bookmark_borderO que é nome

nome | s. m.
no·me |ô| no·me |ô|
(latim nomen, -inis )
substantivo masculino

1. Palavra que designa pessoa, animal ou coisa (concreta ou abstracta ).

2. Denominação.

3. Apelido.

4. Prenome.

5. Alcunha.

6. Nomeada.

7. Fama.

8. Poder, autoridade.

9. [Gramática]   [Gramática]   Palavra que pertence à classe de palavras que designa seres ou coisas, concretos ou abstractos , estados, processos ou qualidades. = SUBSTANTIVO

chamar nomes • [Informal]   • [Informal]   Proferir insultos (ex.: evitem chamar nomes aos colegas; não vale chamar nomes). = INJURIAR, INSULTAR

em nome de • Da parte de.

• Em atenção a.

nome comum • Nome que designa um elemento de uma classe ou categoria, não designando um indivíduo ou uma entidade única e específica, por oposição a nome próprio.

nome de código • Nome ou designação com que se esconde o nome ou designação de algo ou alguém.

nome de fantasia • Nome que alguém adopta a seu bel-prazer.

nome de guerra • pseudónimo .

nome feio • Palavra indecorosa ou ofensiva. = PALAVRÃO

nome predicativo • [Gramática]   • [Gramática]   Palavra que qualifica ou determina o sujeito e que completa a significação do verbo.

nome próprio • Nome que designa um indivíduo ou uma entidade única e específica e que é geralmente escrito com inicial maiúscula, por oposição a nome comum.Confrontar: nume.

Ver também dúvida linguística: pronúncia de nome.


substantivo masculino Denominação; palavra ou expressão que designa algo ou alguém.
A designação de uma pessoa; nome de batismo: seu nome é Maria.
Sobrenome; denominação que caracteriza a família: ofereceu seu nome.
Família; denominação do grupo de pessoas que vivem sob o mesmo teto ou possuem relação consanguínea: honrava seu nome.
Fama; em que há renome ou boa reputação: tinha nome na universidade.
Apelido; palavra que caracteriza alguém.
Quem se torna proeminente numa certa área: os nomes do cubismo.
Título; palavra ou expressão que identifica algo: o nome de uma pintura.
[Gramática] Que designa genericamente os substantivos e adjetivos.
Etimologia (origem da palavra nome). Do latim nomen.inis.


O Nome (do latim nōmen, cuja raiz é comum a várias outras línguas indo-europeias, como o grego; [ὄνομα]) é – num sentido amplo na gramática e na linguística – qualquer palavra que siga a flexão nominal, ou seja, a declinação em contraposição à flexão verbal (ou conjugação). Portanto, não só substantivos, mas também adjetivos e, por vezes, as formas nominais dos verbos, podem ser considerados nomes.
No sentido restrito e no uso comum, o nome é um vocábulo ou locução que tem a função de designar uma pessoa, um animal, uma coisa ou um grupo de pessoas, animais e coisas.
Acredita-se que antes mesmo da invenção da escrita, os seres humanos já se faziam valer de imagens e sons para denominar coisas e seres, prática que remonta aos primórdios da história da humanidade. A evolução da linguagem permitiu que fossem criados nomes para designar conceitos abstratos tais como “tempo”, “amor”, “feudalismo” e “Deus”, por exemplo.
A questão do nome como designador de um conceito universal tal qual “cavalo” para certas pessoas não é tão simples como parece. Em filosofia, a questão dos universais está na origem da querela entre nominalistas e realistas, havendo também os realistas moderados (a corrente do realismo moderado foi defendida por são Tomás de Aquino, chamado de Doutor Angélico, e é defendido pela Igreja Católica Apostólica Romana), que tiveram muita importância na Idade Média, embora sejam pouco conhecidos e divulgados devido ao preconceito para com a Idade Média.De acordo com a semiótica, um nome é um signo em que o significante é a imagem acústica da palavra falada ou a representação gráfica da palavra escrita, e o significado é conceito do objeto ao qual esta palavra remete. Este signo pode atuar como símbolo (quando se refere a uma universalidade; ex.: “rei” — todo e qualquer rei), como índice (quando se refere a um elemento ou indivíduo; ex.: “Luís XV” — e não qualquer rei) e também como ícone (quando se refere a uma ideia geral; ex.: “coroa” — ícone que indica o símbolo “rei”). Obviamente, a função semântica e sintática de um nome pode variar de acordo com o contexto.


bookmark_borderO que é cognome

cognome | s. m.
cog·no·me |ô| cog·no·me |ô|
(latim cognomen, -inis )
nome masculino

1. Epíteto (fundado na qualidade mais notável da pessoa).

2. Apelido, alcunha.


substantivo masculino Substituição comum do nome de alguém: D.Pedro I ficou conhecido pelo cognome “o Justiceiro”.
Nomeação acrescentada ao próprio nome.
[Antigo] Designação depreciativa que, às vezes, era atribuída a alguém, a um lugar ou a si próprio.
Etimologia (origem da palavra cognome). Do latim cognomenis.


O cognome (em latim: Cognomen) era originalmente o terceiro nome pelo qual um cidadão romano era conhecido.Muitas das importantes personalidades romanas passaram à História sendo conhecidas apenas pelo seu cognome, como Cícero (cujo nome completo era “Marco Túlio Cícero”, em latim Marcus Tullius Cicero) e César (para “Caio Júlio César”, em latim Gaius Julius Cæsar).
Actualmente, o termo pode significar também epíteto, apodo ou, até uma alcunha.
Com efeito, refere-se como cognome à alcunha nobre dada especialmente a reis, em celebração do seu reinado ou, à falta de outra significância, da personalidade ou tratos físicos.
Como exemplo temos:

D. Sancho I, o Povoador – pelo esforço em povoar o país
D. Afonso II, o Gordo – por ser obeso e nutrido
D. Pedro I, o Justiceiro – pela energia posta em vingar o assassínio de Inês de Castro
D. João II, o Príncipe Perfeito – pela forma como exerceu o Poder
D. Luís, O Popular – pela adoração do seu povo
D. Fernando, o Formoso- pela sua beleza física


bookmark_borderO que é alcunha

alcunha | s. f. 3ª pess. sing. pres. ind. de alcunhar 2ª pess. sing. imp. de alcunhar
al·cu·nha
(árabe al-kunia, sobrenome )
substantivo feminino

Epíteto, geralmente fundado nalguma particularidade física ou moral do indivíduo ao qual ele se atribui.
al·cu·nhar al·cu·nhar – Conjugar
(alcunha + -ar )
verbo transitivo

Pôr alcunha a.


substantivo feminino Nome dado a alguém em substituição ao seu nome próprio; apelido.
Apelido definido a partir de uma característica particular física ou moral; cognome.
Designação depreciativa utilizada em substituição ao nome próprio de uma pessoa.
Nome acrescido ao nome próprio, à semelhança de um sobrenome; êponimo.
Etimologia (origem da palavra alcunha). Do árabe al-kuniâ, “sobrenome, cognome”.


Uma alcunha (no Brasil e na Madeira também se usa o termo apelido que, em Portugal, designa nome de família), palavra vinda do árabe al-kunya, é uma designação não-oficial criada através de um relacionamento interpessoal, geralmente informal, para identificar uma determinada pessoa, objeto ou lugar, de acordo com uma característica que se destaque positiva ou negativamente, de forma a atribuir-lhe um valor específico.
São também sinônimos de alcunha as palavras apodo, antonomásia, cognome e epíteto. A designação apelido pode causar potencialmente alguma confusão de sentido, visto que em sua origem significa o nome de família, ou seja, o que no Brasil chama-se de sobrenome, embora na linguagem técnica a palavra mantenha seu significado original.
São fontes de inspiração para os apodos alguns ofícios (padeiro, leiteiro, roceiro) e o local de origem (alemão, japonês, baiano, carioca).
Em Portugal, no passado, diversos apelidos (nomes de família) tiveram esta origem.
Algumas alcunhas comuns têm normalmente origem em características físicas do indivíduo, como aleijadinho, manco, caolho, quatro-olhos.
Deve-se considerar ainda que as alcunhas podem prejudicar psicologicamente o seu alvo, quando assumem caráter pejorativo, evidenciando uma característica que o mesmo desaprove, como no citado exemplo caolho, dentre outros.