bookmark_borderO que é atrofia

atrofia | s. f. 3ª pess. sing. pres. ind. de atrofiar 2ª pess. sing. imp. de atrofiar
a·tro·fi·a
substantivo feminino

1. Definhamento.

2. Falta de desenvolvimento.

3. [Figurado]   [Figurado]   Enfraquecimento.
a·tro·fi·ar a·tro·fi·ar – Conjugar
verbo transitivo

1. Causar atrofia a.

2. Tolher o desenvolvimento de.verbo pronominal

3. Entrar em atrofiamento.

4. Definhar-se.


substantivo feminino Parada ou redução no desenvolvimento de uma parte do corpo.
Os músculos podem diminuir de tamanho e perder a capacidade de mover braços ou pernas. A atrofia muscular progressiva, causada pela doença de uma parte da medula espinhal, faz com que certos músculos definhem.


Hipotrofia e atrofia fundamenta-se na redução quantitativa dos componentes estruturais e das funções celulares, resultando em diminuição do volume das células nos órgãos atingidos. É uma forma de resposta adaptativa da célula, que podem ou não ocasionar lesões adaptativas, a novas condições impostas pelo organismo. Ela consiste na redução do tamanho celular resultante da perda de proteínas e outros materiais celulares (assim como de organelas), a redução das células se reflete também na redução do tecido ou órgão afetado. Pode também acontecer no caso de estigmatoide múltipla.
A função da atrofia é reduzir a descarga energética da célula, isto é particularmente útil em casos de isquemia ou privação de nutrientes por exemplo. As alterações atróficas podem causar lesão e morte celular, assim como podem também ativar o programa de suicídio celular (apoptose), contudo, é importante ressaltar que uma célula atrófica não está morta, apesar de ter funcionalidade reduzida.
Este é um fenômeno que pode ocorrer de forma fisiológica — como ocorre durante o desenvolvimento embrionário, no qual algumas estruturas sofrem involução — ou de forma patológica — causada, por exemplo por uma lesão em determinado nervo motor, o que levará à atrofia do músculo inervado por ele.


bookmark_borderO que é lipotimia

lipotimia | s. f.
li·po·ti·mi·a
(grego lipothumía, desfalecimento, desmaio )
nome feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Estado em que se suspendem os movimentos do corpo, conservando a sensibilidade.

2. [Medicina]   [Medicina]   Perda de sentidos. = DESFALECIMENTO, DESMAIO, SÍNCOPE


substantivo feminino [Medicina] Perda momentânea e inesperada da consciência.
Do mesmo significado de desmaio.
Etimologia (origem da palavra lipotimia). Do grego lipothymía.


Lipotimia é a perda de força muscular, porém sem necessariamente perda de consciência, que lembram efeito extra-piramidal, com integral conservação das funções respiratória e cardíaca. A lipotimia se constitui no primeiro grau de síncope: é acompanhada de palidez, suores frios, vertigens, zumbidos nos ouvidos, sendo que a pessoa tem a impressão angustiante de que vai desmaiar. O fênomeno pode ser causado por emoção violenta, por súbita modificação da posição deitada para a posição vertical, ou por toda circunstância análoga, susceptível de alterar a circulação. A lipotimia usualmente não é grave e deve ser procurada assistência posterior para averiguação de eventual existência de doença normal desencadeante. Pode também ser chamado de pré-síncope. Também é chamada de Sindrome Vaso-Vagal


bookmark_borderO que é hidropisia

substantivo feminino [Medicina] Acumulação patológica de líquidos em tecidos celulares, cavidades do organismo, ou em qualquer outra parte do corpo.
expressão Hidropisia Fetal. Doença definida pelo acúmulo anormal de líquidos em cavidades corporais do feto, durante a gestação, podendo afetar o peritônio (membrana abdominal), a pleura (membrana do tórax e pulmões) e o pericárdio (membrana externa do coração), causando edemas generalizados e levando à morte.
Etimologia (origem da palavra hidropisia). Do latim hydropsis, is; pelo francês hydropisie.


Hidropisia ou tropesia (do latim hydropisis, por sua vez do grego ὕδρωψ, de ὕδωρ [água]) é a acumulação anormal de fluido nas cavidades naturais do corpo ou no tecido celular. O termo pode ser usado como sinônimo de edema. Historicamente, hidropisia, como doença, designava a causa principal dos edemas generalizados, a saber, a insuficiência cardíaca congestiva. Diz-se “hidrópico” o indivíduo que sofre da doença.A hidropisia é causada por distúrbios na circulação do sangue. A doença pode ter uma distribuição generalizada, ocorrendo em quase todas as partes do corpo, ou pode ser local, isto é, apresentar-se em uma parte apenas do corpo. À hidropisia geral dá-se o nome de anasarca. A hidropisia é mais comum no abdome, no peito, no encéfalo, nos rins, nas pernas e em torno dos olhos. Pode ser reconhecida pela formação de pequenas depressões que persistem quando se faz pressão sobre a parte afetada.
É uma doença que é citada na Bíblia no Livro de Lucas capítulo 14 versículos de 1 a 6 em que Jesus cura um homem hidrópico.
A doença é citada, ainda, no livro A Divina Comédia. Segundo Dante Alighieri, os falsificadores de moeda, localizados na última vala do oitavo círculo do inferno, sofriam de hidropisia.


bookmark_borderO que é câncer

câncer | s. m.
cân·cer
(latim cancer, -cri, caranguejo, lagostim )
substantivo masculino

1. [Astronomia]   [Astronomia]   Constelação zodiacal. (Com inicial maiúscula.) = CARANGUEJO

2. [Astrologia]   [Astrologia]   Signo do Zodíaco, entre Gémeos e Leão. (Geralmente com inicial maiúscula.) = CARANGUEJO

3. [Brasil]   [Brasil]   [Medicina]   [Medicina]   Tumor maligno formado pela multiplicação desordenada de células de um tecido ou de um órgão. = CANCROPlural: cânceres. Plural: cânceres.


substantivo masculino Doença caracterizada pela multiplicação celular incontrolável e contínua, que normalmente afeta os tecidos criando metástases, podendo se espalhar pelo organismo; tumor maligno.
[Astrologia] Nome dado ao quarto signo do zodíaco que vai de 22 de junho a 23 de julho (com inicial maiúscula): ela é de câncer e faz aniversário dia primeiro de julho.
[Astronomia] Quarta constelação do zodíaco localizada entre Gêmeos e Leão.
[Figurado] O que corrói, estraga ou mata: a corrupção era o câncer do governo.
Etimologia (origem da palavra câncer). Do latim cancer.cancri.


Câncer (português brasileiro) ou cancro (português europeu), também conhecido como neoplasia maligna, é um grupo de doenças que envolvem o crescimento celular anormal, com potencial para invadir e espalhar-se para outras partes do corpo, além do local original. Há mais de cem diferentes cânceres conhecidos que afetam os seres humanos, mas nem todos os tumores são cancerosos (malignos); tumores benignos não se espalham pelo corpo. Sinais e sintomas possíveis incluem surgimento de uma massa cancerígena, sangramento anormal, tosse prolongada, perda de peso inexplicável, mudança nas funções intestinais, entre outros. Apesar de estes sintomas poderem indicar câncer, eles também podem ocorrer devido a outras doenças.O uso do tabaco é a causa de cerca de 22% das mortes, evitáveis, por câncer. Outros 10% ocorrem devido à obesidade, uma dieta pobre, falta de atividade física e consumo de bebidas alcoólicas. Entre outros, estão certos tipos de infecções, exposição à radiação ionizante e poluentes ambientais. No mundo em desenvolvimento, cerca de 20% dos cânceres surgem devido a infecções, tais como hepatite B, hepatite C e vírus do papiloma humano (HPV). Estes fatores atuam, pelo menos parcialmente, na alteração dos genes das células. Normalmente muitas dessas mudanças são necessárias para que o câncer se desenvolva. Entre 5% e 10% dos cânceres surgem por conta de defeitos genéticos hereditários. O câncer pode ser detectado através de certos sinais e sintomas ou por meio de testes de rastreio. Em seguida, geralmente é feita a investigação por imagens médicas e a confirmação pela biópsia. Os benefícios do rastreio do câncer de mama ainda são controversos, mas a detecção precoce através de mamografia é útil para o câncer do colo do útero e colorretal.Muitos cânceres podem ser evitados ao: manter um peso ideal, comer muitos vegetais, frutas e grãos integrais, ser vacinado contra certas doenças infecciosas, não comer muita carne vermelha processada, evitar ingestão excessiva de álcool, de fumo e demasiada exposição à luz solar. O câncer é frequentemente tratado através da combinação de radioterapia, cirurgia, quimioterapia e terapia dirigida. A gestão da dor e dos sintomas é uma parte importante do tratamento. Os cuidados paliativos são particularmente importantes para os doentes com cânceres em estágios avançados. A chance de sobrevivência depende do tipo de câncer e da extensão da doença no início do tratamento. Em crianças menores de quinze anos no momento do diagnóstico a taxa de sobrevivência de cinco anos no mundo desenvolvido é, em média, de 81%. Nos Estados Unidos a taxa média de sobrevivência de cinco anos é de 66%.Em 2012, cerca de 14,1 milhões de novos casos de câncer ocorreram globalmente (excluindo casos de câncer de pele que não seja melanoma). A doença causou cerca de 8,2 milhões de mortes, ou 14,6% de todas as mortes humanas, além de um prejuízo anual de 2 trilhões de dólares na economia mundial (dados de 2015). Os tipos mais comuns de câncer nos homens são de pulmão, próstata, colorretal e de estômago. Nas mulheres, os tipos mais comuns são o câncer de mama, colorretal, de pulmão e cervical. Se o câncer de pele que não for melanoma for incluído no total de novos casos anuais, ele representará cerca de 40% dos registros da doença. Em crianças, leucemia linfoide aguda e tumores cerebrais agudos são os mais comuns, exceto na África, onde o linfoma não Hodgkin ocorre com mais frequência. Em 2012, cerca de 165 mil crianças com menos de quinze anos de idade foram diagnosticadas com câncer. O risco de câncer aumenta significativamente com a idade e muitos cânceres ocorrem mais comumente em países desenvolvidos devido à mudança no estilo de vida e à chegada da terceira idade.


bookmark_borderO que é agenesia

agenesia | s. f.
a·ge·ne·si·a
(a- + génese + -ia )
substantivo feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Incapacidade de gerar. = AFORIA, ESTERILIDADE

2. [Medicina]   [Medicina]   Atrofia de órgão ou tecido devido a paragem no desenvolvimento embrionário (ex.: feto com agenesia renal esquerda).


substantivo feminino Incapacidade de gerar; esterilidade.
Falta de desenvolvimento, desde a vida embrionária, de um órgão ou tecido.


Agenesia é a ausência completa ou parcial de um órgão ou tecido em seu estágio embriológico, podendo afetar posteriormente a criatura na sua fase pós-natal. Como exemplos de agenesias podem-se destacar a renal, a vaginal e a dentária, entre outras. Em alguns casos, a agenesia de algum órgão pode não ser compatível com a vida, como na anencefalia ou na agenesia pulmonar.


bookmark_borderO que é inflamação

inflamação | s. f. derivação fem. sing. de inflamar
in·fla·ma·ção
substantivo feminino

1. Acto ou efeito de inflamar ou inflamar-se.

2. Incendimento, ardor.

3. Rubor.

4. [Medicina]   [Medicina]   Tumefacção (acompanhada de calor e vermelhidão).
in·fla·mar in·fla·mar – Conjugar
(latim inflammo, -are )
verbo transitivo e pronominal

1. Pôr ou ficar em chama, em combustão. = ATEAR, INCENDER, INCENDIAR ≠ APAGAR, EXTINGUIR

2. [Figurado]   [Figurado]   Deixar ou ficar com rubor. = AFOGUEAR, AVERMELHAR, CORAR, RUBORIZAR ≠ EMPALIDECER

3. Deixar ou ficar animado, arrebatado. = ENTUSIASMAR, ESTIMULAR, EXCITAR ≠ DESINFLAMAR

4. Deixar ou ficar irritado. = EXALTAR ≠ ACALMAR

5. [Medicina]   [Medicina]   Causar ou sofrer inflamação. ≠ DESINFLAMARverbo intransitivo

6. [Brasil, Informal]   [Brasil, Informal]   Ficar cheio, lotado.


substantivo feminino Estado patológico que, caracterizado pela dor, temperatura alta, vermelhidão e edema, se forma por infecção ou por outra razão: inflamação na garganta.
Excesso de calor; rubor.
[Figurado] Vermelhidão no rosto provocada por excitação ou agitação.
Fenômeno em que um material pega fogo e produz chama.
Ação ou efeito de inflamar, de pegar fogo, de se tornar ruborizado.
Etimologia (origem da palavra inflamação). Do latim inflammatio.onis.


A inflamação (do Latim inflammatio, atear fogo) ou processo inflamatório é uma reação do organismo a uma infecção ou lesão dos tecidos.
Em um processo inflamatório a região atingida fica avermelhada e quente. Isso ocorre devido a um aumento do fluxo de sangue e demais líquidos corporais migrados para o local. Na área inflamada também ocorre o acúmulo de células provenientes do sistema imunológico (leucócitos, macrófagos e linfócitos), com dor localizada mediada por certas substâncias químicas produzidas pelo organismo. No processo, os leucócitos destroem o tecido danificado e enviam sinais aos macrófagos, que ingerem e digerem os antígenos e o tecido morto. Em algumas doenças esse processo pode apresentar caráter destrutivo.
A inflamação pode também ser considerada como parte do sistema imunitário, o chamado sistema imune inato, assim denominado por sua capacidade para deflagrar uma resposta não-específica contra padrões de agressão previamente e geneticamente definidos pelo organismo agredido. Esta definição se contrapõe à da imunidade adquirida, ou aquela onde o sistema imune identifica agentes agressores específicos segundo seu potencial antigênico. Nesse último caso, o organismo precisa entrar em contato com o agressor, identificá-lo como estranho e potencialmente nocivo e só então produzir uma resposta.


bookmark_borderO que é patologia

patologia | s. f.
pa·to·lo·gi·a
(pato- + -logia )
substantivo feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Parte da Medicina que estuda as doenças.

2. [Medicina]   [Medicina]   Tratado das doenças.

3. [Medicina]   [Medicina]   Desvio em relação ao que é considerado normal do ponto de vista fisiológico e anatómico e que constitui ou caracteriza uma doença.

4. [Figurado]   [Figurado]   Desvio em relação ao que é considerado normal.


substantivo feminino Ramo da medicina que se dedica ao estudo das doenças, de suas causas, seus sintomas e suas alterações no organismo.
[Medicina] Quaisquer alterações fisiológicas ou anatômicas que podem configurar alguma doença.
Patologia Clínica. De uma maneira geral, refere-se a prática da patologia em suas mais variadas formas; seção da patologia que se dedica ao estudo do diagnóstico de doenças.
Etimologia (origem da palavra patologia). Do francês pathologie.


Patologia (derivado do grego pathos, afetação, doença, e logia, ciência, estudo) é um ramo da biologia e medicina primariamente dedicado à análise e estudo de órgãos, tecidos e fluidos corporais, com a finalidade de fazer um diagnóstico das doenças. Por extensão, pode ser considerada além disso, em geral sob aspectos determinados, tanto na medicina quanto em outras áreas do conhecimento como matemática, arquitetura e engenharias, onde é conhecida como “Patologia das Edificações” e estuda as manifestações anômalas (lesões, danos, defeitos e falhas) que podem vir a ocorrer em uma construção. Na medicina envolve tanto a ciência básica quanto a prática clínica, e é devotada ao estudo das alterações estruturais e funcionais das células, dos tecidos e dos órgãos que estão ou podem estar sujeitos a doenças.
O termo patologia tem sido usado, erroneamente, como sinônimo de doença. Tal uso é decorrente da tradução imprópria do inglês pathology.


bookmark_borderO que é dermatopatia

dermatopatia | s. f.
der·ma·to·pa·ti·a
(dermato- + -patia )
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]   Designação genérica das doenças da pele; dermatose.


substantivo feminino O mesmo que dermatose.
Etimologia (origem da palavra dermatopatia). Dérmato + pato + ia.


Dermatopatia (do grego dérmato-, pele e -páthos, sofrimento) ou dermatose (-ose, outro sufixo para doenças) é a denominação genérica das doenças que afetam o sistema tegumentário (pele, unhas, glândulas sudoríparas e pelos). Dermatite (dérmato-+-ite, pele inflamada) se refere a qualquer dermatopatia com inflamação.


bookmark_borderO que é cisto

cisto- | elem. de comp. cisto | s. m.
cisto-
(grego kústis, -eós, bexiga )
elemento de composição

Exprime a noção de bexiga (ex.: cistocele, cistostomia).
cis·to cis·to
(grego kústis, -eós, bexiga )
nome masculino

1. O mesmo que quisto.

2. [Botânica]   [Botânica]   Designação comum às plantas do género Cistus, da família das cistáceas.

3. [Botânica]   [Botânica]   Planta arbustiva (Cistus ladanifer), da família das cistáceas, de flores grandes e brancas, que segrega uma resina aromática, o ládano, empregada em perfumaria e em farmácia como sedativo. = ESTEVA, XARA


substantivo masculino Variação de quisto. C.-hidático: forma larval dos equinococos, causadora da grave moléstia chamada hidatidose.Cisto3Cis.to3.
substantivo masculino (gr kístos) Bot Gênero (Cistus) de arbustos ou ervas lenhosas da família das Cistáceas, largamente distribuídos na região mediterrânea e no Oriente. Têm folhas alternadas e frutos capsulares com 5 a 0 valvas. Inclui a esteva.
Planta desse gênero.cisto4cis.to4.
substantivo masculino (lat cista) Variação de cista.
Etimologia (origem da palavra cisto). Do grego kýstis.


Um cisto ou quisto (do grego kystis, saco) é um tumor benigno revestido por uma membrana de tecido epitelial. Pode conter fluidos, material semi-sólido ou pastoso. Tem um crescimento lento e normalmente não causa dor. Uma coleção de pus é chamada de abscesso, e não cisto. Dependendo da causa e local um cisto pode desaparecer mesmo sem tratamento, pode nunca desaparecer ou pode ser removido através de cirurgia. Os cistos podem se formar dentro de qualquer órgão, mas são mais visíveis, e portanto mais diagnosticados, na pele.


bookmark_borderO que é necrose

necrose | s. f. 1ª pess. sing. pres. conj. de necrosar 3ª pess. sing. imp. de necrosar 3ª pess. sing. pres. conj. de necrosar
ne·cro·se |ó| ne·cro·se |ó|
(grego nékrosis, -eos )
nome feminino

1. Gangrena.

2. [Botânica]   [Botânica]   Doença dos vegetais que lhes causa decomposição dos tecidos.
ne·cro·sar ne·cro·sar – Conjugar
(necrose + -ar )
verbo transitivo e intransitivo

Causar ou sofrer necrose. = GANGRENAR, NECROTIZAR


substantivo feminino [Patologia] Morte celular ou do tecido orgânico; modificações morfológicas que indicam morte celular.
Etimologia (origem da palavra necrose). Do grego nékrosis.eos.


Necrose (do grego νεκρός, “morto”, νέκρωσις, “morte, processo que leva à morte”) é o estado de morte de um tecido ou parte dele em um organismo vivo. A necrose é uma morte de um grupo de células, ocorrendo a perda da permeabilidade, possui resposta inflamatória, células ficam tumeficadas. A necrose é sempre um processo patológico e desordenado de morte celular (diferente da apoptose) causado por fatores que levam à lesão celular irreversível e consequente morte celular. Alguns exemplos destes fatores são hipóxia/isquemia, agentes químicos tóxicos ou agentes biológicos que causem dano direto ou desencadeiem resposta imunológica danosa, como fungos, bactérias e vírus.
A necrose pode ser diferenciada em vários tipos, e cada um está associado a determinado tipo de agente lesivo e determinadas características teciduais após a necrose.