bookmark_borderO que é malignidade

malignidade | s. f.
ma·lig·ni·da·de
(latim malignitas, -atis )
nome feminino

1. Qualidade do que é maligno, mau. = MALDADE, MALVADEZ

2. [Medicina]   [Medicina]   Condição do que é maligno, do que é nocivo e pode provocar a morte (ex.: massa sem sinais de malignidade). [Por oposição a benignidade.]


substantivo feminino Característica ou particularidade do que é maligno; em que há maldade ou malvadez; malícia.
Que age de maneira perversa; má.
Condição grave e desleal de determinadas enfermidades.
Etimologia (origem da palavra malignidade). Do latim magnilitas.atis.


Malignidade é a tendência de uma doença, especialmente tumores, de se tornarem progressivamente piores e potencialmente causar a morte. É caracterizada pelas propriedades de anaplasia, invasão e metástase. Maligno(a) é um termo médico adjetivo usado para descrever uma doença grave e de piora progressiva. O termo é mais comumente utilizado para a descrição do câncer. Um tumor maligno pode ser contrastado com um tumor benigno não-canceroso. Tumor maligno é um sinônimo de câncer.
Usos da palavra “maligno” na oncologia:

Malignidade, neoplasia maligna e tumor maligno são sinônimos de câncer
Ascite maligna
Transformação malignaDoenças não-oncológicas citadas como “malignas”:

Hipertensão maligna
Hipertermia maligna
Otite externa maligna
Malária terçã maligna (Malária causada especificamente pelo Plasmodium falciparum)
Síndrome neuroléptica maligna


bookmark_borderO que é quimioterapia

quimioterapia | s. f.
qui·mi·o·te·ra·pi·a
(quimio- + terapia )
substantivo feminino

[Medicina]   [Medicina]   Tratamento, em especial de doenças cancerosas, por meio de substâncias químicas.


substantivo feminino [Medicina] Aplicação de substâncias químicas no tratamento de algumas doenças, especialmente em tratamentos contra o câncer; químio: tratamento será realizado através da cirurgia, quimioterapia e radioterapia.
Etimologia (origem da palavra quimioterapia). Químio + terapia.


O termo quimioterapia refere-se ao tratamento de doenças por substâncias químicas que afetam o funcionamento celular. Popularmente, o termo refere-se à quimioterapia antineoplásica, um dos tratamentos do câncer onde são utilizadas drogas antineoplásicas.
Agentes quimioterápicos também podem ser utilizados para o tratamento de doenças autoimunes, tais como a esclerose múltipla e a artrite reumatoide. Podem ser utilizados, ainda, para supressão de rejeições a transplantes diversos (imunossupressão).


bookmark_borderO que é carcinoma

carcinoma | s. m.
car·ci·no·ma |ô| car·ci·no·ma |ô|
(latim carcinoma, -atis, cancro, chaga, do grego karkínoma, -atos )
substantivo masculino

1. [Medicina]   [Medicina]   Tumor maligno desenvolvido a partir de tecido epitelial. = CANCRO

carcinoma basocelular • [Medicina]   • [Medicina]   Tumor cutâneo que se desenvolve nas células da camada mais profunda da epiderme, geralmente de crescimento lento e com poucas metástases. = BASALIOMA


substantivo masculino Câncer que afeta o tecido epitelial, a camada superior da pele (epitélio) ou o revestimento dos órgãos internos de um organismo, podendo se espalhar através de metástase: os carcinomas e adenocarcinomas mais diagnosticados são os da pele, pâncreas, rins, fígado, útero, cólon, mama, pulmão e próstata.
[Por Extensão] Qualquer tipo de câncer ou tumor maligno.
Etimologia (origem da palavra carcinoma). Do latim carcinoma.atis; pelo grego karkínoma.atos.


Carcinoma (dal latim carcinoma por sua vez do grego καρκίνωμα, derivado de καρκίνος «caranguejo» é um tumor maligno desenvolvido a partir de células epiteliais, glandulares (adenocarcinoma) ou do trofoblasto (coriocarcinoma) que tende a invadir tecidos circulares originando metástases.
Os locais mais comuns de lesões do tipo carcinoma são pele, boca, pulmão, mama, estômago, colo de útero, próstata e pênis.
Esse texto aborda exclusivamente um tipo específico de câncer de pele . Apesar das altas taxas de incidência, o câncer de pele não melanoma apresenta altos índices de cura principalmente devido à facilidade do diagnóstico precoce.
Os carcinomas do tipo basocelular são originários da epiderme e dos apêndices cutâneos acima da camada basal, como os pelos, por exemplo. Já os carcinomas epidermoides têm origem no queratinócito da epiderme, podendo também surgir no epitélio escamoso das mucosas.
Indivíduos que trabalham com exposição direta ao sol são mais vulneráveis ao câncer de pele não melanoma. Esse tipo de câncer é mais comum em adultos com picos de incidência por volta dos 40 anos. Porém, com a constante exposição de jovens aos raios solares a média de idade dos pacientes tem vindo a diminuir.
Pessoas de pele clara, que ficam vermelhas com a exposição ao sol, estão mais sujeitas às neoplasias. A maior incidência deste tipo de câncer de pele se dá na região da cabeça e do pescoço que são justamente os locais de exposição direta aos raios solares.


bookmark_borderO que é benignidade

benignidade | s. f.
be·nig·ni·da·de
(latim benignitas, -atis )
substantivo feminino

1. Qualidade do que é benigno, bom. = BONDADE

2. [Medicina]   [Medicina]   Condição do que é benigno, do que não constitui perigo (ex.: formação com carácter de benignidade). [Por oposição a malignidade.]


substantivo feminino Característica do que é benigno, generoso ou benevolente.
Particularidade de afável, indulgente, que perdoa com facilidade; bondade.
[Medicina] Condição da doença que não é grave nem maligna.
Etimologia (origem da palavra benignidade). Do latim benignitas.atis.


Benignidade (do Latim bene- = “bem” e -genus = “nascido”), é um termo médico de descrição de uma doença branda e não-progressiva. O termo é mais familiar como uma descrição de neoplasia não cancerosa, mas também pode se referir a outras condições; significando que “não causa danos à saúde”.
Usos do termo “benigno” na oncologia:

Tumor benigno, geralmente sinônimo de neoplasia benigna.Doenças não-oncológicas descritas como “benignas”:

Hipertensão intracraniana benigna
Encefalomielite miálgica benigna
Vertigem posicional paroxística benigna
Hiperplasia prostática benigna
Malária terçã benigna (Malária causada especificamente pelo Plasmodium vivax ou Plasmodium ovale)


bookmark_borderO que é câncer

câncer | s. m.
cân·cer
(latim cancer, -cri, caranguejo, lagostim )
substantivo masculino

1. [Astronomia]   [Astronomia]   Constelação zodiacal. (Com inicial maiúscula.) = CARANGUEJO

2. [Astrologia]   [Astrologia]   Signo do Zodíaco, entre Gémeos e Leão. (Geralmente com inicial maiúscula.) = CARANGUEJO

3. [Brasil]   [Brasil]   [Medicina]   [Medicina]   Tumor maligno formado pela multiplicação desordenada de células de um tecido ou de um órgão. = CANCROPlural: cânceres. Plural: cânceres.


substantivo masculino Doença caracterizada pela multiplicação celular incontrolável e contínua, que normalmente afeta os tecidos criando metástases, podendo se espalhar pelo organismo; tumor maligno.
[Astrologia] Nome dado ao quarto signo do zodíaco que vai de 22 de junho a 23 de julho (com inicial maiúscula): ela é de câncer e faz aniversário dia primeiro de julho.
[Astronomia] Quarta constelação do zodíaco localizada entre Gêmeos e Leão.
[Figurado] O que corrói, estraga ou mata: a corrupção era o câncer do governo.
Etimologia (origem da palavra câncer). Do latim cancer.cancri.


Câncer (português brasileiro) ou cancro (português europeu), também conhecido como neoplasia maligna, é um grupo de doenças que envolvem o crescimento celular anormal, com potencial para invadir e espalhar-se para outras partes do corpo, além do local original. Há mais de cem diferentes cânceres conhecidos que afetam os seres humanos, mas nem todos os tumores são cancerosos (malignos); tumores benignos não se espalham pelo corpo. Sinais e sintomas possíveis incluem surgimento de uma massa cancerígena, sangramento anormal, tosse prolongada, perda de peso inexplicável, mudança nas funções intestinais, entre outros. Apesar de estes sintomas poderem indicar câncer, eles também podem ocorrer devido a outras doenças.O uso do tabaco é a causa de cerca de 22% das mortes, evitáveis, por câncer. Outros 10% ocorrem devido à obesidade, uma dieta pobre, falta de atividade física e consumo de bebidas alcoólicas. Entre outros, estão certos tipos de infecções, exposição à radiação ionizante e poluentes ambientais. No mundo em desenvolvimento, cerca de 20% dos cânceres surgem devido a infecções, tais como hepatite B, hepatite C e vírus do papiloma humano (HPV). Estes fatores atuam, pelo menos parcialmente, na alteração dos genes das células. Normalmente muitas dessas mudanças são necessárias para que o câncer se desenvolva. Entre 5% e 10% dos cânceres surgem por conta de defeitos genéticos hereditários. O câncer pode ser detectado através de certos sinais e sintomas ou por meio de testes de rastreio. Em seguida, geralmente é feita a investigação por imagens médicas e a confirmação pela biópsia. Os benefícios do rastreio do câncer de mama ainda são controversos, mas a detecção precoce através de mamografia é útil para o câncer do colo do útero e colorretal.Muitos cânceres podem ser evitados ao: manter um peso ideal, comer muitos vegetais, frutas e grãos integrais, ser vacinado contra certas doenças infecciosas, não comer muita carne vermelha processada, evitar ingestão excessiva de álcool, de fumo e demasiada exposição à luz solar. O câncer é frequentemente tratado através da combinação de radioterapia, cirurgia, quimioterapia e terapia dirigida. A gestão da dor e dos sintomas é uma parte importante do tratamento. Os cuidados paliativos são particularmente importantes para os doentes com cânceres em estágios avançados. A chance de sobrevivência depende do tipo de câncer e da extensão da doença no início do tratamento. Em crianças menores de quinze anos no momento do diagnóstico a taxa de sobrevivência de cinco anos no mundo desenvolvido é, em média, de 81%. Nos Estados Unidos a taxa média de sobrevivência de cinco anos é de 66%.Em 2012, cerca de 14,1 milhões de novos casos de câncer ocorreram globalmente (excluindo casos de câncer de pele que não seja melanoma). A doença causou cerca de 8,2 milhões de mortes, ou 14,6% de todas as mortes humanas, além de um prejuízo anual de 2 trilhões de dólares na economia mundial (dados de 2015). Os tipos mais comuns de câncer nos homens são de pulmão, próstata, colorretal e de estômago. Nas mulheres, os tipos mais comuns são o câncer de mama, colorretal, de pulmão e cervical. Se o câncer de pele que não for melanoma for incluído no total de novos casos anuais, ele representará cerca de 40% dos registros da doença. Em crianças, leucemia linfoide aguda e tumores cerebrais agudos são os mais comuns, exceto na África, onde o linfoma não Hodgkin ocorre com mais frequência. Em 2012, cerca de 165 mil crianças com menos de quinze anos de idade foram diagnosticadas com câncer. O risco de câncer aumenta significativamente com a idade e muitos cânceres ocorrem mais comumente em países desenvolvidos devido à mudança no estilo de vida e à chegada da terceira idade.