que o evolucionismo e a teoria do Big Bang são linhas de pensamento corretas e que não entram em conflito com o catolicismo. Além disso, os chamados criacionistas evolucionários possuem diferentes conceitos de criação e aceitam a idade da Terra e a evolução biológica conforme descrito pela comunidade científica.Quando a corrente principal da pesquisa científica produz conclusões teóricas que contradizem a interpretação criacionista literal de escrituras consideradas sagradas por religiosos, os que defendem o criacionismo, muitas vezes, acabam por rejeitar conclusões obtidas através do método científico, teorias científicas ou a metodologia usada nos estudos. A rejeição do conhecimento científico tem suscitado controvérsias políticas e teológicas. Dois ramos derivados do criacionismo—”ciência da criação” e “design inteligente”—têm sido caracterizados como pseudociências pela grande maioria da comunidade científica. A mais notável preocupação de criacionistas é contestar o processo de evolução dos organismos vivos, a ideia da origem comum, a história geológica da Terra, a formação do sistema solar e a origem do universo.


bookmark_borderO que é mito

mito | s. m.
mi·to
(latim mythos, -i, fábula, do grego mûthos, -ou, palavra, discurso, coisa dita, conto, história, narrativa, ficção )
substantivo masculino

1. Personagem, facto ou particularidade que, não tendo sido real, simboliza não obstante uma generalidade que se deve admitir.

2. Coisa ou pessoa que não existe, mas que se supõe real.

3. Coisa só possível por hipótese; quimera.

mito urbano • História, explicação ou fenómeno ficcional relatado e divulgado como verdadeiro, geralmente por alegadamente ter uma fonte ou origem vagamente relacionada com o relator ou divulgador. = LENDA URBANA


substantivo masculino Narrativa de teor fantástico e simbólico, normalmente com personagens ou seres que incorporam as forças da natureza e as características humanas.
Algo ou alguém cuja existência não é real ou não pode ser comprovada.
Crença construída sobre algo ou alguém; mitologia: o mito da Fênix.
Ocorrência ou ação extraordinária, fora do comum, normalmente excessiva e deturpada pela imaginação ou pela imprensa.
[Pejorativo] Conhecimento inverídico e sem fundamento: o mito de que o povo não aprecia música clássica.
Relato sobre fatos e tempos heróicos que, normalmente, carregam certo teor de verdade.
Forma representativa de fatos ou ícones históricos, idealizados pela literatura oral e escrita: o mito de Joana D’ark.
Expressão figurada, não real, de qualquer outra coisa; alegoria.
Modo idealizado de representar um momento, passado ou futuro, da humanidade.
Etimologia (origem da palavra mito). Do latim mythos; mythus.i, “fábula, história”.


Um mito (em grego clássico: μυθος; transl.: mithós) é uma narrativa de caráter simbólico-imagético, ou seja, o mito não é uma realidade independente, mas evolui com as condições históricas e étnicas relacionadas a uma dada cultura, que procura explicar e demonstrar, por meio da ação e do modo de ser das personagens, a origem das coisas (do mundo; dos homens; dos animais; das doenças; dos objetos; das práticas de caça, pesca, medicina entre outros; do amor; do ódio; da mentira e das relações, seja entre homens e homens, homens e mulheres e mulheres e mulheres, humanos e animais etc.). Sendo dessa maneira, é correto dizer que o mito depende de um tempo e espaço para existir e para ser compreendido.
Ao mito está associado o rito. O rito é o modo de se pôr em ação o mito na vida do homem – em cerimônias, danças, orações e sacrifícios.
O termo “mito” é, por vezes, utilizado de forma pejorativa para se referir às crenças comuns (consideradas sem fundamento objetivo ou científico, e vistas apenas como histórias de um universo puramente maravilhoso) de diversas comunidades. Acontecimentos históricos podem se transformar em lendas, se adquirem uma determinada carga simbólica para uma dada cultura, e serem erroneamente chamados de mito. Na maioria das vezes, o termo refere-se especificamente aos relatos das civilizações antigas, mas há de se lembrar que muitas comunidades contemporâneas ainda se valem e muito do mito que, organizados, constituem uma mitologia – por exemplo, a mitologia grega, a mitologia romana, etc.


bookmark_borderO que é mitologia

mitologia | s. f.
mi·to·lo·gi·a
substantivo feminino

1. História das divindades do paganismo.

2. Explicação dos mitos.

3. Conjunto de fábulas.


substantivo feminino Reunião que contém os mitos de um povo; conjunto das narrativas fantásticas e simbólicas que explicam os fenômenos a partir de entidades sobrenaturais; o estudo desses mitos e de sua evolução.
Conjunto dos mitos gregos e romanos: mitologia grega; mitologia romana.
História de teor fabuloso dos deuses, semideuses e heróis da Antiguidade.
Qualquer relato fabuloso que, mantido pela tradição oral, traz como protagonistas entidades com poderes mágicos relacionados às forças da natureza, na tentativa de elucidar os questionamentos humanos.
[Por Extensão] Afirmação mentirosa e sem fundamento que, geralmente, busca difamar algo: ainda existe muita mitologia sobre o conceito do aborto.
Etimologia (origem da palavra mitologia). Mito + logia.


O termo mitologia pode referir-se tanto ao estudo de mitos como a um conjunto de mitos. Por exemplo, mitologia comparada é o estudo das conexões entre os mitos de diferentes culturas, ao passo que mitologia grega é o conjunto de mitos originários da Grécia Antiga.
Em sentido coloquial, o termo “mito” é, frequentemente, utilizado para se referir a uma história falsa. Porém o uso acadêmico do termo não denota, geralmente, um julgamento quanto a sua verdade ou falsidade. No estudo de folclore, um mito é uma narrativa sagrada que explica como o mundo e a humanidade vieram a ser da forma que são atualmente. Muitos estudiosos em outros campos usam o termo “mito” de forma um pouco diferente. Em um sentido muito amplo, a palavra pode se referir a qualquer história tradicional.Os mitos são, geralmente, histórias baseadas em tradições e lendas feitas para explicar o universo, a criação do mundo, fenômenos naturais e qualquer outra coisa a que explicações simples não são atribuíveis. Mas nem todos os mitos têm esse propósito explicativo. Em comum, a maioria dos mitos envolvem uma força sobrenatural ou uma divindade, mas alguns são apenas lendas passadas oralmente de geração em geração. Figuras mitológicas são proeminentes na maioria das religiões e a maior parte das mitologias estão atadas a pelo menos uma religião. Alguns usam a palavra mito e mitologia para desacreditar as histórias de uma ou mais religiões.
O termo é, frequentemente, associado às descrições de religiões de sociedades antigas, como a mitologia romana, mitologia grega, mitologia egípcia e mitologia nórdica, que foram quase extintas. Destaca-se, ainda, a mitologia cristã, que ainda hoje tem muitos devotos pelo mundo. No entanto, é importante ter em mente que, enquanto alguns veem os panteões nórdico e céltico como meras fábulas, outros os têm como religião (ver Neopaganismo). Alguns religiosos tomam como ofensa a caracterização de sua fé como um conjunto de mitos, pois isso implicaria em afirmar tacitamente que sua religião não passa de folclore. De qualquer forma, parece haver um consenso de que cada religião possui um grupo de mitos que desenvolveram-se em conjunto com suas escrituras. Esse tipo de postura é particularmente recorrente em países cuja maior parte da população adere a uma religião específica, como é o caso do Brasil ou México.


bookmark_borderO que é espírito

espírito | s. m.
es·pí·ri·to
(latim spiritus, -us, sopro, ar, alma )
substantivo masculino

1. Coisa incognoscível que anima o ser vivo.

2. Entidade sobrenatural. = ABANTESMA, ALMA,ESPECTRO , FANTASMA

3. Ente imaginário.

4. Ser de um mundo invisível.

5. Conjunto das faculdades intelectuais (ex.: espírito curioso).

6. Vida.

7. Razão.

8. Inteligência.

9. Energia.

10. Carácter , índole.

11. Aptidão, capacidade.

12. Opinião, sentimento.

13. Intenção.

14. Génio , talento.

15. Pessoa.

16. Imaginação, graça, engenho.

17. Essência.

18. Sentido.

19. Ideia predominante.

20. Tendência.

21. Ar; sopro.

22. Respiração, hálito.

23. Parte volátil de um líquido. = ÁLCOOL

24. [Gramática]   [Gramática]   Sinal diacrítico do grego, para marcar a aspiração inicial ou a sua ausência.

25. [Religião]   [Religião]   Alma.

26. Alma do outro mundo.

espírito animal • Suposto fluido que leva as sensações ao cérebro.

espírito de contradição • Pessoa que tem a mania de contradizer, de estar sempre em oposição com as ideias ou os desejos dos outros.

espírito de porco • [Brasil, Informal]   • [Brasil, Informal]   Indivíduo que se intromete em situações ou assuntos complicados, atrapalhando ou dificultando a sua resolução.

espírito de vinho • Álcool.

espírito engarrafado • [Irónico]   • [Irônico]   Falta de graça, de espirituosidade.

espírito forte • Pessoa descrente das máximas convencionais que a maioria afecta acatar.

espírito maligno • Demónio .

Espírito Santo • [Religião]   • [Religião]   Uma das pessoas da trindade cristã.

espírito santo de orelha • Pessoa que sugere a outra o que há-de responder. = PARACLETO


substantivo masculino Princípio imaterial, alma.
Substância incorpórea e inteligente.
Entidade sobrenatural: os anjos e os demónios.
Ser imaginário: duendes, gnomos, etc.
Pessoa dotada de inteligência superior.
Essência, ideia predominante.
Sentido, significação.
Inteligência.
Humor, graça, engenho: homem de espírito.
Etimologia (origem da palavra espírito). Do latim spiritus.


A palavra espírito apresenta diferentes significados e conotações diferentes, a maioria deles relativos a energia vital que se manifesta no corpo físico. A palavra espírito é muitas vezes usada metafisicamente para se referir à consciência ou personalidade. As noções de espírito e alma de uma pessoa muitas vezes também se sobrepõem, como tanto contraste com o corpo e ambos são entendidos como sobreviver à morte do corpo na religião e ocultismo, e “espírito” também pode ter o sentido de “fantasma”, ou seja, uma manifestação do espírito de uma pessoa falecida.
O termo também pode se referir a qualquer entidade incorpórea ou ser imaterial, tais como demônios ou divindades, no cristianismo especificamente do Espírito Santo (embora com um “S”) vivido pelos discípulos no Pentecostes.


bookmark_borderO que é sobrenatural

sobrenatural | adj. 2 g. | s. m.
so·bre·na·tu·ral
adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

1. Superior à natureza.

2. Fora das leis naturais; extraordinário.nome masculino

3. O que tem o carácter de sobrenatural.


adjetivo Miraculoso; só conhecido pela experiência da fé.
[Figurado] Sobre-humano; que não se consegue alcançar, atingir naturalmente: esforço sobrenatural às questões humanitárias.
[Por Extensão] Extranatural; que vai além do natural, do comum: forças sobrenaturais.
[Figurado] Excessivo; exageradamente grande: trabalho sobrenatural.
substantivo masculino Fenômeno não comprovado cientificamente.
[Por Extensão] Aquilo que se expressa ou ocorre extraordinária e maravilhosamente.
Etimologia (origem da palavra sobrenatural). Sobre + natural.


O termo sobrenatural (registrado pela primeira vez entre 1520-1530) em geral designa o contrário do que é considerado natural; o que não admite – ou é suposto não admitir – explicação científica. Designa aquilo que, em princípio, é ou ocorre fora da ordem natural, à parte das leis naturais que regem os fenômenos ordinários; aquilo que é superior à natureza. Na filosofia, na cultura popular e na ficção, o termo é associado com paranormalidade, religiões e ocultismo. É propriedade imanente, por exemplo, das deidades.


bookmark_borderO que é catábase

catábase | s. f.
ca·tá·ba·se
(grego katábasis, -eos, descida )
substantivo feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Período em que uma doença regride.

2. Descida ou declínio.


substantivo feminino Período de declínio ou retrocesso.
[Música] Melodia descendente, na música grega antiga. Antôn: anábase.
Etimologia (origem da palavra catábase). Cata + base.


Catábase (do grego κατὰ, “baixo”, βαίνω, “ir”) corresponde a qualquer forma de descida. Porém, na mitologia o termo é usado para se referir à descida ao mundo inferior (mundo dos mortos). Vários personagens na literatura baixaram aos infernos, como Orfeu, Odisseu, Aquiles, Eneias e mesmo Dante, na obra Divina Comédia. Em geral, o herói descia ao mundo dos mortos com o propósito de consultar os mortos, a fim de obter conhecimento. A verdadeira catábase deve ser seguida de uma anábase (ou o movimento de saída do mundo dos mortos), pois do contrário passa a se tratar de morte, e não genuína catábase.