bookmark_borderO que é amnésia

amnésia | s. f.
am·né·si·a
(grego amnêsía, -as )
substantivo feminino

Perda (total ou parcial) da memória.


substantivo feminino Condição médica de quem apresenta ausência, diminuição ou perda completa da memória, podendo ser causada por trauma (físico ou psíquico), doenças degenerativas (Alzheimer), lesão física na área cerebral responsável pela retenção de informações, estresse, envelhecimento ou outros fatores.
[Por Extensão] O que denota ou representa qualquer tipo de falta de memória; esquecimento: o ditador foi exaltado pelo povo, provavelmente acometido por algum tipo de amnésia histórica.
Etimologia (origem da palavra amnésia). Do grego amnesia.as.


Amnésia é a perda de memória que pode ser total ou parcial, constante ou episódica, temporária ou permanente dependendo das causas.


bookmark_borderO que é perversão

perversão | s. f.
per·ver·são
(latim perversio, -onis, inversão )
substantivo feminino

1. Acto ou efeito de perverter.

2. Mudança para um estado ou situação considerado pior. = CORRUPÇÃO

3. Depravação.

4. [Psicologia, Psiquiatria]   [Psicologia, Psiquiatria]   Desvio patológico do comportamento considerado normal.


substantivo feminino Ação ou efeito de perverter, de contrariar as leis da natureza e da vida moral.
[Medicina] Alteração que, sendo de teor psíquico, perturba uma função normal.
Estado da pessoa que apresenta devassidão (obscenidade): perversão sexual.
Ação que faz com que o bem se torne mal; corrupção.
Alteração de uma condição normal: perversão da visão.
[Antigo] Termo que se referia ao comportamento ou prática sexual que não eram considerados normais.
Etimologia (origem da palavra perversão). Do latim perversio.onis, “alteração, depravação”.


Perversão vem do latim pervertere que corresponde o ato ou efeito de perverter, tornar-se perverso, corromper, desmoralizar, depravar, alterar. É um termo usado para designar o desvio, por parte de um indivíduo ou grupo, de qualquer dos comportamentos humanos considerados normais e/ou ortodoxos para um determinado grupo social. Os conceitos de normalidade e anormalidade, no entanto, variam no tempo e no espaço, em função de várias circunstâncias.
A perversão distingue-se da neurose e da psicose como modo de funcionamento e organização defensiva do aparelho psíquico. O termo é também frequentemente utilizado com o sentido específico de perversão sexual, ou desvio sexual.


bookmark_borderO que é libido

libido | s. f.
li·bi·do |bí| li·bi·do |bí|
(latim libido, -inis, vontade, desejo )
nome feminino

1. Desejo sexual.

2. Luxúria.

3. [Psicanálise]   [Psicanálise]   Energia fundamental do ser vivo que se manifesta pela sexualidade. (Freud faz dela a expressão do «instinto de viver» [eros], e opõe-na ao «instinto da morte» [desejo de autodestruição].)


substantivo feminino Desejo sexual; busca instintiva pelo prazer sexual.
[Psicanálise] Segundo as teorias Freudianas, refere-se à energia vital que está na base das modificações da pulsão sexual.
[Psicanálise] Segundo as teorias de C.G. Jung, força ou energia psíquica.
Etimologia (origem da palavra libido). Do latim libidus.inis.


Libido (do latim, significando “anseio ou desejo”) é caracterizada como a energia aproveitável para os instintos de vida. De acordo com Freud, o ser humano apresenta uma fonte de energia separada para cada um dos instintos gerais.

“Sua produção, aumento ou diminuição, distribuição e deslocamento devem propiciar-nos possibilidades de explicar os fenômenos psicossexuais observados” (1905a, livro 2, p. 113 na ed. bras.)A libido apresenta uma característica importante que é a sua mobilidade, ou a facilidade de alternar entre uma área de atenção para outra.
No campo do desejo sexual está vinculada a aspectos emocionais e psicológicos.
Santo Agostinho foi o primeiro a distinguir três tipos de desejos: a libido sciendi, desejo de conhecimento, a libido sentiendi, desejo sensual em sentido mais amplo, e a libido dominendi, desejo de dominar.


bookmark_borderO que é má-fé

mafé | s. 2 g. má-fé | s. f.
ma·fé
(do crioulo da Guiné-Bissau )
nome de dois géneros

[Guiné-Bissau]   [Guiné-Bissau]   [Culinária]   [Culinária]   Molho ou caldo, geralmente feito de carne, peixe ou marisco (ex.: o mafé serve de acompanhamento à bianda).
má·-fé má·-fé
nome feminino

Intenção de quem, de forma dissimulada e consciente, pretende causar dano. = FALSIDADE, PERFÍDIA ≠ BOA-FÉPlural: más-fés. Plural: más-fés.


Ainda não temos o significado de mafe. Mas você pode ajudar a melhorar o Dicio sugerindo uma definição.


Má-fé (da expressão latina mala fides) é um conceito associado à ideia de fraude ou intenção dolosa.Pode envolver engano intencional dos outros ou da própria pessoa (autoengano). Uma expressão de utilização comum é: assumir a má-fé; aqui, vê-se, nas ações de outra pessoa, motivações negativas, quer essas motivações de facto existam ou não existam.
É um procedimento utilizado para enganar. Por isso, é caracterizado como crime.
Quando uma pessoa inventa uma mentira e a conta como se fora um fato verídico, mesmo que não cause prejuízo financeiro, apenas a utilização de história fraudulenta, caracteriza crime punível civil e criminalmente.


bookmark_borderO que é inconsciente

inconsciente | adj. 2 g. | adj. 2 g. s. 2 g. | s. m.
in·cons·ci·en·te
(in- + consciente )
adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

1. Que não tem consciência. = INCÔNSCIO ≠ CONSCIENTE, CÔNSCIO

2. Que não é feito com intervenção da vontade. ≠ CONSCIENTE

3. Que é feito sem pensar, sem reflexão. = ESPONTÂNEO, INSTINTIVO, INVOLUNTÁRIO,IRREFLECTIDO ≠ REFLECTIDO

4. Que mostra falta de responsabilidade ou de bom senso. = IRRESPONSÁVELadjectivo de dois géneros e nome de dois géneros adjetivo de dois géneros e nome de dois géneros

6. Que ou quem procede sem consciência do que faz ou das consequências dos seus actos . = IRRESPONSÁVEL, LEVIANOnome masculino

7. [Psicologia]   [Psicologia]   Conjunto formado pelos factos psíquicos e pela actividade mental que escapam à consciência, por oposição ao consciente.


adjetivo Que não é consciente; que não tem nem usa a consciência em seus atos; incônscio.
Realizado inconsequente e irresponsavelmente; inconsequente: palavras inconscientes.
De que não se tem consciência: muitos fenômenos fisiológicos importantes são inconscientes.
[Medicina] Que perdeu a razão: paciente inconsciente.
Cuja ocorrência se realiza sem intenção, de maneira automática; maquinal.
Que não se dá conta da realidade que o circunda; irresponsável.
Que não é perceptível ao indivíduo, falando especialmente de um processo.
[Psicologia] Que, sem influência da consciência, pode influenciar o modo como alguém se porta.
substantivo masculino e feminino Aquele que procede sem consciência do que faz.
O que ocorre de maneira inconsequente e irresponsável.
O que não resulta do uso da consciência, é feito de modo irrefletido.
substantivo masculino [Psicologia] Segundo preceitos da psicanálise estabelecidos por Sigmund Freud (1856-1939), sistema psíquico em que estão os processos psíquicos, impulsos e desejos, que escapam à consciência (censurados ou reprimidos), sendo estes capazes de, em algum momento, influenciar a vida de alguém.
Etimologia (origem da palavra inconsciente). In + consciente.


Inconsciente, do latim inconscius (às vezes chamado também subconsciente), é um termo psicológico com dois significados distintos. Em um sentido amplo, mais genérico, é o conjunto dos processos mentais que se desenvolvem sem intervenção da consciência. O segundo significado, mais específico, provém da teoria psicanalítica e designa uma forma específica de como o inconsciente (em sentido amplo) funciona. Enquanto a maior parte dos pesquisadores empíricos está de acordo em admitir a existência de processos mentais inconscientes (ou seja, do inconsciente em sentido amplo), o modelo psicanalítico tem sido alvo de muitas críticas, sobretudo de pesquisadores da psicologia cognitiva. Para evitar a confusão entre os significados, alguns autores preferem utilizar o adjetivo “não consciente” no primeiro significado, reservando o adjetivo “inconsciente” para o significado psicanalítico. Segundo Carl Gustav Jung (1875-1961), psiquiatra suíço, há uma distinção crucial entre características conscientes e inconscientes da psique: consciência é o que conhecemos e inconsciência é tudo aquilo que ignoramos. “O inconsciente não se identifica simplesmente com o desconhecido; é antes o psíquico desconhecido, ou seja, tudo aquilo que presumivelmente não se distinguiria dos conteúdos psíquicos conhecidos, quando chegasse à consciência.” Para Jung ainda, o ego forma o centro crítico da consciência e, de fato, determina em grande medida que conteúdos permanecem no domínio da consciência e quais se retiram, pouco a pouco, para o inconsciente. O inconsciente inclui todos os conteúdos psíquicos que se encontram fora da consciência, por qualquer razão ou qualquer duração.
Carl Jung atribuiu, a Carus, médico e pintor do século XIX, a indicação do inconsciente como a base essencial da psiqueː


bookmark_borderO que é catarse

catarse | s. f.
ca·tar·se |z| ca·tar·se |z|
(grego kátharsis, -eós, purificação )
substantivo feminino

1. [Filosofia]   [Filosofia]   Palavra pela qual Aristóteles designa a “purificação” sentida pelos espectadores durante e após uma representação dramática.

2. [Psicanálise]   [Psicanálise]   Método psicanalítico que consiste em trazer à consciência recordações recalcadas.

3. [Psicanálise]   [Psicanálise]   Libertação de emoção ou sentimento que sofreu repressão.

4. [Medicina]   [Medicina]   Evacuação dos intestinos.


substantivo feminino Libertação do que estava reprimido ou sensação de alívio causada pela consciência de sentimentos ou traumas anteriormente reprimidos.
[Psicologia] Ato de liberdade produzido por certas atitudes, principalmente, representado pelo medo ou pela raiva.
[Psicologia] Tratamento das psiconeuroses que consiste em fazer com que o paciente conte tudo o que lhe ocorre sobre determinado assunto para obter uma “purgação” da mente.
[Psicanálise] Processo para trazer à consciência do ser as emoções ou os sentimentos reprimidos, em seu próprio inconsciente, fazendo com que ele seja capaz de se libertar das consequências ou dos problemas que esses sentimentos lhe causam.
[Medicina] Ação de evacuar os intestinos.
[Teatro] Num espetáculo trágico, refere-se ao desenvolvimento de uma espécie de purgação de alguns sentimentos do público.
[Retórica] Segundo Aristóteles, a “purificação” experimentada pelos espectadores, durante e após uma representação dramática.
Etimologia (origem da palavra catarse). Do grego kátharsis.


Catarse (do grego κάϑαρσις, kátharsis, “purificação”, derivado de καϑαίρω, “purificar”) é uma palavra utilizada em diversos contextos, como a tragédia, a medicina ou a psicanálise. Significa “purificação”, “evacuação” ou “purgação”. Segundo Aristóteles, a catarse refere-se à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um trauma.Ou seja, é preciso que o herói trágico passe da “felicidade” para a “infelicidade” para que o espectador possa atingir a catarse. Por exemplo: Édipo Rei começa a história como rei de Tebas e, no fim, se cega e se exila. Ou a tragédia Romeu e Julieta, de Shakespeare, na qual os dois protagonistas fazem parte da elite da cidade e são mortos pelo seu amor proibido.


bookmark_borderO que é escopofilia

escopofilia | s. f.
es·co·po·fi·li·a
(grego scopos, -ou-, que observa + -filia )
nome feminino

1. [Psicopatologia]   [Psicopatologia]   Desejo patológico de se exibir ou ser observado pelos outros.

2. [Psicopatologia]   [Psicopatologia]   Prazer sexual que advém da observação de órgãos ou actos sexuais.


substantivo feminino Vontade anormal de se mostrar e de ser visto por outras pessoas.
Prazer sexual que se efetiva pelo ato de observar corpos nus, órgãos e práticas sexuais.
Etimologia (origem da palavra escopofilia). Do grego scopos.ou, + filia.


Nos campos da psicologia e da psiquiatria, os termos escopofilia e escofofilia (em grego antigo: σκοπέω skopeō, “olhar para”, “examinar” + φῐλῐ́ᾱ philíā, “a tendência para”) descreve o prazer estético derivado de uma pessoa olhar para algo ou para alguém. Em sexualidade humana, o termo “escopofilia” descreve o prazer sexual que uma pessoa obtém ao observar algo erótico, como pornografia, corpo nu, fetiches etc, como substituto da participação real em um relacionamento sexual.


bookmark_borderO que é sugestão

sugestão | s. f.
su·ges·tão
nome feminino

1. Acto ou efeito de sugerir.

2. Estímulo; instigação; inspiração.


substantivo feminino Aquilo que se sugere, se propõe, se aconselha; proposta: sugestão de presente.
O que incita a realização de algo; inspiração: não aceita sugestão de estranhos.
O que se dá a entender; ideia: seu comportamento era a sugestão da tristeza.
[Psicologia] Processo de influência através do qual o indivíduo altera o seu comportamento, muda de opinião, sem estar consciente dessa mudança, sem saber o porquê de sua ocorrência.
Etimologia (origem da palavra sugestão). Do latim suggestio.onis.


No campo da psicologia, a sugestão (do latim suggestione) é a influência que um indivíduo exerce sobre o poder de decisão de um ou mais indivíduos. Quando acontece sob efeito de hipnose, é chamada de sugestão hipnótica.


bookmark_borderO que é clínica

clínica | s. f. fem. sing. de clínico
clí·ni·ca
(latim clinice, -es, do grego klinikê, -ês, cuidados médicos junto do leito )
nome feminino

1. [Medicina]   [Medicina]   Prática da medicina.

2. [Medicina]   [Medicina]   Estudo prático da medicina no corpo do doente.

3. [Medicina]   [Medicina]   Conjunto formado pelos sintomas, sinais e pela evolução de uma doença (ex.: a paciente não apresenta clínica de parkinsonismo).

4. Conjunto de clientes ou pessoas que são tratadas por um mesmo médico. = CLIENTELA

5. Estabelecimento particular onde se operam e tratam doentes.

clínica geral • [Medicina]   • [Medicina]   Prática da medicina por um médico não especializado.

Especialidade médica que trata de doentes adultos e de todos os sistemas do corpo de forma global e integrada. = MEDICINA INTERNA
clí·ni·co clí·ni·co
(latim clinicus, -a, -um, do grego klinikós, -ê, -ón, relativo ao leito )
adjectivo adjetivo

1. Que se refere à clínica (ex.: análises clínicas). = MÉDICO

2. Que se percebe pela observação directa do doente (ex.: dados clínicos).nome masculino

3. Médico ou cirurgião que exerce a sua profissão.

clínico geral • Médico sem especialização. = GENERALISTA


substantivo feminino [Medicina] Estudo médico feito sobre o corpo de um doente.
A prática da medicina: este médico já exerce clínica.
O conjunto de pessoas que são tratadas por um médico: um médico que tem grande clínica.
Estabelecimento privado destinado à cirurgia ou ao tratamento de doenças: internar-se numa clínica.


Clínica é toda atividade de Medicina, e por extensão, de outros profissionais da área da saúde, atividades estas que envolvem cuidado, promoção de saúde, prevenção e/ou terapia pós dano ou pós adoecimento, envolvendo escuta, diagnóstico e orientação/tratamento.
O termo clínica é usualmente atribuídos ao espaço de trabalho dos profissionais da saúde, tais como ambulatórios ou enfermarias, por isso os médicos costumam ser diferenciados em clínicos e cirurgiões.