bookmark_borderO que é tutoria

tutoria | s. f.
tu·to·ri·a
(tutor + -ia )
nome feminino

1. Cargo ou autoridade de tutor. = TUTELA

2. Instituição oficial para protecção de menores.

3. [Figurado]   [Figurado]   Protecção ; amparo.


substantivo feminino Direito Autoridade legal para exercer a função de tutor.
Poder de tutor, tutela.
[Figurado] Proteção, amparo, defesa.


A tutoria, também chamada de mentoring, é um método muito utilizado para efetivar uma interação pedagógica. Os tutores acompanham e comunicam-se com seus alunos de forma sistemática, planejando, dentre outras coisas, o seu desenvolvimento e avaliando a eficiência de suas orientações de modo a resolver problemas que possam ocorrer durante o processo.
Uma de suas aplicações, por exemplo, pode ser dentro do processo pedagógico aplicado em instituições educacionais, onde exista a tendência de desistência do aluno frente aos desafios encontrados. Neste caso, o contato com o aluno começa pelo conhecimento de toda a estrutura do curso e é necessário que o acompanhamento ocorra com frequência regular, de forma rápida e eficaz.


bookmark_borderO que é letramento

letramento | s. m.
le·tra·men·to
(letra + -ar + -mento )
nome masculino

1. Conjunto de conhecimentos de escrita e leitura adquiridos na escola. = ALFABETIZAÇÃO

2. Capacidade de ler e de escrever ou de interpretar o que se escreve. = LITERACIA ≠ ALITERACIA, ILITERACIA


substantivo masculino Processo pedagógico de aquisição e domínio da capacidade de ler, escrever e interpretar textos; alfabetização: o nível de letramento dos alunos.
Ação ou efeito de escrever; escrita.
Etimologia (origem da palavra letramento). De letra + mento.


Apesar de ainda não haver um consenso em torno desse conceito, uma decorrência natural de sua complexidade, Compreende-se por letramento (português brasileiro) ou literacia (português europeu) o resultado da ação de ler e escrever, entendendo a linguagem como prática social. mesmo levando-se em conta que no início dos estudos associados ao tema ter havido uma considerável associação com a ideia de “alfabetização”, de modo que o letramento era percebido como mera aquisição das habilidades de ler e escrever. Com o passar dos anos e o avanço das pesquisas, a noção de letramento se amplia para prática social e ideológica, abrangendo a escrita, o indivíduo e a sociedade.Desse modo, os sujeitos apropriam-se da escrita, criticamente, com a finalidade de interagirem e agirem nos diversos contextos sociais. A prática, nesse contexto, é um fenômeno social que não se limita somente ao espaço e às relações escolares, como era visto na percepção primeira de letramento como “alfabetização”, mas abrange uma nova visão sobre as modalidades de leitura e escrita. Isto é, não somente ler e escrever, mas fazer uso dessas habilidades em diversas situações, incluindo as práticas sociais fora da escola. Esse conceito vai de encontro ao pensamento que se tinha antigamente (e que muitos ainda têm) a respeito do significado de letramento ser o sinônimo de alfabetização.No entanto, a partir do momento em que as práticas de linguagens surgiram em ambientes digitais, passou-se a considerá-las como novas linguagens que exigem novas maneiras de agir e de pensar: novos letramentos.
Nesse contexto, surge um novo sentido para o adjetivo letrado, que significava apenas aquele que é versado em letras ou literatura; literato, letrado. Entretanto, a partir do desenvolvimento dos estudos de letramento, letrado passa a ser o sujeito que domina as práticas de leitura e escrita. Não sendo aquele que só sabe ler e escrever (atributo daquele que é alfabetizado), mas quem também faz uso competente e frequente da leitura e da escrita, uma vez que o indivíduo letrado apropria-se da escrita. Fala-se, desse modo, no letramento como ampliação do sentido de alfabetização e como prática social que favorece, por parte dos sujeitos, a interpretação e produção social de discursos, bem como a compreensão de seus engajamentos em eventos e práticas de letramento. Assim, pode-se dizer que há um contínuo entre alfabetização e letramento, de modo que a proposta é que se alfabetize letrando.Os estudos do letramento possuem dois enfoques importantes de compreensão, os quais visam a entender as práticas sociais de linguagem, na perspectiva autônoma e na ideológica. O letramento autônomo está atrelado, em especial, a questões técnicas, isto é, não leva em consideração os aspectos contextuais das práticas, tendendo, assim, à funcionalidade e aos aspectos formais da língua. Assim, nesse modelo, o foco se dá às capacidades individuais no âmbito da técnica, quando da produção e compressão de texto. Por outro lado, o letramento ideológico, por sua vez e diferentemente do viés autônomo, compreende o contexto como um elemento importante, uma vez que se entende que as práticas de linguagem estão ancoradas em estruturas culturais e de poder, pois estas são sócio e historicamente situadas. Portanto, compreender o sujeito letrado por meio da última perspectiva, é entender que ele faz uso social da leitura e escrita, e não apenas codifica e decodifica, mas vai além, compreende os variados contextos de produção de sentido, fortifica suas identidades e é agente ativo na promoção de uma mudança social. Nesse contexto, é necessário, ainda, fazer diferenças e aproximações entre o que se chama de eventos e práticas de letramento.


bookmark_borderO que é professor

professor | s. m. | adj. s. m. | adj.
pro·fes·sor |ô| pro·fes·sor |ô|
(latim professor, -oris )
nome masculino

1. Aquele que ensina uma arte, uma actividade , uma ciência, uma língua, etc.; aquele que transmite conhecimentos ou ensinamentos a outrem.

2. Pessoa que ensina em escola, universidade ou noutro estabelecimento de ensino. = DOCENTE

3. [Figurado]   [Figurado]   Entendido, perito.adjectivo e nome masculino adjetivo e nome masculino

4. Que ou aquele que professa uma religião ou uma crença.adjectivo adjetivo

5. Que ensina.


substantivo masculino Indivíduo que ensina, ministra disciplinas, matérias, numa escola ou universidade; docente: adoro meu professor de geografia.
Aquele cuja especialização ou formação acadêmica é ensinar; mestre.
[Figurado] Quem sabe muito sobre um assunto ou coisa; perito.
Quem professa uma crença ou religião.
adjetivo Que possui título de professor ou se especializou na área do ensino.
Etimologia (origem da palavra professor). Do latim professor.oris.


Professor ou docente é uma pessoa que ensina ciência, arte, técnica ou outros conhecimentos. Para o exercício dessa profissão, requer-se qualificações académicas e pedagógicas, para que consiga transmitir/ensinar da melhor forma possível ao aluno.
É uma das profissões mais importantes, tendo em vista que as demais, na sua maioria, dependem dela. Já Platão, na sua obra A República, alertava para a importância do papel do professor na formação do cidadão.O Dia Mundial dos Professores celebra-se a 5 de Outubro. No Brasil, o Dia do Professor é dez dias depois, em 15 de Outubro.


bookmark_borderO que é interdisciplinaridade

interdisciplinaridade | s. f.
in·ter·dis·ci·pli·na·ri·da·de
(interdisciplinar + -idade )
substantivo feminino

Qualidade do que é interdisciplinar. = TRANSDISCIPLINARIDADE


substantivo feminino Qualidade do que é interdisciplinar, comum a duas ou várias disciplinas: há interdisciplinaridade quando o professor de biologia trabalha juntamente com o de química.
Capaz de estabelecer relações entre duas ou mais disciplinas, ou áreas do conhecimento, com o intuito de melhorar o processo de aprendizagem, estreitando a relação entre professor e aluno.
Etimologia (origem da palavra interdisciplinaridade). Inter + disciplina + idade.


A interdisciplinaridade parte da palavra “interdisciplinar”, que tem, como conceito, o que é um comum a duas ou a mais disciplinas. Diz respeito ao processo de ligação entre as disciplinas. Sendo assim, interdisciplinaridade é uma proposta onde a forma de ensinar leva em consideração a construção do conhecimento pelo aluno. Ela é uma prática que não dilui as disciplinas no contexto escolar, mas que amplia o trabalho disciplinar na medida em que promove a aproximação e a articulação das atividades docentes numa ação coordenada e orientada para objetivos bem definidos.
Voltada para a formação do indivíduo, a interdisciplinaridade propõe a capacidade de dialogar com as diversas ciências, fazendo entender o saber como um todo, e não como partes ou fragmentações. Trata-se de um movimento, um conceito e uma prática que está em processo de construção e desenvolvimento dentro das ciências e do ensino das ciências, sendo, estes, dois campos distintos nos quais a interdisciplinaridade se faz presente. Assim, interdisciplinaridade é parte de um movimento que busca a superação da disciplinaridade.
Definir um objeto que está em construção, coexistindo com aquele que o estuda, é uma tarefa difícil e até certo ponto parcial, uma vez que este objeto está se transformando e se alterando. Assim, toda discussão sobre interdisciplinaridade é passível de análise comparativa com o material contemporâneo sobre o tema até que este esteja melhor desenvolvido e articulado, muito mais pela prática do que pela teoria, uma vez que a interdisciplinariedade esta acontecendo, e a partir disso, uma teoria tem sido desenvolvida.
Um estudo epistemológico é proveitoso para a delimitação do tema. Existem quatro palavras que são particularmente relacionadas entre si e todas delimitam uma abordagem científica e educacional. Pluridisciplinaridade, multidisciplinaridade, “interdisciplinaridade” e transdisciplinaridadeː o que há em comum nestas palavras é a palavra disciplina, que deve ser entendida como aquelas “fatias” dos estudos científicos e das disciplinas escolares, tais como matemática, biologia, ciências naturais, história etc. e de um esforço em superar tudo o que está relacionado ao conceito de disciplina.


bookmark_borderO que é implícito

implícito | adj.
im·plí·ci·to
adjectivo adjetivo

1. Incluído, contido (ainda que não expressado), subentendido.

2. [Gramática]   [Gramática]   Diz-se da oração que numa só palavra encerra todos os elementos.


adjetivo Aquilo que não se expressa de modo claro ou explícito, mas que pode ser deduzido facilmente: deixou implícito na carta seu interesse por ela.
Aquilo que se manifesta mais por ações do que por palavras: convite implícito.
Etimologia (origem da palavra implícito). Do latim implicitus,a,um; enlaçado, entrelaçado.


Em um texto, existem informações e sentidos que não são percebidos pelo significado das expressões usadas nas frases, mas sim por dados do contexto em que o texto está inserido, e mesmo por dados fornecidos pelo próprio texto. Essas informações recebem o nome de implícitos, e são fundamentais para a boa e correta interpretação e compreensão do texto.
Entender as informações implícitas no texto permite ao leitor uma leitura mais aberta e eficiente. Saindo da superfície do texto e levando o leitor para além do que foi escrito.


bookmark_borderO que é disciplina

disciplina | s. f. | s. f. pl. 3ª pess. sing. pres. ind. de disciplinar 2ª pess. sing. imp. de disciplinar
dis·ci·pli·na
(latim disciplina, -ae )
substantivo feminino

1. Conjunto de leis ou ordens que regem certas colectividades .

2. Obediência a um conjunto de regras explícitas ou implícitas. ≠ INDISCIPLINA

3. Submissão e obediência à autoridade.

4. Acção dirigente de um mestre.

5. Área do conhecimento que é objecto de estudo ou de ensino escolar. = CADEIRA

6. Instrução, educação ou ensino.
disciplinassubstantivo feminino plural

7. [Religião]   [Religião]   Conjunto de tiras ou correias usadas para flagelação. = SUPLÍCIOS

tomar disciplina • [Religião]   • [Religião]   Flagelar-se.
dis·ci·pli·nar dis·ci·pli·nar – Conjugar
(disciplina + -ar )
verbo transitivo

1. Sujeitar à disciplina.

2. Corrigir; ensinar.

3. Castigar com disciplinas. = AÇOITARverbo pronominal

4. Submeter-se a uma disciplina.

5. Açoitar-se.adjectivo de dois géneros adjetivo de dois géneros

6. Que diz respeito à disciplina.

7. Que pretende castigar ou sujeitar à disciplina (ex.: medidas disciplinares).


substantivo feminino Obediência aos preceitos, às regras: este trabalho pede disciplina.
[Por Extensão] Modo de agir que demonstra constância, métodos: a disciplina era necessária para conseguir aquele trabalho.
Respeito a um regulamento; submissão ou respeito às regras, às normas, àqueles que são seus superiores etc: disciplina ideológica.
Matéria ensinada na escola, em faculdades: não tenho disciplinas esse ano.
Boa conduta: certos alunos têm uma péssima disciplina.
Regulamentação que garante a satisfação de indivíduos ou instituições.
Conjunto dos regulamentos destinados a manter a boa ordem em qualquer assembleia ou corporação; a boa ordem resultante da observância desses regulamentos: a disciplina militar.
[Botânica] Designação comum de espelina (planta medicinal).
Etimologia (origem da palavra disciplina). Do latim disciplína.


Disciplina (do latim disciplina), disciplina científica, académica (pt) ou acadêmica (pt-BR) designam um determinado ramo do conhecimento. No âmbito escolar, designa um conjunto de aulas aos quais os alunos assistem e sobre as quais eles serão examinados, podendo ser aprovados ou não. Como campos específicos de saber, as disciplinas se referem aos mais diversos âmbitos de produção de conhecimento ou campos de práticas, muitas delas também inseridas como cursos.
Neste sentido mais geral, podem ser consideradas disciplinas âmbitos de estudo como a História, a Geografia, Antropologia, Sociologia — para mencionar disciplinas relacionadas à grande área das ciências humanas — ou como a Física, Química, Medicina, Engenharia, Biologia, Oceanografia e inúmeras outras — pertinentes às chamadas ciências exatas e ciências naturais. Tal como assinala José D’Assunção Barros em um artigo intitulado “Disciplinas: entendendo como funcionam os campos de saber”, todas as disciplinas são históricas, no sentido de que foram inventadas pelos seres humanos e precisam ser constantemente reinventadas para continuarem existindo. Segundo o autor, “existem inúmeras dimensões reciprocamente implicadas para a formação e continuidade de uma disciplina: a produção de instâncias teóricas e metodológicas, a constituição de uma linguagem comum entre os seus praticantes, a definição e constante redefinição de seus objetos de estudo, uma singularidade que as diferencia de outros saberes, uma complexidade gradual interna que termina por gerar novas modalidades no interior da disciplina, e, por fim, o mais importante: a rede humana que a constitui este ou aquele campo de saber em especial”.Quando cada um destes aspectos está bem desenvolvido, tem-se uma disciplina bem constituída, o que se reflete frequentemente em outros desdobramentos, como a formação de uma comunidade científica partilhada pelos diversos praticantes do campo disciplinar, a inserção do campo no âmbito dos cursos de graduação, a fundação e manutenção de revistas científicas especializadas no campo, a ocorrência constante de congressos frequentados pelos praticantes do campo disciplinar em questão, a criação de instituições que representam os profissionais do campo de saber, e assim por diante.