bookmark_borderO que é intersubjetividade

intersubjectividade intersubjetividade | s. f.
in·ter·sub·jec·ti·vi·da·de |èt| in·ter·sub·je·ti·vi·da·de |èt| in·ter·sub·je·ti·vi·da·de |èt|
(intersubjectivo + -idade )
substantivo feminino

Qualidade do que é intersubjectivo .• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: intersubjetividade. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:intersubjectividade.
• Grafia no Brasil: intersubjetividade. • Grafia em Portugal:intersubjectividade.


substantivo feminino Qualidade de intersubjetivo, que ocorre ou se efetiva entre sujeitos humanos.
O que pode se estabelecer ou ser estabelecido entre dois ou mais sujeitos.
Comunicação de consciências individuais, de modos próprios de pensar e de enxergar o mundo, que se relacionam e se estabelecem de maneira recíproca.
[Filosofia] Relação comunicativa entre dois ou mais sujeitos, efetivada de maneira recíproca e sem individualismos, a partir da qual se atribui significado à experiência humana.
Etimologia (origem da palavra intersubjetividade). Intersubjetivo + idade.


Intersubjetividade é a relação entre sujeito e sujeito e/ou sujeito e objeto.
O relacionamento entre indivíduos no ambiente localiza-se no campo da ação, ou na liberdade de ação, o que implica a negociação com o outro.
Segundo Martin Buber (1878 – 1965), é a capacidade do ser humano de se relacionar com o seu semelhante. O ser humano possui a capacidade de inter-relacionamento com seu semelhante, ou seja, a intersubjetividade. O relacionamento acontece entre o Eu e o Tu, e denomina-se relacionamento Eu-Tu. A inter-relação envolve o diálogo, o encontro e a responsabilidade, entre dois sujeitos e/ou a relação que existe entre o sujeito e o objeto. Intersubjetividade, é umas das áreas que envolve a vida do ser humano, e por isso precisa ser refletida e analisada pela filosofia, em especial pela Antropologia Filosófica.


bookmark_borderO que é reciprocidade

reciprocidade | s. f.
re·ci·pro·ci·da·de
(latim reciprocitas, -atis )
substantivo feminino

1. Carácter do que é recíproco.

2. Mutualidade.


substantivo feminino Estado do que é recíproco, mútuo, do que se realiza ao mesmo tempo que outra coisa; em que há troca, cooperação; reciprocação.
[Política] Situação em que dois países firmam um acordo de cooperação, fornecendo auxílio ou trocando vantagens entre si: o Brasil e o Chile assinaram contratos comerciais de reciprocidade.
[Gramática] Correspondência entre duas palavras de sentidos opostos, com uma relação de conformidade mútua: alto – baixo.
[Filosofia] Capacidade intelectual que, segundo Kant, torna compreensível a relação entre dois ou mais componentes, mutuamente percebidos no espaço, de aspecto e forma integrantes.
Etimologia (origem da palavra reciprocidade). Do latim reciprocitas.atis.


Em psicologia social, reciprocidade refere-se a responder uma ação positiva com outra ação positiva, e responder uma ação negativa com outra negativa. Ações recíprocas positivas diferenciam-se de ações altruístas visto que ocorrem somente como decorrência de outras ações positivas e diferenciam-se de uma dádiva social, visto que esta não é concedida na esperança ou expectativa de respostas positivas futuras.Ações recíprocas são importantes para a psicologia social visto que ajudam a explicar a manutenção de normas sociais. Se uma significativa proporção da população interpreta a ruptura de uma norma social por parte de outrem como uma ação hostil e se estas pessoas desejam tomar uma atitude (potencialmente custosa) para punir quem infringiu a regra, isto pode assegurar a manutenção da regra na ausência de sanções formais. O ato de punição pode variar de palavras de rejeição até ao completo ostracismo social.Em experimentos com o bem público, economistas comportamentais tem demonstrado que o potencial para ações recíprocas por partes interessadas em incrementar a taxa de contribuição ao bem público, proveem evidência para a importância da reciprocidade em situações sociais.Na matemática, a teoria dos jogos descreve a reciprocidade como uma estratégia de olho por olho altamente eficiente para o dilema do prisioneiro iterado.No mundo animal, a reciprocidade foi verificada no comportamento social dos babuínos. Babuínos do sexo masculino constituem alianças uns com outros com o objetivo de distrair a atenção do macho alfa, que monopoliza as fêmeas em idade de reprodução, permitindo que outros machos copulem com elas. Os papeis são invertidos posteriormente, como “pagamento”.


bookmark_borderO que é autocontrole

autocontrole | s. m.
au·to·con·tro·le |ô| au·to·con·tro·le |ô|
(auto- + controle )
substantivo masculino

Controlo que um indivíduo tem de si mesmo. = AUTOCONTROLO, AUTODOMÍNIO


substantivo masculino Capacidade de controlar ou de ter o domínio sobre seus próprios impulsos, emoções e paixões; controle sobre si mesmo.
Controle emocional ou expressão de equilíbrio diante de; autodomínio: nunca perdi o autocontrole diante das críticas.
Etimologia (origem da palavra autocontrole). Auto + controle.


Autocontrole é a capacidade de controlar as emoções e os desejos, é a capacidade de gestão de uma pessoa para o seu futuro. Numa perspectiva behaviorista, o autocontrole corresponde a respostas controladoras aprendidas progressivamente além da seleção dos estímulos e suas contingências. Segundo Burrhus Frederic Skinner (1904 – 1990) nenhum místico ou asceta deixou de controlar o mundo em seu redor, controla-o para controlar a si mesmo ainda que seja escolhendo um estilo de vida próprio pois segundo Skinner não podemos escolher um gênero de vida no qual não haja controle, podemos tão só mudar as condições controladoras. Contudo como pondera o próprio Skinner (2003) ao dar ênfase ao poder controlador das variáveis externas, deixamos o organismo em uma posição peculiarmente desamparada limitado ao que parece ser apenas um “repertório” (um inventário de comportamentos ou etograma diriam os etólogos) de ações mais ou menos provável, à medida que o ambiente se altera. Por outro lado reconhece-se a “liberdade”, livre arbítrio ou certo grau de “autodeterminação” da conduta ao menos como cita Skinner no comportamento criador do artista, do cientista, no comportamento auto-exploratório do escritor, na autodisciplina do asceta ou, com freqüência, quando a resposta de um indivíduo tem conseqüências que provocam conflitos, ou seja, quando tem como contingência tanto o reforço positivo, quanto negativo ou punição.
Segundo esse autor, o indivíduo vem a controlar parte de seu próprio comportamento quando emite uma resposta controladora que pode manipular qualquer das variáveis das quais a resposta controlada é função; a resposta controladora afeta variáveis de maneira a mudar a probabilidade da resposta a ser controlada. Sabemos pois que o organismo pode tomar a resposta punida menos provável alterando as variáveis das quais é função. Qualquer comportamento que consiga fazer isso será automaticamente reforçado. Denominamos autocontrole estes comportamentos. (Skinner, 2003)


bookmark_borderO que é persuasão

persuasão | s. f.
per·su·a·são
nome feminino

1. Acto ou efeito de persuadir.

2. Crença, convicção.


substantivo feminino Ação de fazer com que alguém acredite ou passe a acreditar em: convenceu o chefe com o poder de persuasão de seus argumentos.
Ação de persuadir, de convencer alguém sobre alguma coisa ou fazer com que essa pessoa mude de comportamento e/ou opinião.
Que demonstra convicção; convencimento: usou de toda a sua persuasão para fazer com que o filho mudasse de ideia.
Etimologia (origem da palavra persuasão). Do latim persuasio.onis.


Persuasão é uma estratégia de comunicação que consiste em utilizar recursos emocionais ou simbólicos pra induzir alguém a aceitar uma ideia, uma atitude, ou realizar uma ação.
É o emprego de argumentos, legítimos ou não, com o propósito de conseguir que outro(s) indivíduo(s) adote(m) certa(s) linha(s) de conduta, teoria(s) ou crença(s).
Segundo Aristóteles, a retórica é a arte de descobrir, em cada caso particular, os meios disponíveis de persuasão.


bookmark_borderO que é conformidade

conformidade | s. f.
con·for·mi·da·de
(latim conformitas, -atis )
substantivo feminino

1. Qualidade do que é conforme.

2. Identidade, semelhança ou analogia.

3. Qualidade de quem se conforma com algo. = CONCORDÂNCIA, CONFORMAÇÃO, RESIGNAÇÃO, SUBMISSÃO

em conformidade • De modo conforme; de acordo com algo (ex.: esta acção é irregular e o conselho de disciplina tem de agir em conformidade; o procedimento está em conformidade com o regulamento). = CONFORMEMENTE

nesta conformidade • Segundo o disposto; em cumprimento do estabelecido.


substantivo feminino Qualidade do que se conforma, aceita ou está de acordo com; concordância: não tivemos a conformidade do chefe sobre o projeto.
Que possui uma relação de correspondência, identidade, de compatibilidade na forma, maneira, tipo, natureza: conformidade de opiniões.
Condição de subordinação ou aceitação completa; resignação: vivia em conformidade com os preceitos da igreja.
Sujeição ao que está estabelecido; obediência: conformidade com as leis.
Característica ou condição do que é harmônico, daquilo que combina com outra coisa ou pessoa; harmonia: conformidade de estilos.
expressão Em conformidade com. De modo a aceitar sem questionar: estou em conformidade com suas regras.
Etimologia (origem da palavra conformidade). Do latim conformitas.atis.


Conformidade é o ato de combinar atitudes, crenças e comportamentos para agrupar normas. Sendo a condição de alguém ou grupo de pessoas, de alguma coisa ou um ser, ou de um conjunto deles, estar conforme (do lat., com- “junto” + formare “formar”, “dar forma” = com a mesma forma) o pretendido ou previamente estabelecido por si, por outrem ou entre diferentes pessoas ou grupos de pessoas.
A conformidade pode ser, por exemplo, o atendimento às especificações prometidas a terceiros. Os consumidores esperam que os produtos comprados tenham sua qualidade em conformidade com as especificações declaradas.
Quando se trata de instituições governamentais que atuam na regulação prescritiva, estabelecendo requisitos ou exigências regulatórias para seus entes regulados, a conformidade se dará pelo atendimento destes entes àqueles requisitos ou exigências. O não atendimento das especificações ou requisitos exigíveis, pretendidos, prometidos ou previamente estabelecidos, configura o que usualmente se chama de “não conformidade”.
No relacionamento entre pessoas ou grupos, as crenças ou comportamentos de cada um ficam sujeitos à submissão, por imposição, ou à imitação, por solicitação ou pela expectativas do(s) outro(s) a uma forma, através de processos sutis de influência mútua, mesmo subconscientes ou inconscientes, ou por pressão social ou individual, direta e aberta.
Nos Sistemas da Qualidade, a conformidade se traduz pelo atendimento às especificações do produto ou processo, avaliada por meio de medições, testes ou auditorias.
Um psicólogo de Harvard, Herbert Kelman (1958), identificou três tipos principais de influência social:

Concordância: é a conformidade pública, enquanto conservamos nossas próprias crenças privadas.
Identificação: é a conformidade a alguém de quem gostamos e respeitamos, tal como uma celebridade ou um tio favorito.
Internalização: é a aceitação da crença ou comportamento, tanto pública quanto privadamente.Embora a distinção de Kelman tenha sido muito influente, as pesquisas em psicologia social têm se concentrado principalmente em duas variedades principais de conformidade:

conformidade informacional ou influência social informacional
a conformidade normativa, também conhecida por influência normativa social.Numerosos fatores, tais como tamanho do grupo, unanimidade, coesão, status, compromisso anterior e opinião pública ajudam a determinar o nível de conformidade do indivíduo em relação ao seu grupo.(Aronson, Wilson, e Akert, 2005) A conformidade contribui para a formação e a manutenção de normas sociais. [carece de fontes?]


bookmark_borderO que é conflito

conflito | s. m.
con·fli·to
(latim conflictus, -us )
nome masculino

1. Altercação, desordem.

2. Pendência.

3. Choque.

4. Embate.

5. Luta; oposição; disputa.


substantivo masculino Luta armada entre países conflitantes; guerra: o conflito entre Palestina e Israel.
Ausência de concordância, de entendimento; oposição de interesses, de opiniões; divergência: conflito entre capitalistas e socialistas.
[Por Extensão] Choque violento: conflito entre policiais e traficantes.
Discussão intensa; altercação: vivia criando conflitos com os alunos.
Oposição mútua entre as partes que disputam o mesmo direito, competência ou atribuição.
[Psicologia] Condição mental de quem apresenta hesitação ou insegurança entre opções excludentes; estado de quem expressa sentimentos de essência oposta.
[Teatro] Elemento a partir do qual a progressão narrativa tem seu início.
[Literatura] Oposição, choque de interesses, entre personagens, normalmente entre o protagonista e forças externas ou até consigo mesmo.
Etimologia (origem da palavra conflito). Do latim conflictus.us.


O conflito surge quando há a necessidade de escolha entre algumas situações que podem ser consideradas incompatíveis. Todas as situações de conflito são antagônicas e perturbaram a ação ou a tomada de decisão por parte da pessoa ou de grupos.
Podemos dizer que conflito é quando há um assunto de comum interesse entre duas ou mais pessoas, que venham a ter opiniões divergentes sobre esse tema e que não conseguem lidar com as diferentes opiniões apresentadas, vindo a gerar uma situação tal que poderá acarretar a necessária gestão do fato em litígio, pois a situação envolve expectativas, por vezes, valores e inspirações próprias.
Os conflitos fazem parte da natureza do ser humano. Eles podem ser de personalidade, interesses ou valores, muitas vezes ser ligado a confrontos. As situações de conflito nem sempre são prejudiciais, quando geridos de forma correta, o conflito pode ser tornar a força propulsora de mudanças positivas. De acordo com o dicionário Aulete, o conceito de conflito é “oposição de ideias, sentimentos ou interesses”, ou seja, o conflito é o choque entre forças contrárias ou opiniões divergentes. Onde há um grupo de pessoas, há conflito e oportunidades de mudanças.
Kurt Lewin define o conflito no indivíduo como “a convergência de forças de sentidos opostos e igual intensidade, que surge quando existe atração por duas valências positivas, mas opostas (desejo de assistir a uma peça de teatro e a um filme exibidos no mesmo horário e em locais diferentes); ou duas valências negativas (enfrentar uma operação ou ter o estado de saúde agravado); ou uma positiva e outra negativa, ambas na mesma direção (desejo de pedir aumento salarial e medo de ser demitido por isso)”.
Salvatore Maddi classifica as teorias da personalidade segundo três modelos, um dos quais o de conflito. Esse modelo supõe que a pessoa esteja permanentemente envolvida pelo choque de duas grandes forças antagônicas, “que podem ser exteriores ao indivíduo (conflito entre indivíduo e sociedade) ou intrapsíquicas (forças conflitantes do interior do indivíduo que se dão, por exemplo, entre os impulsos de separação, individuação e autonomia e os impulsos de integração, comunhão e submissão)”.
O conflito, no entanto, pode ter efeitos negativos como positivos, mas em certos casos e circunstâncias, como fator motivacional da atividade criadora.
Em 2016 foi editado na Austrália, um livro bilíngue (em português e inglês) com um Ensaio recomendável onde também se aborda a problemática da Tolerância e cujo título é “Será Paz uma Ilusão?” – um estudo e resumo de uma Tese acadêmica sobre Conflitualidade – “Avaliação Matemática da Conflitualidade entre Pré-Beligerantes” de autoria do Politólogo e Jurisconsulto Luis Arriaga, atualmente a viver em Brisbane – Queensland – AUSTRÁLIA.
O conflito em algumas escolas da sociologia é enxergado como o desequilíbrio de forças do sistema social que deveria estar em repouso, isto é, equilibrado, quanto à forças que o compõe. Segundo esta teoria, não se enxerga mais o grupo como uma relação harmônica entre órgãos, não suscetíveis de interferência externa.
Os conflitos, para ter uma solução pacífica, devem ter todos os meios possíveis de negociação de controvérsias, estas, precisam ser executadas com diplomacia, bons ofícios, arbitragem e conciliação.
Na sociedade os conflitos podem ser considerados com o suposto “dualismo” que há na mesma. Este dualismo manifesta-se através das opiniões aderidas pelas pessoas em questões ideológicas, filosóficas e tudo o que tange a abordagem de formulação de opiniões e crenças sobre o que pode ser definido como certo e o que é errado. Desta forma cabe a nós decidirmos qual posicionamento tomar e respeitar a opinião do próximo.


bookmark_borderO que é atitude

atitude | s. f.
a·ti·tu·de
(italiano attitudine )
substantivo feminino

1. Modo de ter o corpo. = POSE, POSIÇÃO, POSTURA

2. Demonstração de uma intenção (pelo gesto ou postura do corpo).

3. Modo de proceder. = COMPORTAMENTO

4. Aspecto .


substantivo feminino Maneira de se comportar, agir ou reagir, motivada por uma disposição interna ou por uma circunstância determinada; comportamento: qual foi a atitude do diretor em relação ao aluno? Demonstrou uma atitude irônica.
Modo que indica a posição do corpo; postura: policiais em atitude de combate.
Objetivo, desejo: atitude de decepcionar alguém.
Comportamento repleto por afetação.
[Por Extensão] Aeronáutica. Circunstância ou disposição de uma aeronave (foguete, míssil, satélite etc.) caracterizada pela elevação do eixo em comparação ao ponto de referência.
Etimologia (origem da palavra atitude). Do italiano attitude.


Atitude (psicologia) designa em psicologia a disposição ligada ao juízo de determinados objetos da percepção ou da imaginação – ou seja, a tendência de uma pessoa de julgar tais objetos como bons ou maus, desejáveis ou indesejáveis. A atitude se diferencia da postura pelo maior grau de concretude dos objetos a que se refere – assim, o limite entre esses dois construtos não é claro. Como no caso das posturas, há grande dificuldade na busca de uma classificação abrangente de todas as atitudes possíveis, pois os objetos a que uma atitude se pode referir são muito heterogêneos e concretos.Atitude foi objeto de estudo sobretudo da psicologia social e em suas subdisciplinas mais aplicadas: na psicologia política (ex. atitude em relação a determinados programas e partidos políticos), na psicologia da propaganda (atitudes em relação a produtos) e na psicologia da saúde (atitude com relação a comportamentos ligados à saúde – como fumar ou beber). A psicologia experimental dedicou-se sobretudo à pesquisa de um tipo especial de atitudes ligadas a grupos de pessoas: o preconceito.


bookmark_borderO que é crime organizado

substantivo masculino Organização criminosa altamente estruturada, gerida como uma empresa, voltada para a prática de atividades ilegais, geralmente com o objetivo de obter vantagens financeiras; as principais atividades econômicas destas organizações são o tráfico de drogas, tráfico de armas, tráfico de pessoas, redes de prostituição, contrabando e extorsão.


Crime organizado ou organização criminosa são termos que caracterizam grupos transnacionais, nacionais ou locais altamente centralizados e geridos por criminosos, que pretendem se envolver em atividades ilegais, geralmente com o objetivo de lucro monetário. Algumas organizações criminosas, tais como organizações terroristas, são motivadas politicamente. Às vezes, essas organizações forçam as pessoas a estabelecer negócios com elas, como quando uma quadrilha extorque dinheiro de comerciantes por “proteção”.Outros tipos de organizações — incluindo Estados, militares, forças policiais e empresas — podem, por vezes, usar métodos do crime organizado para alcançar seus interesses, mas seus poderes derivam de sua condição de instituições sociais formais. Há uma tendência para distinguir o crime organizado de outras formas de crimes, como crimes financeiros, políticos, de guerra, governamentais, entre outros. Esta distinção nem sempre é evidente e ainda há debate acadêmico sobre o assunto. Por exemplo, em Estados falidos, que não podem mais realizar funções sociais básicas, como infraestrutura, educação ou segurança — geralmente devido a grupos rebeldes ou extrema pobreza — o crime organizado, a governança e a guerra são muitas vezes fatores complementares entre si. O termo “mafiocracia parlamentar” é muitas vezes atribuído a países democráticos cujas instituições políticas, sociais e econômicas estão sob o controle de poucas famílias e/ou oligarquias empresariais.Nos Estados Unidos, a Lei de Controle do Crime Organizado (1970) define o crime organizado como “atividades ilegais de […] uma associação altamente organizada e disciplinada […]”. No Reino Unido, a polícia estima que o crime organizado envolva até 38 mil pessoas que operam em mais de seis mil grupos. Além disso, devido à escalada de violência da guerra contra o narcotráfico no México, os cartéis locais são considerados a “maior ameaça do crime organizado para os Estados Unidos”, de acordo com um relatório divulgado pelo Departamento de Justiça norte-americano. No Brasil, a maior organização criminosa é o Primeiro Comando da Capital (PCC), que atua principalmente no estado de São Paulo.


bookmark_borderO que é estereótipo

estereótipo | s. m. Será que queria dizer estereotipo?
es·te·re·ó·ti·po
(estereo- + -tipo )
substantivo masculino

1. [Artes gráficas]   [Artes gráficas]   Chapa obtida pela fusão de chumbo numa matriz ou numa impressão. = CLICHÉ

2. Trabalho feito com essa chapa.

3. Ideia, conceito ou modelo que se estabelece como padrão.

4. Ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial. = PRECONCEITO

5. Coisa que não é original e se limita a seguir modelos conhecidos. = LUGAR-COMUM

6. [Patologia]   [Patologia]   Comportamento ou discurso caracterizado pela repetição automática de um modelo anterior, anónimo ou impessoal, e desprovidas de originalidade e da adaptação à situação presente. = ESTEREOTIPIA


substantivo masculino Padrão estabelecido pelo senso comum e baseado na ausência de conhecimento sobre o assunto em questão.
Concepção baseada em ideias preconcebidas sobre algo ou alguém, sem o seu conhecimento real, geralmente de cunho preconceituoso ou repleta de afirmações gerais e inverdades.
Algo desprovido de originalidade e repleto de clichês.
Comportamento desprovido de originalidade que, faltando adequação à situação presente, se caracteriza pela repetição automática de um modelo anterior, anônimo ou impessoal.
[Artes Plásticas] Forma de impressão em que os caracteres estão fixos e estáveis, clichê, matriz.
Que se adapta ao padrão de uma normalidade já fixada.
Etimologia (origem da palavra estereótipo). Estereo + tipo.


Estereótipo é o conceito ou imagem preconcebida, padronizada e generalizada estabelecida pelo senso comum, sem conhecimento profundo, sobre algo ou alguém.Estereótipo é usado principalmente para definir e limitar pessoas quanto a aparência (cor da pele, tipo de vestimentas, uso de acessórios, etc), naturalidade (região ou país de origem) e comportamento (religião, cultura, crença, nível de educação, etc).


bookmark_borderO que é vitimologia

vitimologia | s. f.
vi·ti·mo·lo·gi·a
(vítima + -o- + -logia )
nome feminino

Estudo dos efeitos de um crime ou de uma situação sobre a vítima, nomeadamente a nível psicológico.


substantivo feminino Ramo da criminologia que se interessa pela personalidade das vítimas de crimes ou delitos, por seu estatuto psicossocial.


Vitimologia é o estudo da vítima em seus diversos planos. Estuda-se a vítima sob um aspecto amplo e integral: psicológico, social, econômico, jurídico.