bookmark_borderO que é caixão

caixão | s. m.
cai·xão
(caixa + -ão )
nome masculino

1. Caixa grande.

2. Caixa comprida, destinada a conter o corpo de um defunto que vai ser enterrado ou cremado. = ATAÚDE, ESQUIFE, FÉRETRO, TUMBA, URNA

3. Caixa para munições de artilharia.

4. Caixa de pólvora que se mete na mina.

5. [Engenharia]   [Engenharia]   Molde para revestimento de betão .

6. [Engenharia]   [Engenharia]   Estrutura de betão , usada como elemento estrutural em construções submersas e posteriormente preenchida com areia ou blocos maciços (ex.: quebra-mar de caixão vertical).

7. [Náutica]   [Náutica]   Espaço entre a almeida e a cabeça do leme.

de caixão à cova • [Portugal, Informal]   • [Portugal, Informal]   Muito grande em grau ou intensidade; muito forte (ex.: ele estava com uma bebedeira de caixão à cova).


substantivo masculino Tipo de caixa de madeira com a qual é possível enterrar e transportar pessoas mortas; urna funerária; ataúde, esquife.
Qualquer caixa de madeira ou outro material usada para transportar ou carregar coisas diversas; caixote.
[Construção] Parte presa à parede em portas e janelas; marco.
[Regionalismo: Norte e Nordeste] Parte mais funda num rio ou curso de água fechado; álveo, talvegue.
Mesa ou balcão usado pelo ourives para fazer seus trabalhos de ourivesaria.
[Botânica] Grande árvore brasileira, da família das lecitidáceas, gênero Cariniana legalis, com tronco de aproximadamente 1 metro de largura, cuja madeira de excelente qualidade e casca são largamente usadas na indústria; jequitibá-rosa.
[Gramática] Aumentativo de caixa; caixa grande.
[Portugal] Espécie de armadilha para caça.
Etimologia (origem da palavra caixão). Caixa + ão.


Um caixão, também conhecido por ataúde, esquife ou urna funerária, é uma caixa ou recipiente resistente e impermeável, provido em seu interior de material absorvente, usada para acondicionamento, transporte e sepultamento de restos mortais humanos. Existe um profissional responsável pelos cuidados para com os caixões em um cemitério, denominado coveiro. Em casos de cremação, as cinzas resultantes da incineração e moagem dos ossos, são guardadas em um receptáculo denominado urna cinerária.


bookmark_borderO que é túmulo

túmulo | s. m. Será que queria dizer tumulo?
tú·mu·lo
(latim tumulus, -i, elevação de terreno )
substantivo masculino

1. Monumento elevado à memória de um morto nele encerrado. = MAUSOLÉU, SEPULCRO

2. Abertura onde se enterra um morto. = CAMPA, SEPULTURA

3. [Figurado]   [Figurado]   Morte.


substantivo masculino Cova; local onde alguém é enterrado: cemitério é lugar de túmulos.
Jazigo; edificação, ou monumento, construído sobre essa cova em memória da pessoa que nela foi enterrada.
[Figurado] Quem sabe guardar um segredo: minha mãe é um túmulo.
[Por Extensão] Local tristonho e silencioso: a rua era um túmulo durante a noite.
[Figurado] Morte; local em que algo deixa de existir: aquele trabalho era o túmulo de seus sonhos.
Etimologia (origem da palavra túmulo). Do latim tumulus.i.


Um túmulo, jazigo ou sepultura, é o lugar onde as pessoas são colocadas quando morrem, e por extensão, a qualquer forma de monumento erguido logo acima da terra.
Os túmulos variam de tamanho e forma e podem servir como uma homenagem póstuma para que a pessoa que se foi possa ser sempre lembrada. Túmulos de personalidades muitas vezes servem como locais de peregrinação para fãs ou curiosos.
Uma tumba é uma pequena construção (ou “câmara”) para os restos dos mortos, com paredes, um teto e (se não for usado por mais de um cadáver) uma porta. Pode ser parcialmente ou inteiramente no subsolo (exceto por sua entrada) em um cemitério, ou pode ser dentro da propriedade de uma igreja ou em sua cripta. Tumbas únicas podem ser permanentemente vedadas; aquelas para famílias (ou outros grupos) têm portas de acesso para quando for necessário.
Em termos etimológicos, “túmulo”, originalmente, referia-se a uma elevação de terreno, um outeiro. Posteriormente, ganhou também o sentido de sepultura.


bookmark_borderO que é sepulcro

sepulcro | s. m.
se·pul·cro
substantivo masculino

1. Sepultura; túmulo.

2. [Figurado]   [Figurado]   O que cobre ou encerra como um túmulo.


substantivo masculino Túmulo; câmara mortuária, edificação ou monumento, para o sepultamento de um ou vários mortos.
[Religião] No altar de uma igreja, o local em que as relíquias dos santos são abrigadas.
[Figurado] Local em que há muitas mortes, muita gente morta.
[Figurado] O que abriga ou contém um túmulo.
Santo Sepulcro. O túmulo de Jesus Cristo, em Jerusalém.
Etimologia (origem da palavra sepulcro). Do latim sepulcrum.i.


Um Sepulcro é uma câmara mortuária. Nas práticas antigas do povo Hebreu, ele era esculpido em rocha de uma encosta. Já em Roma, a violação de sepulcro (se praticada pelo homem) era considerada justa causa para a o pedido de dissolução do casamento (por parte da mulher). Esse tipo de ato tornou-se frequente após o cristianismo. Os sepulcros eram violados no intuito de encontrar objetos de valor junto aos corpos enterrados.11111234567890-=


bookmark_borderO que é cemitério

cemitério | s. m.
ce·mi·té·ri·o
substantivo masculino

1. Terreno delimitado em que se enterram ou depositam os mortos. = CAMPO-SANTO

2. [Figurado]   [Figurado]   Lugar onde morreu muita gente.

3. Local onde se depositam coisas velhas ou inúteis (ex.: cemitério de carros).


substantivo masculino Lugar onde se enterram os mortos ou se guardam cadáveres.
[Figurado] Lugar onde ocorre muita mortandade, massacre, matança.
[Figurado] Lugar deserto e silencioso: meu bairro é um cemitério!
[Figurado] Local usado como depósito de coisas velhas e usadas.
Etimologia (origem da palavra cemitério). Do grego koimeterion; pelo latim coemeterium.


Cemitério, necrópole ou sepulcrário é o lugar onde são sepultados os cadáveres. Na maioria dos casos, os cemitérios são lugares de prática religiosa.
Por analogia, chama-se cemitério um lugar onde se enterram ou acumulam produtos, tipicamente resíduos e detritos (por exemplo, cemitério de resíduos nucleares).
A palavra “cemitério” (do termo latino tardio coemeterium, derivado do grego κοιμητήριον [kimitírion], a partir do verbo κοιμάω [kimáo], “pôr a jazer” ou “fazer deitar”) foi dada pelos primeiros cristãos aos terrenos destinados à sepultura de seus mortos. Os cemitérios ficavam, geralmente, longe das igrejas, fora dos muros da cidade: a prática do sepultamento nas igrejas e respectivos adros era desconhecida nos primeiros séculos da era cristã. A partir do século XVIII, criou-se um sério problema com a falta de espaço para os enterramentos nos adros das igrejas ou mesmo nos limites da cidade; os esquifes se acumulavam, causando poluição e doenças mortais, o que tornava altamente insalubres as proximidades dos templos. Uma lei inglesa de 1855 veio regular os sepultamentos, passando estes a serem feitos fora do centro urbano. A prática da cremação, cada vez mais frequente, permitiu dar destino aos corpos de maneira mais compatível com as normas sanitárias.

Em muitas cidades, existem cemitérios onde os ritos funerários são cumpridos de acordo com a respectiva religião (católica, protestante, judaica, islâmica) ou fraternidade (maçônica). Criaram-se, também, cemitérios nacionais para o sepultamento de chefes militares e figuras notáveis da vida pública, como o Cemitério Nacional de Arlington, perto de Washington DC, nos Estados Unidos.
Alguns cemitérios modernos rompem com a imagem tradicional das necrópoles com jazigos e monumentos de mármore, substituindo-os por parques arborizados (memorial parks), onde simples chapas de metal assinalam o local da sepultura.
Outra prática comum, pela questão espacial, é a verticalização dos cemitérios, onde os túmulos são dispostos uns sobre os outros e em andares para as visitações.


bookmark_borderO que é lápide

lápide | s. f. Será que queria dizer lapide?
lá·pi·de
(latim lapis, -idis, pedra )
nome feminino

1. Pedra com inscrição.

2. Laje sepulcral.


substantivo feminino Pedra que contém uma inscrição, ou epitáfio, em homenagem e em memória de alguém falecido, geralmente colocada sobre o seu túmulo.
Laje que se coloca sobre a sepultura, sobre o túmulo.
Etimologia (origem da palavra lápide). Do latim lapis.idis.


Lápide ou lápida é uma pedra que contém uma inscrição (epitáfio) gravada para registrar a morte de uma pessoa, normalmente localizada sobre o túmulo ou anexa a ele. Podem ter também o formato de uma placa de bronze (ou outro metal).


bookmark_borderO que é epitáfio

epitáfio | s. m.
e·pi·tá·fi·o
(latim epitaphius, -ii )
nome masculino

1. Inscrição sepulcral.

2. Breve elogio fúnebre.


substantivo masculino Frase colocada sobre o túmulo, lápide ou monumento funerário, geralmente para homenagear a pessoa que nele se encontra sepultada.
A lápide, sepultura, que contém essa frase.
Homenagem a um morto; elogio breve a uma pessoa morta.
[Literatura] Tipo de poesia que expressa um lamento pela morte de alguém; poesia que satiriza alguém vivo como se ele estivesse morto.
Etimologia (origem da palavra epitáfio). Do latim epitaphius.ii.


Epitáfios (do grego antigo ἐπιτάφιος; “sobre a tumba”) são frases escritas sobre túmulos, mausoléus e campas cemiteriais para homenagear pessoas ali sepultadas. Normalmente, os dizeres são colocados em placas de metal ou pedra. Tradicionalmente escritos em verso, alguns epitáfios são célebres como o de Robespierre:

Passant, ne pleure pas ma mort (“Passante, não chores minha morte”)
Si je vivais tu serais mort. (“Se eu vivesse tu estarias morto”)
A vida é noite: o sol tem véu de pedra.


bookmark_borderO que é necrópole

necrópole | s. f.
ne·cró·po·le
nome feminino

1. Cemitério grandioso.

2. Cripta.

3. [Figurado]   [Figurado]   Diz-se das povoações em que não há actividade e cujos habitantes são sedentários.


substantivo feminino Palavra de origem grega que quer dizer cidade dos mortos, ou seja, cemitério.
Arqueólogos e historiadores chamam o cemitério de uma cidade antiga de necrópole.


Necrópole (do grego νεκρόπολις, “cidade dos mortos”) é o conjunto de sepultamentos, também denominado cemitério. Normalmente a palavra necrópole está associada a “campos santos” (locais de enterramentos) anexos a centros de grandes civilizações. Em Roma, por exemplo, as sepulturas (ou túmulos) encontravam-se ao longo das principais vias de acesso à cidade.
Com o advento do cristianismo, no império romano, a partir da dinastia dos Constantinos (Século IV d.C), mudam-se os hábitos de enterrar. Anteriormente ao cristianismo, existia a cremação. Há um período posterior, de transição, que termina com os enterramentos de inumação junto de templos, que posteriormente, já em época tardo-medieval, situavam-se dentro dos adros e finalmente dentro dos próprios templos. Numa terceira fase, devido ao espaço, criam-se locais próprios para o enterramento, próximos aos locais de culto e do próprio habitat.

Em arqueologia, designam-se por necrópoles os locais de enterramentos em construções do tipo monumental (Dólmens ou Antas). Todavia, há uma distinção tipológica colocada pelos próprios arqueólogos para distinguir os tipos de enterramentos. Normalmente, diferenciam-se necrópoles aos locais colectivos de enterramentos anteriores ao advento do cristianismo, sendo portanto, chamados de cemitérios os locais de sepultamento de cristãos. A diferenciação baseia-se no facto de existirem, na ótica cristã a diferença entre cristão e pagão. Assim sendo, denominam-se por necrópoles todos os enterramentos coletivos pagãos, em detrimento do cemitério, como conjunto de enterramentos cristãos (BARROCA, 1987, p. 7-20). Todavia, estas terminologias poderão se imiscuir perante a diversidade cultural. Por necrópoles entendem-se genericamente o conjunto de sepulturas e/ou cemitérios de diferentes tipologias, dentro de uma determinada região ou zona. Sendo, portanto o cemitério e a sepultura as unidades menores e o conjunto destes dois, associados ou não, designados por necrópoles, em evidência à cidade, como aglomerado, conjunto, coletivo de lugares de sepultamento.


bookmark_borderO que é genocídio

genocídio | s. m.
ge·no·cí·di·o
(geno- + -cídio )
nome masculino

1. Destruição metódica de um grupo étnico ou religioso pela exterminação dos seus indivíduos.

2. [Por extensão]   [Por extensão]   Exterminação de uma comunidade de indivíduos em pouco tempo.


substantivo masculino Extermínio que, feito de maneira deliberada, aniquila (mata) uma comunidade, um grupo étnico ou religioso, uma cultura e/ou civilização etc.: o genocídio dos índios das Américas.
Massacre que atinge um grande número de pessoas (populações ou povos).
Ação de aniquilar grupos humanos através da utilização de diferentes formas de extermínio como: a pobreza ou a fome em certas regiões do mundo; sequestro permanente de crianças e refugiados etc.
Etimologia (origem da palavra genocídio). Gen(o) + cídio.


Genocídio é o extermínio deliberado de pessoas motivado por diferenças étnicas, nacionais, raciais, religiosas e, por vezes, sociopolíticas (ver: engenharia social). O objetivo final do genocídio é o extermínio de todos os indivíduos integrantes de um mesmo grupo humano específico. Existe controvérsia entre vários estudiosos, quanto ao fato de se designar ou não como genocídio os assassinatos em massa por motivos políticos. O genocídio é um tipo de limpeza étnica.


bookmark_borderO que é luto

luto | s. m. luto | s. m. 1ª pess. sing. pres. ind. de lutar
lu·to 2
(latim lutum, -i, lama, lodo )
nome masculino

Massa argilosa para tapar hermeticamente fendas de vasilhas.
lu·to lu·to 1
(latim luctus, -us )
nome masculino

1. Sentimento, pesar pela morte de alguém. = NOJO

2. Traje usado em sinal de pesar pela morte de alguém. = DÓ

3. Período após a morte de alguém em que é costume usar esse traje ou limitar determinados comportamentos. = DÓ, NOJO

4. Direito de ausência ao serviço ou funções devido a falecimento de familiar ou afim (ex.: faltas por luto; licença por luto). = NOJO

5. [Psicanálise]   [Psicanálise]   Processo durante o qual um indivíduo consegue desligar-se progressivamente da perda de um ente querido.

6. Sofrimento ou desgosto.Confrontar: loto.

lu·tar lu·tar 1- Conjugar
(latim luctor, -ari, lutar, combater, esforçar-se por )
verbo transitivo e intransitivo

1. Travar luta. = COMBATER, PELEJAR

2. Esforçar-se, empenhar-se.

3. Opor-se a; oferecer resistência a. = RESISTIR

4. Trabalhar com afinco.

5. Questionar, discutir.Confrontar: lotar.

lu·tar lu·tar 2- Conjugar
(latim luto, -are, revestir de lama, de barro ou de argila )
verbo transitivo

Tapar com luto.


substantivo masculino Profundo pesar causado pela morte de alguém.
[Por Extensão] Sentimento gerado por perdas como separação, partidas ou rompimentos.
Sinais exteriores desse pesar, em particular o traje, quase sempre preto, que se usa quando se está de luto.
[Antropologia] Comportamento ligado à morte de alguém, ligado à cultura e religião, o qual pode incluir isolamento e jejum, entre outros.
Etimologia (origem da palavra luto). Do latim “luctus,us”, dor, mágoa, lástima.


O luto (do latim luctu) é um conjunto de reações a uma perda significativa, geralmente pela morte de outro ser. Segundo John Bowlby, quanto maior o apego ao objeto perdido (que pode ser uma pessoa, animal, fase da vida, status social etc.), maior o sofrimento do luto. O luto tem diferentes formas de expressão em culturas distintas.


bookmark_borderO que é agonia

agonia | s. f. | s. f. pl. 3ª pess. sing. pres. ind. de agoniar 2ª pess. sing. imp. de agoniar
a·go·ni·a
(latim agonia, -ae, vítima sagrada; ansiedade, perturbação, do grego agonía, -as, combate, luta; exercício de ginástica; angústia )
substantivo feminino

1. Última luta contra a morte.

2. Momento que antecede a morte. = ESTERTOR

3. [Figurado]   [Figurado]   Desfecho próximo, precedido de grande perturbação ou sofrimento.

4. Sofrimento intenso. = AFLIÇÃO, ÂNSIA
agoniassubstantivo feminino plural

6. Náuseas.
a·go·ni·ar a·go·ni·ar – Conjugar
(agonia + -ar )
verbo transitivo

1. Causar agonia.verbo transitivo e pronominal

2. Causar ou sentir aflição. = AFLIGIR

3. Causar ou sentir náuseas ou enjoo .


substantivo feminino Aflição, sofrimento intenso, forte, profundo: está viúvo e em agonia.
Instante da vida que precede imediatamente o momento da morte.
[Medicina] Respiração cheia de ruídos feita por quem está prestes a morrer.
[Por Extensão] Desejo excessivo; vontade intensa; ansiedade: essa espera me causa uma agonia imensa!
[Informal] Rapidez com que se faz alguma coisa; pressa: saiu da festa numa ânsia danada!
[Informal] Dificuldade para decidir; dúvida: não conseguia sair daquela ânsia pela resposta certa.
[Informal] Náusea, tontura ou enjoo causado por uma sensação desagradável.
[Música] Melodia do sino que anuncia a morte de alguém.
[Figurado] O que está prestes a terminar; decadência: agonia de um regime político.
Etimologia (origem da palavra agonia). Do grego agonía.as; pelo latim agonia.ae.


Agonia é o conjunto de fenômenos que anunciam a morte (do grego agonia= luta; entende-se luta “contra a morte”). Tem duração variável e caracteriza-se pela imobilidade e alteração das feições, por estertor ruidoso de que o moribundo parece não ter consciência, perturbação dos sentidos em geral, lividez, secura da língua, fraqueza do pulso, extinção gradual do calor animal da periferia para o centro. A respiração é difícil e imperceptível, parece à primeira vista ser a última a terminar, sendo talvez por isso que geralmente se emprega expirar como sinônimo de morrer; mas,na realidade, o coração merece o epíteto que a ciência lhe deu: ultimum moriens. A agonia pode ser tranquila, mas quase sempre o moribundo é agitado por movimentos convulsivos, mais ou menos violentos: o delírio pode ser contínuo e intermitente. Um período de aparente serenidade precede o termo final. É a melhora da morte, segundo a frase popular.