bookmark_borderO que é maré vermelha

substantivo feminino Proliferação excessiva, súbita e rápida de algas unicelulares ou de protozoários dinoflagelados, Alexandrium, Pyrdinium e Gymnodinium, que se aglomeram pela ação do vento na superfície de mares ou oceanos, apresentando-se como grandes manchas vermelhas ou em tons de cinza e amarelo: a maré vermelha prejudicou os pescadores.
[Figurado] Movimento de índices negativos que, possuindo uma causa conhecida ou não, atinge um ponto alto e, num curto espaço de tempo, recua: a saída britânica da UE provocou uma maré vermelha nas bolsas europeias.


A maré vermelha (Pyrrophyta) é uma aglomeração de micro-planctons dinoflagelados que raramente acontece em alguns determinados locais na superfície das águas. São seres unicelulares, aglomerados em número suficiente para produzir uma mudança de cor na água que se torna amarela, alaranjada, vermelha ou marrom. Além disso, são microrganismos caracterizados pela presença de vários pigmentos como azul celeste e azul escuro (a) e (c) de cor verde, pigmento beta-caroteno que é amarelo e várias outras xantofilas que são alaranjadas e vermelhas. Esses pigmentos estão sempre localizados em cromatóforos.
Em todos os gêneros de vida livre e nos seus zoósporos, sempre existem dois flagelos. A maioria são seres autótrofos, mas existem também algumas espécies sem pigmentos, pois não fazem fotossíntese. As pirrófitas, do grego “pyrrhos”, que em português significa fogo, ou cor de fogo, mais “phyta” que em português significa planta, no caso se referindo a plantas algas do mar permite concluir que, literalmente, “pirrófita” significa algas com cor de fogo, nome esse que se aplica às algas pirrófitas que realmente possuem essa “cor de fogo” e causam essas marés vermelhas; por outro lado existem também pirrófitas Noctilucas que não são vermelhas, mas são algas que possuem bioluminescência e brilham à noite nas ondas das praias e já foram chamadas de “algas de fogo” ou algas que brilham como fogo.
O fenômeno da maré vermelha pode acontecer tanto em água doce quanto em água salgada, devido a isso aparecem nomes tais como: Mar Vermelho, Lagoa Vermelha, por exemplo Rio Vermelho, no Brasil, pode ser:

Rio Vermelho – rio brasileiro do estado de Goiás;
Rio Vermelho – rio brasileiro do estado de Santa Catarina;
Rio Vermelho – rio brasileiro do estado do Paraná;
Rio Vermelho – rio brasileiro do estado de São Paulo;
Rio Vermelho – rio brasileiro no estado de Mato Grosso;
Além de outros rios vermelhos em outros estados e em outros países.


bookmark_borderO que é plâncton

plâncton | s. m.
plânc·ton
substantivo masculino

1. [Biologia]   [Biologia]   Substância mista de organismos vegetais e animais de que se alimentam os peixes. = PLANCTO

plâncton aéreo • [Biologia]   • [Biologia]   O mesmo que aeroplâncton.Plural: plânctones ou plânctons. Plural: plânctones.


substantivo masculino Variação de plancto. Pl: plânctons e plânctones.
Etimologia (origem da palavra plâncton). Do grego plagktón.


Chama-se plâncton (do grego πλαγκτός , transl. plagktós, ‘errantes’) ao conjunto de organismos que não têm movimentos suficientes para contrariar as correntes, apesar de muitos terem movimentos, principalmente verticais pela coluna de água. O plâncton distingue-se do nécton, termo que designa todos os nadadores ativos, e do nêuston, organismos que vivem na interface ou no limite com o ar, isto é, na superfície.
Portanto, plâncton refere-se aos organismos que vivem em suspensão na água; bentos refere-se aos organismos que vivem no fundo dos ecossistemas aquáticos e édafon refere-se à vida animal e vegetal que habitam o solo.
O plâncton encontra-se na base da cadeia alimentar dos ecossistemas aquáticos, uma vez que serve de alimentação a organismos maiores (planctonófagos).
Em biologia marinha e limnologia, chama-se cretácios (da palavra grega cretaci, que significa ser pequeno) ao conjunto dos organismos que têm pouco poder de locomoção e vivem livremente na coluna de água (pelágicos), sendo muitas vezes arrastados pelas correntes oceânicas.