bookmark_borderO que é disposição

disposição | s. f.
dis·po·si·ção
(latim dispositio, -onis )
substantivo feminino

1. Acto ou efeito de dispor ou de se dispor.

2. Maneira como as coisas ou pessoas estão distribuídas, colocadas ou situadas. = ARRANJO, COLOCAÇÃO, ORDEM

3. Estado de saúde ou de ânimo (ex.: boa disposição, má disposição; não tenho disposição mental para fazer isto hoje).

4. Predisposição, tendência ou habilidade para algo (ex.: disposição para as artes). = QUEDA

5. Intenção (ex.: estava na disposição de ceder a sua posição).

6. Desembaraço.

7. Ordem, regra.

8. Determinação ou preceito legal (ex.: disposições legais).

9. Emprego, uso (ex.: previu a disposição dos bens depois da morte).

10. Senhorio, domínio.

11. Presença, aspecto , ar.

12. [Retórica]   [Retórica]   Parte da retórica relativa à organização do discurso.

à disposição • Em situação ou estado para ser usado ou ser útil (ex.: bens colocados à disposição do adquirente; estamos à sua disposição). = AO DISPOR


substantivo feminino Modo como algo está distribuído ou organizado; arranjo.
Condição física ou espiritual: tinha boa disposição para o trabalho.
Tendência natural que leva alguém a fazer alguma coisa; inclinação vocacional: não tinha disposição para a matemática.
Boa condição mental ou física: disposição para praticar esportes.
[Jurídico] Expressão dos desejos de outrem; prescrição regulamentar; preceito, ordem: disposição legal.
[Jurídico] Obrigação legal para; determinação: disposições legais.
[Jurídico] Cada um dos preceitos ou cláusulas de um acordo ou contrato.
Ação ou efeito de dispor, de arranjar, organizar.
expressão À disposição. Estar pronto para auxiliar, ajudar: estou à disposição.
Ter à sua disposição. Ter ao seu alcance, poder dispor de: tenho muitos livros à minha disposição.
Etimologia (origem da palavra disposição). Do latim dispositio.onis.


Em psicologia, disposição designa a tendência, relativamente estável no tempo, que uma pessoa apresenta de se comportar de determinada maneira em determinadas situações. Uma disposição se diferencia, no entanto, do simples comportamento: este se modifica constantemente e é imediatamente observável, enquanto aquela é uma característica ou traço de personalidade que se infere a partir da observação da regularidade de determinado comportamento de uma pessoa. O conceito de disposição é, assim, central para a psicologia da personalidade.
Asendorpf (2004) amplia esse conceito de “disposição comportamental” e apresenta, baseado na heterogênea literatura da psicologia da personalidade, uma classificação das disposições:
Disposições de comportamento (em sentido amplo) (ex. temperamento);
Disposições ligadas à ação – referem-se a comportamentos que são realizados de maneira voluntária, deliberada ou intencional;
Disposições de valoração ou juízo – referem-se à tendência de a pessoa julgar determinadas ações, objetos, objetivos, pensamentos de determinada maneira em determinadas situações;
Disposições voltadas à própria pessoa (a si-mesmo) – refere-se à tendência de a pessoa ver e julgar a si mesma em determinadas situações.Esses diferentes tipos de disposições são tratadas com maior detalhe no artigo personalidade.


bookmark_borderO que é autoestima

auto-estima autoestima auto-estima autoestima | s. f.
au·to·-es·ti·ma au·to·es·ti·ma au·to·-es·ti·ma au·to·es·ti·ma
(auto- + estima )
nome feminino

Apreço ou valorização que uma pessoa confere a si própria, permitindo-lhe ter confiança nos próprios actos e pensamentos.Plural: auto-estimas.• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: autoestima. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:auto-estima. • Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990:autoestima. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:auto-estima


substantivo feminino Qualidade de quem se valoriza, está satisfeito com seu modo de ser, com sua forma de pensar ou com sua aparência física, expressando confiança em suas ações e opiniões.
Etimologia (origem da palavra autoestima). Auto + estima.


Em psicologia, autoestima (pré-AO 1990: auto-estima) inclui uma avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si mesma como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau. A autoestima envolve tanto crenças autossignificantes (por exemplo: “eu sou competente/incompetente”, “eu sou benquisto/malquisto”) e emoções autossignificantes associadas (por exemplo: triunfo/desespero, orgulho/vergonha). Também encontra expressão no comportamento (por exemplo: assertividade/temeridade, confiança/cautela).
Se define, como William James (1892), o “si mesmo” como o conhecimento que o indivíduo tem de si próprio, pode-se dividir esse conhecimento em dois componentes distintos: um descritivo, chamado autoimagem, e outro valorativo, que se designa autoestima. Outros dois termos são muitas vezes usados como sinônimos de autoestima: autoconfiança e autoaceitação. Uma análise mais aprofundada desses termos indicam, no entanto, uma sutil diferença de uso: autoconfiança refere-se quase sempre à competência pessoal e é definida por Potreck-Rose e Jacob (2006) como a convicção que uma pessoa tem de ser capaz de fazer ou realizar alguma coisa, enquanto autoestima é um termo mais amplo, incluindo, por exemplo, conceitos sobre as próprias qualidades etc. Autoaceitação, por outro lado, é um termo ligado ao conceito de “aceitação incondicional” da abordagem centrada na pessoa de Carl Rogers e indica uma aceitação profunda de si mesmo, das próprias fraquezas e erros. A autoestima, a autoconfiança e a autoaceitação tendem a estar intimamente ligadas e se influenciam mutuamente. O significado prático dessa inter-relação será tratado mais abaixo (ver abaixo “Psicoterapia para baixa autoestima”).
Entende-se por autoestima a avaliação que a pessoa faz de si mesma; expressa uma atitude de aprovação ou de repulsa e até que ponto ela se considera capaz, significativa, bem-sucedida e valiosa para si e para o meio em que vive. Conforme entendimento de Coopersmith (1967), trata-se tanto do juízo pessoal de valor expresso nas atitudes que o indivíduo tem consigo mesmo, quanto de uma experiência subjetiva que pode ser acessível às pessoas através de relatos verbais e comportamentos observáveis.
Segundo Branden (2000), autoestima é a disposição para experimentar a si mesmo como alguém competente para lidar com os desafios básicos da vida e ser merecedor da felicidade.


bookmark_borderO que é personalidade

personalidade | s. f.
per·so·na·li·da·de
nome feminino

1. Carácter ou qualidades próprias da pessoa.

2. Individualidade consciente.

3. Pessoa conhecida devido às suas funções, à sua influência, etc.


substantivo feminino Pessoalidade; qualidade ou estado de existir como pessoa.
As características próprias e particulares que definem moralmente uma pessoa.
[Por Extensão] Celebridade; alguém que possui relevância social, cultural, artística etc.
Os traços próprios e distintivos que diferenciam algo ou alguém de outra coisa ou pessoa.
Imagem; aspecto que uma pessoa demonstra e assume de maneira pública ou o que faz parte do caráter de alguém, segundo a opinião alheia.
[Psicologia] Reunião dos aspectos ou das características psíquicas que, analisados de modo único, diferenciam um indivíduo, normalmente tendo em conta aspectos sociais.
Etimologia (origem da palavra personalidade). Do latim personalitas.atis.


Personalidade é o conjunto de características psicológicas que determinam os padrões de pensar, sentir e agir, ou seja, a individualidade pessoal e social de alguém. A formação da personalidade é processo gradual, complexo e único a cada indivíduo. O termo é usado em linguagem comum com o sentido de “conjunto das características marcantes de uma pessoa”, de forma que se pode dizer que uma pessoa “não tem personalidade”; esse uso no entanto leva em conta um conceito do senso comum e não o conceito científico aqui tratado.
O presente artigo descreve uma série de características que foram tratadas como componentes da personalidade. Para uma introdução às diferentes teorias que procuram explicar o desenvolvimento e a estrutura da personalidade, ver o artigo Teoria da personalidade.


bookmark_borderO que é caráter

carácter caráter ou carácter caráter | s. m.
ca·rác·ter |át| ou |áct | ca·rá·ter |át| ou ca·rác·ter |áct| ca·rá·ter |át|
(latim character, -eris, sinal, marca )
substantivo masculino

1. O que faz com que os entes ou objectos se distingam entre os outros da sua espécie.

2. Marca, cunho, impressão.

3. Propriedade.

4. Qualidade distintiva.

5. Índole, génio .

6. Firmeza.

7. Dignidade.

8. [Artes gráficas]   [Artes gráficas]   Molde de letra escrita.

9. Sinal, figura ou símbolo usado na escrita.

10. [Artes gráficas]   [Artes gráficas]   Tipo de imprensa. = LETRA

11. Sinal de abreviatura.

12. [Medicina]   [Medicina]   Aspecto .

carácter recessivo • [Genética]   • [Genética]   Carácter hereditário ou gene que se manifesta pela ausência do gene contrário, chamado dominante.

caracteres antropomórficos • Aqueles que são ornamentados com desenhos representando figuras humanas.

caracteres góticos • Aqueles que se empregaram nos primeiros ensaios tipográficos.

caracteres sexuais • Conjunto das manifestações anatómicas e fisiológicas determinadas pelo sexo. (Distinguem-se os caracteres sexuais primários [órgãos genitais] e os caracteres sexuais secundários [pilosidade (barba, etc.), adiposidade, voz], especiais de cada sexo.)Plural: caracteres. Plural: caracteres .
Ver também dúvida linguística: singular de caracteres.
• Dupla grafia pelo Acordo Ortográfico de 1990: caráter ou carácter. • Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990:carácter.
• Grafia no Brasil: caráter. • Grafia em Portugal:carácter.


substantivo masculino Caracterização do próprio sujeito; índole, temperamento, personalidade.
Formação moral; honestidade: homem de caráter.
Conjunto de características que, sendo boas ou más, distinguem uma pessoa, um povo; traço distintivo: o caráter do povo brasileiro.
Modo de ser, de parecer; cunho, aparência, ar, feição: missão em caráter oficial; doença de caráter grave.
Sinal utilizado na escrita, letra, número; caractere.
[Biologia] Refere-se ao aspecto fisiológico ou morfológico usado para diferenciar os seres, em diferentes espécies ou numa mesma espécie.
[Psicologia] Reunião de caracteres psicológicos comuns que compõem um indivíduo ou um grupo de pessoas: tratavam-se de pessoas de caráter duvidoso.
[Psicologia] Conjunto coerente de respostas dadas por um indivíduo a uma série de testes e que permite, por comparação estatística, situá-lo numa categoria determinada.
[Religião] Marca de teor espiritual contida na alma e definida através do sacramento do batismo, da crisma e da ordem.
Etimologia (origem da palavra caráter). Do grego kharaktér.


Brasil: Caráter /Portugal: carácter é um termo usado em psicologia como sinônimo de personalidade. Em linguagem comum o termo descreve os traços morais da personalidade. Muitas pessoas associam o caráter a uma característica relacionada à Genética, o que não ocorre. O caráter de uma pessoa é algo independente de sua referência genética.
As escolas da caracterologia alemã e franco-holandesa esforçaram-se por dar aos dois termos (personalidade e caráter) um significado diferente, sem que, no entanto, se chegasse a um consenso. René Le Senne, por exemplo, propõe a seguinte distinção: Caráter refere-se ao conjunto de disposições congênitas, ou seja, que o indivíduo possui desde seu nascimento e compõe, assim, o esqueleto mental do indivíduo; já personalidade, é definida como o conjunto de disposições mais “externas”, como que a “musculatura mental” – todos os elementos constitutivos do ser humano que foram adquiridos no correr da vida, incluindo todos os tipos de processo mental.