bookmark_borderO que é pedagogo

pedagogo | s. m. | adj.
pe·da·go·go |ô| pe·da·go·go |ô|
(grego paidagogós, -ón, escravo que conduz as crianças à escola, preceptor )
nome masculino

1. Mestre de meninos.

2. Pedagogista.

3. Director .

4. Conselheiro.

5. [Figurado]   [Figurado]   Pessoa que alardeia grande ciência ou que julga que pode ensinar toda a gente. = PEDANTE

6. [Antigo]   [Antigo]   Escravo que levava as crianças à escola.

7. Aio.adjectivo adjetivo

8. Charlatão.Plural: pedagogos |ô|. Plural: pedagogos |ô|.


substantivo masculino Profissional ou especialista em pedagogia; o que estuda e aplica a arte de educar.


Pedagogo é um educador profissional da Pedagogia, tal como o pedagogista, capaz de atuar em espaços escolares e em não-escolares, na implantação do ensino de sujeitos em diferentes fases de desenvolvimento humano, em diversos níveis e modalidades do processo educativo apresentado pelo pedagogista.
O termo pedagogo, como é patente, surgiu na Grécia Clássica, da palavra παιδαγωγός cujo significado etimológico é preceptor, mestre, guia, aquele que conduz.
Segundo Ghiraldelli Júnior, o Paidagogo era o condutor da criança. Era ele, um paternal aio do jovem, quem a guiava até o local de ensino e, metaforicamente, em direção ao saber.


bookmark_borderO que é pedagogista

pedagogista | adj. 2 g. s. 2 g.
pe·da·go·gis·ta
adjectivo de dois géneros e nome de dois géneros adjetivo de dois géneros e nome de dois géneros

Que ou a pessoa que sabe pedagogia e a professa.


substantivo masculino e feminino Pessoa que trata de pedagogia; teórico ou especialista em pedagogia; pedagogo.
Etimologia (origem da palavra pedagogista). Pedagogo + ista.


Pedagogista é um profissional versado em Pedagogia da Educação, com o objectivo de auxiliar o exercício dos educadores, os professores ou não, e dos alunos. Desenvolve actividades ligadas ao estudo da pedagogia em si. Busca as suas tendências através da pesquisa e que apresenta propostas teóricas para os pedagogos porem na prática novos métodos de ensino e aprendizagem nas escolas.
A área de estudo e pesquisa do pedagogista são as ciências da Educação com ênfase na reflexão, classificação, sistematização e análise dos processos e relações educativas , produção do conhecimento científico e tecnológico no campo educacional, administração e gestão das organizações educativas e avaliação de políticas públicas.
Precisa compreender a educação como um fenómeno cultural, social e psíquico complexo.


bookmark_borderO que é autoestima

auto-estima autoestima auto-estima autoestima | s. f.
au·to·-es·ti·ma au·to·es·ti·ma au·to·-es·ti·ma au·to·es·ti·ma
(auto- + estima )
nome feminino

Apreço ou valorização que uma pessoa confere a si própria, permitindo-lhe ter confiança nos próprios actos e pensamentos.Plural: auto-estimas.• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: autoestima. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:auto-estima. • Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990:autoestima. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:auto-estima


substantivo feminino Qualidade de quem se valoriza, está satisfeito com seu modo de ser, com sua forma de pensar ou com sua aparência física, expressando confiança em suas ações e opiniões.
Etimologia (origem da palavra autoestima). Auto + estima.


Em psicologia, autoestima (pré-AO 1990: auto-estima) inclui uma avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si mesma como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau. A autoestima envolve tanto crenças autossignificantes (por exemplo: “eu sou competente/incompetente”, “eu sou benquisto/malquisto”) e emoções autossignificantes associadas (por exemplo: triunfo/desespero, orgulho/vergonha). Também encontra expressão no comportamento (por exemplo: assertividade/temeridade, confiança/cautela).
Se define, como William James (1892), o “si mesmo” como o conhecimento que o indivíduo tem de si próprio, pode-se dividir esse conhecimento em dois componentes distintos: um descritivo, chamado autoimagem, e outro valorativo, que se designa autoestima. Outros dois termos são muitas vezes usados como sinônimos de autoestima: autoconfiança e autoaceitação. Uma análise mais aprofundada desses termos indicam, no entanto, uma sutil diferença de uso: autoconfiança refere-se quase sempre à competência pessoal e é definida por Potreck-Rose e Jacob (2006) como a convicção que uma pessoa tem de ser capaz de fazer ou realizar alguma coisa, enquanto autoestima é um termo mais amplo, incluindo, por exemplo, conceitos sobre as próprias qualidades etc. Autoaceitação, por outro lado, é um termo ligado ao conceito de “aceitação incondicional” da abordagem centrada na pessoa de Carl Rogers e indica uma aceitação profunda de si mesmo, das próprias fraquezas e erros. A autoestima, a autoconfiança e a autoaceitação tendem a estar intimamente ligadas e se influenciam mutuamente. O significado prático dessa inter-relação será tratado mais abaixo (ver abaixo “Psicoterapia para baixa autoestima”).
Entende-se por autoestima a avaliação que a pessoa faz de si mesma; expressa uma atitude de aprovação ou de repulsa e até que ponto ela se considera capaz, significativa, bem-sucedida e valiosa para si e para o meio em que vive. Conforme entendimento de Coopersmith (1967), trata-se tanto do juízo pessoal de valor expresso nas atitudes que o indivíduo tem consigo mesmo, quanto de uma experiência subjetiva que pode ser acessível às pessoas através de relatos verbais e comportamentos observáveis.
Segundo Branden (2000), autoestima é a disposição para experimentar a si mesmo como alguém competente para lidar com os desafios básicos da vida e ser merecedor da felicidade.